CAR­TAS DO LEI­TOR

Jornal de Angola - - OPINIÃO - EN­GRÁ­CIA AL­FRE­DO MÁ­RIO LU­CAS ÂN­GE­LA DA CON­CEI­ÇÃO ARMINDO AN­TÓ­NIO

Aca­de­mia de Pes­cas

É po­si­ti­vo que se es­te­ja de no­vo a pres­tar aten­ção às Pes­cas, um sec­tor de que se fa­la­va pou­co, em ter­mos de gran­des in­ves­ti­men­tos. Sei que as Pes­cas já ti­ve­ram um pe­so con­si­de­rá­vel na eco­no­mia do país, e im­por­ta que se con­ti­nue a dar im­por­tân­cia a um sec­tor que po­de con­tri­buir pa­ra a cri­a­ção de em­pre­gos e pa­ra o com­ba­te à po­bre­za.

Es­tou sa­tis­fei­to com o fac­to de se es­tar a cons­truir nas pro­vín­cia do Na­mi­be uma Aca­de­mia de Pes­cas e de Ci­ên­ci­as do Mar. Acre­di­to que com es­ta aca­de­mia mui­ta coi­sa po­de­rá mu­dar no sec­tor das Pes­cas. Es­pe­ro que os jo­vens an­go­la­nos se in­te­res­sem pe­las Pes­cas, in­do es­tu­dar àque­la aca­de­mia, a fim de po­de­rem con­tri­buir, com os seus co­nhe­ci­men­tos, pa­ra o cres­ci­men­to da nos­sa eco­no­mia.

Te­mos va­li­o­sos re­cur­sos ma­ri­nhos, e foi acer­ta­da a ini­ci­a­ti­va de se ins­ta­lar no Na­mi­be, que tem lon­ga tra­di­ção ao ní­vel das pes­cas, uma aca­de­mia pa­ra for­mar qua­dros an­go­la­nos em vá­ri­as es­pe­ci­a­li­da­des. Sou­be que An­go­la já ex­por­tou no pas­sa­do pa­ra paí­ses de di­fe­ren­tes con­ti­nen­tes fa­ri­nha de pei­xe e pei­xe se­co. Que An­go­la vol­te a ter ele­va­da pro­du­ção ao ní­vel das Pes­cas, pa­ra con­su­mo in­ter­no e pa­ra a ex­por­ta­ção. têm co­mo re­cur­sos as su­as be­le­zas na­tu­rais e ti­ram dis­so o má­xi­mo pro­vei­to, pa­ra a ar­re­ca­da­ção de re­cei­tas. Há exem­plos no mun­do de paí­ses que vi­vem qua­se ex­clu­si­va­men­te da in­dús­tria tu­rís­ti­ca.

An­go­la po­de ser um país de des­ti­no de mui­tos tu­ris­tas. Sei que as nos­sas au­to­ri­da­des es­tão a pres­tar mui­ta aten­ção ao nos­so tu­ris­mo, ha­ven­do até um pla­no de de­sen­vol­vi­men­to des­te sec­tor, que é ge­ra­dor de mui­tos em­pre­gos. De­se­jo que a exe­cu­ção do re­fe­ri­do pla­no pro­du­za re­sul­ta­dos. O que mui­tas ve­zes nos fal­ta é a per­sis­tên­cia na im­ple­men­ta­ção da­qui­lo que con­ce­be­mos. Pes­so­as com ex­pe­ri­ên­cia do ra­mo do tu­ris­mo di­zem que o de­sen­vol­vi­men­to des­te sec­tor exi­ge, não só um en­vol­vi­men­to de di­ver­sas en­ti­da­des, mas tam­bém mui­ta or­ga­ni­za­ção e efi­ci­ên­cia .

Já ago­ra, gos­ta­va de sa­ber por que ra­zão os pre­ços dos nos­sos ho­téis são tão ele­va­dos. O que faz com que se pra­ti­quem pre­ços al­tos nos ser­vi­ços de ho­te­la­ria? Se­rá que não é tem­po de se dis­cu­tir es­ta ques­tão? É que os pre­ços que são pra­ti­ca­dos pe­los ser­vi­ços de ho­te­la­ria e res­tau­ra­ção (pa­ra só ci­tar es­tes ser­vi­ços) não in­cen­ti­vam a vin­da de tu­ris­tas es­tran­gei­ros ao país nem o tu­ris­mo in­ter­no. Se­rá que os cus­tos su­por­ta­dos pe­las uni­da­des ho­te­lei­ras jus­ti­fi­cam os pre­ços que pra­ti­cam ? pro­vín­ci­as, a do Uí­ge, gra­ças à in­ter­ven­ção de psi­có­lo­gos e ju­ris­tas. Pen­so que era bom que se co­nhe­ces­se a ex­pe­ri­ên­cia des­te tra­ba­lho de psi­có­lo­gos e ju­ris­tas na pro­vín­cia do Uí­ge,no com­ba­te à vi­o­lên­cia do­més­ti­ca.

Sa­be-se que a vi­o­lên­cia do­més­ti­ca afec­ta um ele­va­do nú­me­ro de fa­mí­li­as em An­go­la, e era bom que psi­có­lo­gos e ju­ris­tas que tra­ba­lham nes­ta área tro­cas­sem ex­pe­ri­ên­ci­as pa­ra se con­ce­be­rem es­tra­té­gi­as no sen­ti­do de se eli­mi­nar um mal que cau­sa so­fri­men­to a mui­tos ci­da­dãos, par­ti­cu­lar­men­te cri­an­ças, mu­lhe­res e ido­sos.

Es­pe­cu­la­do­res no Pren­da

Nu­ma al­tu­ra em que há uma que­da sig­ni­fi­ca­ti­va dos pre­ços de pro­du­tos bá­si­cos, au­men­tan­do o po­der de com­pra dos tra­ba­lha­do­res, mui­tos co­mer­ci­an­tes que­rem con­ti­nu­ar a ter lar­gas mar­gens de lu­cro, con­tra­ri­an­dio a lei.

A es­pe­cu­la­ção con­ti­nua a ser pra­ti­ca­da em vá­ri­os es­ta­be­le­ci­men­tos co­mer­ci­ais do meu bair­ro.

Pen­so que as au­to­ri­da­des fis­ca­li­za­do­ras de ac­ti­vi­da­des co­mer­ci­ais de­vem aper­tar o cer­co aos es­pe­cu­la­do­res que de­se­jam en­ri­que­cer do dia pa­ra a noi­te e ven­der as su­as mer­ca­do­ri­as a pre­ços ele­va­dos, in­jus­ti­fi­ca­da­men­te. Se hou­ver uma ri­go­ro­sa fis­ca­li­za­ção das ac­ti­vi­da­des co­mer­ci­ais, evi­tar-se-ão mui­tos ac­tos ile­gais, pa­ra bem da po­pu­la­ção

CASIMIRO PE­DRO

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.