Ad­dis Abe­ba apos­ta no de­sa­nu­vi­a­men­to

Pri­mei­ro-mi­nis­tro anun­cia pro­fun­das mu­dan­ças no Exe­cu­ti­vo pa­ra pôr fim aos pro­tes­tos

Jornal de Angola - - MUNDO - ELEAZAR VAN-DÚNEM |

A “pro­fun­da re­mo­de­la­ção go­ver­na­men­tal” anun­ci­a­da pe­lo pri­mei­ro-mi­nis­tro etío­pe Hai­le­ma­ri­am De­sa­legn, com des­ta­que pa­ra a en­tra­da, no no­vo Go­ver­no, de mem­bros da et­nia oro­mo, a mai­or do país, de­mons­tra uma mu­dan­ça na pos­tu­ra de Ad­dis Abe­ba, ago­ra mar­ca­da pe­lo de­sa­nu­vi­a­men­to na re­la­ção com ou­tras for­ças da so­ci­e­da­de glo­bal etío­pe.

Ao jus­ti­fi­car no Par­la­men­to a re­mo­de­la­ção e a in­te­gra­ção de oro­mos no Exe­cu­ti­vo, Hai­le­ma­ri­an De­sa­legn dis­se que­rer pôr fim à cri­se agra­va­da por um in­ci­den­te em Ou­tu­bro que pro­vo­cou de­ze­nas de mor­tes nes­te país do Cor­no de Áfri­ca e le­vou o Go­ver­no a de­cre­tar um Es­ta­do de Emer­gên­cia por seis me­ses.

O no­vo ga­bi­ne­te, afir­mou na Ca­sa das Leis, ex­clui 21 dos 30 mi­nis­tros do an­ti­go e in­clui ros­tos no­vos que não per­ten­cem a Fren­te Re­vo­lu­ci­o­ná­ria De­mo­crá­ti­ca do Po­vo Etío­pe (EPRDF), par­ti­do que go­ver­na .

Os no­vos mi­nis­tros são “cha­ma­dos a ser­vir à na­ção, não o EPRDF”, dis­se Hai­le­ma­ri­an De­sa­legn no Par­la­men­to to­tal­men­te do­mi­na­do pe­lo par­ti­do no po­der, do­mi­na­do pe­los ti­gray, et­nia mi­no­ri­tá­ria no país.

Em Ou­tu­bro, as au­to­ri­da­des etío­pes pro­me­te­ram mu­dan­ças na for­ma de go­ver­nar e apro­fun­dar a de­mo­cra­cia no país. A re­mo­de­la­ção go­ver­na­men­tal é, até ago­ra, o mai­or si­nal de cum­pri­men­to des­ta pro­mes­sa do Go­ver­no de Hai­le­ma­ri­an De­sa­legn.

De­sa­nu­vi­a­men­to

O fac­to de oi­to dos no­vos mi­nis­tros per­ten­ce­rem ao gru­po ét­ni­co oro­mo, que há me­ses pro­mo­ve ma­ni­fes­ta­ções con­tra o que con­si­de­ra “uma per­se­gui­ção in­jus­ti­fi­ca­da” das au­to­ri­da­des etío­pes, de­mons­tra a ten­ta­ti­va do pri­mei­ro-mi­nis­tro etío­pe acal­mar os âni­mos da mai­or et­nia da Etió­pia.

A re­gião de Oromya, bas­tião dos oro­mo, cen­tro do país, foi pal­co dos pro­tes­tos que em dois de Ou­tu­bro fi­ze­ram pe­lo me­nos 52 mor­tes, após a in­ter­ven­ção da po­lí­cia num fes­ti­val tra­di­ci­o­nal dos oro­mo no qual ocor­re­ram ma­ni­fes­ta­ções an­ti­go­ver­na­men­tais.

Os oro­mo pe­dem res­pei­to à sua iden­ti­da­de e di­zem ser “sis­te­ma­ti­ca­men­te mar­gi­na­li­za­dos e per­se­gui­dos” pe­las for­ças go­ver­na­men­tais, a quem acu­sam de uti­li­zar “for­ça ex­ces­si­va” pa­ra dis­per­sar os seus “pro­tes­tos pa­cí­fi­cos”. Nos úl­ti­mos dois anos, Oro­miya foi al­vo de pro­tes­tos es­po­rá­di­cos, pro­vo­ca­dos ini­ci­al­men­te por dis­pu­ta de ter­ras, mas que aca­ba­ram por se tor­nar ma­ni­fes­ta­ções con­tra o Go­ver­no.

As re­cla­ma­ções dos oro­mo são res­pal­da­das pe­la ONG Am­nis­tia In­ter­na­ci­o­nal, que acu­sa o Go­ver­no etío­pe de “de­ter de for­ma pe­rió­di­ca in­te­lec­tu­ais e fi­gu­ras pro­e­mi­nen­tes dos oro­mo” por­que “te­me que a sua in­fluên­cia po­lí­ti­ca pos­sa en­co­ra­jar a po­pu­la­ção a re­be­lar-se con­tra o Exe­cu­ti­vo cen­tral”.

En­tre­tan­to, além da et­nia oro­mo, os ama­ra, a se­gun­da mai­or et­nia da Etió­pia, tam­bém di­zem ser mar­gi­na­li­za­dos pe­lo go­ver­no etío­pe, do­mi­na­do pe­los ti­gray, et­nia na qual per­ten­ce o pri­mei­ro-mi­nis­tro Hai­le­ma­ri­en De­sa­legn. Nu­ma al­tu­ra em que as au­to­ri­da­des etío­pes pa­re­cem apos­tar no de­sa­nu­vi­a­men­to pa­ra pôr fim à cri­se, a não in­clu­são dos ama­ra na no­va equi­pa go­ver­na­men­tal era um er­ro, por a se­gun­da mai­or et­nia do país tam­bém ter po­ten­ci­al de pro­vo­car ins­ta­bi­li­da­de nes­te país do Cor­no de Áfri­ca.

No seu dis­cur­so no Par­la­men­to, o pri­mei­ro-mi­nis­ro Hai­le­ma­ri­an De­sa­legn não dis­se que os ama­ra fa­zem par­te do no­vo Exe­cu­ti­vo.

Diá­lo­go na­ci­o­nal

A pro­fun­da re­mo­de­la­ção go­ver­na­men­tal é fei­ta um mês de­pois de o pri­mei­ro-mi­nis­tro etío­pe anun­ci­ar o iní­cio de um diá­lo­go com or­ga­ni­za­ções da so­ci­e­da­de ci­vil e par­ti­dos po­lí­ti­cos da opo­si­ção des­ti­na­do a en­con­trar so­lu­ções pa­ra os pro­tes­tos ini­ci­a­dos há cer­ca de um ano, que agra­va­ram em Ou­tu­bro e le­va­ram as au­to­ri­da­des etío­pes a de­cre­tar um Es­ta­do de emer­gên­cia pa­ra os pró­xi­mos seis me­ses.

Ao anun­ci­ar na al­tu­ra a aber­tu­ra de ne­go­ci­a­ções com as for­ças da so­ci­e­da­de glo­bal etío­pe, o pri­mei­ro­mi­nis­tro Hai­le­ma­ri­en De­sa­legn de­mons­trou per­ce­ber que o diá­lo­go, não a re­pres­são, era o ca­mi­nho pa­ra o país sair da gra­ve cri­se, mo­ti­va­da por cli­va­gens tri­bais.

Hai­le­ma­ri­an De­sa­legn afir­mou em Ou­tu­bro pre­ten­der “re­for­mar o sis­te­ma elei­to­ral” pa­ra que a opo­si­ção se­ja me­lhor re­pre­sen­ta­da.

Du­ran­te uma con­fe­rên­cia de im­pren­sa em Ad­dis Abe­ba, ao la­do da chan­ce­ler ale­mã An­ge­la Mer­kel, Hai­le­ma­ri­an De­sa­legn anun­ci­ou que o seu Go­ver­no quer re­for­mar o sis­te­ma elei­to­ral “pa­ra as vo­zes dos que não es­tão re­pre­sen­ta­dos se­rem ou­vi­das no Par­la­men­to”, de­pois de ad­mi­tir que o pro­ces­so de de­mo­cra­ti­za­ção no país “é ain­da ti­tu­be­an­te” e de pro­me­ter “ir mais lon­ge na aber­tu­ra do es­pa­ço po­lí­ti­co e no en­ga­ja­men­to com a so­ci­e­da­de ci­vil”.

A EPRDF, co­li­ga­ção que go­ver­na des­de 1991, ga­nhou to­dos os as­sen­tos nas elei­ções le­gis­la­ti­vas do ano pas­sa­do, con­tes­ta­das pe­la opo­si­ção, o que sig­ni­fi­ca que, pe­la pri­mei­ra vez des­de a che­ga­da da co­li­ga­ção ao po­der, o Par­la­men­to não tem qual­quer de­pu­ta­do in­de­pen­den­te ou da opo­si­ção.

Ape­sar de ter al­tas ta­xas de cres­ci­men­to eco­nó­mi­co - an­tes de uma gra­ve se­ca pro­vo­ca­da pe­lo fe­nó­me­no cli­má­ti­co “El Ni­nõ” as­so­lar o país - o Go­ver­no da Etió­pia en­fren­ta crí­ti­cas da opo­si­ção, de ONG e de ac­ti­vis­tas dos Di­rei­tos Hu­ma­nos, que as acu­sam de “res­trin­gir as li­ber­da­des po­lí­ti­cas”.

AFP

Re­mo­de­la­ção go­ver­na­men­tal anun­ci­a­da pe­lo pri­mei­ro-mi­nis­tro tem co­mo ob­jec­ti­vo pa­rar com as ma­ni­fes­ta­ções dos oro­mo

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.