Ha­mil­ton fe­liz na Mer­ce­des

Jornal de Angola - - DESPORTO -

Lewis Ha­mil­ton des­cre­veu a de­ci­são de tro­car a McLaren pe­la Mer­ce­des co­mo a me­lhor es­co­lha da sua vi­da e da sua car­rei­ra na Fór­mu­la 1. As de­cla­ra­ções fo­ram re­co­lhi­das após o pi­lo­to bri­tâ­ni­co ter igua­la­do o nú­me­ro de vi­tó­ri­as de Alain Prost no úl­ti­mo GP do Mé­xi­co, com na­da mais, na­da me­nos, do que 51 triun­fos.

En­quan­to Lewis Ha­mil­ton triun­fou por 29 ve­zes e ga­nhou dois tí­tu­los mun­di­ais pe­la Mer­ce­des des­de 2013, ano em que se jun­tou aos “fle­chas pra­te­a­das”, a McLaren não ven­ce des­de o GP do Bra­sil de 2012, a úl­ti­ma cor­ri­da des­se ano, num pe­río­do de “se­ca” co­mo há mui­to não se via em Wo­king.

“Tu­do pa­re­ce sur­re­al. Não sin­to que te­nha 51 vi­tó­ri­as, não sei porquê. Era um in­crí­vel ob­jec­ti­vo che­gar a Prost. Ele ven­ceu por 51 ve­zes, são mui­tas ve­zes. E pen­sar que o Mi­cha­el tem 91 vi­tó­ri­as – é in­crí­vel. To­dos os fins de se­ma­na es­ta equi­pa e eu con­ti­nu­am a pro­var que eu to­mei a de­ci­são cor­rec­ta em vir pa­ra aqui, e que es­sa foi mes­mo a me­lhor de­ci­são da mi­nha vi­da e car­rei­ra.”

Com o re­sul­ta­do no GP do Mé­xi­co, o pi­lo­to bri­tâ­ni­co es­tá ago­ra a 19 pon­tos de Ni­co Ros­berg quan­do fal­tam ape­nas du­as cor­ri­das pa­ra o fim da tem­po­ra­da.

Re­vol­ta de Vet­tel

Al­gu­mas fi­gu­ras do pad­dock da Fór­mu­la 1 têm su­ge­ri­do a ideia de que Se­ba­ti­an Vet­tel po­de es­tar pres­tes a ter­mi­nar a sua car­rei­ra no des­por­to, aban­do­nan­do a mo­da­li­da­de. Vá­ri­as pes­so­as têm sen­ti­do que al­go se pas­sa com o an­ti­go te­tra­cam­peão do mun­do, ao ser­vi­ço da Fer­ra­ri des­de 2015, após ter pas­sa­do a mai­or par­te da sua car­rei­ra co­mo um pi­lo­to da Red Bull.

“Al­gu­mas coi­sas já tí­nha­mos vis­to ne­le, mas tem si­do um pou­co mais in­ca­rac­te­rís­ti­co do que em anos an­te­ri­o­res”, re­fe­riu o co­le­ga de equi­pa de Vet­tel em 2014, Da­ni­el Ric­ci­ar­do. Tam­bém Ch­ris­ti­an Hor­ner tem sen­ti­do uma mu­dan­ça no seu an­ti­go pu­pi­lo, em par­ti­cu­lar nas crí­ti­cas fe­ro­zes e na for­ma co­mo as ex­pres­sa. No fi­nal do “quen­te” GP do Mé­xi­co, o di­rec­tor da Red Bull afir­mou que es­ta ca­rac­te­rís­ti­ca de Vet­tel “não era um atri­bu­to que ele ti­nha” quan­do con­du­zia pa­ra a Red Bull. “Ob­vi­a­men­te que es­tá a vo­ca­li­zar a sua frus­tra­ção, e to­dos con­se­guem ou­vi-la.”

Tam­bém se sa­be que nem Vet­tel, nem a Fer­ra­ri es­tão dis­pos­tos a dis­cu­tir os ter­mos de um no­vo con­tra­to. A ligação do ger­mâ­ni­co à equi­pa ita­li­a­na ex­pi­ra no fi­nal do pró­xi­mo ano e o an­ti­go pi­lo­to e ago­ra co­men­ta­dor Mar­tin Brun­dle acre­di­ta que es­te po­de ser um si­nal de que Vet­tel es­tá de saí­da da Fór­mu­la 1.

“Co­me­ço a pen­sar que o Se­bas­ti­an não vai es­tar na Fór­mu­la 1 a lon­go pra­zo. Ele sur­giu mui­to no­vo, que­brou mui­tos re­cor­des. Olho pa­ra ele e pa­ra o seu tra­ba­lho e sin­to que ele per­deu a sua mo­ti­va­ção.”

Tam­bém uma fon­te dis­se ao “Ti­mes” bri­tâ­ni­co es­ta se­ma­na: “O Seb po­de sim­ples­men­te ba­ter com a por­ta. Ele ven­ceu qua­tro tí­tu­los e não tem na­da a pro­var. É um ho­mem re­ser­va­do com a fa­mí­lia. Ele não gos­ta dos ho­lo­fo­tes.”

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.