A Kin­gui­la Su­za­na

Jornal de Angola - - OPINIÃO - CARMO NE­TO |

Quan­do en­viu vou do Man Gui­lher­me e de lu­to fe­cha­do na­que­le cor­po a es­ban­jar be­le­za,nin­guém acre­di­ta­ria, al­gum dia,ver Su­za­na Ngu­bo ser con­quis­ta­da no ce­mi­té­rio por um ho­mem meio al­bi­no.

A se­nho­ri­ta, pro­fes­so­ra dos tem­pos do ma­gis­té­rio pri­má­rio,viú­va do Man Gui­lher -me das qui­ce­lu­mu­nas (cal­ças com cin­tu­ra li­gei­ra­men­te abai­xo do nor­mal),do­no de uma en­sur­de­ce­do­ra Ya­maha que vo­mi­ta­va mui­to fu­mo,ha­via as­cen­di­do a ex­tra­or­di­ná­ria ele­gân­cia e nem pa­re­cia ter nas­ci­do de uma ca­sa es­pon­tâ­nea de ado­be,fei­ta sem pru­mo nem cro­quis.

Fi­ca­va­mos pre­ten­den­tes a vo­ar, ao vê-la sen­ta­da num pneu ve­lho,com as ná­de­gas sump­tu­o­sas a mo­ti­var de­se­jos.Mas ela, gé­mea da ro­cha,quan­do de­ci­dia,só vi­ra -va os olhos pa­ra o seu ho­mem meio al­bi­no, mé­di­co de for­ma­ção cu­ba­na a aguar­dar em­pre­go,en­quan­to o an­jo da mor­te apres­sa­va o des­fi­le dos do­en­tes prós ce­mi­té­ri­os.

Su­za­na Ngu­bo ou Su­za­na Me­ren­gue vi­rou mu­lher-no­tí­cia do bair­ro, só com­pa­rá­vel à Geny, jo­vem ele­gan­te, fi­na, de ca­be­lo cor­ta­do à ra­paz,quan­do aban­do­nou o ha­bi­to.E co­men­ta­vam:-ca­sar com al­bi­no dá sor­te. Dá di­nhei­ro.

Ela não des­per­di­ça­va ho­ras na pre­gui­ça,mas co­men­ta­vam o su­ces­so no ne­gó­cio de Kín­gui­la ter saí­do do ca­sa­men­to com um al­bi­no.Vi­rou mo­da até nos bai­les.Até mes­mo a ba­lan­ça­rem o tron­co da es­quer­da pra direita e da di­rei­ta­pra es­quer­da, sa­cu­din­do a ca­be -ça ao rit­mo de qual­quer mú­si­ca, fa­la­vam da Su­za­na Me­ren­gue. Sa­bia-se de tu­do de­la. Era mu­lher no­tí­cia.

Ela, no en­tan­to, pros­pe­ra­va com Ma­nu­el Bo­ca­ge agar­ra­do à sua saia, exo­ne­ra­va os mal­di­ze­res. De­cer­to,sen­tia or­gu­lho por vi­ver acom­pa­nha­da de um des­cen­den­te da Ze­fa, se­nho­ra le­tra­da já nos anos cin­quen­ta, que mor­reu grá­vi­da, agar­ra­da aos ca­chos de den­dém da fa­zen­da dos fa­le­ci­dos avós, em ses­sen­ta e um.

Mes­mo as­sim, ain­da res­mun­ga e diz ela, sen­ta­da ali, no tem­po do co­lo­no, nun­ca na lu­ta pe­la vi­da dis­cu­ti­am ,mas aca­ba­vam por re­par­tir as gar­ga­lha­das.

Mais prós­pe­ra no câm­bio da mo­e­da e, nou­tras ma­nhãs,ain­da cri­an­ça,ela or­ga­ni­za as em­pre­ga­das. E, à noi­te,ra­lha com a pre­gui­ça do ma­ri­do na ca­ça de em­pre­go.E re­gres­sa,no­va­men­te, no tem­po do co­lo­no: -Nou­tro tem­po, eu, pro­fes­so­ra, não sen­ta­ria na rua pra ga­nhar o fu­tu­ro dos fi­lhos! fa­la­va Su­za­na, le­van­tan­do-se ra­pi­da­men­te da ca­dei­ra em que se en­con­tra­va sen­ta­da.

-Ma­lu­ca! Não se fa­la as­sim.Vo­cê vai pra ca­deia, res­pon­de-lhe Ma­nu­el Bo­ca­ge. -Pa­go o ad­vo­ga­do e saio fo­ra. -Epá,vo­cê ou­viu?, ex­cla­mou o es­po­so pa­ra um in­tru­so que se apro­xi­ma­va, de­vi­do ao tom de voz da Su­za­na, e acres­cen­tou – Is­to é cor­rup­ção.

O novo pre­sen­te,um jo­vem ma­gro, de fa­ces ca­va­das, quei­xo pon­tu­do, com­pa­nhei­ro de ta­ber­nas do Ma­nu­el Bo­ca­ge, riu com to­do o co­ra­ção e dis­se:

-Mais cor­rup­tor é quem não pa­ga o sa­lá­rio re­al!

Bo­ca­ge im­pe­diu que Su­za­na e o ami­go con­ti­nu­as­sem a pas­se­ar o pen­sa­men­to no mes­mo diá­lo­go. Deu du­as ma­gis­trais ca­be­ça­das con­tra a pa­re­de.Pas­sou um ser­mão sem re­gra e de ca­be­ça er­gui­da afas­tou-se.

Ele, um ho­mem meio al­bi­no que,até en­tão, se com­por­ta­va co­mo proi­bi­do a ex­ces­sos do co­ra­ção, pas­sou a ser mais ex­tro­ver­ti­do di­an­te da Su­za­na co­mo se ti­ves­se ou­vi­do uma me­lo­dia mui­to ale­gre.

Ba­ten­do rit­ma­da­men­te com o pé no chão, re­lem­bra­va o so­nho de exer­cer me­di­ci­na en­quan­to es­tu­dan­te e so­nha­va, tam­bém, em cu­rar as idei­as da Su­za­na. E pas­sou a en­di­vi­dar-se. O mu­a­dié pas­sa­va umas ras­tei­ras nos ou­tros pa­ra sus­ten­tar o seu fa­la­tó­rio e a ta­ga­re­li­ce das mu­lhe­res.

Um dia foi en­con­tra­do em fla­gran­te de­lí­cia, a bei­jar uma mo­ça de per­nas car­nu­das e an­cas de car­nes fir­mes.

An­te a sur­pre­sa da Su­za­na, quis vo­ar da­li, mes­mo de An­to­nov, mas te­ve per­dão, até apa­re­cer mor­to por ci­ma de uma ou­tra jo­vem, me­ni­na, mi­ma­da e ro­de­a­da dos me­lho­res cui­da­dos, de­pois de um al­mo­ço.

A fa­mí­lia do Ma­nu­el Bo­ca­ge pôs o pen­sa­men­to fi­xo ape­nas na for­tu­na da Su­za­na.Uma ideia pre­si­dia à in­ten­ção.Ela en­ri­que­ceu por ter vi­vi­do com um ho­mem al­bi­no.

Em pen­sa­men­to,du­ran­te a noi­te do ve­ló­rio, ron­da­ram as me­lho­res lo­jas da ci­da­de.Ima­gi­na­ram-se a con­du­zir os car­ros da Kín­gui­la Su­za­na, mas, no dia se­guin­te, após o en­ter­ro, no ca­lor aba­fa­do do meio dia, Su­za­na ocu­pou-se em me­ter tu­do em or­dem le­gal.

Con­vi­dou à saí­da dos fa­mi­li­a­res, quan­do a ir­mã do fa­le­ci­do co­me­ça­va já a des­li­zar pe­la ca­sa aden­tro, co­mo uma som­bra si­len­ci­o­sa, a se­lec­ci­o­nar mó­veis pra si. Após co­lo­ca­rem-se em po­si­ção mais con­for­tá­vel, le­van­ta­ram-se com di­fi­cul­da­de, ro­gan­do pra­gas, ale­gan­do que Ma­nu­el Bo­ca­ge, o meio al­bi­no, abas­te­ce­ria a sua al­ma com o di­nhei­ro da Kín­gui­laSu­za­na.

Mahézu,Nga­na!

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.