BEN­GO Lo­cais pi­to­res­cos fa­zem as de­lí­ci­as dos tu­ris­tas

Jornal de Angola - - TURISMO -

Das pro­vín­ci­as mais pró­xi­mas da ca­pi­tal do pais, Lu­an­da, Ben­go apre­sen­ta lo­cais pa­ra­di­sía­cos, que fa­zem as de­li­ci­as dos aman­tes de tu­ris­mo que pro­cu­ram aque­las pa­ra­gens pa­ra mo­men­tos de la­zer.

O Mi­ra­dou­ro de Ca­xi­to é um de­les. É um lo­cal em­ble­má­ti­co e ne­le se en­con­tra a ins­cri­ção da pa­la­vra Ca­xi­to, bem vi­sí­vel pa­ra quem se di­ri­ge da ca­pi­tal do Ben­go pa­ra Lu­an­da, em seis le­tras gi­gan­tes­cas que a en­fei­tam. Do Mi­ra­dou­ro po­de-se ver o po­ten­ci­al hí­dri­co da pro­vín­cia, que tem no rio Dan­de a mai­or re­fe­rên­cia, ser­pen­te­an­do em di­rec­ção a sua foz. Um rio res­pei­ta­do e ve­ne­ra­do pe­las his­to­ri­as que os­ten­ta.

Ki­mu­a­nas­sa­la

O mu­ni­cí­pio de Nam­bu­an­gon­go é ou­tro po­ten­ci­al do Ben­go. Atrai os vi­si­tan­tes pe­los pro­du­tos do cam­po e pe­las be­le­zas na­tu­rais. Ofe­re­ce uma gas­tro­no­mia em que des­pon­tam o ca­fé ru­ral, a car­ne de ca­ça, a qui­za­ca e a be­rin­ge­la.

Nes­te mu­ni­cí­pio, lo­ca­li­zam-se as be­las e pa­ra­di­sía­cas que­das do Ki­mu­a­nas­sa­la, que le­vam os vi­si­tan­tes a de­lei­tar-se da ri­ca fau­na, da ma­ra­vi­lha das pe­dras ver­des, da fres­cu­ra das ár­vo­res e do chil­re­ar dos pás­sa­ros. A ra­ri­da­de das que­das de Ki­mu­a­nas­sa­la, em­bo­ra vi­si­ta­das cons­tan­te­men­te pe­los seus ha­bi­tan­tes das al­dei­as vi­zi­nhas, não dei­xam de en­can­tar nem mes­mo os na­ti­vos.

Ri­que­za ma­ri­nhas

O mu­ni­cí­pio de Am­briz tem na ver­ten­te pis­ca­tó­ria o seu mai­or po­ten­ci­al, mas tam­bém abun­da a ac­ti­vi­da­de agrí­co­la. As be­las e pa­ra­di­sía­cas prai­as do mu­ni­cí­pio oferecem a qual­quer vi­si­tan­te ex­ce­len­tes con­di­ções de la­zer, sos­se­go e prá­ti­ca de surf. É um dos lo­cais de mai­or atra­cão de tu­ris­tas.

São fa­mo­sas no mu­ni­cí­pio as prai­as dos Pes­ca­do­res, do Kin­fu­ca, do Ka­pu­lo, do Yem­be e do Ta­bi, as­sim co­mo as Cas­ca­tas do Lo­ge Gran­de e a Pe­dra Mariana.

Sun­gui

A lo­ca­li­da­de do Sun­gui, mu­ni­cí­pio do Dan­de, é tam­bém po­ten­ci­al na pes­ca ar­te­sa­nal e na agri­cul­tu­ra fa­mi­li­ar. A la­goa que dá no­me a lo­ca­li­da­de é abun­dan­te em Ba­gres e Ca­cus­sos. São por is­so mui­to vi­si­ta­das. As be­las e pa­ra­di­sía­cas pai­sa­gens na­tu­rais ins­pi­ram a vi­si­ta.

Ibên­dua

A lo­ca­li­da­de da Ibên­dua, mu­ni­cí­pio do Dan­de, pro­vín­cia do Ben­go, é tra­di­ci­o­nal e as fes­tas po­pu­la­res da la­goa com o mes­mo no­me, me­mo­rá­veis. As la­go­as da Ibên­dua es­tão lo­ca­li­za­das na mar­gem direita do rio Dan­de, ho­je Museu da Ten­ta­ti­va, e a cer­ca de 18 qui­ló­me­tros de Ca­xi­to.

A re­gião é po­ten­ci­al­men­te agrí­co­la, on­de o mai­or cul­ti­vo é o fei­jão, mi­lho, Ba­na­na, ba­ta­ta-do­ce e abó­bo­ra, e tem uma po­pu­la­ção es­ti­ma­da em cer­ca de 700 ha­bi­tan­tes, na sua mai­o­ria pes­ca­do­res e cam­po­ne­ses e que se de­di­cam tam­bém a pe­cuá­ria. As la­go­as da Ibên­dua ti­ve­ram ori­gem e des­co­ber­ta de­pois do re­as­sen­ta­men­to da po­pu­la­ção Ban­to, na re­gião Nor­te do rio Dan­de, cu­jo ob­jec­ti­vo vi­sa­va ocu­par es­pa­ços de­sa­bi­ta­dos do rei­no do Ndon­go.

As fes­tas da Ibên­dua re­a­li­za­vam-se anu­al­men­te nos me­ses de Ju­lho e Agos­to, em ho­me­na­gem à Ki­an­da que, se­gun­do a his­tó­ria, ofe­re­ce a pos­si­bi­li­da­de de mai­or cap­tu­ra de pes­ca­do aos ha­bi­tan­tes da re­gião.

A tra­di­ci­o­nal ce­ri­mó­nia ca­rac­te­ri­za­da de mis­ti­cis­mos, co­me­ça uma se­ma­na an­tes da da­ta no em­be­le­za­men­to do re­cin­to on­de os re­si­den­tes e con­vi­da­dos se jun­tam pa­ra as­si­na­lar o mo­men­to fes­ti­vo.

Pam­ba­la

A Pam­ba­la é fa­mo­sa pe­la sua praia. Lo­ca­li­za-se na co­mu­na da Bar­ra do Dan­de e ofe­re­ce la­zer, be­las pai­sa­gens e cal­ma aos tu­ris­tas na­ci­o­nais e es­tran­gei­ros, que tem o há­bi­to de a vi­si­tar. A praia é ma­ra­vi­lho­sa com mui­tos co­quei­ros, bri­sa su­a­ve, sol aco­lhe­dor e des­lum­bran­te pa­ra quem a des­fru­tar.

No mar abun­da o pei­xe pun­go, cor­vi­na, raia, a ca­bu­e­nha, o bar­bu­do e o par­go que são co­mer­ci­a­li­za­dos na vi­la da Bar­ra do Dan­de, Ca­xi­to e Lu­an­da. O vi­si­tan­te po­de per­noi­tar no lo­cal pois exis­tem pe­que­nas ca­ba­nas pa­ra os aco­lher.

Sa­ri­co é um pa­raí­so

As prai­as da vi­la do Sa­ri­co têm for­te tra­di­ção na pes­ca ar­te­sa­nal. A lo­ca­li­da­de dis­põe de um li­to­ral que ofe­re­ce la­zer, sos­se­go e um es­pec­tá­cu­lo pro­du­zi­do pe­lo som das águas do mar e das aves que em­pres­tam um co­lo­ri­do di­fe­ren­te. Pro­por­ci­o­na uma gran­de di­ver­si­da­de de pei­xes e ma­ris­cos.

As prai­as são lim­pas e tran­qui­las, a sua lo­ca­li­za­ção ge­o­grá­fi­ca é pri­vi­le­gi­a­da e por is­so con­si­de­ra­da pe­los vi­si­tan­tes co­mo au­tên­ti­co pa­raí­so. Fim-de-Se­ma­na

EDMUNDO EUCÍLIO | BEN­GO

ED­SON FON­TES

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.