Es­ta­do im­põe con­di­ções aos ma­dei­rei­ros

PA­RA O EXER­CÍ­CIO DA AC­TI­VI­DA­DE Ex­plo­ra­ção flo­res­tal con­di­ci­o­na­da à apre­sen­ta­ção de pla­no de re­po­vo­a­men­to

Jornal de Angola - - SOCIEDADE -

A con­ces­são de ex­plo­ra­ção flo­res­tal em An­go­la vai es­tar con­di­ci­o­na­da, a par­tir do pró­xi­mo ano, à apre­sen­ta­ção de um pla­no de re­po­vo­a­men­to das áre­as a des­bra­var, anun­ci­ou na sex­ta-fei­ra em Lu­an­da, a che­fe do De­par­ta­men­to de Fomento Flo­res­tal do Ins­ti­tu­to de De­sen­vol­vi­men­to Flo­res­tal.

Eli­za­beth de Almeida, que fa­la­va à Angop so­bre a pro­du­ção da ma­dei­ra no país, afir­mou que a con­ser­va­ção da co­ber­tu­ra ve­ge­tal das flo­res­tas atra­vés do re­po­vo­a­men­to é o prin­ci­pal ob­jec­ti­vo da no­va po­lí­ti­ca de con­ces­são flo­res­tal, que en­tra em exe­cu­ção a par­tir do pró­xi­mo ano.

A fun­ci­o­ná­ria do Mi­nis­té­rio da Agri­cul­tu­ra sa­li­en­tou que a no­va lei de ex­plo­ra­ção flo­res­tal dá pa­ra con­ces­são um pe­río­do de 15 a 25 anos aos ma­dei­rei­ros, a fim de se­rem re­pos­tas as ár­vo­res aba­ti­das, ao con­trá­rio do ac­tu­al mo­de­lo, que con­ce­de ape­nas um ano, tem­po in­su­fi­ci­en­te pa­ra o ma­dei­rei­ro re­po­vo­ar a área uti­li­za­da.

As pes­so­as in­te­res­sa­das na ex­plo­ra­ção da ma­dei­ra, de acor­do com Eli­za­beth de Almeida, de­vem in­cluir no pro­ces­so de le­ga­li­za­ção um pla­no de re­po­vo­a­men­to, sen­do uma obri­ga­to­ri­e­da­de pa­ra a con­ces­são de li­cen­ça pa­ra o exer­cí­cio da ac­ti­vi­da­de.

A uma per­gun­ta so­bre a cri­a­ção de no­vos po­lí­go­nos flo­res­tais, a che­fe do De­par­ta­men­to de Fomento Flo­res­tal dis­se não ha­ver pro­jec­tos pa­ra a pro­vín­cia de Lu­an­da, exis­tin­do ape­nas pla­nos de ma­nu­ten­ção dos exis­ten­tes, lo­ca­li­za­dos na Ilha de Lu­an­da e Ben­fi­ca, in­su­fi­ci­en­tes pa­ra a ab­sor­ção dos ga­ses no­ci­vos ao meio-am­bi­en­te.

Fis­ca­li­za­ção flo­res­tal

De­vi­do ao dé­fi­ce, Eli­za­beth de Almeida in­sis­tiu na ne­ces­si­da­de de ar­bo­ri­zar a ci­da­de de Lu­an­da, a fim de ser cri­a­da uma cor­ti­na ver­de.

A es­cas­sez de fis­cais flo­res­tais di­fi­cul­ta as ac­ções de pro­tec­ção da flo­ra, aler­tou Eli­sa­beth de Almeida, pa­ra quem o tra­ba­lho de fis­ca­li­za­ção não po­de ser es­tá­ti­co. A res­pon­sá­vel acen­tu­ou que, de­vi­do ao nú­me­ro re­du­zi­do de fis­cais e de mei­os de tra­ba­lho, há ac­ti­vi­da­des que não são re­a­li­za­das. “O fis­cal de­ve es­tar sem­pre em mo­vi­men­to, pa­ra im­pe­dir ac­ti­vi­da­des ile­gais”, sa­li­en­tou Eli­za­beth de Almeida.

O Ins­ti­tu­to de De­sen­vol­vi­men­to Flo­res­tal, adi­an­tou, ca­re­ce de mei­os de tra­ba­lho pa­ra de­sen­co­ra­jar a ex­plo­ra­ção ile­gal de ma­dei­ra e me­lho­rar o ser­vi­ço de fis­ca­li­za­ção.

A che­fe do De­par­ta­men­to de Fomento Flo­res­tal dis­se acre­di­tar que o sec­tor po­de aju­dar An­go­la na ob­ten­ção de re­cei­tas, no âm­bi­to da po­lí­ti­ca de di­ver­si­fi­ca­ção da eco­no­mia, por­que o país, em sua opi­nião, tem ca­pa­ci­da­de de ex­por­tar ma­dei­ra.

RAFAEL TATY

O fomento da ex­plo­ra­ção flo­res­tal po­de aju­dar An­go­la a ar­re­ca­dar mais re­cei­tas no âm­bi­to da po­lí­ti­ca de di­ver­si­fi­ca­ção da eco­no­mia na­ci­o­nal

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.