In­ves­ti­men­to na pro­du­ção de ar­roz na li­nha de pri­o­ri­da­des do Mo­xi­co

Re­gião pro­cu­ra ma­xi­mi­zar as vas­tas ex­ten­sões de ter­ras fér­teis e abun­dan­tes re­cur­sos hí­dri­cos

Jornal de Angola - - PARTADA - LEONEL KASSANA |

“Nes­te mo­men­to no Mo­xi­co tra­ba­lha-se ar­du­a­men­te pa­ra a pro­vín­cia re­cu­pe­rar o seu lu­gar de gran­de pro­du­tor de ar­roz”

Pa­ra as gen­tes do Mo­xi­co, do pe­que­no agri­cul­tor lá no dis­tan­te Al­to Zam­be­ze, o api­cul­tor ar­te­sa­nal nos Bun­da, ao em­pre­en­de­dor do ra­mo ho­te­lei­ro na se­de da pro­vín­cia, a de­ci­são do Exe­cu­ti­vo de apoi­ar a pro­du­ção de bens da ces­ta bá­si­ca, pro­mo­ver a subs­ti­tui­ção gra­du­al das im­por­ta­ções, no âm­bi­to da es­tra­té­gia pa­ra a saí­da da cri­se e a di­ver­si­fi­ca­ção da eco­no­mia, vem nu­ma boa al­tu­ra.

A imen­si­dão de ter­ras ará­veis e a quan­ti­da­de de re­cur­sos hí­dri­cos es­tão as­so­ci­a­das à von­ta­de dos ha­bi­tan­tes de pro­du­zir lo­cal­men­te aqui­lo que a guer­ra, prin­ci­pal­men­te es­ta, obri­gou a con­su­mir ape­nas o que vi­nha de ou­tras re­giões do país ou mes­mo da Zâm­bia.

Ao se­rem de­fi­ni­dos pro­gra­mas di­ri­gi­dos pa­ra os qu­ais o Exe­cu­ti­vo, atra­vés dos seus de­par­ta­men­tos mi­nis­te­ri­ais, tem di­rec­ci­o­na­do apoi­os à pro­du­ção e tam­bém ao in­ves­ti­men­to, na es­tei­ra do pro­ces­so de di­ver­si­fi­ca­ção, vá­ri­os pro­jec­tos em­pre­sa­ri­ais pú­bli­cos e pri­va­dos pu­de­ram ser lan­ça­dos ou re­ac­ti­va­dos.

O Mo­xi­co tem al­gu­ma tra­di­ção na pro­du­ção de al­guns bens co­mo o ar­roz, o mel e a ma­dei­ra, que se de­vi­da­men­te ori­en­ta­dos os res­pec­ti­vos pro­ces­sos de pro­du­ção, po­dem con­tri­buir de­ci­si­va­men­te pa­ra a res­pos­ta na­ci­o­nal às ne­ces­si­da­des de au­men­tar a pro­du­ção, além de ga­ran­tir a se­gu­ran­ça ali­men­tar e con­tri­buir pa­ra a en­tra­da de di­vi­sas pa­ra o país atra­vés das ex­por­ta­ções.

Nes­te mo­men­to, no Mo­xi­co tra­ba­lha-se ar­du­a­men­te pa­ra que a pro­vín­cia re­cu­pe­re o seu lu­gar de gran­de pro­du­tor de ar­roz. Já vai lon­ge o tem­po em que es­te­ve nos lu­ga­res ci­mei­ros do ran­king na­ci­o­nal dos pro­du­to­res de ar­roz. A apos­ta ago­ra é tra­ba­lhar pa­ra re­cu­pe­rar o es­ta­tu­to de gran­de pro­du­tor.

En­tre­tan­to, oOu­tros pro­jec­tos de pro­du­ção es­tão a ser de­sen­vol­vi­dos com su­ces­so no­tá­vel em vá­ri­os mu­ni­cí­pi­os do Mo­xi­co, que aos pou­cos vê sur­gir po­los de pro­du­ção de mi­lho, hor­tí­co­las, de po­vos e cri­a­ção de aves pa­ra aba­te.

A abun­dân­cia de re­cur­sos hí­dri­cos, ter­ras fér­teis, ali­a­das à for­ça de von­ta­de e cri­a­ti­vi­da­de as fa­mí­li­as cam­po­ne­sas, fa­zem do Mo­xi­co uma pro­vín­cia com as con­di­ções ide­ais pa­ra tor­nar-se­ra­pi­da­men­te uma po­tên­cia agrí­co­la.

Aliás, a con­tras­tar com um pas­sa­do re­cen­te em que im­por­ta­va tu­do e mais al­gu­ma coi­sa, ho­je a afor­ta de pro­du­tos agrí­co­las no mer­ca­do lo­cal e pro­vín­ci­as fron­tei­ri­ças já é um fac­to, en­quan­to a ex­por­ta­ção pa­ra paí­ses vi­zi­nhos, co­mo a Re­pú­bli­ca De­mo­crá­ti­ca do Con­go e Zâm­bia co­me­ça a fa­zer par­te das con­tas dos ho­mens de ne­gó­ci­os, ani­ma­dos com o apoio ins­ti­tu­ci­o­nal pa­ra a im­ple­men­ta­ção dos vá­ri­os pro­jec­tos na re­gião.

Op­ti­mis­mo do go­ver­na­dor

O go­ver­na­dor da pro­vín­cia do Mo­xi­co, João Er­nes­to dos Santos, des­ta­ca a im­ple­men­ta­ção de dois pro­jec­tos im­plan­ta­dos na re­gião e que vi­e­ram mu­dar de­fi­ni­ti­va­men­te o ma­pa agrí­co­la do Les­te de An­go­la. Tra­ta-se dos pro­jec­tos Sa­cas­san­je, pró­xi­mo do Lu­e­na, e a Fa­zen­da Ca­mai­an­ga­la, no mu­ni­cí­pio de Ca­ma­non­gue. O pri­mei­ro foi de­se­nha­do a pen­sar na pro­du­ção, em gran­de es­ca­la, de to­do o ti­po de hor­tí­co­las, car­ne de ca­bri­to e ovos, en­quan­to o se­gun­do de­di­ca-se à pro­du­ção de mi­lho, so­ja e suí­nos.

O go­ver­na­dor ex­pli­ca que es­ses dois pro­jec­tos lo­ca­li­za­dos no ter­ri­tó­rio do Mo­xi­co são de âm­bi­to cen­tral, es­tão em ple­no fun­ci­o­na­men­to e que ca­da um de­les cum­pre a sua fun­ção, que é a pro­du­ção de bens de con­su­mo pa­ra a po­pu­la­ção da­que­la pro­vín­cia e das re­giões vi­zi­nhas.

“Sa­cas­san­je e Ca­mai­an­ga­la são nes­te mo­men­to os pro­jec­tos de ban­dei­ra na pro­vín­cia do Mo­xi­co, têm su­bor­di­na­ção cen­tral e são de gran­de di­men­são, cum­prin­do com os ob­jec­ti­vos es­ta­be­le­ci­dos pe­lo Exe­cu­ti­vo no qua­dro do pro­gra­ma de di­ver­si­fi­ca­ção da eco­no­mia e o au­men­to da ofer­ta de bens ali­men­ta­res pa­ra a po­pu­la­ção”, acres­cen­ta.

O go­ver­na­dor re­cor­da que no qua­dro dos pro­gra­mas di­ri­gi­dos, o re­lan­ça­men­to da cul­tu­ra do ar­roz na pro­vín­cia do Mo­xi­co foi um dos pro­jec­tos apre­ci­a­dos nu­ma ses­são con­jun­ta das Co­mis­sões Eco­nó­mi­ca e pa­ra a Eco­no­mia Re­al do Con­se­lho de Mi­nis­tros que, em Ju­nho des­te ano, se re­a­li­zou no Lu­e­na. “As ori­en­ta­ções fo­ram tra­ça­das pa­ra que com os ór­gãos com­pe­ten­tes do Exe­cu­ti­vo, no­me­a­da­men­te a Agri­cul­tu­ra e Eco­no­mia, se pos­sa tra­ba­lhar com os sec­to­res pri­va­do e em­pre­sa­ri­al e en­con­trar as me­lho­res for­mas pa­ra o re­lan­ça­men­to efec­ti­vo da pro­du­ção do ar­roz”, su­bli­nha.Pa­ra já, os pas­sos de­sen­vol­vi­dos até aqui pa­ra tor­nar re­a­li­da­de es­se de­sa­fio lan­ça­do pe­lo Exe­cu­ti­vo aos em­pre­sá­ri­os e cam­po­ne­ses in­di­vi­du­ais ou or­ga­ni­za­dos em as­so­ci­a­ções e co­o­pe­ra­ti­vas agrí­co­las co­me­çam a dar re­sul­ta­dos.A co­me­çar pe­los se­mi­ná­ri­os re­a­li­za­dos na ci­da­de do Lu­e­na sob ori­en­ta­ção de pe­ri­tos de di­ver­sos de­par­ta­men­tos mi­nis­te­ri­ais di­rec­ta­men­te li­ga­dos à im­ple­men­ta­ção de pro­gra­mas de pro­du­ção de bens ali­men­ta­res, so­bre­tu­do do ar­roz.

A es­se pro­pó­si­to, o go­ver­na­dor ex­pli­ca que fo­ram re­a­li­za­das vá­ri­as ac­ções de ca­pa­ci­ta­ção pa­ra em­pre­sá­ri­os e cam­po­ne­ses pa­ra que es­te­jam or­ga­ni­za­dos e co­nhe­çam as me­lho­res téc­ni­cas do cul­ti­vo do ar­roz per­mi­tin­do al­can­çar ele­va­das co­lhei­tas. Acres­cen­ta que al­guns des­ses em­pre­sá­ri­os não ti­nham pro­ces­sos com­ple­tos nem o es­tu­do de vi­a­bi­li­da­de, mas que is­so ho­je es­tá a ser fei­to e com su­ces­so vi­sí­vel. “Mui­tos em­pre­sá­ri­os já têm fei­to al­gum tra­ba­lho no Ca­meia, um dos mu­ni­cí­pi­os que pos­su­em vá­ri­as ex­ten­sões de ter­ras pro­pí­ci­as ao cul­ti­vo do ar­roz”, re­ve­la, ex­pli­can­do que de­le­ga­ções de em­pre­sá­ri­os na­ci­o­nais e es­tran­gei­ros têm ca­da vez mais co­mo des­ti­no a pro­vín­cia do Mo­xi­co on­de re­ce­bem apoio ins­ti­tu­ci­o­nal do Go­ver­no.

Aliás, no dia em que fa­lou ao Jor­nal de An­go­la, o go­ver­na­dor aca­ba­va de re­ce­ber mais três des­tas de­le­ga­ções, o que é par­ti­cu­lar­men­te ilus­tra­ti­vo do in­te­res­se dos in­ves­ti­do­res nes­ta par­ce­la no ter­ri­tó­rio na­ci­o­nal. “São em­pre­sá­ri­os que dis­põem de ca­pi­tal pa­ra in­ves-

NICOLAU VAS­CO

Mo­xi­co mo­bi­li­za a clas­se em­pre­sa­ri­al pa­ra a apos­ta na pro­du­ção de ar­roz em gran­de es­ca­la com fo­co na au­to-su­fi­ci­ên­cia ali­men­tar

Em­pre­go in­ten­si­vo de téc­ni­cas mo­der­nas no cul­ti­vo de ar­roz na Pro­vín­cia do Mo­xi­co ga­ran­te óp­ti­mas co­lhei­tas pa­ra a se­gu­ran­ça ali­men­tar da po­pu­la­ção da re­gião e pa­ra a ex­por­ta­ção pa­ra os mer­ca­dos dos país

M.MACHANGONGO

Go­ver­na­dor da pro­vín­cia do Mo­xi­co João Er­nes­to dos Santos

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.