Qua­li­da­de no en­si­no

Jornal de Angola - - OPINIÃO -

A si­tu­a­ção do nos­so en­si­no tem si­do um as­sun­to mui­to de­ba­ti­do no país. E im­por­ta que a ques­tão con­ti­nue a ser abor­da­da por to­dos aque­les que di­rec­ta­men­te ou in­di­rec­ta­men­te par­ti­ci­pam na to­ma­da de de­ci­sões a res­pei­to da qua­li­da­de do en­si­no em An­go­la.

É da­do ad­qui­ri­do que sem qua­li­da­de das nos­sas es­co­las não te­re­mos ou­tros sec­to­res a fun­ci­o­nar de for­ma efi­ci­en­te. A edu­ca­ção é vi­tal pa­ra o de­sen­vol­vi­men­to de qual­quer so­ci­e­da­de. São os qua­dros bem for­ma­dos que cons­ti­tu­em a mo­la im­pul­si­o­na­do­ra do de­sen­vol­vi­men­to.

Qua­dros bem for­ma­dos con­tri­bu­em gran­de­men­te pa­ra o cres­ci­men­to eco­nó­mi­co e de­sen­vol­vi­men­to, quer na Ad­mi­nis­tra­ção Pú­bli­ca quer no sec­tor pri­va­do, pro­du­zin­do ou pres­tan­do ser­vi­ço. Que­re­mos to­dos que ha­ja no país em­pre­sas efi­ci­en­tes, mas, pa­ra tal, é ne­ces­sá­rio que te­nha­mos tam­bém bo­as es­co­las, pa­ra for­mar qua­dros à al­tu­ra dos inú­me­ros e com­ple­xos pro­ble­mas da so­ci­e­da­de.

É por is­so que não po­de­mos per­der de vis­ta a ne­ces­si­da­de de se apos­tar per­ma­nen­te­men­te na qua­li­da­de do nos­so en­si­no. É po­si­ti­vo que as au­to­ri­da­des li­ga­das à edu­ca­ção te­nham já iden­ti­fi­ca­do os prin­ci­pais pro­ble­mas que te­mos a ní­vel do nos­so en­si­no, mas é ne­ces­sá­rio que se to­mem ra­pi­da­men­te me­di­das pa­ra ata­car os pro­ble­mas de mo­do a de­vol­ver às es­co­las o am­bi­en­te sa­lu­tar que vai per­mi­tir a que tan­to alu­nos quan­to os pro­fes­so­res sin­tam que aque­la é de fac­to a sua se­gun­da ca­sa.

Iden­ti­fi­car as ra­zões por­que al­guns pro­gra­mas não fun­ci­o­nam ou não atin­gem os ob­jec­ti­vos pa­ra os qu­ais fo­ram lan­ça­dos é im­por­tan­te. Mas há que par­tir pa­ra um qua­dro de so­lu­ções que per­mi­ta cor­ri­gir o que foi fei­to er­ra­do e im­ple­men­tar no­vas me­di­das pa­ra re­for­çar os efei­tos dos pro­gra­mas que já es­tão em cur­so.

Re­cen­te­men­te ou­vi­mos de­cla­ra­ções da se­cre­tá­ria de Es­ta­do da Edu­ca­ção aler­tan­do pa­ra o fac­to de ha­ver mui­tas es­co­las pri­va­das a in­tro­du­zi­rem pro­jec­tos cur­ri­cu­la­res sem a au­to­ri­za­ção dos ór­gãos com­pe­ten­tes. Ana Pau­la Inês as­si­na­lou que por tra­tar-se de um as­sun­to tão sé­rio co­mo é o en­si­no, im­põe-se a to­dos uma pos­tu­ra de vi­gi­lân­cia fa­ce àque­las ati­tu­des ma­ni­fes­ta­men­te cor­ro­si­vas a to­do um sis­te­ma de im­por­tân­cia ca­pi­tal pa­ra o equi­lí­brio e tam­bém pa­ra o fu­tu­ro da so­ci­e­da­de an­go­la­na.

É pois fun­da­men­tal que se­jam re­for­ça­dos os me­ca­nis­mos de con­tro­lo e fis­ca­li­za­ção do que se en­si­na nas es­co­las, pois es­tá mais do que vis­to que há gen­te no sec­tor mais pe­lo ne­gó­cio, quan­do se sa­be que o en­si­no tem mui­to a ver com a vo­ca­ção se­ja ela na­tu­ral ou ad­qui­ri­da.

O que é inad­mis­sí­vel é ver­mos im­pá­vi­dos e se­re­nos pes­so­as com res­pon­sa­bi­li­da­des no pro­ces­so de ve­ri­fi­ca­ção e con­tro­lo da apli­ca­ção das re­gras no sec­tor da edu­ca­ção fa­ze­rem vis­ta gros­sa aos atro­pe­los que se ve­ri­fi­cam nas ins­ti­tui­ções de en­si­no pri­va­do, on­de por exem­plo, são de­nun­ci­a­dos ca­sos gra­vís­si­mos de or­ga­ni­za­ção e fun­ci­o­na­men­to.

Qu­an­tas ve­zes ou­vi­mos o Mi­nis­té­rio da Edu­ca­ção aler­tar pa­ra a ne­ces­si­da­de de se ob­ser­var o que diz a lei quan­to a co­bran­ça de pro­pi­nas. É es­tra­nho que a ca­da fi­nal de ano lec­ti­vo ain­da se re­gis­tem ca­sos em que pais e en­car­re­ga­dos de edu­ca­ção a quei­xa­rem-se de co­bran­ças à mar­gem da lei. Mui­tos aca­bam por ter que ca­lar-se por re­ceio de so­frer al­gu­ma re­ta­li­a­ção por par­te do co­lé­gio on­de tem o seu fi­lho a es­tu­dar.

O que se pre­ten­de é que as en­ti­da­des re­gu­la­do­ras e fis­ca­li­za­do­ras da área do en­si­no es­te­jam aten­tas a es­ses fe­nó­me­nos que não per­mi­tem o bom de­sem­pe­nho das nos­sas es­co­las. Os pro­fes­so­res têm que ter con­di­ções de tra­ba­lho por­que qual­quer fa­lha a es­se ní­vel tem re­fle­xos di­rec­tos na for­ma­ção dos qua­dros que o país pre­ci­sa e con­ti­nu­a­rá a pre­ci­sar no fu­tu­ro.

É pre­ci­so ha­ver de­ter­mi­na­ção na apli­ca­ção do que es­tá le­gal­men­te es­ta­be­le­ci­do pa­ra que não ha­ja ir­re­gu­la­ri­da­des nas nos­sas ins­ti­tui­ções de en­si­no, pú­bli­cas e pri­va­das. Os an­go­la­nos que­rem avan­çar pa­ra a su­pe­rar o sub­de­sen­vol­vi­men­to e is­so só se con­se­gue com um en­si­no de gran­de qua­li­da­de. É de re­al­çar o in­ves­ti­men­to que es­tá a ser fei­to na qua­li­da­de dos pro­fes­so­res, com a atri­bui­ção de bol­sas pa­ra es­pe­ci­a­li­za­ção no ex­te­ri­or do país. Mas pre­ci­sa­mos de fa­zer ain­da mais.

O au­men­to no nú­me­ro de es­co­las em to­do o país per­mi­tiu atin­gir ou es­tar per­to de atin­gir um gran­de ob­jec­ti­vo na­ci­o­nal que é o da uni­ver­sa­li­za­ção do aces­so a es­co­la­ri­da­de. É de aplau­dir. Che­ga a al­tu­ra de olhar­mos pa­ra a qua­li­da­de e is­so é um ou­tro es­tá­gio. Exis­tem bons exem­plos que nos po­dem ins­pi­rar pa­ra, de acor­do com as con­di­ções que te­mos, dar­mos o sal­to que pre­ten­de­mos.

Os paí­ses que apos­ta­ram no ca­pi­tal hu­ma­no, nal­guns ca­sos sem qu­ais quer ou­tros re­cur­sos, têm ho­je al­to ní­vel de de­sen­vol­vi­men­to. O fac­to de ter­mos co­mo me­ta en­trar pa­ra o Gru­po de Paí­ses de De­sen­vol­vi­men­to Hu­ma­no Ele­va­do até 2025 co­lo­ca-nos pe­ran­te uma res­pon­sa­bi­li­da­de ain­da mai­or, em par­ti­cu­lar no que diz res­pei­to à edu­ca­ção. Co­mo fa­zer da edu­ca­ção e en­si­no um fac­tor re­al­men­te ao ser­vi­ço das me­tas na­ci­o­nais de de­sen­vol­vi­men­to. Eis a ques­tão.

So­li­da­ri­e­da­de com os ido­sos

Gos­tei de sa­ber que pro­fes­so­res do Lo­bi­to, pro­vín­cia de Ben­gue­la, se so­li­da­ri­za­ram com pes­so­as ido­sas, en­vi­an­do-lhes bens di­ver­sos. Sou­be que se tra­ta de ido­sos que vi­vem num lar da Igre­ja Ca­tó­li­ca do mu­ni­cí­pio do Lo­bi­to.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.