CAR­TAS DO LEI­TOR

Jornal de Angola - - OPINIÃO - ARMANDA SIL­VA FRAN­CIS­CO DA CON­CEI­ÇÃO ARLINDO AN­TÓ­NIO AL­FRE­DO JOÃO

Abu­sos se­xu­ais

É im­por­tan­te que a so­ci­e­da­de se mo­bi­li­ze pa­ra con­de­nar os abu­sos se­xu­ais de cri­an­ças pra­ti­ca­dos por adul­tos, que são em mui­tos ca­sos fa­mi­li­a­res dos me­no­res que são ví­ti­mas des­ses abu­sos. Sou­be que hou­ve uma ma­ni­fes­ta­ção no Uí­ge de cri­an­ças con­tra os abu­sos se­xu­ais de que são vi­ti­mas me­no­res. É ne­ces­sá­rio que ha­ja ma­ni­fes­ta­ções do gé­ne­ro nou­tras pro­vín­ci­as do país, por­que o pro­ble­ma dos abu­sos se­xu­ais afec­ta to­do o país.

As cri­an­ças têm de ser pro­te­gi­das em to­das as pro­vín­ci­as do nos­so país. Os que abu­sam se­xu­al­men­te das cri­an­ças de­vem ser de­ti­dos e pu­ni­dos pe­los ór­gãos com­pe­ten­tes.

As fa­mí­li­as têm um pa­pel im­por­tan­te a de­sem­pe­nhar na de­nún­cia de ca­sos de abu­sos con­tra me­no­res. As fa­mí­li­as não se de­vem ca­lar pe­ran­te ac­tos de vi­o­lên­cia se­xu­al con­tra cri­an­ças. É pre­ci­so de­nun­ci­ar o mal que é fei­to às nos­sas cri­an­ças no seio das fa­mí­li­as. Que nin­guém se ca­le pe­ran­te ca­sos de vi­o­lên­cia con­tra as nos­sas cri­an­ças.

O ges­to dos pro­fes­so­res é lou­vá­vel. Te­mos de ter amor ao pró­xi­mo. O nos­so país tem mui­tos re­li­gi­o­sos, e pen­so que uma das su­as prin­ci­pais ta­re­fas de­via ser a prá­ti­ca da so­li­da­ri­e­da­de com os que mais pre­ci­sam de as­sis­tên­cia .

Os nos­sos ido­sos de­vem de bem tra­ta­dos. To­do o ser hu­ma­no vai ser um dia ido­so. Não per­ce­bo por que ra­zão pes­so­as mal­tra­tam os seus fa­mi­li­a­res ido­sos. Se­rá que um dia es­tas pes­so­as que ho­je mal­tra­tam os seus pa­ren­tes ido­sos não irão pre­ci­sar fu­tu­ra­men­te , quan­do tam­bém es­ti­ve­rem na ter­cei­ra ida­de, da aju­da dos seus fi­lhos ou de ou­tros pa­ren­tes?.

Fis­ca­li­za­ção às cre­ches

Pen­so que é im­por­tan­te que se fa­ça uma ri­gor os fis­ca­li­za­ção às cre­ches, pa­ra sa­ber se as nos­sas cri­an­ças es­tão a ser tra­ta­das den­tro dos pa­drões exi­gi­dos pe­la le­gis­la­ção em vi­gor. Fa­la-se mui­to de co­mer­ci­an­tes que ven­dem is­to e aqui­lo em más con­di­ções, mas, em mi­nha opi­nião, é pre­ci­so pres­tar tam­bém aten­ção ao es­ta­do das cre­ches que te­mos, pa­ra se sa­ber se elas têm con­di­ções pa­ra al­ber­gar cri­an­ças.

Su­gi­ro que a fis­ca­li­za­ção às cre­ches se­ja fei­ta sem avi­so pré­vio. Quan­do se tra­ta de cri­an­ças que pas­sam mui­tas ho­ras em cre­ches, tem de ha­ver a pre­o­cu­pa­ção de se fis­ca­li­zar pa­ra se de­tec­ta­rem even­tu­ais ir­re­gu­la­ri­da­des. As cri­an­ças têm de ser pro­te­gi­das em quais­quer cir­cuns­tân­ci­as. Uma cre­che apa­ren­te­men­te bo­ni­ta po­de não ter con­di­ções pa­ra tra­ta­men­to ade­qua­do de cri­an­ças.

O Gi­ra­bo­la e os jo­vens

Ter­mi­nou o Gi­ra­bo­la, o nos­so cam­pe­o­na­to de fu­te­bol, e gos­tei imen­so dos úl­ti­mos jo­gos, por­que até cer­ta al­tu­ra não se sa­bia quem ha­via de ser cam­peão ou quem ha­ve­ria de des­cer de di­vi­são. Mas o que mais gos­tei nes­te cam­pe­o­na­to de 2016 foi o fac­to de te­rem si­do lan­ça­dos mui­tos jo­vens pa­ra a ti­tu­la­ri­da­de em mui­tas equi­pas, par­ti­cu­lar­men­te as que já ga­nha­ram mui­tos cam­pe­o­na­tos, co­mo é o ca­so do Pe­tro de Lu­an­da e do 1ºde Agos­to.

Es­pe­ro que no pró­xi­mo cam­pe­o­na­to de fu­te­bol se­jam lan­ça­dos mais jo­vens fu­te­bo­lis­tas e que os nos­sos di­ri­gen­tes des­por­ti­vos não te­nham re­ceio em apos­tar mais em jo­ga­do­res an­go­la­nos .

O Pe­tro de Lu­an­da foi par­ti­cu­lar­men­te um bom exem­plo no que diz res­pei­to a lan­ça­men­to de jo­vens jo­ga­do­res. Que es­te exem­plo se­ja se­gui­do por ou­tras equi­pas do Gi­ra­bo­la . A di­rec­ção do Pe­tro de Lu­an­da te­ve a ou­sa­dia, pou­co co­mum en­tre nós, de lan­çar, co­mo ti­tu­la­res, mui­tos jo­vens pa­ra a mai­or com­pe­ti­ção fu­te­bo­lís­ti­ca do nos­so país, e os re­sul­ta­dos fo­ram po­si­ti­vos.

CASIMIRO PE­DRO

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.