Ou­tro la­do das elei­ções nos Es­ta­dosU­ni­dos

Jornal de Angola - - OPINIÃO - MICHAEL MATHES ALDO GAMBOA

En­quan­to Hil­lary Clin­ton e Do­nald Trump mo­no­po­li­zam as aten­ções pa­ra as elei­ções de 8 de No­vem­bro, ou­tra ba­ta­lha ás­pe­ra é tra­va­da no Con­gres­so ame­ri­ca­no, on­de o Se­na­do po­de vol­tar pa­ra as mãos do Par­ti­doDe­mo­cra­ta.

Ac­tu­al­men­te, as du­as câ­ma­ras - o Se­na­do e a Câ­ma­ra de Re­pre­sen­tan­tes - es­tão em po­der do con­ser­va­dor Par­ti­do Re­pu­bli­ca­no, e por is­so a dis­pu­ta pe­lo con­tro­le do Ca­pi­tó­lio é fun­da­men­tal pa­ra ga­ran­tir a es­ta­bi­li­da­de do no­vo pre­si­den­te... ou pa­ra co­lo­car obs­tá­cu­los à sua ac­ção.

Nes­ta elei­ção, a to­ta­li­da­de da Câ­ma­ra de Re­pre­sen­tan­tes se­rá re­no­va­da: os 435 as­sen­tos dos le­gis­la­do­res e tam­bém os seis re­pre­sen­tan­tes ter­ri­to­ri­ais sem di­rei­to a vo­to (in­cluin­do o de Por­to Ri­co).

Os re­pu­bli­ca­nos, que ac­tu­al­men­te pos­su­em 246 as­sen­tos, de­ve­rão man­ter a mai­o­ria, de acor­do com as pes­qui­sas. En­quan­to is­so, no Se­na­do es­ta­rão em jo­go 34 as­sen­tos e nes­ta Câ­ma­ra Al­ta os de­mo­cra­tas têm ex­ce­len­tes hi­pó­te­ses de re­cu­pe­rar a mai­o­ria que per­de­ram em 2014.

Ca­so Hil­lary ven­ça a elei­ção pre­si­den­ci­al, a con­quis­ta do Se­na­do é con­si­de­ra­da fun­da­men­tal, não ape­nas pa­ra res­ta­be­le­cer o equi­lí­brio com o con­tro­le re­pu­bli­ca­no na Câ­ma­ra Bai­xa, mas tam­bém por­que os em­pa­tes no Se­na­do são que­bra­dos com o vo­to do vi­ce-pre­si­den­te dos Es­ta­dosU­ni­dos.

Nes­te ce­ná­rio, a gran­de ques­tão pa­ra os as­pi­ran­tes re­pu­bli­ca­no­sa uma va­ga do Se­na­do é até que pon­to de­vem man­te­ra sua cam­pa­nha li­ga­da à de Trump, ou até que pon­to po­dem be­ne­fi­ci­ar-se de man­ter uma dis­tân­cia sau­dá­vel do can­di­da­to mi­li­o­ná­rio.

Trump: uma fa­ca de dois gu­mes

“Em al­guns ca­sos, dis­tan­ci­ar-se de Trump po­de per­mi­tir a vi­tó­ria de re­pu­bli­ca­nos que es­tão em cam­pa­nhas mui­to dis­pu­ta­das”, dis­se à AFP Gary Nor­dlin­ger, pro­fes­sor de po­lí­ti­ca da Uni­ver­si­da­de Ge­or­ge Washing­ton. “Mas é uma fa­ca de dois gu­mes. Trump é mui­to po­pu­lar en­tre a sua ba­se elei­to­ral, de for­ma que afas­tar-se de Trump tam­bém po­de­sig­ni­fi­car afas­tar-se des­ta ba­se elei­to­ral”, acres­cen­tou. Por is­so, há con­sen­so de que o de­se­jo dos re­pu­bli­ca­nos de man­ter o con­tro­le do Se­na­do cor­re ris­cos. O ana­lis­ta Na­te Sil­ver, que tem uma só li­da re­pu­ta­ção em an­te­ci­par re­sul­ta­dos, es­ti­mou no blog de po­lí­ti­ca Fi­ve Thirty Eight que os de­mo­cra­tas têm 65% de chan­ces de ga­nhar o Se­na­do.

En­quan­to is­so, um es­tu­do do Co­ok Po­li­ti­cal Re­port es­ti­mou que os de­mo­cra­tas de­ve­rão ob­ter en­tre cin­co e se­te no­vos as­sen­tos no Se­na­do. As pes­qui­sas in­di­cam que pos­si­vel­men­te os as­sen­tos de Il­li­nois e Wis­con­sin mu­da­rão de mãos e pas­sa­rão pa­ra os de­mo­cra­tas.Os can­di­da­tos re­pu­bli­ca­nos tam­bém es­tão em si­tu­a­ção vul­ne­rá­vel em New Hampshi­re, Ca­ro­li­na do Nor­te e Pen­sil­vâ­nia, além de tra­var em dis­pu­tas acir­ra­das em Fló­ri­da e In­di­a­na.

Com es­ta si­tu­a­ção di­fí­cil pa­ra os as­pi­ran­tes re­pu­bli­ca­nos, um co­mi­té de ac­ção po­lí­ti­ca for­te­men­te con­ser­va­dor deu a meia de­ze­na de cam­pa­nhas 25 mi­lhões de dó­la­res.“Sa­be­mos­que­se­rá um de­sa­fi­o­di­fí­cil man­ter o Se­na­do co­mo es­tá, mas se os de­mo­cra­tas qui­se­rem a mai­o­ria, en­tão te­rem os uma dis­pu­ta in­fer­nal”, dis­se Ian Pri­or, por­ta-voz des­te gru­po, o Fun­do pa­ra a Li­de­ran­ça do Se­na­do.

Em res­pos­ta, a cam­pa­nha de Hil­lary pa­re­ce es­tar pron­ta pa­ra o de­sa­fio, e por is­so con­cen­tra-se cla­ra­men­te em re­giões on­de a ba­ta­lha pe­lo as­sen­to do Se­na­do pa­re­ce mais acir­ra­da.

Uma trin­chei­ra

Por sua vez, a Câ­ma­ra de Re­pre­sen­tan­tes é cla­ra­men­te uma ver­da­dei­ra trin­chei­ra dos re­pu­bli­ca­nos. O pre­si­den­te da Câ­ma­ra, Paul Ryan, é o re­pu­bli­ca­no com o mais al­to car­go elec­ti­vo e man­tém uma ten­sa re­la­ção com Trump, a pon­to de ter anun­ci­a­do pu­bli­ca­men­te que não apoia a sua can­di­da­tu­ra à Ca­sa Bran­ca.

Pa­ra ir­ri­ta­ção de Trump, Ryan dis­se que nes­ta cam­pa­nha se con­cen­tra­rá em fa­zer com­que os re­pu­bli­ca­nos man­te­nham a mai­o­ria da câ­ma­ra bai­xa. Os de­mo­cra­tas, no en­tan­to, acre­di­tam que po­de­rão mi­nar es­ta mai­o­ria re­pu­bli­ca­na, ti­ran­do de­la 10 ou 20 as­sen­tos.

O Cen­tro de Po­lí­ti­ca da Uni­ver­si­da­de da Vir­gí­nia es­ti­ma que os de­mo­cra­tas po­dem ob­ter en­tre 10 e 15 no­vos as­sen­tos.Is­so se­rá in­su­fi­ci­en­te pa­ra con­quis­tar a Câ­ma­ra de Re­pre­sen­tan­tes, mas re­duz o es­pa­ço de ma­no­bra da mai­o­ria re­pu­bli­ca­na.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.