Au­to­ri­da­des sa­ni­tá­ri­as pre­o­cu­pa­das com ca­sos

Jornal de Angola - - PROVÍNCIAS -

O di­rec­tor do Hos­pi­tal mu­ni­ci­pal de Sau­ri­mo, Ma­nu­el Trin­da­de, mos­trou-se quin­ta-fei­ra, nes­ta ci­da­de, pre­o­cu­pa­do com o au­men­to de ado­les­cen­tes com ida­des com­pre­en­di­das en­tre os 13 e 14 anos in­fec­ta­das com o VIH/Sida. Sem re­ve­lar nú­me­ros, o res­pon­sá­vel dis­se que os ca­sos do VIH/Sida e ou­tras do­en­ças se­xu­al­men­te trans­mis­sí­veis es­tão a atin­gir pro­por­ções alar­man­tes em mui­tos ado­les­cen­tes, fac­to que não de­ve ape­nas pre­o­cu­par as au­to­ri­da­des sa­ni­tá­ri­as, mas sim a so­ci­e­da­de.

Se­gun­do Ma­nu­el Trin­da­de, em mui­tas fa­mí­li­as exis­tem um ta­bu en­tre os pais e fi­lhos, o que im­pe­de a co­mu­ni­ca­ção ne­ces­sá­ria so­bre de­ter­mi­na­dos as­sun­tos de am­bas as par­tes, ori­gi­nan­do, as­sim, o sur­gi­men­to de do­en­ças e de ca­sos de gra­vi­dez precoce, por­que, re­fe­riu, os afec­ta­dos não ti­ve­ram co­nhe­ci­men­to ou edu­ca­ção so­bre es­te as­sun­to re­la­ci­o­na­do com a saú­de.

“Acon­se­lha­mos os jo­vens e a po­pu­la­ção em ge­ral a fre­quen­ta­rem os cen­tros de Acon­se­lha­men­to e Tes­ta­gem Vo­lun­tá­ria e pos­tos de saú­de, por for­ma a fa­ze­rem o tes­te e sa­be­rem o seu es­ta­do se­ro­ló­gi­co. Aque­les que es­tão in­fec­ta­dos de­vem se­guir o tra­ta­men­to e não es­pa­lha­rem a do­en­ça”, acon­se­lhou.

O di­rec­tor do Hos­pi­tal Mu­ni­ci­pal de Sau­ri­mo la­men­tou o fac­to de exis­tir mui­tos adul­tos com po­der eco­nó­mi­co e que aca­bam por ali­ci­ar al­gu­mas ado­les­cen­tes, ofe­re­cen­do-lhes va­lo­res mo­ne­tá­ri­os em tro­ca de pra­ze­res se­xu­ais e, mui­tas ve­zes, sem usar o pre­ser­va­ti­vo, aca­bam por as in­fec­tar. “In­fe­liz­men­te, mui­tas des­tas ado­les­cen­tes, por ino­cên­cia ou de­sin­for­ma­ção, nun­ca sa­bem quan­do es­tão in­fec­ta­das e só des­co­brem de­pois de es­ta­rem grá­vi­das”, la­men­tou o res­pon­sá­vel, ape­lan­do mais res­pon­sa­bi­li­da­de por par­te dos adul­tos que pro­ce­dem des­ta ma­nei­ra.

Pa­les­tra so­bre o can­cro

Uma pa­les­tra so­bre a lu­ta con­tra o can­cro da ma­ma foi pro­mo­vi­da na quin­ta-fei­ra, em Sau­ri­mo, pe­la So­ci­e­da­de Mi­nei­ra de Ca­to­ca, no âm­bi­to das co­me­mo­ra­ções do 41º ani­ver­sá­rio da In­de­pen­dên­cia Na­ci­o­nal, a as­si­na­lar-se a 11 de No­vem­bro. A ges­to­ra dos ser­vi­ços de saú­de da mai­or em­pre­sa di­a­man­tí­fe­ra do país, Al­ber­ti­na Gour­gel, re­al­çou que a pa­les­tra vi­sa elu­ci­dar as mu­lhe­res e não só so­bre as for­mas de pre­ven­ção, cau­sas, con­sequên­ci­as e sin­to­mas da do­en­ça, uma vez que nem to­do o tu­mor da ma­ma é ma­lig­no.

“Pe­la im­por­tân­cia e o im­pac­to que tem na po­pu­la­ção fe­mi­ni­na, so­bre­tu­do, e por­que nem to­do o tu­mor da ma­ma é ma­lig­no, po­de ocor­rer tam­bém em ho­mens, mas em me­nor nú­me­ro. É ne­ces­sá­rio que to­dos sai­bam que a me­lhor ar­ma pa­ra o com­ba­te da do­en­ça é a pre­ven­ção que pas­sa pe­la ade­são das pes­so­as às con­sul­tas de di­ag­nós­ti­co”, dis­se.

Se­gun­do Al­ber­ti­na Gour­gel, com um sim­ples ac­to de au­to exa­me da ma­ma e com­ple­men­ta­res e di­ag­nós­ti­co co­mo ma­mo­gra­fia, eco­gra­fia ma­má­ria e vi­si­tas re­gu­la­res ao mé­di­co, é pos­sí­vel evi­tar que es­ta do­en­ça se pro­pa­gue.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.