An­go­la par­ti­ci­pa no en­con­tro de Mar­ra­que­xe

Jornal de Angola - - SOCIEDADE -

An­go­la par­ti­ci­pa na 22.ª Con­fe­rên­cia das Par­tes (COP22) da Con­ven­ção Qua­dro das Na­ções Uni­das so­bre Al­te­ra­ções Cli­má­ti­cas, que tem iní­cio ho­je e pro­lon­ga-se até ao dia 18 des­te mês em Mar­ra­que­xe, Mar­ro­cos, com uma de­le­ga­ção com­pos­ta por res­pon­sá­veis de di­ver­sos mi­nis­té­ri­os, che­fes de de­par­ta­men­tos mi­nis­te­ri­ais e de em­pre­sas pú­bli­cas, de­pu­ta­dos e re­pre­sen­tan­tes da so­ci­e­da­de ci­vil.

Se­gun­do uma no­ta de im­pren­sa do Mi­nis­té­rio do Am­bi­en­te, o en­con­tro mun­di­al, que se re­a­li­za pe­la se­gun­da vez em Áfri­ca, de­pois da Áfri­ca do Sul, em 2011, de­ve­rá ser mar­ca­do pe­la adop­ção de es­tra­té­gi­as e ac­ções pa­ra ma­te­ri­a­li­zar as de­ci­sões ema­na­das do Acor­do de Pa­ris so­bre as Al­te­ra­ções Cli­má­ti­cas, apro­va­do em De­zem­bro de 2015 e que en­trou em vi­gor na úl­ti­ma sex­ta-fei­ra.

O Acor­do de Pa­ris de­fi­niu co­mo ob­jec­ti­vo li­mi­tar o au­men­to da tem­pe­ra­tu­ra glo­bal até os 2ºC aci­ma dos ní­veis pré-in­dus­tri­ais, mas com o com­pro­mis­so de pros­se­guir es­for­ços ten­den­tes pa­ra li­mi­tar es­se au­men­to em 1,5ºC.

“O Acor­do res­pei­ta o prin­cí­pio da res­pon­sa­bi­li­da­de co­mum, po­rém, di­fe­ren­ci­a­da, e res­pec­ti­vas ca­pa­ci­da­des, e re­co­nhe­ce as cir­cuns­tân­ci­as es­pe­cí­fi­cas dos Paí­ses Me­nos Avan­ça­dos (PMA)”, re­fe­re o do­cu­men­to do Mi­nis­té­rio do Am­bi­en­te. À mar­gem do en­con­tro de Mar­ra­que­xe, re­a­li­za-se igual­men­te a par­tir de ho­je, na mes­ma ci­da­de, a 12.ª Con­fe­rên­cia das Par­tes do Pro­to­co­lo de Kyo­to (CMP12).

In­di­ca­do­res alar­man­tes

A 22.ª Con­fe­rên­cia das Par­tes (COP22) da Con­ven­ção Qua­dro das Na­ções Uni­das so­bre Al­te­ra­ções Cli­má­ti­cas co­me­ça ho­je com os in­di­ca­do­res so­bre o aque­ci­men­to glo­bal mais alar­man­tes do que nun­ca.

Os da­dos apon­tam pa­ra o au­men­to das tem­pe­ra­tu­ras e da con­cen­tra­ção de dió­xi­do de car­bo­no (CO2), a su­bi­da do ní­vel do mar, mais se­ca e o re­cuo dos gla­ci­a­res. Ci­en­tis­tas re­fe­rem que os fe­nó­me­nos cli­má­ti­cos ex­tre­mos li­ga­dos às se­cas, in­cên­di­os flo­res­tais, inun­da­ções e fu­ra­cões du­pli­ca­ram des­de 1990.

Es­te ano, a Ter­ra po­de­rá ba­ter o seu ter­cei­ro re­cor­de anu­al con­se­cu­ti­vo de ca­lor des­de que as tem­pe­ra­tu­ras co­me­ça­ram a ser re­gis­ta­das em 1880.

Nos no­ve pri­mei­ros me­ses de 2016, a tem­pe­ra­tu­ra fi­cou 0,98°C aci­ma da mé­dia do sé­cu­lo XX (que era de 13,88°C), ul­tra­pas­san­do em 0,12°C o re­cor­de an­te­ri­or, do mes­mo pe­río­do de 2015. No ano de 2015, a su­bi­da mé­dia da tem­pe­ra­tu­ra mun­di­al foi de 1°C fa­ce à era pré-in­dus­tri­al, in­di­ca­dor usa­do nas ne­go­ci­a­ções in­ter­na­ci­o­nais so­bre o cli­ma. No Ár­ti­co, a tem­pe­ra­tu­ra à su­per­fí­cie al­can­çou em 2015 os ní­veis re­cor­de de 2007 e 2011, com um au­men­to de 2,8°C fa­ce ao iní­cio do sé­cu­lo XX, quan­do fo­ram com­pi­la­dos os pri­mei­ros re­gis­tos. A par­tir de 2030 o oce­a­no Ár­ti­co po­de­rá pas­sar a fi­car sem ge­lo no Ve­rão. Tam­bém as con­cen­tra­ções dos três prin­ci­pais ga­ses com efei­to de es­tu­fa, dió­xi­do de car­bo­no, me­ta­no e pro­tó­xi­do de azo­to, al­can­ça­ram no­vos pi­cos em 2015.

Pe­la pri­mei­ra vez, a con­cen­tra­ção de C02, o prin­ci­pal gás com efei­to de es­tu­fa, ul­tra­pas­sou du­ran­te to­do o ano as 400 ppm (par­tes por mi­lhão) à es­ca­la glo­bal e a ten­dên­cia é pa­ra se man­ter. O re­cuo dos gla­ci­a­res nos ma­ci­ços de ti­po al­pi­no con­ti­nu­ou em 2015, pe­lo 36.º ano con­se­cu­ti­vo.

A Gro­ne­lân­dia per­deu per­to de 2.700 mil mi­lhões de to­ne­la­das de ge­lo en­tre 2003 e 2013. A mais pe­que­na ex­ten­são de ge­lo no Ve­rão atin­giu os 4,4 mi­lhões de km2 a 16 Se­tem­bro, atrás só do re­cor­de de 2012 (3,39 mi­lhões de km2).

O ní­vel dos oce­a­nos con­ti­nu­ou a su­bir em 2015, cer­ca de 70 mi­lí­me­tros aci­ma da mé­dia re­gis­ta­da em 1993. O mar tem su­bi­do gra­du­al­men­te cer­ca de 3,3 mi­lí­me­tros por ano, com su­bi­das mais rá­pi­das em cer­tos pon­tos do Pa­cí­fi­co e do Ín­di­co.

Es­te fe­nó­me­no po­de­rá ace­le­rar nos pró­xi­mos de­cé­ni­os, à me­di­da que os gla­ci­a­res e as ca­lo­tes po­la­res fo­rem der­re­ten­do, ame­a­çan­do a vi­da de mi­lhões de ha­bi­tan­tes das re­giões cos­tei­ras. Se as emis­sões de ga­ses com efei­to de es­tu­fa con­ti­nu­a­rem a au­men­tar ao rit­mo ac­tu­al, o re­cuo da ca­lo­te an­tár­ti­ca po­de­ria, por si só, fa­zer su­bir o ní­vel do mar em um me­tro até 2100, o que re­pre­sen­ta o do­bro das es­ti­ma­ti­vas an­te­ri­o­res. O des­re­gu­la­men­to cli­má­ti­co de­ve­rá ain­da fa­zer au­men­tar a vi­o­lên­cia dos tu­fões na Chi­na, Taiwan, Ja­pão e nas du­as Co­rei­as, se­gun­do um es­tu­do re­cen­te que con­clui que “nos úl­ti­mos 37 anos, os tu­fões que atin­gi­ram o Les­te e o Su­des­te asiá­ti­co ga­nha­ram 12 a 15 por cen­to de in­ten­si­da­de”.

Das 8.688 es­pé­ci­es ame­a­ça­das ou qua­se ame­a­ça­das, 19 por cen­to (1.688) são afectadas pe­lo aque­ci­men­to glo­bal, no­me­a­da­men­te pe­las tem­pe­ra­tu­ras e pe­los fe­nó­me­nos ex­tre­mos que en­vol­ve.

Um aque­ci­men­to glo­bal su­pe­ri­or a 1,5ºC, li­mi­te am­bi­ci­o­so re­fe­ri­do no Acor­do de Pa­ris, re­pre­sen­ta­ria uma mu­dan­ça nos ecos­sis­te­mas da ba­cia do Me­di­ter­râ­neo iné­di­ta em 10.000 anos.

À en­tra­da em vi­gor do Acor­do de Pa­ris e à 22.ª Con­fe­rên­cia das Par­tes (COP22) da Con­ven­ção Qua­dro das Na­ções Uni­das so­bre Al­te­ra­ções Cli­má­ti­cas em Mar­ra­que­xe veio jun­tar-se o lan­ça­men­to glo­bal, na se­ma­na pas­sa­da, do do­cu­men­tá­rio Be­fo­re de flo­od (De­pois do di­lú­vio), pe­lo ca­nal te­le­vi­si­vo Na­ti­o­nal Ge­o­graphic, apre­sen­ta­do e pro­ta­go­ni­za­do pe­lo ac­tor Le­o­nar­do Di­ca­prio, em­bai­xa­dor da ONU pa­ra as ques­tões am­bi­en­tais.

DR

Ci­da­de mar­ro­qui­na de Mar­ra­que­xe aco­lhe a par­tir de ho­je reu­nião mun­di­al so­bre o cli­ma

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.