Pri­mei­ros anos de Isa­ac New­ton

Jornal de Angola - - LAZER -

O pai de Isa­ac New­ton mor­reu três me­ses an­tes do seu nas­ci­men­to. A sua mãe, Han­nah Ays­cough New­ton, pas­sou a ad­mi­nis­trar a pro­pri­e­da­de ru­ral da fa­mí­lia. A si­tu­a­ção fi­nan­cei­ra era es­tá­vel e a fa­zen­da ga­ran­tia um bom ren­di­men­to. Com ape­nas três anos, New­ton foi le­va­do pa­ra a ca­sa da sua avó ma­ter­na, Mar­gery Ays­cough, on­de foi cri­a­do, já que a sua mãe se ti­nha ca­sa­do no­va­men­te.

O jo­vem Isa­ac não gos­ta­va do seu pa­dras­to e bri­gou com a sua mãe por se ca­sar com ele, co­mo re­ve­la­do por es­te re­gis­tro nu­ma lis­ta de pe­ca­dos co­me­ti­dos até aos 19 anos de ida­de: “Ame­a­çar o meu pai Smith e a mi­nha mãe de quei­mar a sua ca­sa com eles den­tro.”

Um ser de per­so­na­li­da­de fe­cha­da, in­tros­pec­ti­va e de tem­pe­ra­men­to di­fí­cil, as­sim era New­ton, que, em­bo­ra vi­ves­se em uma épo­ca em que a tra­di­ção di­zia que os ho­mens cui­da­vam dos ne­gó­ci­os de to­da a fa­mí­lia, nun­ca de­mons­trou ha­bi­li­da­de ou in­te­res­se pa­ra es­ses ti­pos de tra­ba­lho. Pa­re­ce que o úni­co ro­man­ce de que se tem no­tí­cia na vi­da de New­ton te­nha ocor­ri­do com a se­nho­ra An­ne Sto­rer (fi­lha adop­ti­va do far­ma­cêu­ti­co e ho­te­lei­ro Wil­li­am Clar­ke), em­bo­ra is­so não se­ja com­pro­va­do. A par­tir da ida­de de apro­xi­ma­da­men­te 12 anos até aos de­zas­se­te anos, New­ton foi edu­ca­do na The King's Scho­ol, em Grantham.

Ele foi re­ti­ra­do da es­co­la em Ou­tu­bro de 1659 pa­ra vi­ver em Wo­olsthor­pe-by-Cols­terworth, on­de a sua mãe, viú­va, pe­la se­gun­da vez, ten­tou fa­zer de­le um agri­cul­tor; mas ele odi­a­va tra­ba­lhar na agri­cul­tu­ra. Henry Sto­kes, di­rec­tor da The King's Scho­ol, con­ven­ceu a sua mãe a man­dá-lo de vol­ta pa­ra a es­co­la pa­ra que pu­des­se com­ple­tar a edu­ca­ção. Um ca­der­no es­co­lar de New­ton re­ve­la al­guns dos as­sun­tos que ele es­tu­dou nas au­las de Sto­kes nes­te pe­río­do: arit­mé­ti­ca, agri­men­su­ra, tri­go­no­me­tria e cons­tru­ções ge­o­mé­tri­cas que in­cluíam as apro­xi­ma­ções de Ar­qui­me­des pa­ra o nú­me­ro “π”.

O his­to­ri­a­dor V. F. Ric­kley dis­se: “Is­so ia mui­to além de qual­quer coi­sa en­si­na­da nas uni­ver­si­da­des da épo­ca; con­se­quen­te­men­te, ao con­trá­rio da tra­di­ção, New­ton ti­nha um co­nhe­ci­men­to su­pe­ri­or de ma­te­má­ti­ca an­tes de ir pa­ra Cam­brid­ge.” Es­pe­cu­la-se que New­ton es­tu­dou la­tim, gre­go, he­breu e a Bí­blia. Al­guns au­to­res des­ta­cam a ideia de que era um alu­no me­di­a­no, até que uma ce­na da sua vi­da mu­dou is­so: uma bri­ga com um co­le­ga de es­co­la fez com que New­ton de­ci­dis­se ser o me­lhor alu­no da clas­se e de to­da a es­co­la.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.