Ca­ça aos vo­tos até ao úl­ti­mo dia

Jornal de Angola - - PARTADA -

Os ame­ri­ca­nos vo­tam ama­nhã na 58.ª elei­ção pre­si­den­ci­al pa­ra a es­co­lha do Pre­si­den­te e Vi­ce-Pre­si­den­te dos EUA. É qua­se sen­so co­mum que es­ta é a cam­pa­nha ame­ri­ca­na me­nos con­ven­ci­o­nal dos úl­ti­mos anos, e ter­mi­na de for­ma ain­da mais inu­si­ta­da: dis­pu­ta vo­to a vo­to en­tre os dois can­di­da­tos. Se há pou­co mais de uma se­ma­na a can­di­da­ta de­mo­cra­ta era da­da co­mo vir­tu­al ven­ce­do­ra, ho­je, 24 ho­ras an­tes do “Dia D”, as coi­sas pa­re­cem me­nos cla­ras quan­to ao no­me do su­ces­sor de Oba­ma.

Num co­mí­cio fei­to re­cen­te­men­te, Hil­lary Clin­ton de­sa­fi­ou os elei­to­res a ima­gi­na­rem o “de­sas­tre” que é ter Do­nald Trump sen­ta­do na Sa­la Oval, o “mais in­flu­en­te cen­tro das de­ci­sões do mun­do”. Cla­ro que ape­sar de ad­mi­tir es­sa pos­si­bi­li­da­de, a pro­vo­ca­ção da can­di­da­ta de­mo­cra­ta aos elei­to­res na­da ti­nha a ver com al­go que de­se­jas­se efec­ti­va­men­te, pe­lo con­trá­rio, foi mais um ata­que di­rec­to ao opo­si­tor, des­qua­li­fi­can­do-o e, mais, re­al­çan­do a sua inap­ti­dão pa­ra o car­go.

Os ame­ri­ca­nos vo­tam ama­nhã na 58.ª elei­ção pre­si­den­ci­al pa­ra a es­co­lha do Pre­si­den­te e Vi­ce-Pre­si­den­te dos Es­ta­dos Uni­dos. É qua­se sen­so co­mum que es­ta é a cam­pa­nha ame­ri­ca­na me­nos con­ven­ci­o­nal dos úl­ti­mos anos, e ter­mi­na de for­ma ain­da mais inu­si­ta­da: dis­pu­ta vo­to a vo­to en­tre os dois can­di­da­tos.

Se há pou­co mais de uma se­ma­na a can­di­da­ta de­mo­cra­ta era da­da co­mo vir­tu­al ven­ce­do­ra, mer­cê da dis­pa­ri­da­de em to­das as pro­jec­ções so­bre a pre­fe­rên­cia dos elei­to­res, ho­je, 24 ho­ras an­tes do “Dia D”, as coi­sas pa­re­cem me­nos cla­ras no que diz res­pei­to ao no­me do su­ces­sor de Ba­rack Oba­ma.

O ce­ná­rio ines­pe­ra­do mo­bi­li­za os dois la­dos. Re­pu­bli­ca­nos e de­mo­cra­tas cor­rem pa­ra de­sem­pa­tar o jo­go nos mi­nu­tos fi­nais. Pa­ra re­cu­pe­rar o pre­juí­zo com a re­a­ber­tu­ra das in­ves­ti­ga­ções pe­lo FBI so­bre uso do seu cor­reio pes­so­al pa­ra tra­tar de as­sun­tos ofi­ci­ais, Hil­lary apos­tou em gran­des even­tos com os prin­ci­pais lí­de­res de­mo­cra­tas, a co­me­çar por Oba­ma, que tem pre­vis­to pa­ra ho­je, na Pen­sil­vâ­nia, o en­cer­ra­men­to da cam­pa­nha ao la­do de Hil­lary Clin­ton. O can­di­da­to re­pu­bli­ca­no, que des­de as elei­ções pré­vi­as do seu par­ti­do era de­sa­cre­di­ta­do, che­ga aos úl­ti­mos di­as mais for­te do que nun­ca e pro­me­te “paz e amor” pa­ra não es­pan­tar o elei­tor mais re­ce­o­so. Am­bos per­cor­re­ram o país nos úl­ti­mos di­as.

Um bom exem­plo de que tu­do po­de acon­te­cer é o es­ta­do do Ari­zo­na, vi­si­ta­do pe­las cam­pa­nhas de­mo­cra­ta e re­pu­bli­ca­na nes­ta rec­ta fi­nal. Se nos clás­si­cos fil­mes do fa­ro­es­te era um lo­cal de in­ten­sa dis­pu­ta en­tre os cow­boys, na po­lí­ti­ca re­cen­te vi­via um am­bi­en­te tran­qui­lo: o es­ta­do sem­pre ele­gia, com ra­rís­si­mas ex­cep­ções, pre­si­den­tes re­pu­bli­ca­nos. Até en­tão. Os seus 11 vo­tos no Co­lé­gio Elei­to­ral po­dem ser fun­da­men­tais pa­ra que o ven­ce­dor ob­te­nha os 270 ne­ces­sá­ri­os pa­ra che­gar à Ca­sa Bran­ca.

O Par­ti­do Re­pu­bli­ca­no re­a­ge. Do­nald Trump es­te­ve on­tem em Wis­con­sin, um es­ta­do de­mo­cra­ta, e vai a Min­ne­so­ta, que des­de 1972 não vo­ta nos re­pu­bli­ca­nos. Além dis­so, con­ta com vo­lun­tá­ri­os. No Ari­zo­na, cen­te­nas lo­tam os cen­tros do par­ti­do pa­ra par­ti­ci­par em pro­gra­mas de li­ga­ção ou vão às ca­sas dos mo­ra­do­res pa­ra con­ven­cê-los a vo­tar no can­di­da­to.

O ain­da Pre­si­den­te dos EUA Ba­rack Oba­ma, é ine­le­gí­vel pa­ra um ter­cei­ro man­da­to, de­vi­do aos li­mi­tes pre­vis­tos na 22.ª Emen­da da Cons­ti­tui­ção dos Es­ta­dos Uni­dos. Nas­ci­do a 4 de Agos­to de 1961, em Ho­no­lu­lu, Ha­vai, Ba­rack Hus­sein Oba­ma II é o 44.º e Pre­si­den­te dos EUA, e o pri­mei­ro afro-ame­ri­ca­no a ocu­par o car­go.

Na sua pri­mei­ra elei­ção, em 2008, Oba­ma der­ro­tou o can­di­da­to re­pu­bli­ca­no John McCain, ten­do si­do em­pos­sa­do co­mo Pre­si­den­te no dia 20 de Ja­nei­ro de 2009. No­ve me­ses de­pois foi-lhe atri­buí­do o Pré­mio No­bel da Paz, nu­ma das es­co­lhas mais con­tes­ta­das da his­tó­ria da Aca­de­mia No­bel, jus­ta­men­te pe­la cam­pa­nha de guer­ra.

Du­ran­te o seu pri­mei­ro man­da­to, Oba­ma as­si­nou vá­ri­as pro­pos­tas de es­ti­mu­lo eco­nó­mi­co em res­pos­ta à gran­de re­ces­são que as­so­lou os Es­ta­dos Uni­dos en­tre 2007 e 2009, atra­vés dos pro­jec­tos de lei Ame­ri­can Re­co­very and Rein­vest­ment Act de 2009. Tam­bém san­ci­o­nou leis de cor­te de im­pos­tos pa­ra a clas­se mé­dia e de cri­a­ção de em­pre­gos em 2010.

Ou­tras im­por­tan­tes ini­ci­a­ti­vas na­ci­o­nais du­ran­te o seu pri­mei­ro man­da­to in­clu­em a Pa­ti­ent Pro­tec­ti­on and Af­for­da­ble Ca­re Act, pro­jec­to que pas­sou a ser cha­ma­do de Oba­ma­ca­re, o Dodd-Frank Wall Stre­et Re­form and Con­su­mer Pro­tec­ti­on Act, o Don't ask, don't tell, o Bud­get Con­trol Act of 2011 e o Ame­ri­can Tax­payer Re­li­ef Act of 2012.

Na po­lí­ti­ca ex­ter­na, Oba­ma or­de­nou o fim do en­vol­vi­men­to ame­ri­ca­no na guer­ra do Iraque, au­men­tou a quan­ti­da­de de tro­pas ame­ri­ca­nas no Afe­ga­nis­tão, as­si­nou tra­ta­dos de con­tro­lo de ar­mas com a Rús­sia, au­to­ri­zou uma in­ter­ven­ção ar­ma­da na guer­ra ci­vil na Lí­bia e or­de­nou uma ope­ra­ção mi­li­tar no Pa­quis­tão de que re­sul­tou na mor­te de Osa­ma bin La­den.

Oba­ma foi re­e­lei­to Pre­si­den­te em No­vem­bro de 2012, der­ro­tan­do o re­pu­bli­ca­no Mitt Rom­ney, e foi em­pos­sa­do pa­ra um se­gun­do man­da­to em 20 de Ja­nei­ro de 2013. Du­ran­te o seu se­gun­do man­da­to, Oba­ma pro­mo­veu po­lí­ti­cas in­ter­nas re­la­ci­o­na­das com o con­tro­lo de ar­mas, em res­pos­ta ao ti­ro­teio na es­co­la pri­má­ria de Sandy Ho­ok e ou­tros mas­sa­cres, e tam­bém de­fen­deu a igual­da­de LGBT.

Na âm­bi­to ex­ter­no, pa­ra con­ter a ame­a­ça do gru­po Es­ta­do Is­lâ­mi­co (EI) na re­gião do Ori­en­te Mé­dio, ele or­de­nou o re­gres­so de tro­pas ao Iraque e tam­bém au­to­ri­zou ata­ques aé­re­os e na­vais con­tra a Sí­ria pa­ra com­ba­ter as or­ga­ni­za­ções jiha­dis­tas lo­cais. Além dis­so, con­ti­nu­ou o pla­no de en­cer­ra­men­to das ope­ra­ções de com­ba­te ame­ri­ca­nas no Afe­ga­nis­tão. Tam­bém ini­ci­ou o pro­ces­so de nor­ma­li­za­ção das re­la­ções en­tre Cu­ba e Es­ta­dos Uni­dos, e fir­mou um acor­do nu­cle­ar com o Irão.

Do­nald Trump can­di­da­to re­pu­bli­ca­no

Hil­lary Clin­ton can­di­da­ta de­mo­cra­ta

DR

Hil­lary Clin­ton con­ti­nua fa­vo­ri­ta

DR

Do­nald Trump re­cu­pe­ra o fô­le­go

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.