In­ter­pre­ta­ção cul­tu­ral do de­ba­te po­lí­ti­co

Cul­to da se­re­ni­da­de e re­cur­sos do­cu­men­tais co­mo fac­to­res de su­ces­so do Em­bai­xa­dor Iti­ne­ran­te

Jornal de Angola - - PARTADA - JOMO FORTUNATO |

O êxi­to dos de­ba­tes en­tre o Em­bai­xa­dor Iti­ne­ran­te, An­tó­nio Luvualu de Car­va­lho, Jo­sé Edu­ar­do Agua­lu­sa, es­cri­tor, e João So­a­res, an­ti­go Mi­nis­tro da Cul­tu­ra de Por­tu­gal, em­bo­ra ti­ves­sem co­mo ob­jec­to ful­cral a po­lí­ti­ca, po­dem ser in­ter­pre­ta­dos na óp­ti­ca da va­lo­ri­za­ção po­si­ti­va dos as­pec­tos ci­vi­li­za­ci­o­nais da cul­tu­ra an­go­la­na e por­tu­gue­sa, abrin­do uma só­bria ja­ne­la ru­mo ao pro­gres­so, me­lhor com­pre­en­são e co­nhe­ci­men­to da al­ma dos dois po­vos.

Po­de­mos apon­tar a ar­te retórica, re­fe­ri­mo-nos à eloquên­cia e sequên­cia dis­cur­si­va, pre­pa­ra­ção do­cu­men­tal e bi­bli­o­grá­fi­ca, com re­cur­so a uma pu­bli­ca­ção que foi de­ci­si­va so­bre a de­si­gual­da­de em Por­tu­gal (ver cai­xa), ges­tão dos si­lên­ci­os e im­pac­to psi­co­ló­gi­co da se­re­ni­da­de em re­la­ção ao in­ter­lo­cu­tor, co­mo fac­to­res es­sen­ci­ais que con­tri­buí­ram pa­ra o es­tron­do­so su­ces­so dos de­ba­tes te­le­vi­si­vos na RTP, en­tre o Em­bai­xa­dor Iti­ne­ran­te, An­tó­nio Luvualu de Car­va­lho ver­sus Jo­sé Edu­ar­do Agua­lu­sa e João So­a­res, du­as fi­gu­ras da cul­tu­ra e da po­lí­ti­ca por­tu­gue­sa, res­pec­ti­va­men­te, que, pe­lo me­nos em te­o­ria e na apa­rên­cia, de­ve­ri­am pos­suir ou têm mais ex­pe­ri­ên­cia nos seus res­pec­ti­vos do­mí­ni­os pro­fis­si­o­nais, se com­pa­rar­mos à in­ci­pi­en­te car­rei­ra aca­dé­mi­ca do Em­bai­xa­dor Iti­ne­ran­te.

Im­por­ta re­fe­rir que, in­tro­du­zin­do uma bre­ve re­fle­xão teó­ri­ca, a nar­ra­ção, se­gun­do es­tu­dos nar­ra­to­ló­gi­cos con­sa­gra­dos, é o cru­za­men­to en­tre pla­no da his­tó­ria e o pla­no do dis­cur­so, sen­do o pri­mei­ro o da his­tó­ria ou te­ma, pro­pri­a­men­te di­to, e o se­gun­do, o mo­do co­mo o re­fe­ri­do dis­cur­so é pro­nun­ci­a­do, ou se­ja, o es­ti­lo que, se­gun­do Buf­fon, 17071788, na­tu­ra­lis­ta, ma­te­má­ti­co e es­cri­tor fran­cês,“é o ho­mem”.

Nes­te ata­lho de aná­li­se, di­ría­mos en­tão que a es­ta­tu­ra in­te­lec­tu­a­le a per­so­na­li­da­de cul­tu­ral de An­tó­nio Luvualu de Car­va­lho, ou se­ja o seu es­ti­lo, re­sul­tan­te do su­ces­so aca­dé­mi­co, in­fluên­ci­as da edu­ca­ção familiar, cír­cu­lo de ami­gos, in­cluin­do o con­tac­to com al­tas fi­gu­ras da eli­te po­lí­ti­ca an­go­la­na, di­ga-se de pas­sa­gem do MPLA, têm ti­do um pa­pel ful­gu­ran­te e de su­ma im­por­tân­cia no al­can­ce in­for­ma­ti­vo, e efei­to pe­da­gó­gi­co­das su­as in­ter­ven­ções e de­ba­tes, em su­ma, no su­ces­so da sua jo­vem car­rei­ra po­lí­ti­ca.

Se­re­ni­da­de

A par das qua­li­da­des men­ci­o­na­das, que se nos afi­gu­ram não me­no­res, o efei­to psi­co­ló­gi­co da se­re­ni­da­de e sim­pli­ci­da­de da lin­gua­gem, en­ten­di­da co­mo sen­do “o con­tro­lo da com­ple­xi­da­de lin­guís­ti­ca”, fo­ram dois as­pec­tos re­ve­la­dos pe­lo em­bai­xa­dor An­tó­nio Luvualu de Car­va­lho, du­ran­te os dois de­ba­tes em aná­li­se.

Mes­mo nos mo­men­tos de mai­or ten­são em si­tu­a­ções que se­ri­am nor­mais uma al­te­ra­ção do hu­mor e do co­e­fi­ci­en­te de se­re­ni­da­de, An­tó­nio Luvualu de Car­va­lho con­tro­lou de for­ma se­re­na o le­me dos de­ba­tes, do iní­cio ao des­fe­cho. Ve­ja­mos o exem­plo que se­gue de um dos mo­men­tos al­tos do de­ba­te com João So­a­res: “O se­nhor quer que o MPLA per­ca as elei­ções mas o po­vo an­go­la­no não quer”, dis­se a da­do pas­so o Em­bai­xa­dor Iti­ne­ran­te as­so­ci­an­do o MPLA, nu­ma clás­si­ca es­tra­té­gia retórica, ao po­vo an­go­la­no, cu­ja ex­ten­são in­ter­pre­ta­ti­va dá-nos a li­ber­da­de de con­si­de­rar o MPLA co­mo sen­do uma das di­men­sões pri­vi­le­gi­a­das da cul­tu­ra an­go­la­na.

Retórica

Sa­be-se que a retórica en­quan­to do­mí­nio re­la­ci­o­na­do com a ora­tó­ria e di­a­léc­ti­ca, re­me­te pa­ra um gru­po de nor­mas que fa­zem com que um ora­dor co­mu­ni­que com eloquên­cia. An­tó­nio Luvualu de Car­va­lho per­ce­beu que a retórica tem co­mo ob­je­ti­vo ex­pres­sar idei­as de for­ma mais efi­caz, sim­ples, be­la, e, so­bre­tu­do, per­su­a­si­va. A retórica cor­res­pon­de à for­mu­la­ção de um pen­sa­men­to atra­vés da fa­la e por is­so de­pen­de em gran­de par­te da ca­pa­ci­da­de men­tal do ora­dor. O ac­to de con­ven­cer por pa­la­vras po­de ser pra­ti­ca­do, por is­so é que An­tó­nio Luvualu de Car­va­lho apre­sen­ta-se ca­da vez me­lhor em ca­da de­ba­te. A retórica era en­si­na­da em vá­ri­as es­co­las da An­ti­gui­da­de Clás­si­ca Gre­ga, co­nhe­ce­mos os ca­sos de De­mós­te­nes e Cí­ce­ro, ora­do­res e mes­tres da ar­te retórica que abor­da­vam a retórica nos seus di­fe­ren­tes es­ti­los, e al­te­ra­vam os seus me­ca­nis­mos re­tó­ri­cos, de­pen­den­do da ti­po­lo­gia do dis­cur­so.

Di­vi­sões

Im­por­ta re­ter que a dis­cur­si­vi­da­de de An­tó­nio Luvualu de Car­va­lho res­pon­deu com evi­den­te co­e­rên­cia as di­vi­sões clás­si­cas das cin­co par­tes es­sen­ci­ais da ar­te retórica aris­to­té­li­ca, a sa­ber a in­ven­ção, en­ten­di­da co­mo sen­do o con­jun­to e do­mí­nio de to­dos os prin­cí­pi­os re­la­ci­o­na­dos com o conteúdo, a dis­po­si­ção, que cor­res­pon­de à es­tru­tu­ra­ção das for­mas dos con­teú­dos, a elo­cu­ção, ex­pres­são do conteúdo de acor­do com o es­ti­lo apro­pri­a­do, a fi­xa­ção, que con­sis­te na me­mo­ri­za­ção do dis­cur­so em ques­tão, nes­te ca­pí­tu­lo o Em­bai­xa­dor re­ve­lou pos­suir uma vi­são re­tros­pec­ti­va e pros­pec­ti­va da his­tó­ria de An­go­la, e, por úl­ti­mo a ac­ção, ou se­ja, o ac­to de pro­fe­rir o dis­cur­so pro­pri­a­men­te di­to.

Li­vros

Em­bo­ra pos­sua uma car­rei­ra mui­to jo­vem, An­tó­nio Luvualu de Car­va­lho já pu­bli­cou os se­guin­tes li­vros: “Eco­no­mia e pe­tró­leo de An­go­la nos úl­ti­mos oi­to anos", 2011, “A no­va po­lí­ti­ca ex­ter­na de an­go­la no con­tex­to in­ter­na­ci­o­nal”, obra co­lec­ti­va, 2012, “União Afri­ca­na, quo va­dis?”, 2013, uma obra que ques­ti­o­na al­gu­mas ocor­rên­ci­as em Áfri­ca, co­mo a in­ter­ven­ção da OTAN na Lí­bia, a de­ten­ção do pre­si­den­te ivoi­ri­en­se Lau­rent Gbag­bo, e, en­tre ou­tras ques­tões a in­ter­ven­ção, fran­ce­sa no nor­te do Ma­li, e “An­go­la, ac­tor mai­or da pa­ci­fi­ca­ção e da ma­nu­ten­ção da paz em Áfri­ca”, 2015, li­vro tra­du­zi­do em fran­cês.

Pre­si­den­te

O pres­ti­gi­a­do pa­pel de­sem­pe­nha­do pe­lo Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca, Jo­sé Edu­ar­do dos Santos, na cri­a­ção e ma­nu­ten­ção das zo­nas de paz em Áfri­ca, de au­tor de um mo­de­lo de pa­ci­fi­ca­ção exem­plar em An­go­la, ex­por­ta­do pa­ra ou­tras re­giões do con­ti­nen­te, e da fun­ção re­le­van­te na di­plo­ma­cia an­go­la­na no pro­ces­so de pa­ci­fi­ca­ção da re­gião Cen­tral e Aus­tral do con­ti­nen­te Afri­ca­no, são as­pec­tos da po­lí­ti­ca ex­ter­na an­go­la­na des­cri­tos no li­vro “An­go­la, ac­tor mai­or da pa­ci­fi­ca­ção e da ma­nu­ten­ção da paz em Áfri­ca”. Nes­ta obra são ain­da des­cri­tos, de for­ma por­me­no­ri­za­da e exem­plar, os me­ca­nis­mos de paz da União Afri­ca­na, das Or­ga­ni­za­ções de In­te­gra­ção Re­gi­o­nal, e ana­li­sa­dos os prin­ci­pais con­fli­tos em Áfri­ca, in­cluin­do o re­cru­des­ci­men­to do ter­ro­ris­mo em cer­tas re­giões do con­ti­nen­te e o pa­pel dos par­cei­ros in­ter­na­ci­o­nais an­go­la­nos, em Áfri­ca. O li­vro pos­sui 204 pá­gi­nas, di­vi­di­das em qua­tro ca­pí­tu­los, e foi apre­sen­ta­do em Pa­ris, Fran­ça, pe­lo Em­bai­xa­dor e pres­ti­gi­a­do Pro­fes­sor, An­tó­nio Mar­tins da Cruz, an­ti­go mi­nis­tro dos Ne­gó­ci­os Es­tran­gei­ros de Por­tu­gal.

For­ma­ção

Fi­lho de Eu­cli­des Ma­nu­el de Car­va­lho e de Go­de­li­ve Luvualu, An­tó­nio Luvualu de Car­va­lho nas­ceu em Minsk, Bi­e­lor­rús­sia, on­de os pais eram es­tu­dan­tes, na épo­ca da an­ti­ga União das Re­pú­bli­cas So­ci­a­lis­tas So­vié­ti­cas (URSS), on­de fez a ins­tru­ção pri­má­ria. Es­te­ve sem­pre di­vi­di­do en­tre Lu­an­da, Mos­co­vo, Minsk e Yar­kov, na Ucrâ­nia.

Em 1994 re­gres­sou de­fi­ni­ti­va­men­te a An­go­la com a mãe e fi­xa­ram re­si­dên­cia na pro­vín­cia da Huí­la, on­de fre­quen­tou a Es­co­la Man­du­me e An­dré Mu­faio, e de­pois a Es­co­la Por­tu­gue­sa do Lubango. Li­cen­ci­ou-se em Re­la­ções In­ter­na­ci­o­nais pe­la ULA, Uni­ver­si­da­de Lu­sía­da de An­go­la. Em 2005, quan­do fre­quen­ta­va o ter­cei­ro ano do cur­so, foi se­lec­ci­o­na­do co­mo mo­ni­tor. An­tó­nio Luvualu de Car­va­lho pas­sou pe­lo Cen­tro Des­por­ti­vo e Cul­tu­ral da ULA. Em 2008, par­tiu com des­ti­no a Por­tu­gal pa­ra fa­zer o Mes­tra­do, re­gres­san­do dois anos de­pois a Lu­an­da, após a de­fe­sa da dis­ser­ta­ção so­bre “An­go­la, Eco­no­mia e Pe­tró­leo, 2002-2010”, te­ma que deu tí­tu­lo ao seu pri­mei­ro li­vro. En­tre­tan­to, as­su­miu o car­go de co­or­de­na­dor do cur­so de Re­la­ções In­ter­na­ci­o­nais na ULA e Di­rec­tor do Ga­bi­ne­te do Cen­tro de Es­tu­dos de In­ves­ti­ga­ção Ci­en­tí­fi­ca e pós-gra­du­a­ções. An­tó­nio Luvualu de Car­va­lho é pro­fes­sor na Fa­cul­da­de de Ci­ên­ci­as So­ci­ais e Hu­ma­nas e di­rec­tor do Ga­bi­ne­te de Co­o­pe­ra­ção e Re­la­ções Ins­ti­tu­ci­o­nais da ULA. Foi con­vi­da­do pe­la Uni­ver­si­da­de Lu­sía­da de Lis­boa pa­ra lec­ci­o­nar no âm­bi­to de uma Pós-gra­du­a­ção Eu­ro­a­fro-ame­ri­ca­na, e man­tém a co­la­bo­ra­ção com es­ta ins­ti­tui­ção de in­ves­ti­ga­ção ci­en­tí­fi­ca por­tu­gue­sa. An­tó­nio Luvualu de Car­va­lho é, pa­ra além de Em­bai­xa­dor Iti­ne­ran­te, um dos mais con­cei­tu­a­dos co­men­ta­ris­tas po­lí­ti­cos an­go­la­nos.

Di­plo­ma

An­tó­nio Luvualu de Car­va­lho re­ce­beu no dia 27 Ju­lho de 2012 o di­plo­ma de mé­ri­to por apro­vei­ta­men­to ex­cep­ci­o­nal, um re­co­nhe­ci­men­to do Mi­nis­té­rio da Ci­ên­cia, Tec­no­lo­gia e En­si­no Su­pe­ri­or de Por­tu­gal, e fre­quen­tou o dou­to­ra­men­to em Re­la­ções In­ter­na­ci­o­nais na Uni­ver­si­da­de Lu­sía­da de Lis­boa, ten­do re­ce­bi­do uma das mais al­tas dis­tin­ções aca­dé­mi­cas de Por­tu­gal, que é o “Di­plo­ma de bol­sa de es­tu­do por mé­ri­to” atri­buí­do em Ju­nho de 2009 pe­lo re­fe­ri­do Mi­nis­té­rio. A dis­tin­ção de mé­ri­to é re­la­ti­va ao seu apro­vei­ta­men­to ex­cep­ci­o­nal no ano lec­ti­vo de 2009 a 2010 quan­do fez a par­te cur­ri­cu­lar do mes­tra­do em Re­la­ções In­ter­na­ci­o­nais na Uni­ver­si­da­de Lu­sía­da de Lis­boa, que ter­mi­nou com Dis­tin­ção e de­fen­deu a te­se com “Mag­na Cum Lau­de”, com Gran­de Hon­ra, mui­to bom com lou­vor, fac­to que va­leu o con­vi­te di­rec­to pa­ra o Dou­to­ra­men­to. An­tó­nio Luvualu de Car­va­lho re­ce­beu es­te pres­ti­gi­a­do di­plo­ma das mãos do pro­fes­sor dou­tor An­tó­nio Mar­tins da Cruz, chan­ce­ler das Uni­ver­si­da­des Lu­sía­da de Lis­boa, Por­to e Vi­la No­va de Fa­ma­li­cão.

KINDALA MA­NU­EL

Aca­dê­mi­co An­tó­nio Lu­vu­a­lo de Car­va­lho

KINDALA MA­NU­EL

As­pec­tos ci­vi­li­za­ci­o­nais da cul­tu­ra an­go­la­na são de­fen­di­dos com frequên­cia pe­lo Em­bai­xa­dor

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.