Tu­do a pos­tos em Nda­la­tan­do pa­ra o ac­to cen­tral

Go­ver­no Pro­vin­ci­al ape­la ci­da­dãos ao re­gis­to elei­to­ral e des­ta­ca o for­ta­le­ci­men­to da de­mo­cra­cia

Jornal de Angola - - PARTADA - MA­NU­EL FONTOURA |*

A ci­da­de de Nda­la­tan­do, ca­pi­tal do Cu­an­za Nor­te, es­tá pre­pa­ra­da pa­ra aco­lher, na sex­ta-fei­ra, o ac­to cen­tral das ce­le­bra­ções do 41.º ani­ver­sá­rio da In­de­pen­dên­cia Na­ci­o­nal, que es­te ano de­cor­re sob o le­ma “Uni­dos, por uma An­go­la de­sen­vol­vi­da”.

Ac­ti­vi­da­des po­lí­ti­ca, cul­tu­ral, eco­nó­mi­ca e des­por­ti­va es­tão ins­crei­tas no pro­gra­ma co­me­mo­ra­ti­vo pa­ra os dez mu­ni­cí­pi­os da pro­vín­cia.

O Go­ver­no Pro­vin­ci­al do Cu­an­za Nor­te des­ta­cou, em co­mu­ni­ca­do, a sa­tis­fa­ção pe­la li­ber­da­de ex­pe­ri­men­ta­da pe­los an­go­la­nos, com o fim do re­gi­me co­lo­ni­al por­tu­guês e des­ta­cou a “ges­ta” de pa­tri­o­tas que na ma­dru­ga­da de 4 de Fe­ve­rei­ro de 1961 de­sen­ca­de­ou a lu­ta ar­ma­da con­tra a ocu­pa­ção co­lo­ni­al, que cul­mi­nou com a pro­cla­ma­ção da In­de­pen­dên­cia Na­ci­o­nal, a 11 de No­vem­bro de 1975.

O do­cu­men­to re­fe­re que es­te ano o for­ta­le­ci­men­to da de­mo­cra­cia es­pe­ra dos ci­da­dãos uma par­ti­ci­pa­ção ac­ti­va no pro­ces­so de re­gis­to elei­to­ral, que os ha­bi­li­ta a es­co­lher os go­ver­nan­tes do país nas pró­xi­mas elei­ções ge­rais de 2017, um fac­to que ele­va a res­pon­sa­bi­li­da­de dos an­go­la­nos.

“A His­tó­ria do po­vo an­go­la­no tem si­do mar­ca­da por di­ver­sos de­sa­fi­os, des­de a pro­cla­ma­ção da in­de­pen­dên­cia na­ci­o­nal, mor­men­te o al­can­ce da paz, a re­cons­tru­ção na­ci­o­nal, o for­ta­le­ci­men­to da de­mo­cra­cia e o com­ba­te à fo­me e à po­bre­za”, diz o co­mu­ni­ca­do do Go­ver­no Pro­vin­ci­al, que des­ta­ca as con­quis­tas al­can­ça­das pe­los an­go­la­nos em vá­ri­os do­mí­ni­os com a con­quis­ta da paz, a 4 de Abril de 2002, tra­du­zi­das na re­cu­pe­ra­ção das in­fraes­tru­tu­ras des­truí­das pe­la guer­ra e na cons­tru­ção de no­vas, in­ves­tin­do­se na re­cu­pe­ra­ção do te­ci­do so­ci­al.

No co­mu­ni­ca­do, o Go­ver­no Pro­vin­ci­al do Cu­an­za Nor­te exor­ta a po­pu­la­ção a par­ti­ci­par mas­si­va­men­te nas co­me­mo­ra­ções do 11 de No­vem­bro, “man­ten­do a co­e­são e a to­le­rân­cia e ma­ni­fes­ta o seu apoio aos pro­gra­mas de com­ba­te à fo­me e à po­bre­za”.

Vá­ri­as inau­gu­ra­ções

Um de­ba­te so­bre os acon­te­ci­men­tos do 11 de No­vem­bro de 1975, uma me­sa-re­don­da so­bre co­mo o pa­pel dos he­róis na­ci­o­nais po­de in­flu­en­ci­ar no re­for­ço do sen­ti­men­to pa­trió­ti­co e no res­ga­te dos va­lo­res mo­rais, as­sim co­mo um cul­to ecu­mé­ni­co de ac­ção de gra­ça cons­tam do pro­gra­ma, aber­to na ter­ça-fei­ra, pe­lo go­ver­na­dor pro­vin­ci­al.

Pe­lo me­nos vin­te es­tru­tu­ras, en­tre es­co­las, cen­tros sa­ni­tá­ri­os, ins­ta­la­ções ad­mi­nis­tra­ti­vas, re­si­dên­ci­as pro­to­co­la­res e sis­te­mas de abas­te­ci­men­to de água vão ser inau­gu­ra­das.

A co­mu­na da Al­deia No­va, mu­ni­cí­pio da Ban­ga, tem um no­vo sis­te­ma de cap­ta­ção, tra­ta­men­to e dis­tri­bui­ção de água e o Go­lun­go Al­to con­ta com um pos­to de saú­de e uma es­co­la no bair­ro Be­ta.

O mu­ni­cí­pio do Lu­ca­la ga­nha uma no­va es­co­la de seis sa­las e a se­de mu­ni­ci­pal de Sam­ba Ca­ju be­ne­fi­cia de no­vas ins­ta­la­ções da Iden­ti­fi­ca­ção Ci­vil, da Re­par­ti­ção da Edu­ca­ção, e da Ad­mi­nis­tra­ção Co­mu­nal de Sam­ba Lu­ca­la.

Na co­mu­na de Ca­vun­ga, mu­ni­cí­pio de Ngon­guem­bo, é inau­gu­ra­da uma es­co­la pri­má­ria, a ad­mi­nis­tra­ção co­mu­nal, o Cen­tro de Emis­são do Bi­lhe­te de Iden­ti­da­de no Ki­lom­bo dos Dem­bos.

A po­pu­la­ção de Am­ba­ca e Bo­lon­gon­go é brin­da­da com a inau­gu­ra­ção de uma lo­ja de cam­po. Já no Qui­cu­lun­go é aber­to um cen­tro fe­mi­ni­no de for­ma­ção pro­fis­si­o­nal e ar­tes e du­as es­co­las pri­má­ri­as. Fa­zem ain­da par­te do pro­gra­ma das co­me­mo­ra­ções do dia 11 de No­vem­bro uma pro­va de mo­to­cross na pis­ta Ma­nu­el Pe­dro Pa­ca­vi­ra no Ki­lom­bo, com pi­lo­tos das di­ver­sas equi­pas a ní­vel na­ci­o­nal, um pla­no de Rua Gi­gan­te com mais de três mil cri­an­ças, cor­ri­das de sa­co, tro­te, jan­te, de ar­co e pneus. Es­tá igual­men­te agen­da­do um qua­dran­gu­lar de fu­te­bol mas­cu­li­no e fe­mi­ni­no e uma ma­ra­to­na des­por­ti­va in­fan­to­ju­ve­nil, bem co­mo fes­ti­vais de dan­ça e de te­a­tro.

O pro­gra­ma in­clui pa­les­tras, uma so­bre o per­cur­so his­tó­ri­co de An­go­la, des­de o iní­cio da Lu­ta Ar­ma­da até ao al­can­ce da In­de­pen­dên­cia Na­ci­o­nal, e ou­tra so­bre o con­tri­bu­to de An­go­la pa­ra a paz na re­gião da Áfri­ca Aus­tral. Des­ta­que tam­bém pa­ra uma re­fle­xão so­bre a tra­jec­tó­ria do na­ci­o­na­lis­mo an­go­la­no, as­sim co­mo se­mi­ná­ri­os so­bre as po­ten­ci­a­li­da­des eco­nó­mi­cas da pro­vín­cia e so­bre o pa­pel do jor­na­lis­mo eco­nó­mi­co na di­ver­si­fi­ca­ção da eco­no­mia.

Em­pre­en­di­men­tos em Ca­xi­to

Na Pro­vín­cia do Ben­go, o pro­gra­ma das co­me­mo­ra­ções pre­vê a inau­gu­ra­ção de 38 ca­sas so­ci­ais na lo­ca­li­da­de de Mu­xa­lu­an­do, do de­pó­si­to de me­di­ca­men­tos em Pan­go Aluquém e do Ins­ti­tu­to Mé­dio dos Dem­bos. Cons­tam da agen­da a inau­gu­ra­ção do mer­ca­do de Ca­xi­to, da lo­ja de cam­po do On­zo, da es­co­la 368 do Kwan­go e do no­vo edi­fí­cio da Ad­mi­nis­tra­ção Co­mu­nal da Bar­ra do Dan­de.

Es­tá pre­vis­ta a inau­gu­ra­ção de uma es­co­la de se­te sa­las no Kis­se­fro e de uma do se­gun­do ci­clo do en­si­no se­cun­dá­rio. Uma fei­ra de ar­tes plás­ti­cas e ar­te­sa­na­to, jo­go de fu­te­bol on­ze, pro­va de atle­tis­mo e uma cam­pa­nha de lim­pe­za à vi­la de Ca­xi­to cons­tam do pro­gra­ma, bem co­mo um cul­to ecu­mé­ni­co de ac­ção de gra­ças.

Ga­nhos no Cu­ne­ne

A aber­tu­ra da jor­na­da co­me­mo­ra­ti­va do 11 de No­vem­bro foi mar­ca­da com uma pa­les­tra so­bre “Os ga­nhos da in­de­pen­dên­cia”, re­a­li­za­da em Ond­ji­va. Oli­vei­ra Pi­nho, da Ad­mi­nis­tra­ção Mu­ni­ci­pal do Kwa­nha­ma, des­ta­cou os be­ne­fí­ci­os e as con­quis­tas al­can­ça­das pe­los an­go­la­nos com a In­de­pen­dên­cia Na­ci­o­nal, pro­cla­ma­da a 11 de No­vem­bro de 1975.

O ora­dor fri­sou que a con­quis­ta da paz per­mi­tiu a ace­le­ra­ção dos ní­veis de cres­ci­men­to da eco­no­mia na­ci­o­nal, o au­men­to do nú­me­ro de es­co­las e de hos­pi­tais, a li­vre cir­cu­la­ção de pes­so­as e de mer­ca­do­ri­as, sis­te­mas de dis­tri­bui­ção de água e ou­tros em­pre­en­di­men­tos que con­tri­buí­ram pa­ra a me­lho­ria das con­di­ções de vi­da da po­pu­la­ção.

O pre­lec­tor dis­se que o cres­ci­men­to eco­nó­mi­co do país, em par­ti­cu­lar da pro­vín­cia do Cu­ne­ne, é vi­sí­vel no do­mí­nio das águas e da ener­gia eléc­tri­ca, com a en­tra­da em fun­ci­o­na­men­to da con­du­ta de Xan­gon­go-Ond­ji­va e da cen­tral tér­mi­ca da se­gun­da li­nha de trans­por­te de al­ta ten­são de 132kv, pro­ve­ni­en­te da Na­mí­bia, que li­ga as lo­ca­li­da­des de San­ta Cla­ra, Na­ma­cun­de, Mis­são Ca­tó­li­ca de Omu­pan­da e a ci­da­de de Ond­ji­va.

Oli­vei­ra Pi­nho des­ta­cou os pro­gres­sos sig­ni­fi­ca­ti­vos nos sec­to­res da saú­de, agri­cul­tu­ra, obras pú­bli­cas e de edu­ca­ção, en­si­no su­pe­ri­or, in­fra-es­tru­tu­ras des­por­ti­vas e trans­por­tes, en­tre ou­tros, ele­van­do a qua­li­da­de de vi­da da po­pu­la­ção.

Fei­to de gran­de im­por­tân­cia

No Mo­xi­co, o che­fe de de­par­ta­men­to de Edu­ca­ção Pa­trió­ti­ca do Co­man­do da Re­gião Mi­li­tar Les­te (RML), te­nen­te-co­ro­nel Rai­mun­do Fernando Vi­li­am­bo, con­si­de­rou que a In­de­pen­dên­cia Na­ci­o­nal é um fei­to de trans­cen­den­te im­por­tân­cia na vi­da do po­vo an­go­la­no, por pro­mo­ver a eman­ci­pa­ção da po­lí­ti­ca, eco­nó­mi­ca e cul­tu­ral do país.

Com a con­quis­ta da In­de­pen­dên­cia, dis­se, o Exe­cu­ti­vo con­ti­nua a di­rec­ci­o­nar as su­as ac­ções em be­ne­fí­cio do bem-es­tar da po­pu­la­ção em to­da ex­ten­são do ter­ri­tó­rio na­ci­o­nal, além de re­for­çar a con­so­li­da­ção da de­mo­cra­cia.

En­tre os ga­nhos, o ofi­ci­al su­pe­ri­or des­ta­cou a cons­tru­ção de es­co­las de en­si­no pri­má­rio do II ci­clo, hos­pi­tais de re­fe­rên­cia, ha­bi­ta­ção, sis­te­mas de água po­tá­vel, ener­gia eléc­tri­ca e o fo­men­to da agri­cul­tu­ra familiar. “Com a pro­cla­ma­ção da In­de­pen­dên­cia Na­ci­o­nal, pe­lo pri­mei­ro Pre­si­den­te de An­go­la, An­tó­nio Agos­ti­nho Ne­to, pe­ran­te a Áfri­ca e o mun­do em 1975, o país dei­xou de ser uma co­ló­nia por­tu­gue­sa”, re­fe­riu.

O ofi­ci­al su­pe­ri­or das FAA pe­diu à po­pu­la­ção pa­ra con­ti­nu­ar fi­el aos ide­ais da re­vo­lu­ção an­go­la­na, res­pei­tan­do os sím­bo­los e os ór­gãos de so­be­ra­nia, “pa­ra a pre­ser­va­ção da paz al­can­ça­da com mui­to su­or e sa­cri­fí­cio”.

NI­LO MA­TEUS | NDA­LA­TAN­DO

Um ân­gu­lo da ci­da­de de Nda­la­tan­do que aco­lhe o ac­to cen­tral das ce­le­bra­ções alu­si­vas ao ani­ver­sá­rio da In­de­pen­dên­cia Na­ci­o­nal

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.