As ori­gens de Fer­di­nan­do de Habs­bur­go

ARISTOCRACIA AUSTRO-HÚNGARA

Jornal de Angola - - PARTADA - FRAN GÁLVEZ

En­tre to­dos os jo­vens pi­lo­tos que ten­tam ga­nhar es­pa­ço no mun­do do au­to­mo­bi­lis­mo, Fer­di­nan­do de Habs­bur­go-Lo­re­na, bis­ne­to do úl­ti­mo im­pe­ra­dor austro-hún­ga­ro, Car­los I, des­ta­ca-se pe­lo seu ta­len­to e pe­las su­as ori­gens.

Ape­sar da sua li­nha­gem re­al e do re­bu­li­ço que des­per­ta en­tre as equi­pas e ad­ver­sá­ri­os, o “prín­ci­pe”, co­mo ele é cha­ma­do pe­los com­pa­nhei­ros de for­ma iró­ni­ca, não acre­di­ta que o seu so­bre­no­me o be­ne­fi­cie na ho­ra de com­pe­tir nas pis­tas.

“Não acre­di­to que o meu so­bre­no­me me aju­de nas cor­ri­das. Na pis­ta, a úni­ca coi­sa que im­por­ta é o cro­nó­me­tro” dis­se à Agên­cia Efe o jo­vem pi­lo­to, de 19 anos, que na se­ma­na pas­sa­da con­quis­tou em Je­rez o tí­tu­lo de “Re­ve­la­ção do Ano” na Eu­ro Fór­mu­la Open, uma ca­te­go­ria que ser­ve co­mo pre­pa­ra­ção pa­ra a Fór­mu­la 1.“Em­bo­ra o meu no­me pos­sa abrir por­tas com os pa­tro­ci­na­do­res, es­pe­ro que os meus re­sul­ta­dos fa­lem por si só”, co­men­tou o jo­vem pi­lo -to. Além do tí­tu­lo, Fer­di­nan­do já pra­ti­ca­men­te ga­ran­tiu o vi­ce-cam­pe­o­na­to­ge­ral da Eu­ro Fór­mu­la Open nes­ta tem­po­ra­da, atrás ape­nas do ita­li­a­no Le­o­nar­do Pul­ci­ni.

Pa­ra par­ti­ci­par da ca­te­go­ria, é pre­ci­so um in­ves­ti­men­to de 400 mil eu­ros po­ra­no. Nas­ci­do em 21 de Ju­nho de 1997, em Salz­bur­go, Fer­di­nan­do é fi­lho dos ar­qui­du­ques da Áus­tria, Car­los de Habs­bur­go-Lo­re­na e Fran­ces­ca Thys­sen-Bor­ne­mis­za, e fu­tu­ro her­dei­ro da che­fia da Ca­sa de Habs­bur­go. Os tí­tu­los de no­bre­za do jo­vem, que co­me­çou a com­pe­tir aos 12 anos, são de Prín­ci­pe Im­pe­ri­al da Áus­tria, Prín­ci­pe Re­al da Hun­gria, Croá­cia e Boé­mia, além de Ar­qui­du­que da Áus­tria. O seu ta­ta­ra­vó, Car­los I, foi o úl­ti­mo lí­der do Im­pé­rio Austro-hún­ga­ro e rei­nou en­tre os anos de 1916 e 1918, quan­do o im­pé­rio foi des­man­te­la­do de­pois do fim da 1ª Guer­ra Mun­di­al.

Ou­tro dos ape­li­dos que amis­to­sa­men­te é da­do a Fer­di­nan­do no pad­dock é o de “Águia Bi­cé­fa­la”, em re­fe­rên­cia ao es­cu­do de ar­mas da fa­mí­lia Habs­bur­go. “Os meus con­cor­ren­tes não têm tem­po de fa­zer brin­ca­dei­ras na pis­ta por­que lá sem­pre es­tou aten­to”, brin­cou o pi­lo­to so­bre as iro­ni­as fei­tas pe­los ad­ver­sá­ri­os.

O pi­lo­to che­ga no pró­xi­mo fim de se­ma­na a Bar­ce­lo­na pa­ra dis­pu­tar as du­as úl­ti­mas eta­pas da Eu­ro Fór­mu­la Open. Na ca­te­go­ria, são dis­pu­ta­das du­as pro­vas por eta­pa e am­bas so­mam pon­tos na clas­si­fi­ca­ção. O “prín­ci­pe” não tem mais chan­ces de tí­tu­lo. Ape­sar de ter apro­vei­ta­do a ex­pe­ri­ên­cia na ca­te­go­ria, Fer­di­nan­do acre­di­ta que pre­ci­sa dis­pu­tar um cam­pe­o­na­to mais com­pe­ti­ti­vo na pró­xi­ma tem­po­ra­da.

A am­bi­ção, po­rém, é a mes­ma: con­quis­tar o tí­tu­lo co­mo pi­lo­to no­va­to da no­va ca­te­go­ria es­co­lhi­da.

Em du­as ou três se­ma­nas, a pro­mes­sa de­ci­di­rá en­tre com­pe­tir na Eu­ro­pe­an For­mu­la 3 ou na GP3, ou­tros dois cam­pe­o­na­tos que ser­vem co­mo pre­pa­ra­ção pa­ra quem quer che­gar à Fór­mu­la 1.

“A Fór­mu­la 1 é um so­nho, mas di­to is­to, tam­bém es­tou aber­to ao World En­du­ran­ce Cham­pi­onship, a Indy­car e ou­tras com­pe­ti­ções. Gos­ta­ria de cor­rer em to­das elas”, dis­se Fer­di­nan­do so­bre as vá­ri­as ca­te­go­ri­as re­co­nhe­ci­das pe­la Fe­de­ra­ção In­ter­na­ci­o­nal de Au­to­mo­bi­lis­mo.

A fa­mí­lia do jo­vem pi­lo­to es­tá en­can­ta­da com a pai­xão de­le pe­las pis­tas e a am­bi­ção de atin­gir o to­po do des­por­to mo­to­ri­za­do. “O meu pai, os meus ir­mãos, to­dos me apoi­am. Mas, sem dú­vi­da, a mi­nha mai­or fã é a mi­nha mãe”, con­tou o her­dei­ro do im­pe­ra­dor austro-hún­ga­ro.

Pa­ra Fer­di­nan­do, que es­co­lheu uma car­rei­ra pro­fis­si­o­nal pou­co ha­bi­tu­al pa­ra al­guém da sua po­si­ção so­ci­al, sem­pre é di­ver­ti­do ex­pli­car o que ele faz da vi­da. Se não ti­ves­se op­ta­do por ser pi­lo­to, se­gun­do re­ve­lou, a al­ter­na­ti­va que lhe agra­da tam­bém es­tá fo­ra da es­fe­ra da no­bre­za: a in­dús­tria da mú­si­ca.

Na Fór­mu­la 1, Fer­di­nan­do é fã do fin­lan­dês Valt­te­ri Bot­tas e da es­cu­de­ria Wil­li­ams, se­gun­do ele, de gran­de “éti­ca pro­fis­si­o­nal”. Já o cir­cui­to fa­vo­ri­to do mem­bro da no­bre­za­não­po­de­ri­a­ser ou­tro: o de Mó­na­co, mon­ta­do­nas­ru­as do prin­ci­pa­do.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.