Rús­sia quer ex­pli­ca­ções de Washing­ton so­bre en­saio de um ata­que ci­ber­né­ti­co

Krem­lin quer ex­pli­ca­ções da Ca­sa Bran­ca so­bre pre­pa­ra­ção de ata­que a sis­te­mas rus­sos

Jornal de Angola - - PARTADA - ALTINO MA­TOS |

Os Go­ver­nos da Rús­sia e dos Es­ta­dos Uni­dos da Amé­ri­ca con­ti­nu­am em di­fi­cul­da­de pa­ra es­ta­be­le­cer uma li­nha de en­ten­di­men­to so­bre te­mas co­mo a se­gu­ran­ça, co­o­pe­ra­ção in­ter­na­ci­o­nal e com­ba­te ao ter­ro­ris­mo. A is­so jun­ta-se a si­tu­a­ção na Sí­ria e to­da a mo­vi­men­ta­ção de mei­os nos “cor­re­do­res” do Mé­dio Ori­en­te.

Es­pe­ci­a­lis­tas mi­li­ta­res con­ti­nu­am a aler­tar que a si­tu­a­ção es­tá a atin­gir um pon­to bas­tan­te pe­ri­go­so e o pi­or po­de acon­te­cer, co­mo uma guer­ra em lar­ga es­ca­la com dois gran­des in­ter­ve­ni­en­tes.

A tro­ca de acu­sa­ções en­tre a Rús­sia e os Es­ta­dos Uni­dos já atin­giu um pon­to in­su­por­tá­vel. Em mui­tas oca­siões, as de­cla­ra­ções acu­sa­tó­ri­as de pe­ri­tos mi­li­ta­res che­gam a aba­far a cam­pa­nha à elei­ção pre­si­den­ci­al nos Es­ta­dos Uni­dos, que ho­je co­nhe­ce o seu dia de gran­de re­fle­xão.

Nem mes­mo in­ci­den­tes co­mo a ten­ta­ti­va de as­sas­si­na­to ao can­di­da­to re­pu­bli­ca­no Do­nald Trump e a pre­sen­ça de um seu apoi­an­te no co­mí­cio da de­mo­cra­ta Hil­lary Clin­ton, con­se­gui­ram di­mi­nuir o im­pac­to da tro­ca de acu­sa­ções en­tre os go­ver­nos de Mos­co­vo e Washing­ton.

As di­fe­ren­ças são tão evi­den­tes, que es­tá a ser di­fí­cil de­se­nhar nos pró­xi­mos tem­pos um en­ten­di­men­to mai­or en­tre os dois go­ver­nos. Ana­lis­tas in­ter­na­ci­o­nais es­cla­re­ce­ram que o pró­xi­mo Pre­si­den­te dos Es­ta­dos Uni­dos, a ser elei­to já ama­nhã, po­de de­ter­mi­nar o fim da ten­são en­tre os dois paí­ses, pa­ra o bem ou pa­ra o mal. Por ou­tras pa­la­vras, no ca­so de Do­nald Trump, a ten­são ten­de a bai­xar.

Po­rém, com Hil­lary Clin­ton, só o tem­po po­de res­pon­der, a jul­gar por aqui­lo que am­bos fi­ze­ram e dis­se­ram du­ran­te a cam­pa­nha, que foi pre­en­chi­da por tu­do um pou­co em ma­té­ria de po­lí­ti­ca e de­mo­cra­cia. Trump e Hil­lary am­bos vão her­dar um dos­siê cheio de in­cer­te­zas, mas que vão ser obri­ga­dos a dar uma res­pos­ta con­cre­ta ten­do em con­ta as ac­tu­ais cir­cusn­tân­ci­as.

Rús­sia ques­ti­o­na os EUA

As au­to­ri­da­des rus­sas pe­di­ram ex­pli­ca­ções aos Es­ta­dos Uni­dos so­bre o aces­so de mi­li­ta­res nor­te­a­me­ri­ca­nos às su­as re­des es­tra­té­gi­cas, que in­clu­em o sis­te­ma de co­man­do do Krem­lin e que re­pre­sen­ta o en­saio pa­ra um fu­tu­ro ata­que ci­ber­né­ti­co de mai­or es­ca­la. “Es­pe­ra­mos uma re­ac­ção das au­to­ri­da­des dos EUA, en­tre elas a Ca­sa Bran­ca e o De­par­ta­men­to de Es­ta­do, e uma ava­li­a­ção le­gal des­sas in­for­ma­ções”, dis­se Ma­ria Zakha­ro­va, por­ta-voz do Mi­nis­té­rio das Re­la­ções Ex­te­ri­o­res da Rús­sia.

A di­plo­ma­ta res­sal­tou que a au­sên­cia de re­ac­ção ofi­ci­al por par­te do Go­ver­no nor­te-ame­ri­ca­no sig­ni­fi­ca a exis­tên­cia de ter­ro­ris­mo ci­ber­né­ti­co es­ta­tal por par­te dos EUA. A por­ta-voz acres­cen­tou que, ca­so se­jam cum­pri­das as ame­a­ças re­pro­du­zi­das pe­la co­mu­ni­ca­ção so­ci­al nor­te-ame­ri­ca­na, Mos­co­vo pas­sa a ter di­rei­to pa­ra apre­sen­tar a Washing­ton as cor­res­pon­den­tes acu­sa­ções.

A re­ac­ção de Ma­ria Zakha­ro­va é con­sequên­cia das in­for­ma­ções vei­cu­la­das pe­la re­de de te­le­vi­são nor­te­a­me­ri­ca­na NBC, que afir­mou que “hac­kers” mi­li­ta­res dos EUA con­se­gui­ram ace­der às re­des eléc­tri­cas e de te­le­co­mu­ni­ca­ções rus­sas, in­cluí­do o sis­te­ma de co­man­do do Krem­lin. Se­gun­do a fon­te, que ci­ta um res­pon­sá­vel dos ser­vi­ços de in­te­li­gên­cia, os “hac­kers” dei­xa­ram es­ses sis­te­mas vul­ne­rá­veis pa­ra um pos­sí­vel ata­que ci­ber­né­ti­co nor­te-ame­ri­ca­no con­tra a Rús­sia.

O ata­que ci­ber­né­ti­co de gran­de es­ca­la só de­ve ocor­rer no im­pro­vá­vel ca­so de os Es­ta­dos Uni­dos se­rem ví­ti­mas de um ata­que sig­ni­fi­ca­ti­vo que in­ter­fe­ris­se nas elei­ções pre­si­den­ci­ais de ama­nhã. So­bre es­sa ques­tão, o por­ta-voz do Krem­lin, Dmi­tri Pes­kov, des­ta­cou on­tem que a Rús­sia já adop­tou me­di­das de pro­tec­ção do seu es­pa­ço ci­ber­né­ti­co pa­ra en­fren­tar as ame­a­ças fei­tas por al­guns paí­ses, nu­ma re­fe­rên­cia cla­ra aos Es­ta­dos Uni­dos.

Em me­a­dos de Ou­tu­bro o Vi­ceP­re­si­den­te dos EUA, Joe Bi­den, adi­an­tou que Washing­ton es­ta­va a pre­pa­rar uma res­pos­ta con­tra a Rús­sia, pe­los ata­ques pa­ra in­flu­en­ci­ar as elei­ções, e que o ob­jec­ti­vo é que es­sa res­pos­ta te­nha o mai­or im­pac­to pos­sí­vel.

A de­ci­são já es­tá to­ma­da há mui­to tem­po e o mo­men­to pa­ra de­ter­mi­nar es­se ata­que de­pen­de do Pre­si­den­te Ba­rack Oba­ma, adi­an­tou nou­tra oca­sião o se­cre­tá­rio de Es­ta­do nor­te-ame­ri­ca­no, John Ker­ry.

O vi­ce-mi­nis­tro das Re­la­ções Ex­te­ri­o­res rus­so, Ser­gei Ryab­kov, as­se­gu­rou que Mos­co­vo dis­põe de “re­cur­sos su­fi­ci­en­tes pa­ra con­tro­lar pos­sí­veis ac­tos hos­tis no seu es­pa­ço ci­ber­né­ti­co”.

“Se tais pas­sos fo­rem da­dos, evi­den­te­men­te vai ser um no­vo e mui­to gra­ve re­vés pa­ra as re­la­ções en­tre Mos­co­vo e Washing­ton”, ad­ver­tiu Ser­gei Ryab­kov.

O Krem­lin ne­gou em vá­ri­as oca­siões que es­ta­ria por trás dos ata­ques que per­mi­ti­ram ao por­tal Wi­ki­le­aks pu­bli­car de­ze­nas de mi­lha­res dos do­cu­men­tos con­fi­den­ci­ais, cu­ja mai­o­ria com­pro­me­te a can­di­da­ta de­mo­cra­ta Hil­lary Clin­ton.

A can­di­da­ta à Ca­sa Bran­ca acu­sou di­rec­ta­men­te o Pre­si­den­te rus­so, Vla­di­mir Pu­tin, de re­a­li­zar uma cons­pi­ra­ção ci­ber­né­ti­ca com o ob­jec­ti­vo de be­ne­fi­ci­ar o re­pu­bli­ca­no Do­nald Trump.

AFP

Guer­ra ci­ber­né­ti­ca com mai­or al­can­ce nas di­fe­ren­ças en­tre Rús­sia e Es­ta­dos Uni­dos

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.