Mo­çam­bi­que su­pe­ra a Ve­ne­zu­e­la e tem ju­ros mais al­tos no mun­do

Jornal de Angola - - PARTADA -

Os ju­ros da dí­vi­da pú­bli­ca de Mo­çam­bi­que pas­sa­ram a ser os mais ele­va­dos do Mun­do, com 25,1 por cen­to ao ano, ul­tra­pas­san­do a Ve­ne­zu­e­la en­quan­to país mais ar­ris­ca­do pa­ra in­ves­tir, in­for­mou a agên­cia fi­nan­cei­ra Blo­om­berg.

De acor­do com a evo­lu­ção dos ju­ros que os in­ves­ti­do­res exi­gem pa­ra tran­sac­ci­o­nar os tí­tu­los da dí­vi­da pú­bli­ca emi­ti­da em dó­la­res, des­de a se­ma­na pas­sa­da que o va­lor das eu­ro-obri­ga­ções com ma­tu­ri­da­de em 2023 ul­tra­pas­sou a mé­dia dos ju­ros das emis­sões de dí­vi­da da Ve­ne­zu­e­la.

O grá­fi­co que mos­tra a evo­lu­ção dos ju­ros re­ve­la uma for­tís­si­ma su­bi­da des­de a se­ma­na pas­sa­da, quan­do o Mi­nis­té­rio das Fi­nan­ças fez uma apre­sen­ta­ção aos in­ves­ti­do­res em Lon­dres, na qu­al ad­mi­tia a in­ca­pa­ci­da­de pa­ra ser­vir a dí­vi­da pú­bli­ca, no­me­a­da­men­te a par­ce­la de cer­ca de 38 mi­lhões de dó­la­res das obri­ga­ções da Em­pre­sa Mo­çam­bi­ca­na de Atum (Ema­tum), que fo­ram con­ver­ti­dos em tí­tu­los de dí­vi­da so­be­ra­na em Abril.

Na apre­sen­ta­ção, ao lon­go de 20 pá­gi­nas, o Mi­nis­té­rio da Eco­no­mia e Fi­nan­ças evi­den­cia a in­ca­pa­ci­da­de de pa­ga­men­to das dí­vi­das das em­pre­sas que re­a­li­za­ram em­prés­ti­mos com avais do Es­ta­do. O Mi­nis­té­rio as­su­me que a dí­vi­da pú­bli­ca vai che­gar a 130 por cen­to do PIB es­te ano e apro­vei­ta pa­ra re­ver em bai­xa a pre­vi­são de cres­ci­men­to eco­nó­mi­co pa­ra 3,7 por cen­to, afir­man­do tam­bém sem ro­dei­os que as mé­tri­cas da dí­vi­da são in­sus­ten­tá­veis. “Mo­çam­bi­que ul­tra­pas­sa ac­tu­al­men­te to­dos os cin­co in­di­ca­do­res pa­ra ava­li­ar a sus­ten­ta­bi­li­da­de da dí­vi­da”, as­su­me o do­cu­men­to, que pro­põe, por is­so, um con­jun­to de reu­niões com os cre­do­res das em­pre­sas es­ta­tais Mo­zam­bi­que As­sett Ma­na­ge­ment e Proin­di­cus.

O prin­ci­pal ob­jec­ti­vo, ago­ra, é “re­to­mar as re­la­ções com o FMI pa­ra es­ta­bi­li­zar a eco­no­mia e res­tau­rar a con­fi­an­ça da co­mu­ni­da­de in­ter­na­ci­o­nal”, mas o Go­ver­no as­su­me que “as dis­cus­sões só po­dem re­co­me­çar se Mo­çam­bi­que já não es­ti­ver na ca­te­go­ria de país com ‘dí­vi­da em es­for­ço’ [debt dis­tress, no ori­gi­nal em in­glês], o que im­pli­ca que as fi­nan­ças e a dí­vi­da pú­bli­ca têm de es­tar nu­ma tra­jec­tó­ria sus­ten­tá­vel”.

O Fun­do Mo­ne­tá­rio In­ter­na­ci­o­nal (FMI) de­ve re­to­mar o apoio a Mo­çam­bi­que até ao fi­nal do se­gun­do tri­mes­tre de 2017, de­pois de o país ter co­me­ça­do a dar os pri­mei­ros pas­sos pa­ra fa­zer com que a dí­vi­da pú­bli­ca as­su­ma va­lo­res sus­ten­tá­veis, afir­mou em Ma­pu­to o re­pre­sen­tan­te per­ma­nen­te do FMI em Mo­çam­bi­que. “A da­ta exac­ta não é pos­sí­vel de de­fi­nir, mas pen­so que se ve­nha a si­tu­ar en­tre o fi­nal do pri­mei­ro tri­mes­tre e o iní­cio do se­gun­do tri­mes­tre”, de­cla­rou Ari Ai­sen, du­ran­te uma con­fe­rên­cia pro­mo­vi­da pe­lo “Fi­nan­ci­al Ti­mes” na ca­pi­tal mo­çam­bi­ca­na.

Ari Ai­sen dis­se ain­da es­tar a de­cor­rer um diá­lo­go diá­rio en­tre a ins­ti­tui­ção e o Go­ver­no no sen­ti­do de re­to­mar o apoio a Mo­çam­bi­que e acres­cen­tou que não de­ve pas­sar pe­lo pro­gra­ma que foi sus­pen­so es­te ano de­vi­do à re­ve­la­ção do es­cân­da­lo das dí­vi­das es­con­di­das, “de­ven­do vir a ser apro­va­do um no­vo pro­gra­ma.”

O re­pre­sen­tan­te do FMI sa­li­en­tou que Mo­çam­bi­que es­tá a dar “pas­sos cer­tos” nos três ele­men­tos que o Fun­do en­ten­de se­rem cru­ci­ais pa­ra o seu re­gres­so ao país.

“Já hou­ve um pas­so im­por­tan­te da­do no sen­ti­do de re­es­tru­tu­rar a dí­vi­da”, ga­ran­tiu. “As po­lí­ti­cas ma­cro-eco­nó­mi­cas es­tão a ser ajus­ta­das na di­rec­ção cor­rec­ta e na au­di­to­ria, que é um te­ma fun­da­men­tal”, pros­se­guiu. “Hou­ve um tra­ba­lho bas­tan­te in­ten­so com a Pro­cu­ra­do­ria-Ge­ral da Re­pú­bli­ca”, acres­cen­tou.

Ari Ai­sen re­cor­dou que a re­ve­la­ção de 1,4 mil mi­lhões de dó­la­res de en­car­gos ga­ran­ti­dos pe­lo Es­ta­do, à re­ve­lia dos par­cei­ros in­ter­na­ci­o­nais e do par­la­men­to, le­van­tou um “pro­ble­ma de con­fi­an­ça”, mas dis­se não ter mo­ti­vo pa­ra acre­di­tar que ha­ja mais dí­vi­das es­con­di­das.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.