Os cus­tos da In­de­pen­dên­cia

Jornal de Angola - - PARTADA - LUCIANO ROCHA |

O tem­po, às ve­zes, pa­re­ce pas­sar a cor­rer nu­ma su­ces­são de ho­ras e anos, com a vo­ra­gem do di­aa-dia a fa­zer-nos es­que­cer fac­tos que nos di­tam a vi­da e amiú­de são su­fo­ca­dos por cir­cuns­tân­ci­as se­cun­dá­ri­as.

Den­tro de ho­ras, os an­go­la­nos, es­te­jam on­de es­ti­ve­rem, co­me­mo­ram o 11 de No­vem­bro de 1975, quan­do Agos­ti­nho Ne­to, o nos­so pri­mei­ro Pre­si­den­te, anun­ci­ou, em Lu­an­da, “a Áfri­ca e ao Mun­do”, o nas­ci­men­to de mais uma na­ção li­vre das amar­ras do co­lo­ni­a­lis­mo tin­gi­das de san­gue, mas tam­bém de es­pe­ran­ça, de­ter­mi­na­ção e co­ra­gem.

Den­tro de ho­ras, os an­go­la­nos, de to­das as ida­des, re­cor­dam aque­le anún­cio fei­to pe­lo po­e­ta que, mes­mo nas ca­dei­as do opres­sor e no exí­lio, ex­pri­miu, co­mo pou­cos, o so­fri­men­to do po­vo a par da es­pe­ran­ça de uma Pátria li­vre e so­be­ra­na.

A mul­ti­dão que se con­cen­trou no Lar­go da In­de­pen­dên­cia, em Lu­an­da, viu pe­la pri­mei­ra vez a nos­sa Ban­dei­ra, iça­da sim­bo­li­ca­men­te por um pi­o­nei­ro e um dos he­róis do 4 de Fe­ve­rei­ro - o sau­do­so co­man­dan­te Im­pe­ri­al - que em 1961 ata­ca­ram ca­dei­as de Lu­an­da pa­ra li­ber­tar com­pa­nhei­ros do so­nho de li­ber­da­de. O aglo­me­ra­do era de ho­mens e mu­lhe­res de to­das as ida­des, cri­an­ças até, al­gu­mas le­va­das aos om­bros dos pais, ope­rá­ri­os, cam­po­ne­ses das re­don­de­zas da ca­pi­tal, ama­nu­en­ses, es­tu­dan­tes, in­te­lec­tu­ais, gen­te anó­ni­ma da ci­da­de as­fal­ta­da e dos mus­se­ques.

To­dos eles fa­zem par­te do gru­po res­tri­to que na­que­la noi­te vi­ram a Ban­dei­ra Na­ci­o­nal ser bei­ja­da no al­to do mas­tro pe­lo ven­to su­a­ve de No­vem­bro. A te­le­vi­são era al­go que não tí­nha­mos. Se hou­ve ou­tros an­go­la­nos pri­vi­le­gi­a­dos es­ta­vam no es­tran­gei­ro. Mas, as pa­la­vras do Pre­si­den­te Agos­ti­nho Ne­to e o Hi­no Na­ci­o­nal, ou­vi­do pe­la pri­mei­ra vez em pú­bli­co, fo­ram es­cu­ta­dos em to­do o país pe­la rá­dio.

A par­tir da­que­le mo­men­to, os an­go­la­nos po­di­am or­gu­lhar-se de ter uma Ban­dei­ra e um Hi­no, que mar­ca­vam o fim do ca­pí­tu­lo con­tra as for­ças do re­gi­me co­lo­ni­al e ali­a­dos e o iní­cio de ou­tro, não me­nos pe­ri­go­so e san­gren­to, con­tra ini­mi­go idên­ti­co, em­bo­ra com ou­tra rou­pa­gem, mas os mes­mos ob­jec­ti­vos, a ex­plo­ra­ção do po­vo. Os efei­tos do ar­ma­men­to pe­sa­do dos in­va­so­res eram au­dí­veis na ca­pi­tal.

Os an­go­la­nos sa­bi­am dis­so. Lu­an­da na­que­la noi­te, co­mo nos di­as ime­di­a­ta­men­te an­te­ri­o­res e nos que se se­gui­ram, cor­re­ra o ris­co de ser in­va­di­da por mer­ce­ná­ri­os zai­ren­ses, por­tu­gue­ses, de vá­ri­as ou­tras na­ci­o­na­li­da­des, co­man­da­dos por um ofi­ci­al do Exér­ci­to tu­ga, o co­ro­nel San­tos e Cas­tro, que fo­ram obri­ga­dos a fu­gir pe­ran­te a re­sis­tên­cia, ines­pe­ra­da pa­ra eles, das nos­sas tro­pas. Que da de­fe­sa pas­sa­ram ao ata­que.

Es­ta de­ter­mi­na­ção e he­roi­ci­da­de dos combatentes an­go­la­nos, na sal­va­guar­da da in­te­gri­da­de ter­ri­to­ri­al do país, man­ti­ve­ram-se até à der­ro­ta do po­de­ro­so Exér­ci­to da Áfri­ca do Sul - ti­do na al­tu­ra co­mo o me­lhor ape­tre­cha­do e or­ga­ni­za­do do Con­ti­nen­te - e di­ta­ram o des­mo­ro­nar do re­gi­me do apartheid e a In­de­pen­dên­cia da Na­mí­bia, após o Zim­babwe se ter li­vra­do já do re­gi­me ra­cis­ta de Ian Smith.

Des­ta for­ma, cum­pria-se o de­síg­nio de Agos­ti­nho Ne­to: a lu­ta do po­vo an­go­la­no ape­nas ter­mi­na­va, quan­do aque­les três paí­ses fos­sem ver­da­dei­ra­men­te in­de­pen­den­tes. Tam­bém a ra­zão de, em 25 de Mar­ço de 1969, o MPLA ter op­ta­do, pa­ra que não res­tas­sem dú­vi­das quan­to ao des­fe­cho fi­nal da lu­ta que em­pre­en­dia, pe­la pa­la­vra de or­dem “A Vi­tó­ria é Cer­ta” em de­tri­men­to de “Vi­tó­ria ou Mor­te”.

Os an­go­la­nos pre­pa­ram-se, uma vez mais, pa­ra co­me­mo­rar em paz o aniversário da pro­cla­ma­ção da In­de­pen­dên­cia Na­ci­o­nal. Mui­tos vão fa­zê-lo a far­rar e têm ra­zões pa­ra is­so. O mo­men­to é de fes­ta, de pro­gres­so e es­pe­ran­ça na con­ti­nu­a­ção de me­lho­res con­di­ções de vi­da. Os tem­pos de guer­ra já lá vão. Mas é im­por­tan­te co­nhe­cer a His­tó­ria, os que se sa­cri­fi­ca­ram pa­ra ter­mos es­te pre­sen­te. Os que tom­ba­ram de ar­mas na mão, pe­na­ram nas ca­dei­as e cam­pos de con­cen­tra­ção, fo­ram tor­tu­ra­dos e mor­tos, nas pri­sões e fo­ra de­las. Os per­se­gui­dos, fla­ge­la­dos por to­dos os ven­tos ad­ver­sos. E es­se avi­var de me­mó­ri­as não po­de ser fei­to ape­nas nos dis­cur­sos ofi­ci­ais, mas di­a­ri­a­men­te. Prin­ci­pal­men­te nos es­ta­be­le­ci­men­tos de en­si­no de to­dos os ní­veis e no seio fa­mi­li­ar. Pa­ra se evi­tar que da­qui a uns anos o 11 de No­vem­bro se­ja so­men­te mais um fe­ri­a­do na­ci­o­nal, sem es­co­la, nem tra­ba­lho, de far­ra. É aos mais ve­lhos que ca­be a missão de ex­pli­car aos mais no­vos “o que cus­tou a li­ber­da­de”. Se não o fi­zer­mos, cor­re­mos o ris­co de ser­mos, com pro­pri­e­da­de, acu­sa­dos de con­tri­buir pa­ra uma so­ci­e­da­de de ig­no­ran­tes.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.