De­fen­di­do mai­or in­ter­câm­bio en­tre an­go­la­nos e ame­ri­ca­nos

Os dois paí­ses tro­cam ex­pe­ri­ên­ci­as nas vá­ri­as mo­da­li­da­des ar­tís­ti­cas

Jornal de Angola - - PARTADA -

A mi­nis­tra da Cul­tu­ra, Ca­ro­li­na Cer­quei­ra, afir­mou na ter­ça-fei­ra, em Lu­an­da, ser ne­ces­sá­ria a cri­a­ção de um es­pa­ço de in­ter­câm­bio en­tre an­go­la­nos e nor­te-ame­ri­ca­nos no sen­ti­do de for­ta­le­cer a cul­tu­ra en­tre os dois po­vos e a cri­a­ção de pro­jec­tos con­jun­tos.

A go­ver­nan­te de­fen­deu es­ta po­si­ção no fi­nal do con­cer­to re­a­li­za­do pe­la ban­da nor­te-ame­ri­ca­na Word Smith, re­a­li­za­do na Ca­sa de Cul­tu­ra Njin­ga Mban­de.

Ca­ro­li­na Cer­quei­ra con­gra­tu­lou­se com a ini­ci­a­ti­va da Em­bai­xa­da dos Es­ta­dos Uni­dos da América e es­pe­ra que mais mú­si­cos ac­tu­em em An­go­la, de for­ma ha­ver mai­or co­nhe­ci­men­to das du­as cul­tu­ras.

Pa­ra a mi­nis­tra é tam­bém im­por­tan­te a tro­ca de ex­pe­ri­ên­ci­as a to­dos os ní­veis pa­ra que ou­tras áre­as da cul­tu­ra be­ne­fi­ci­em com es­te in­ter­câm­bio e que sir­va pa­ra res­ga­tar os la­ços cul­tu­rais que já vêem do tem­po da es­cra­va­tu­ra.

Ca­ro­li­na Cer­quei­ra con­si­de­rou que a cul­tu­ra une po­vos e ul­tra­pas­sa bar­rei­ras, ape­sar da bar­rei­ra lin­guís­ti­ca en­tre os dois po­vos. Mes­mo as­sim, dis­se que é pos­sí­vel re­a­li­zar pro­jec­tos que be­ne­fi­ci­am am­bos os paí­ses.

Por ou­tro la­do, o se­cre­tá­rio de Es­ta­do da Cul­tu­ra qua­li­fi­cou de po­si­ti­vo o in­ter­câm­bio cul­tu­ral en­tre An­go­la e os Es­ta­dos Uni­dos, com tro­cas de ex­pe­ri­ên­ci­as na dan­ça, mú­si­ca e te­a­tro.

Cor­né­lio Ca­ley deu es­ta opi­nião no fi­nal de um en­con­tro de tro­ca de ex­pe­ri­ên­ci­as en­tre mú­si­cos dos Es­ta­dos Uni­dos e es­tu­dan­tes e pro­fes­so­res do Com­ple­xo de Es­co­las de Ar­tes (CEARTE), em Lu­an­da.

A tro­ca de ex­pe­ri­ên­ci­as, adi­an­tou, a cur­to e a mé­dio pra­zo, vai dar os seus fru­tos, em to­dos as for­mas de ma­ni­fes­ta­ções cul­tu­rais e on­de fo­rem re­a­li­za­dos os se­mi­ná­ri­os co­mos pro­fis­si­o­nais mais ex­pe­ri­en­tes.

“Os Es­ta­dos Uni­dos já ma­ni­fes­ta­ram dis­po­ni­bi­li­da­de pa­ra es­ta­be­le­cer es­ta par­ce­ria em to­das as áre­as, aten­den­do à im­por­tân­cia que a cul­tu­ra de­sem­pe­nha nu­ma so­ci­e­da­de”, acres­cen­tou. “A cul­tu­ra vai per­mi­tir o apro­fun­da­men­to das re­la­ções bi­la­te­rais mui­to for­tes e a cul­tu­ra vai cri­ar o fun­da­men­to des­sas re­la­ções”, re­for­çou. Cor­né­lio Ca­ley sa­li­en­tou que é ne­ces­sá­rio que a cul­tu­ra se­ja um sec­tor pro­du­ti­vo e ren­tá­vel, e acres­cen­tou que os em­pre­sá­ri­os e os in­ves­ti­do­res de­vem vê­lo co­mo um fac­tor de de­sen­vol­vi­men­to e de ar­re­ca­da­ção de re­cei­tas pa­ra o país.

O se­cre­tá­rio de Es­ta­do fri­sou que, em paí­ses de­sen­vol­vi­dos, co­mo os Es­ta­dos Uni­dos, a cul­tu­ra es­tá nas “mãos” dos pri­va­dos, que fa­zem os seus in­ves­ti­men­tos e ar­re­ca­dam be­ne­fí­ci­os fi­nan­cei­ros. Por seu tur­no, a em­bai­xa­do­ra dos EUA, He­len La Li­me, afir­mou que os nor­te-ame­ri­ca­nos pro­cu­ram co­nhe­cer me­lhor a cul­tu­ra an­go­la­na. Se­gun­do a di­plo­ma­ta, exis­têm mui­tos nor­te-ame­ri­ca­nos a apre­en­der dan­ça e can­to em cur­sos de sem­ba e ki­zom­ba. “Tam­bém co­me­çam a apre­ci­ar os fil­mes que são pro­du­zi­dos em An­go­la, co­mo a obra ‘Rai­nha Njin­ga’, que es­tre­ou em 2015, em No­va Ior­que”, fri­sou. A par­ce­ria vai abran­ger a mú­si­ca, a dan­ça e o te­a­tro.

A di­plo­ma­ta nor­te-ame­ri­ca­na dis­se que “a cul­tu­ra é tam­bém um veí­cu­lo pa­ra o re­lan­ça­men­to e di­ver­si­fi­ca­ção da eco­no­mia, nu­ma fa­se em que o sec­tor do tu­ris­mo es­tá em fran­co cres­ci­men­to. Não exis­te tu­ris­mo se não es­ti­ver ali­a­do à cul­tu­ra, por­que a cul­tu­ra é que iden­ti­fi­ca ca­da po­vo, os seus usos e cos­tu­mes”.

A di­rec­to­ra do CEARTE, Ana Be­la, dis­se que a tro­ca de ex­pe­ri­ên­ci­as com os ar­tis­tas nor­te-ame­ri­ca­nos do gru­po Words­mith é uma mais-va­lia pa­ra os es­tu­dan­tes an­go­la­nos de ar­tes.

“Nós va­mos re­ce­ber tu­do aqui­lo que é a cul­tu­ra ame­ri­ca­na em ter­mos de mú­si­ca e da dan­ça, do mes­mo mo­do que eles vão le­var um pou­co da mú­si­ca, dan­ça e do te­a­tro que é fei­to em An­go­la. Uma sé­rie de ac­ti­vi­da­des es­tão a ser apre­sen­ta­das aos nos­sos vi­si­tan­tes”, acres­cen­tou.

O en­con­tro, fri­sou, foi be­né­fi­co e vai con­tri­buir pa­ra o re­for­ço das re­la­ções cul­tu­rais en­tre os dois paí­ses.

DOMBELE BER­NAR­DO

Ban­da nor­te-ame­ri­ca­na Word Smith re­a­li­zou na noi­te de ter­ça-fei­ra um con­cer­to em Lu­an­da

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.