América ja­mais se­rá co­mo an­tes

Jornal de Angola - - OPINIÃO - VICTOR CAR­VA­LHO |

No res­cal­do, ain­da a quen­te, da­qui­lo que po­de­rão ser as prin­ci­pais con­sequên­ci­as das elei­ções nor­te­a­me­ri­ca­nas, que le­va­ram Do­nald Trump a ser o 45.º Pre­si­den­te dos Es­ta­dos Uni­dos, uma coi­sa pa­re­ce se­gu­ra: a América ja­mais se­rá aqui­lo que era dan­tes. Es­ta con­vic­ção ad­vém, so­bre­tu­do, da re­tó­ri­ca dis­cur­si­va de Do­nald Trump mas, tam­bém, da­qui­lo a que se po­de­rá cha­mar de a “sua cli­en­te­la po­lí­ti­ca” e o mo­do co­mo ela vê o mun­do.

Uma cli­en­te­la for­te­men­te de­ter­mi­na­da a in­ver­ter aqui­lo que foi a es­tra­té­gia adop­ta­da pe­las an­te­ri­o­res ad­mi­nis­tra­ções de­mo­cra­tas de Oba­ma e que foi ca­paz de mo­bi­li­zar a es­ma­ga­do­ra mai­o­ria do elei­to­ra­do pa­ra um pro­gra­ma com um for­te ca­riz con­ser­va­dor, até por­que re­pre­sen­ta um re­gres­so ao pas­sa­do que fez dos Es­ta­dos Uni­dos a prin­ci­pal eco­no­mia mun­di­al.

É evi­den­te que an­tes de se en­trar mais pro­fun­da­men­te na aná­li­se da­qui­lo que po­de­rá ser a es­tra­té­gia de Do­nald Trump, de­ve­rá ter-se na de­vi­da li­nha de con­ta que mui­to da­qui­lo que foi o seu dis­cur­so elei­to­ral não pas­sou dis­so mes­mo: re­tó­ri­ca ver­bal des­ti­na­da a an­ga­ri­ar o mai­or nú­me­ro de vo­tos pos­sí­veis jun­to de um elei­to­ra­do con­ser­va­dor.

En­tre es­ses exa­ge­ros lin­guís­ti­cos, a que al­guns ana­lis­tas pre­fe­rem cha­mar “de­va­nei­os”, po­de­rá en­glo­bar­se a ra­di­ca­li­za­ção em ter­mos de po­si­ci­o­na­men­to pe­ran­te aqui­lo que são as di­ver­sas mi­no­ri­as in­ter­nas e a for­ma co­mo é en­ca­ra­da e tra­ta­da a pró­pria clas­se po­lí­ti­ca, fre­quen­te­men­te cha­ma­da de “cor­rup­ta”.

De­pois de in­ves­ti­do co­mo no­vo in­qui­li­no da Ca­sa Bran­ca ele pró­prio da­rá con­ti­nui­da­de ao tra­ba­lho que já ini­ci­ou no seu dis­cur­so de vi­tó­ria “ama­ci­an­do” al­gu­mas an­te­ri­o­res po­si­ções, pas­san­do de um tom abrup­to e ra­di­cal pa­ra um ou­tro mui­to mais in­clu­si­vo e con­ci­li­a­dor.

De­pois do cho­que ini­ci­al, re­flec­ti­do no mo­do co­mo o mun­do re­ce­beu a ines­pe­ra­da no­tí­cia do triun­fo de Trump, o dis­cer­ni­men­to co­me­ça a dei­xar per­ce­ber aqui­lo que na ver­da­de se po­de es­pe­rar da fu­tu­ra ad­mi­nis­tra­ção nor­te-ame­ri­ca­na.

Em pri­mei­ro lu­gar a in­ten­ção de Do­nald Trump, ex­pres­sa até à exaus­tão du­ran­te a sua cam­pa­nha elei­to­ral e que não tem na­da a ver com ra­di­ca­lis­mos, é de fa­zer com que os Es­ta­dos Uni­dos dei­xem de de­sem­pe­nhar o pa­pel de “po­lí­ci­as do mun­do”, ab­di­can­do da “res­pon­sa­bi­li­da­de” de te­rem o “pri­vi­lé­gio” de se­rem os do­nos e se­nho­res da ra­zão dos ou­tros e de, por is­so, de­ci­di­rem o que é o “bom” e o “mau” nos di­fe­ren­tes paí­ses do mun­do.

Pa­ra o con­ti­nen­te afri­ca­no es­sa dis­po­si­ção po­de ser en­ca­ra­da de du­as for­mas. Pa­ra aque­les que ou­sam pen­sar pe­la sua pró­pria ca­be­ça e se­rem se­nho­res dos seus des­ti­nos, es­sa in­ten­ção é re­ce­bi­da de bra­ços aber­tos pois sig­ni­fi­ca o fim de uma in­de­se­já­vel in­tro­mis­são nos seus as­sun­tos in­ter­nos.

Pa­ra aque­les que pro­cu­ram no acon­che­go ame­ri­ca­no o apoio – e mui­tas das ve­zes o in­cen­ti­vo – pa­ra ata­lha­rem a che­ga­da ao po­der a as­cen­são de Trump não dei­xa­rá de lhes pro­vo­car al­guns en­gas­gos uma vez que lhes re­ti­ram um “ali­a­do” de mui­to pe­so.

Mu­dan­ças na NA­TO

Tam­bém na cor­re­la­ção de for­ças, a ní­vel in­ter­na­ci­o­nal, o triun­fo de Do­nald Trump te­rá um efei­to avas­sa­la­dor ca­so ele le­ve por di­an­te aqui­lo que foi a in­ten­ção ma­ni­fes­ta­da em re­ver al­guns dos com­pro­mis­sos as­su­mi­dos pe­los seus an­te­ces­so­res, tan­to no cam­po po­lí­ti­co co­mo eco­nó­mi­co.

A ní­vel da NA­TO, por exem­plo, é ex­pec­tá­vel que os Es­ta­dos Uni­dos re­ve­jam a po­si­ção de as­su­mi­rem a res­pon­sa­bi­li­da­de por cer­ca de 70 por cen­to dos cus­tos de ma­nu­ten­ção da re­fe­ri­da or­ga­ni­za­ção o que, a con­fir­mar-se, co­lo­ca os seus ali­a­dos à bei­ra de um ata­que de ner­vos uma vez que os obri­ga a ines­pe­ra­dos es­for­ços fi­nan­cei­ros. Ain­da no con­tex­to in­ter­na­ci­o­nal é de pre­ver mu­dan­ças ra­di­cais no com­por­ta­men­to das gran­des em­pre­sas nor­te-ame­ri­ca­nas no seu re­la­ci­o­na­men­to com os go­ver­nos dos di­fe­ren­tes paí­ses on­de es­tão ins­ta­la­das, dei­xan­do de exer­cer a ha­bi­tu­al for­te pres­são po­lí­ti­ca pa­ra se de­di­ca­rem, uni­ca­men­te, a tra­tar de as­sun­tos de ne­gó­ci­os.

Um ou­tro as­pec­to que de­ve­rá mol­dar o po­si­ci­o­na­men­to in­ter­na­ci­o­nal dos Es­ta­dos Uni­dos, so­bre­tu­do em Áfri­ca, é a adop­ção de uma pos­tu­ra de ver­da­dei­ro diálogo e não de im­po­si­ção, quan­tas ve­zes acom­pa­nha­da de uma chan­ta­gem, ge­ra­do­ra de enor­mes e gra­ves con­fli­tos, so­bre­tu­do in­ter­nos. Es­se diálogo é fun­da­men­tal pa­ra re­lan­çar a ima­gem dos Es­ta­dos Uni­dos e pa­ra dar aos di­fe­ren­tes paí­ses a opor­tu­ni­da­de de te­rem uma pa­la­vra a di­zer, so­bre­tu­do quan­do es­tão em cau­sa os seus as­sun­tos in­ter­nos.

To­dos co­nhe­ce­mos di­fe­ren­tes ca­sos de des­ca­ra­da in­ter­fe­rên­cia em ma­té­ri­as de so­be­ra­ni­as na­ci­o­nais, se­jam eles exer­ci­dos di­rec­ta­men­te pe­lo go­ver­no ou por or­ga­ni­za­ções da so­ci­e­da­de ci­vil ins­pi­ra­das e apoi­a­das pe­los Es­ta­dos Uni­dos.

Es­pe­ra-se que, com a elei­ção de Trump, a si­tu­a­ção mu­de até por­que es­ta vi­tó­ria foi con­subs­tan­ci­a­da por uma mar­gem bas­tan­te con­for­tá­vel e es­tá res­pal­da­da no am­plo do­mí­nio que os re­pu­bli­ca­nos con­quis­ta­ram tan­to no Con­gres­so co­mo no Se­na­do.

Es­sa vi­tó­ria, sus­ten­ta­da num for­te apoio in­ter­no abran­gen­te a ní­vel de to­do o país, é tam­bém o re­fle­xo da­qui­lo que o po­vo nor­te-ame­ri­ca­no pre­ten­de que se­ja uma mai­or aten­ção pa­ra a re­so­lu­ção dos seus pro­ble­mas in­ter­nos e me­nos pa­ra os que afec­tam o mun­do.

É cla­ro que o pro­tec­ci­o­nis­mo que a fu­tu­ra ad­mi­nis­tra­ção de­ve­rá dar pa­ra os as­sun­tos in­ter­nos de­sa­gra­da, so­bre­tu­do, aos seus par­cei­ros eu­ro­peus que vêem na sua elei­ção a con­ti­nu­a­ção do pe­sa­de­lo que ocor­reu com a de­ci­são da In­gla­ter­ra em sair da União Eu­ro­peia.

Tra­ta-se de uma ten­dên­cia que po­de­rá mes­mo in­flu­en­ci­ar as pró­xi­mas elei­ções fran­ce­sas nas quais Ma­ri­ne Le Pen, da ex­tre­ma di­rei­ta, po­de­rá fa­zer va­ler a pa­la­vra de or­dem “Fran­ça pa­ra os fran­ce­ses” alar­gan­do des­se mo­do o nú­me­ro de paí­ses mais pre­o­cu­pa­dos com os seus pro­ble­mas in­ter­nos do que in­te­res­sa­dos em po­lí­ti­cas ex­pan­si­o­nis­tas.

No meio do “fu­ra­cão” que var­reu a de­mo­cra­ta Hil­lary Clin­ton, um dos gran­des der­ro­ta­dos foi o pre­si­den­te Ba­rak Oba­ma que se em­pe­nhou até à exaus­tão na cam­pa­nha da sua an­ti­ga Se­cre­tá­ria de Es­ta­do. Ao da­rem o seu vo­to a Do­nald Trump os nor­te-ame­ri­ca­nos cas­ti­ga­ram a ac­tu­al ad­mi­nis­tra­ção que se mos­trou in­ca­paz de re­sol­ver os prin­ci­pais pro­ble­mas in­ter­nos do país e que se en­vol­veu em de­ma­sia em as­sun­tos ex­ter­nos po­lé­mi­cos, mui­tos dos quais aca­ba­ram por ge­rar des­ne­ces­sá­ri­os con­fli­tos ar­ma­dos.

Oba­ma, aliás, é o prin­ci­pal “cul­pa­do” pe­la che­ga­da ao po­der de uma per­so­na­li­da­de tão po­pu­lis­ta co­mo Do­nald Trump uma vez que pa­re­ce nun­ca ter en­ten­di­do que os nor­te-ame­ri­ca­nos es­ta­vam can­sa­dos de se ver en­vol­vi­dos na so­lu­ção dos pro­ble­mas dos ou­tros e de ve­rem os seus agra­var-se de for­ma qua­se ir­re­ver­sí­vel.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.