Mé­di­ca con­si­de­ra op­ção mui­to gra­ve ope­rar o pân­cre­as

Jornal de Angola - - SOCIEDADE -

Fo­ram re­a­li­za­das no Hos­pi­tal Mi­li­tar de Lu­an­da, en­tre Se­tem­bro de 2012 e Se­tem­bro de 2016, 45 ci­rur­gi­as ao pân­cre­as, in­for­mou on­tem a mé­di­ca in­ter­na de ci­rur­gia ge­ral, Jés­si­ca Cam­pos.

Em de­cla­ra­ções à An­gop, à mar­gem do workshop so­bre ci­rur­gia ao pân­cre­as, sob o le­ma “Um dia com o pân­cre­as”, a mé­di­ca re­fe­riu que o nú­me­ro de ci­rur­gi­as já é ele­va­do, ten­do em con­ta que a le­são que le­va à in­ter­ven­ção ci­rúr­gi­ca é con­si­de­ra­da gra­ve. Se­gun­do a es­pe­ci­a­lis­ta, dos 26 ca­sos de tu­mo­res pan­creá­ti­cos su­jei­tos à ci­rur­gia, 59 por cen­to re­sul­ta­ram na mor­te dos pa­ci­en­tes. A mé­di­ca de­fi­niu o pân­cre­as co­mo uma glân­du­la de apro­xi­ma­da­men­te 15 cen­tí­me­tros de ex­ten­são, que se lo­ca­li­za atrás do estô­ma­go, en­tre o du­o­de­no e o ba­ço, res­pon­sá­vel pe­la pro­du­ção da in­su­li­na, que é o hor­mó­nio que re­duz as ta­xas de gli­co­se no san­gue. “A re­ti­ra­da com­ple­ta do pân­cre­as po­de de­sen­ca­de­ar um ca­so de di­a­be­tes in­con­tro­lá­vel”, dis­se Jés­si­ca Cam­pos.

A pro­fis­si­o­nal de saú­de re­al­çou que mui­tos pa­ci­en­tes che­gam ao hos­pi­tal em es­ta­do avan­ça­do da do­en­ça pan­creá­ti­ca e ape­lou a to­dos pa­ra cul­ti­va­rem o há­bi­to de fa­zer “check-ups” pe­rió­di­cos, me­dir o açú­car no san­gue e evi­tar o con­su­mo ex­ces­si­vo de ál­co­ol.

“Es­ta ci­rur­gia po­de le­var até no­ve ho­ras, sen­do uma das mai­o­res ci­rur­gi­as que exis­tem na re­de das ci­rur­gi­as do cor­po, por­que re­ti­ra-se a ca­be­ça do pân­cre­as e o du­o­de­no, le­van­do a vá­ri­as su­tu­ras. E co­mo tem uma al­ta ta­xa de mor­ta­li­da­de, de­ve ser fei­ta com cal­ma, pa­ra se ob­ter bons re­sul­ta­dos.”

Vá­ri­as pes­so­as com de­fi­ci­ên­cia fo­ram con­tem­pla­das on­tem, em Lu­an­da, com ca­dei­ras de ro­das e mu­le­tas ca­na­di­a­nas, nu­ma oferta da em­pre­sa de pres­ta­ção de ser­vi­ços NECB.

En­qua­dra­da no pro­jec­to ”In­gom­bo­ta com saú­de, Lu­an­da com vi­da”, a ac­ção te­ve co­mo ob­jec­ti­vo va­lo­ri­zar as pes­so­as com de­fi­ci­ên­cia e aju­dá-las na sua lo­co­mo­ção.

Nicolau Bo­ma, co­or­de­na­dor do pro­jec­to, dis­se ao Jor­nal de An­go­la que a ac­ção de be­ne­fi­cên­cia, que con­tou com o apoio da Di­rec­ção Mu­ni­ci­pal de Saú­de da In­gom­bo­ta, faz par­te dos fes­te­jos do qua­dra­gé­si­mo pri­mei­ro aniversário da In­de­pen­dên­cia Na­ci­o­nal.

O co­or­de­na­dor in­for­mou que nos pró­xi­mos di­as vai ser fei­ta a en­tre­ga de mos­qui­tei­ros às ven­de­do­ras de al­guns mer­ca­dos da ca­pi­tal.

Afon­so Ca­con­go, um dos be­ne­fi­ci­a­dos com ca­dei­ras de ro­das, não es­con­deu a sua sa­tis­fa­ção e dis­se que a oferta é bem vin­da, "por­que vai aju­dar mui­tos de­fi­ci­en­tes, que de­pen­dem dos mei­os de com­pen­sa­ção pa­ra po­de­rem ca­mi­nhar".

Afon­so Ca­con­go de­fen­deu a ne­ces­si­da­de de as as­so­ci­a­ções que li­dam com as pes­so­as com de­fi­ci­ên­cia con­ti­nu­a­rem a apoi­ar os mais ne­ces­si­ta­dos, por­que, se­gun­do afir­mou, "sem a sua aju­da não se­re­mos úteis à so­ci­e­da­de".

Ma­ri­lin­da Gas­par, ou­tra das be­ne­fi­ciá­ri­as, que con­traiu de­fi­ci­ên­cia há cin­co anos, após so­frer um aci­den­te de vi­a­ção, ape­lou ao Exe­cu­ti­vo a pres­tar mais aten­ção às pes­so­as com de­fi­ci­ên­cia, pois, sa­li­en­tou, “não é fá­cil ad­qui­rir um meio de com­pen­sa­ção nos di­as de hoje, por­que são ven­di­dos a pre­ços exor­bi­tan­tes”.

PAU­LO MULAZA

As ca­dei­ras de ro­das vão au­men­tar a mo­bi­li­da­de e dar mais dig­ni­da­de aos be­ne­fi­ci­a­dos

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.