An­tó­nio Pin­to re­e­di­ta li­vro so­bre His­tó­ria da lu­ta ar­ma­da

Jornal de Angola - - CULTURA - RO­QUE SIL­VA |

A se­gun­da edi­ção do li­vro “13 anos de Lu­ta Ar­ma­da. Porquê?”, de An­tó­nio Pin­to, é apre­sen­ta­da hoje, às 18h30, no Camões-Cen­tro Cul­tu­ral Por­tu­guês, em Lu­an­da. Re­e­di­ta­do de­pois de es­go­ta­da a pri­mei­ra edi­ção pu­bli­ca­da em 1975, o li­vro é apre­sen­ta­do pe­lo aca­dé­mi­co João Ma­nu­el Fran­cis­co “João Pin­to”, du­ran­te uma ses­são de ven­da e as­si­na­tu­ra de au­tó­gra­fos.

An­tó­nio Pin­to faz uma abor­da­gem da si­tu­a­ção so­ci­al e eco­nó­mi­ca de An­go­la en­tre 1961 e 1974, co­nhe­ci­da co­mo fa­se de “lu­ta de li­ber­ta­ção na­ci­o­nal”, por ser o pe­río­do mar­ca­do pe­la con­quis­ta da In­de­pen­dên­cia Na­ci­o­nal.

No li­vro, o au­tor re­fe­re os er­ros de in­ter­pre­ta­ção his­tó­ri­ca do re­gi­me de Por­tu­gal, que, con­tra os ven­tos da His­tó­ria, per­sis­tiu em “con­ti­nu­ar em Áfri­ca”, ig­no­ran­do as as­pi­ra­ções dos po­vos das co­ló­ni­as re­flec­ti­das nas rei­vin­di­ca­ções de na­ci­o­na­lis­tas co­mo Agos­ti­nho Ne­to, Má­rio Pin­to de An­dra­de, Amíl­car Cabral e Edu­ar­do Mon­dla­ne.

Num ca­pí­tu­lo, o au­tor ana­li­sa as clas­ses so­ci­ais das co­ló­ni­as por­tu­gue­sas, des­ta­can­do a “re­vo­lu­ção so­ci­al” ope­ra­da, so­bre­tu­do, nos ser­vi­ços pú­bli­cos, co­mo re­sul­ta­do de uma po­lí­ti­ca de mai­or to­le­rân­cia ra­ci­al.

A fa­se de ex­plo­são es­co­lar en­tre 1963-1974 e do au­men­to de qua­dros ne­gros na fun­ção pú­bli­ca tam­bém me­re­ceu apre­ci­a­ção no li­vro.

An­tó­nio Pin­to pre­ci­sa que es­sa re­vo­lu­ção se li­mi­tou ao “uni­ver­so” dos qua­dros e fun­ci­o­ná­ri­os da po­pu­la­ção ne­gra.

O au­tor ex­te­ri­o­ri­za an­gús­ti­as e pre­o­cu­pa­ções que mar­ca­ram a con­tur­ba­da tran­si­ção da co­ló­nia de An­go­la pa­ra a In­de­pen­dên­cia, pro­cla­ma­da a 11 de No­vem­bro de 1975.

O li­vro é di­vi­di­do em seis ca­pí­tu­los, nos quais são ain­da abor­da­dos os te­mas “A Bur­gue­sia Co­lo­ni­al e o De­sen­vol­vi­men­to de An­go­la”, “Dis­cri­mi­na­ção Ra­ci­al e In­jus­ti­ças So­ci­ais”, “Er­ros da Po­lí­ti­ca Co­lo­ni­al até 1974” e “Re­se­nha His­tó­ri­co-Po­lí­ti­ca de An­go­la (1482-1975)”.

O au­tor men­ci­o­na al­gu­mas re­for­mas le­gis­la­ti­vas no do­mí­nio da edu­ca­ção, que, na sua opi­nião, con­tri­buí­ram pa­ra re­for­çar a pre­sen­ça e im­por­tân­cia da lín­gua por­tu­gue­sa em An­go­la.

An­tó­nio Pin­to é na­tu­ral da Ga­be­la, ci­da­de da pro­vín­cia do Cu­an­za Sul. Con­cluiu a ins­tru­ção pri­má­ria em Por­to Am­boim e in­gres­sou no Se­mi­ná­rio Ca­tó­li­co em 1951, com 14 anos.

DR

Au­tor apre­sen­ta hoje o li­vro em Lu­an­da

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.