Pe­ri­tos afri­ca­nos ava­li­am edu­ca­ção

RE­FOR­MA DO EN­SI­NO

Jornal de Angola - - PARTADA - KÁTIA RA­MOS |

Pe­ri­tos da As­so­ci­a­ção pa­ra o De­sen­vol­vi­men­to da Edu­ca­ção em Áfri­ca (ADEA) vi­si­ta­ram cin­co pro­vín­ci­as do país pa­ra ava­li­ar a abran­gên­cia da re­for­ma edu­ca­ti­va, ten­do cons­ta­ta­do que exis­tem in­fra-es­tru­tu­ras téc­ni­cas e ad­mi­nis­tra­ti­vas de qua­li­da­de e uma vas­ta re­de es­co­lar.

Oi­to pe­ri­tos da As­so­ci­a­ção pa­ra o De­sen­vol­vi­men­to da Edu­ca­ção em Áfri­ca (ADEA), que vi­si­ta­ram cin­co pro­vín­ci­as do país pa­ra ava­li­ar, en­tre ou­tras ta­re­fas, a abran­gên­cia da re­for­ma edu­ca­ti­va, cons­ta­ta­ram a exis­tên­cia de in­fra-es­tru­tu­ras téc­ni­cas e ad­mi­nis­tra­ti­vas de qua­li­da­de e uma vas­ta re­de de ins­ti­tui­ções de­vi­da­men­te equi­pa­das pa­ra for­mar os pro­fes­so­res que o sis­te­ma ne­ces­si­ta pa­ra as­se­gu­rar a qua­li­da­de do en­si­no no país.

A missão de es­pe­ci­a­lis­tas con­cluiu que na área do en­si­no téc­ni­co­pro­fis­si­o­nal exis­te a pre­o­cu­pa­ção, por par­te dos alu­nos, so­bre a ne­ces­si­da­de de uma me­lhor ade­qua­ção e ali­nha­men­to com as ne­ces­si­da­des do de­sen­vol­vi­men­to do país e re­co­men­dou ao Mi­nis­té­rio da Edu­ca­ção o re­do­brar de es­for­ços pa­ra fa­ci­li­tar a em­pre­ga­bi­li­da­de dos di­plo­ma­dos do en­si­no téc­ni­co-pro­fis­si­o­nal.

O con­sul­tor in­ter­na­ci­o­nal de edu­ca­ção e co­or­de­na­dor dos pe­ri­tos afri­ca­nos, Ah­lin Byll Ca­ta­ria, dis­se que gos­tou de ver a or­ga­ni­za­ção da re­for­ma edu­ca­ti­va em cur­so.

A missão vi­si­tou o país no qua­dro da re­vis­ta de pa­res, que con­sis­te na ava­li­a­ção de as­pec­tos con­cre­tos do sec­tor da edu­ca­ção e en­si­no pe­lo olhar de pe­ri­tos, no ca­so, afri­ca­nos.

A ava­li­a­ção te­ve co­mo fo­co a qua­li­da­de de en­si­no, for­ma­ção de pro­fes­so­res, ins­pec­to­res e su­per­vi­so­res pe­da­gó­gi­cos, de­sen­vol­vi­men­to das com­pe­tên­ci­as téc­ni­cas e pro­fis­si­o­nais dos pro­fes­so­res, edu­ca­ção das pes­so­as com ne­ces­si­da­des edu­ca­ti­vas pro­fis­si­o­nais, bi­bli­o­te­cas e ma­te­ri­ais es­co­la­res, bem co­mo o en­si­no téc­ni­co pro­fis­si­o­nal e as ne­ces­si­da­des da al­fa­be­ti­za­ção e edu­ca­ção de adul­tos.

Tra­ba­lho no ter­re­no

Os pe­ri­tos tra­ba­lha­ram nas pro­vín­ci­as de Lu­an­da, Ben­go, Uí­ge, Cu­an­za Sul e Na­mi­be. No ter­re­no, fo­ram acom­pa­nha­dos pe­los res­pon­sá­veis do sec­tor do en­si­no de ca­da lo­ca­li­da­de, di­rec­to­res de es­co­las e al­guns téc­ni­cos se­ni­o­res do Mi­nis­té­rio da Edu­ca­ção.

O se­cre­tá­rio de Es­ta­do pa­ra For­ma­ção e En­si­no Téc­ni­co Pro­fis­si­o­nal, Nar­ci­so Be­ne­di­to, ad­mi­tiu que em An­go­la ain­da há mui­to pa­ra ser fei­to no do­mí­nio da re­for­ma edu­ca­ti­va, “mas exis­te uma vi­são glo­bal so­bre o ru­mo e os ob­jec­ti­vos que se quer al­can­çar”. Deu a co­nhe­cer que de­cor­re no país um es­tu­do que vai res­pon­der à cons­ta­ta­ção fei­ta pe­los pe­ri­tos, so­bre o ní­vel de em­pre­ga­bi­li­da­de dos di­plo­ma­dos e o grau de sa­tis­fa­ção dos em­pre­ga­do­res.

“O sis­te­ma an­go­la­no es­tá a de­sen­vol­ver um sis­te­ma de ga­ran­tia de qua­li­da­de do en­si­no téc­ni­co pa­ra a sa­tis­fa­ção dos di­plo­ma­dos e em­pre­ga­do­res”, sa­li­en­tou, acres­cen­tan­do que exis­te a ne­ces­si­da­de de de­sen­vol­ver me­ca­nis­mos de for­ma­ção ini­ci­al de ins­pec­to­res e su­per­vi­so­res pe­da­gó­gi­cos, pa­ra ga­ran­tir o acom­pa­nha­men­to das ac­ções nas es­co­las e nas sa­las de au­las.

Em An­go­la exis­tem 14 mil es­co­las do en­si­no pri­má­rio e no­ve mi­lhões de cri­an­ças es­tão a fre­quen­tar es­se ní­vel de en­si­no, que com­por­ta 185 mil pro­fes­so­res.

MACHANGONGO MIQUEIAS

Os pe­ri­tos da As­so­ci­a­ção pa­ra o De­sen­vol­vi­men­to da Edu­ca­ção em Áfri­ca fi­ca­ram sa­tis­fei­tos com o que vi­ram nas vá­ri­as es­co­las vi­si­ta­das

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.