Os re­pu­bli­ca­nos con­quis­tam tu­do

DO­NALD TRUMP É O PRE­SI­DEN­TE ELEI­TO DOS ES­TA­DOS UNI­DOS Vi­tó­ria do re­pu­bli­ca­no abre o de­ba­te so­bre a con­du­ção pa­cí­fi­ca da po­lí­ti­ca in­ter­na­ci­o­nal

Jornal de Angola - - PARTADA - ALTINO MA­TOS |

Do­nald Trump, o ven­ce­dor das pre­si­den­ci­ais de ter­ça-fei­ra nos Es­ta­dos Uni­dos, che­gou à Ca­sa Bran­ca com uma mão cheia de pro­mes­sas de união, es­ta­bi­li­da­de, pros­pe­ri­da­de eco­nó­mi­ca, aqui­lo que os nor­te-ame­ri­ca­nos não só que­ri­am ou­vir mas há mui­to pe­di­am e não en­con­tra­vam res­pos­tas plau­sí­veis nas po­lí­ti­cas da Ad­mi­nis­tra­ção Oba­ma.

O ago­ra Pre­si­den­te dos Es­ta­dos Uni­dos, que triun­fou nu­ma cam­pa­nha con­tra tu­do e con­tra to­dos, ga­ran­tiu, no dis­cur­so de vi­tó­ria, “re­con­ci­li­ar to­dos os nor­te-ame­ri­ca­nos”, que fo­ram às ur­nas pro­fun­da­men­te po­la­ri­za­dos, em elei­ções que de­ram sem­pre co­mo cer­ta a vi­tó­ria de Hil­lary Clin­ton, a de­mo­cra­ta que viu o seu so­nho en­go­li­do na for­ça de um can­di­da­to que não se dei­xou des­mo­ra­li­zar pe­la im­pren­sa, nem pe­las de­cla­ra­ções ve­xa­tó­ri­as de lí­de­res po­lí­ti­cos de sim­pa­tia do­més­ti­ca e in­ter­na­ci­o­nal.

O ven­ce­dor con­fi­den­ci­ou aos seus apoi­an­tes, num dos ho­téis de No­va Ior­que, que Hil­lary Clin­ton o fe­li­ci­tou pe­lo triun­fo. “Eu agra­de­ci e fe­li­ci­tei-a tam­bém pe­lo de­sem­pe­nho nes­sa cam­pa­nha e por tu­do que ela já fez pe­lo nos­so país”, dis­se Trump, ten­do pe­di­do, a se­guir, uma sal­va de pal­mas pe­la can­di­da­ta de­mo­cra­ta.

Do­nald Trump as­su­miu uma pos­tu­ra pon­de­ra­da. Apa­re­ceu pe­ran­te os nor­te-ame­ri­ca­nos co­mo con­ci­li­a­dor, um ho­mem ver­da­dei­ra­men­te pre­o­cu­pa­do com o de­sen­vol­vi­men­to dos Es­ta­dos Uni­dos e o be­mes­tar dos nor­te-ame­ri­ca­nos. Trump deu o pri­mei­ro si­nal de dis­tan­ci­a­men­to das fa­las in­fla­ma­das e dos dis­cur­sos dis­cri­mi­na­tó­ri­os, mui­to pre­sen­tes nos seus co­mí­ci­os e que mar­ca­ram a sua cam­pa­nha co­mo ten­do si­do con­tra os imi­gran­tes, o sis­te­ma po­lí­ti­co na­ci­o­nal e a fa­vor da Rús­sia. Pa­ra va­ri­ar, Do­nald Trump com­pro­me­teu-se a ser o Pre­si­den­te de to­dos os ame­ri­ca­nos. “A to­dos os re­pu­bli­ca­nos, de­mo­cra­tas e in­de­pen­den­tes, nes­ta na­ção, di­go que é o mo­men­to de nos re­con­ci­li­ar­mos co­mo um po­vo uni­do”, afir­mou Trump, de 70 anos, que lan­çou a sua cam­pa­nha pre­si­den­ci­al há um ano e meio. Tam­bém vol­tou a re­fe­rir que vai apos­tar na re­cons­tru­ção do país e in­te­grar to­das as pes­so­as sem di­fe­ren­ças de ra­ça, re­li­gião ou ori­gem. “Va­mos tra­ba­lhar jun­tos na ta­re­fa de re­no­var a na­ção e cons­truir o nos­so so­nho”, fri­sou.

No pla­no in­ter­na­ci­o­nal, o no­vo Pre­si­den­te dos Es­ta­dos Uni­dos, que to­ma pos­se em Ja­nei­ro de 2017, anun­ci­ou que quer “se dar bem com to­das as na­ções do mun­do, des­de que te­nham von­ta­de de se dar bem com os EUA.” Du­ran­te a sua cam­pa­nha, Do­nald Trump es­cla­re­ceu que só uma apro­xi­ma­ção à Rús­sia po­de me­lho­rar o qua­dro das re­la­ções in­ter­na­ci­o­nais. Os Es­ta­dos Uni­dos per­de­ram mui­to do seu pro­ta­go­nis­mo po­lí­ti­co, ape­sar de es­ta­rem em fren­tes co­mo a Lí­bia, Ucrâ­nia, Sí­ria, Ira­que, on­de pro­mo­ve­ram cli­mas in­sen­sí­veis e de gran­de de­ses­ta­bi­li­za­ção.

Na vi­são do Pre­si­den­te elei­to dos Es­ta­dos Uni­dos, o mun­do ga­nha mais com a con­cer­ta­ção de po­lí­ti­cas in­ter­na­ci­o­nais que re­for­cem os Es­ta­dos e com­ba­tam as ame­a­ças à pa­ci­fi­ca­ção co­mo o ter­ro­ris­mo, a imi­gra­ção ile­gal, o trá­fi­co de pes­so­as e a sa­bo­ta­gem de pro­gra­mas eco­nó­mi­cos e fi­nan­cei­ros, nos cor­re­do­res de la­va­gem de di­nhei­ro.

A ex­pec­ta­ti­va é gran­de em tor­no do es­pa­ço que Do­nald Trump vai ter pa­ra im­ple­men­tar as prin­ci­pais linhas da sua cam­pa­nha, já que, na prá­ti­ca, mui­tas de­las po­dem sig­ni­fi­car não ape­nas um re­tro­ces­so nos va­lo­res con­so­li­da­dos pe­la hu­ma­ni­da­de no cam­po dos di­rei­tos hu­ma­nos, mas tam­bém uma mu­dan­ça de pa­ra­dig­ma na per­so­na­li­da­de po­lí­ti­ca dos Es­ta­dos Uni­dos. En­tre es­tas, a pro­mes­sa da cons­tru­ção de um mu­ro na fron­tei­ra com o Mé­xi­co afi­gu­ra-se co­mo a mais pe­ri­go­sa, o que de­cer­to vai cer­ti­fi­car que as linhas da cam­pa­nha po­dem mes­mo ser exe­cu­ta­das. E, a par­tir daí, as de­mais pro­mes­sas, por mais cons­tran­ge­do­ras que se­jam, vão ter es­pa­ço pa­ra ser re­a­li­za­das con­tra to­das as ex­pec­ta­ti­vas.

A ques­tão, na ver­da­de, que se co­lo­ca em mui­tos cír­cu­los é: Do­nald Trump vai mes­mo al­te­rar a po­lí­ti­ca ex­ter­na dos Es­ta­dos Uni­dos, co­mo pro­me­teu na cam­pa­nha?

Con­gres­so

Os re­pu­bli­ca­nos con­se­gui­ram man­ter o con­tro­lo das du­as câ­ma­ras do Con­gres­so dos Es­ta­dos Uni­dos nas elei­ções de ter­ça-fei­ra, se­gun­do os prin­ci­pais veí­cu­los de im­pren­sa nor­te-ame­ri­ca­nos. Os con­ser­va­do­res vão do­mi­nar o Le­gis­la­ti­vo, pe­lo me­nos nos pró­xi­mos dois anos, o que per­mi­ti­rá ao pre­si­den­te elei­to, Do­nald Trump, um man­da­to con­for­tá­vel na Ca­sa Bran­ca. Os de­mo­cra­tas ti­nham cer­tas chan­ces de re­cu­pe­rar a mai­o­ria no Se­na­do, on­de foi re­no­va­do um ter­ço dos cem as­sen­tos, mas os con­ser­va­do­res con­se­gui­ram man­ter a mai­o­ria (54 a 46), ape­sar de, des­ta vez, ser me­nos fol­ga­da.

“Os re­pu­bli­ca­nos ga­nha­ram, por­que te­mos as me­lho­res op­ções e fi­ze­mos to­dos os pre­pa­ra­ti­vos pa­ra con­cor­rer num con­tex­to po­lí­ti­co vo­lá­til”, afir­mou o pre­si­den­te do Co­mi­té Se­na­to­ri­al Na­ci­o­nal Re­pu­bli­ca­no, Ro­ger Wic­ker.

Em Il­li­nois, a de­mo­cra­ta Tammy Duckworth der­ro­tou Mark Kirk, con­se­guin­do di­mi­nuir a des­van­ta­gem pa­ra os re­pu­bli­ca­nos, que man­ti­ve­ram as ca­dei­ras em Ari­zo­na, Fló­ri­da, Geór­gia, Iowa, In­di­a­na, Ken­tucky, Ca­ro­li­na do Nor­te, Ohio e Wis­con­sin. Cathe­ri­ne Cor­tez-Mas­to con­se­guiu con­ser­var pa­ra os de­mo­cra­tas o as­sen­to do até ago­ra lí­der da mi­no­ria de­mo­cra­ta, Har­ry Reid, que há vá­ri­as dé­ca­das re­pre­sen­ta Ne­va­da no Se­na­do nor­te-ame­ri­ca­no e vai-se apo­sen­tar nes­te ci­clo elei­to­ral. De que­bra, ela tor­nou-se a pri­mei­ra la­ti­na a ser elei­ta se­na­do­ra nos EUA.

Na Fló­ri­da, o cu­ba­no-ame­ri­ca­no Mar­co Ru­bio, que dis­pu­tou com Do­nald Trump a in­di­ca­ção pa­ra a can­di­da­tu­ra do Par­ti­do Re­pu­bli­ca­no à pre­si­dên­cia, foi re­e­lei­to co­mo se­na­dor pa­ra ou­tros seis anos, ven­cen­do o de­mo­cra­ta Pa­trick Murphy.

Em Ohio, ou­tro re­pu­bli­ca­no, Ro­bert Port­man, ga­nhou com tranqu­li­da­de, as­sim co­mo Chuck Gras­s­ley em Iowa. O es­pe­ci­a­lis­ta em elei­ções, John For­ti­er, ex­pli­cou que o Se­na­do es­ta­ria mui­to mais di­vi­di­do do que an­tes, o que di­fi­cul­ta a sua efec­ti­vi­da­de nos pró­xi­mos anos. Já na Câ­ma­ra dos Re­pre­sen­tan­tes, o se­na­dor es­ta­du­al por No­va Ior­que, Adri­a­no Es­pail­lat, é o pri­mei­ro do­mi­ni­ca­no a ocu­par uma va­ga no Con­gres­so.

AFP

Pre­si­den­te elei­to dos EUA Do­nald Trump pro­me­teu unir os nor­te-ame­ri­ca­nos e apos­tar em po­lí­ti­cas que ga­ran­tam a re­cons­tru­ção da na­ção

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.