In­de­pen­den­tes e li­vres há 41 anos

Inau­gu­ra­ções de em­pre­en­di­men­tos so­ci­ais e eco­nó­mi­cos mar­cam as co­me­mo­ra­ções

Jornal de Angola - - PARTADA - JOÃO DI­AS e MA­NU­EL FONTOURA | Nda­la­tan­do DIONÍSIO DA­VID |Ond­ji­va FRAN­CIS­CO CURIHINGANA|Ma­lan­je

A ca­pi­tal da pro­vín­cia do Cu­an­za Nor­te, Nda­la­tan­do, aco­lhe ho­je o ac­to cen­tral das co­me­mo­ra­ções dos 41 anos da In­de­pen­dên­cia Na­ci­o­nal, nu­ma ce­ri­mó­nia ori­en­ta­da pe­lo Vi­ce-Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca.

Ma­nu­el Vi­cen­te, que fez on­tem o per­cur­so Lu­an­da - Nda­la­tan­do de car­ro, foi re­ce­bi­do en­tre can­ções de bo­as vin­das e dan­ça pe­la po­pu­la­ção da comuna do Zen­za do Itom­be, mu­ni­cí­pio de Cam­bam­be, e por uma de­le­ga­ção in­te­gra­da pe­lo mi­nis­tro da Ad­mi­nis­tra­ção do Ter­ri­tó­rio, Bor­ni­to de Sou­sa, e pe­lo go­ver­na­dor pro­vin­ci­al, Jo­sé Ma­ria, além de mem­bros do Exe­cu­ti­vo.

Ao lon­go do per­cur­so, Ma­nu­el Vi­cen­te fez uma cur­ta pa­ra­gem na Pra­ça do Tri­ân­gu­lo da Trom­be­ta, pa­ra sau­dar a po­pu­la­ção efu­si­va, e vol­tou a fa­zê-lo na comuna da Ca­nho­ca. À sua che­ga­da a Nda­la­tan­do, o Vi­ce-Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca vi­si­tou a Es­ta­ção Ex­pe­ri­men­tal Agrí­co­la do Ki­lom­bo, que foi re­a­bi­li­ta­da e mo­der­ni­za­da pa­ra apoi­ar a in­ves­ti­ga­ção agro­nó­mi­ca.

Na es­ta­ção, es­tá tam­bém a Ca­sa de Re­pou­so do Pre­si­den­te Agos­ti­nho Ne­to, on­de o Fun­da­dor da Na­ção per­noi­tou, du­ran­te uma vi­si­ta de tra­ba­lho um ano após a pro­cla­ma­ção da In­de­pen­dên­cia Na­ci­o­nal.

Ao lon­go da vi­si­ta, Ma­nu­el Vi­cen­te re­ce­beu in­for­ma­ções so­bre o fun­ci­o­na­men­to da Es­ta­ção do Ki­lom­bo, uma es­tru­tu­ra vo­ca­ci­o­na­da ao es­tu­do e ex­pe­ri­men­ta­ção de plan­tas fru­tí­co­las, hor­tí­co­las me­di­ci­nais, or­na­men­tais, flo­res­tais e agrí­co­las. A es­ta­ção tem tam­bém a mis­são de di­na­mi­zar o sec­tor agrí­co­la na pro­vín­cia do Cu­an­za Nor­te.

Uma das com­po­nen­tes im­por­tan­tes da es­ta­ção é o Jar­dim Bo­tâ­ni­co, on­de é fei­ta a mul­ti­pli­ca­ção de cer­ca de três mil plan­tas di­ver­sas, além de ser­vir de área de con­ser­va­ção de es­pé­ci­es ra­ras e exó­ti­cas exis­ten­tes no Cu­an­za Nor­te e nou­tras pro­vín­ci­as. De­pois da re­a­bi­li­ta­ção e mo­der­ni­za­ção da es­ta­ção, os téc­ni­cos têm de­sen­vol­vi­do en­sai­os de mul­ti­pli­ca­ção de cul­tu­ras tí­pi­cas da re­gião, de­sig­na­da­men­te man­di­o­ca, ba­na­na, ba­ta­ta­do­ce, mi­lho e amen­doim.

En­tre 2008 e 2010, a es­ta­ção era fre­quen­te­men­te vi­si­ta­da por tu­ris­tas es­tran­gei­ros e na­ci­o­nais, que que­ri­am co­nhe­cer a ro­sa de por­ce­la­na, uma plan­ta que, além de or­na­men­tal e de gran­de be­le­za, é igual­men­te uti­li­za­da pa­ra o tra­ta­men­to de fe­bre ti­fói­de.

Ho­je, an­tes do ac­to cen­tral, no Lar­go 1º de Maio em Nda­la­tan­do, o Vi­ce-Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca faz a de­po­si­ção de co­roa de flo­res no bus­to do Pre­si­den­te Agos­ti­nho Ne­to, vi­si­ta a Ad­mi­nis­tra­ção Mu­ni­ci­pal do Ca­zen­go e inau­gu­ra o Tri­bu­nal Pro­vin­ci­al. Ma­nu­el Vi­cen­te vi­si­ta ain­da a pis­ta de mo­to­cros­se “Ma­nu­el Pe­dro Pa­ca­vi­ra”, o ae­ro­por­to Co­man­dan­te Ngue­to e a Ca­sa da Ju­ven­tu­de.

Na­ci­o­na­lis­tas são va­lo­ri­za­dos

Na ci­da­de de Nda­la­tan­do, o his­to­ri­a­dor Ma­nu­el da Cos­ta “Can­jun­go” va­lo­ri­zou on­tem a lu­ta de­sen­ca­de­a­da pe­los na­ci­o­na­lis­tas, com vis­ta ao al­can­ce da in­de­pen­dên­cia na­ci­o­nal, ce­le­bra­da a 11 de No­vem­bro de 1975. Du­ran­te o co­ló­quio so­bre “O Cu­an­za Nor­te e o con­tri­bu­to pa­ra o na­ci­o­na­lis­mo an­go­la­no”, o his­to­ri­a­dor enal­te­ceu o con­tri­bu­to dos na­ci­o­na­lis­tas da re­gião, que pres­ta­ram o seu con­tri­bu­to pa­ra a eli­mi­na­ção do re­gi­me fas­cis­ta por­tu­guês.

En­tre as fi­gu­ras do na­ci­o­na­lis­mo men­ci­o­na­das pe­lo his­to­ri­a­dor, des­ta­que pa­ra os no­mes de Do­na Ana de Sou­sa “Njin­ga Mban­di”, Adri­a­no dos San­tos Jú­ni­or, An­tó­nio Ja­cin­to do Ama­ral Mar­tins, An­tó­nio de As­sis Jú­ni­or, Au­gus­to Lo­pes Tei­xei­ra e Gen­til Ferreira da Sil­va Vi­a­na. O pa­dre Jo­a­quim Pin­to de An­dra­de, Jo­sé Men­des de Car­va­lho “Ho­ji Ya Hen­da”, Ma­nu­el Pe­dro Pa­ca­vi­ra, Lo­po do Nas­ci­men­to, Có­ne­go Ma­nu­el das Ne­ves e Má­rio Pin­to de An­dra­de tam­bém fo­ram lem­bra­dos pe­lo his­to­ri­a­dor.

Efe­mé­ri­de em to­do o país

Em to­do o país, de­cor­rem ac­ti­vi­da­des po­lí­ti­cas, des­por­ti­vas, cul­tu­rais, in­cluin­do inau­gu­ra­ções de vá­ri­os em­pre­en­di­men­tos eco­nó­mi­cos e so­ci­ais pa­ra sau­dar o 41º ani­ver­sá­rio da In­de­pen­dên­cia Na­ci­o­nal.

Na pro­vín­cia do Cu­ne­ne, o go­ver­na­dor Kun­di Paiha­ma con­si­de­rou on­tem, em Ond­ji­va, a In­de­pen­dên­cia Na­ci­o­nal pro­cla­ma­da a 11 de No­vem­bro de 1975, co­mo a mai­or con­quis­ta do po­vo an­go­la­no, que de­ve ser pre­ser­va­da a to­do o cus­to.

Ao dis­cur­sar na aber­tu­ra das jor­na­das co­me­mo­ra­ti­vas do 41º ani­ver­sá­rio da In­de­pen­dên­cia Na­ci­o­nal, que se as­si­na­la na pró­xi­ma sex­ta-fei­ra, em to­do o país, Kun­di Paiha­ma lem­brou que du­ran­te 500 anos o po­vo an­go­la­no es­te­ve pri­va­do dos seus di­rei­tos es­sen­ci­ais pe­lo re­gi­me co­lo­ni­al. Kun­di Paiha­ma dis­se que foi gra­ças à mo­bi­li­za­ção po­pu­lar ge­ne­ra­li­za­da di­ri­gi­da pe­lo pri­mei­ro Pre­si­den­te de An­go­la, An­tó­nio Agos­ti­nho Ne­to, que o po­vo an­go­la­no con­se­guiu li­ber­tar-se da opres­são do ju­go co­lo­ni­al.

“O co­lo­ni­a­lis­mo tra­ta­va os an­go­la­nos co­mo es­tran­gei­ros na sua pró­pria ter­ra”, de­sa­ba­fou Kun­di Paiha­ma, pa­ra quem os an­go­la­nos de­vem ga­ran­tir a in­de­pen­dên­cia atra­vés da uni­da­de na­ci­o­nal, sem olhar pa­ra a cor par­ti­dá­ria, tri­bo ou re­li­gião.

A in­de­pen­dên­cia de­ve ser pre­ser­va­da pe­lo fac­to de cons­ti­tuir o fac­tor de união en­tre os an­go­la­nos, dis­se.

Sob o le­ma “Uni­dos por uma An­go­la de­sen­vol­vi­da”, o en­con­tro jun­tou ma­gis­tra­dos ju­di­ci­ais e do Mi­nis­té­rio Pú­bli­co, mem­bros do go­ver­no, par­ti­dos po­lí­ti­cos, deputados à As­sem­bleia Na­ci­o­nal e au­to­ri­da­des tra­di­ci­o­nais.

Inau­gu­ra­ções pe­lo país

Em Ma­lan­je, a da­ta es­tá a ser mar­ca­da com a inau­gu­ra­ção de in­fra-es­tru­tu­ras eco­nó­mi­cas e so­ci­ais em to­da a pro­vín­cia. O go­ver­na­dor pro­vin­ci­al inau­gu­ra o pa­lá­cio do ad­mi­nis­tra­dor mu­ni­ci­pal de Ma­lan­je, in­cluin­do 20 re­si­dên­ci­as pa­ra os qua­dros do go­ver­no, no bair­ro da Ka­te­pa. No mu­ni­cí­pio de Kiu­a­ba-Nzo­je foi inau­gu­ra­do o sis­te­ma de cap­ta­ção de água na comuna de Mu­fu­ma.

Na lo­ca­li­da­de de Mu­tu­an­guen­go, mu­ni­cí­pio de Cam­bun­di-Ca­tem­bo, o ad­mi­nis­tra­dor, Fran­cis­co Cam­bo, pro­ce­de à inau­gu­ra­ção de uma es­co­la pri­má­ria com três sa­las de au­las, com ca­pa­ci­da­de pa­ra 270 cri­an­ças.

Por oca­sião das fes­tas da in­de­pen­dên­cia, o mu­ni­cí­pio de Ca­cu­la­ma vai ter uma ca­sa pro­to­co­lar, uma ser­ra­lha­ria, en­tre ou­tros em­pre­en­di­men­tos cons­truí­dos à luz do pro­gra­ma de ges­tão mu­ni­ci­pal.

Os jo­vens de Kun­da-dia-Ba­se tam­bém vão ga­nhar um cen­tro de for­ma­ção pro­fis­si­o­nal. Nes­te mu­ni­cí­pio vão ser inau­gu­ra­dos edi­fí­ci­os pa­ra as di­fe­ren­tes ins­ti­tui­ções mu­ni­ci­pais, além de um mo­nu­men­to his­tó­ri­co e es­co­la pri­má­ria na al­deia do Mban­go. Em Ca­cu­so, as au­to­ri­da­des tra­di­ci­o­nais vão efec­tu­ar uma vi­si­ta ao pro­jec­to hi­dro­e­léc­tri­co de Laú­ca.

Po­lí­ti­co des­ta­ca fei­tos

João Di­o­go Gas­par, mem­bro do Co­mi­té Cen­tral do MPLA, elo­gi­ou em Ma­lan­je, os fei­tos da In­de­pen­dên­cia Na­ci­o­nal, re­fe­rin­do que foi con­quis­ta­da à cus­ta de enor­mes sa­cri­fí­ci­os. Pa­ra o po­lí­ti­co, a da­ta é me­mo­rá­vel e de­ve ser re­cor­da­da em to­dos os mo­men­tos e que é pre­ci­so cui­dar pa­ra que as ac­tu­ais e fu­tu­ras ge­ra­ções en­ten­dam a im­por­tân­cia da In­de­pen­dên­cia pa­ra o país.

João Di­o­go Gas­par re­al­çou a con­ti­nu­a­ção da pre­ser­va­ção dos fei­tos da In­de­pen­dên­cia Na­ci­o­nal e hon­rar a bra­vu­ra dos he­róis e ape­lou ao pa­tri­o­tis­mo e o res­pei­to pe­los sím­bo­los na­ci­o­nais, “por­que os an­go­la­nos pas­sa­ram a ter dig­ni­da­de no seu pró­prio país”, dis­se.

O po­lí­ti­co ape­lou ain­da à uni­da­de de to­dos os an­go­la­nos em tor­no das con­quis­tas até ago­ra al­can­ça­das e su­bli­nhou a fi­gu­ra do Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca, Jo­sé Edu­ar­do dos San­tos, na con­ti­nui­da­de dos ide­ais do sau­do­so Pre­si­den­te An­tó­nio Agos­ti­nho Ne­to que a 11 de No­vem­bro de 1975 pro­cla­mou, pe­ran­te a África e o mun­do, a In­de­pen­dên­cia de An­go­la.

SAN­TOS PE­DRO

An­go­la­nos as­si­na­lam ho­je 41 anos de In­de­pen­dên­cia em paz e es­ta­bi­li­da­de efec­ti­va e apos­ta­dos em fa­zer do país um bom lu­gar pa­ra vi­ver pe­las ac­tu­ais e fu­tu­ras ge­ra­ções

ROGÉRIO TUTI

Vi­ce-Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca foi re­ce­bi­do pe­lo go­ver­na­dor do Cu­an­za Nor­te on­de de­cor­re o ac­to cen­tral do dia da In­de­pen­dên­cia

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.