An­go­la­nos des­fru­tam de um cli­ma de paz de­fi­ni­ti­va

Jornal de Angola - - ESPECIAL|INDEPENDÊNCIA -

O Bureau Po­lí­ti­co do Co­mi­té Cen­tral do MPLA sau­dou on­tem, com jú­bi­lo, to­do o po­vo an­go­la­no e ren­deu uma pro­fun­da ho­me­na­gem a to­dos os seus fi­lhos que se ba­te­ram pa­ra que An­go­la fi­gu­re no ma­pa do Mun­do co­mo Es­ta­do li­vre e so­be­ra­no.

Nu­ma de­cla­ra­ção pe­la ce­le­bra­ção, ho­je, do 41º ani­ver­sá­rio da pro­cla­ma­ção da In­de­pen­dên­cia Na­ci­o­nal, o MPLA exor­ta to­das as for­ças vi­vas da Na­ção pa­ra uma ati­tu­de de re­pul­sa con­tra to­das as ten­dên­ci­as que pre­ten­dam di­vi­dir os an­go­la­nos, na ba­se de pre­con­cei­tos li­ga­dos ao tri­ba­lis­mo, ra­cis­mo e re­gi­o­na­lis­mo.

Fru­to da de­ter­mi­na­ção e per­se­ve­ran­ça do po­vo an­go­la­no, que tem sa­bi­do su­pe­rar os obs­tá­cu­los que têm sur­gi­do no seu ca­mi­nho, os an­go­la­nos as­si­na­lam 41 anos de exis­tên­cia da Re­pú­bli­ca de An­go­la des­fru­tan­do de um cli­ma de paz de­fi­ni­ti­va, em que se ob­ser­va o nor­mal fun­ci­o­na­men­to das ins­ti­tui­ções de­mo­crá­ti­cas do país.

O do­cu­men­to lem­bra que “ter­mi­na­da a guer­ra, em 2002, o sal­do era de­so­la­dor: An­go­la era um dos paí­ses do Mun­do que mais mi­nas mor­tí­fe­ras ti­nham no seu so­lo, es­ti­ma­das em mais de dois mi­lhões de uni­da­des. Es­ta­vam mi­na­dos os aces­sos aos cam­pos agrí­co­las, às li­nhas de ca­mi­nho-de-fer­ro e res­pec­ti­vas pon­tes, às zo­nas ad­ja­cen­tes às tor­res de trans­por­te de ener­gia eléc­tri­ca e às cen­trais e con­du­tas de água”. A de­cla­ra­ção acres­cen­ta, a es­se pro­pó­si­to, que foi ne­ces­sá­rio fa­zer qua­se tu­do: des­mi­nar, re­cons­truir, re­e­qui­par e re­or­ga­ni­zar. Ho­je, su­bli­nha, um ba­lan­ço sumário so­bre a ac­ti­vi­da­de na­ci­o­nal põe em re­le­vo as gran­des mu­dan­ças que ocor­rem no país e os si­nais po­si­ti­vos sur­gem em vá­ri­os do­mí­ni­os, fac­to que per­mi­te a im­ple­men­ta­ção de po­lí­ti­cas pú­bli­cas ne­ces­sá­ri­as à cons­tru­ção de um fu­tu­ro me­lhor pa­ra os an­go­la­nos.

O co­mu­ni­ca­do ci­ta o Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca, Jo­sé Edu­ar­do dos San­tos, na sua Men­sa­gem so­bre o Es­ta­do da Na­ção, de 17 de Ou­tu­bro de 2016: “to­das as con­quis­tas de­vem-se, em pri­mei­ro lu­gar, ao cli­ma de paz que se ins­ta­lou, de for­ma de­fi­ni­ti­va, no nos­so país, des­de 2002, e que é obra de to­dos os an­go­la­nos. Foi a paz que de­vol­veu ao nos­so po­vo a es­pe­ran­ça num fu­tu­ro me­lhor, num qua­dro de li­ber­da­de, jus­ti­ça e in­clu­são so­ci­al.”

Des­ta for­ma, o Exe­cu­ti­vo, sob a di­rec­ção do MPLA, re­fe­re o do­cu­men­to, vai con­ti­nu­ar em­pe­nha­do em tra­ba­lhar pa­ra ga­ran­tir o au­men­to do aces­so à edu­ca­ção, à saú­de, à ener­gia eléc­tri­ca, à água po­tá­vel, ao em­pre­go e à ha­bi­ta­ção con­dig­na, con­di­ções ine­ren­tes à dig­ni­da­de da pes­soa hu­ma­na, não obs­tan­te os cons­tran­gi­men­tos que o país vi­ve do pon­to de vis­ta fi­nan­cei­ro. Pa­ra su­por­tar eco­no­mi­ca­men­te es­tes ob­jec­ti­vos, acres­cen­ta a de­cla­ra­ção, o Exe­cu­ti­vo, sob a di­rec­ção do MPLA, vai con­ti­nu­ar a to­mar as me­di­das ne­ces­sá­ri­as pa­ra ace­le­rar a di­ver­si­fi­ca­ção da eco­no­mia, au­men­tar a pro­du­ção na­ci­o­nal, prin­ci­pal­men­te de bens ali­men­ta­res, di­ver­si­fi­car as fon­tes de re­cei­tas fis­cais e de di­vi­sas, for­ta­le­cer o te­ci­do em­pre­sa­ri­al na­ci­o­nal e pro­mo­ver a cri­a­ção de em­pre­go e do em­pre­en­de­do­ris­mo.

Co­mo é seu apa­ná­gio, su­bli­nha o do­cu­men­to, o MPLA vai con­ti­nu­ar a en­vi­dar es­for­ços vi­san­do o for­ta­le­ci­men­to da uni­da­de na­ci­o­nal, co­mo pre­mis­sa pa­ra a edi­fi­ca­ção de uma so­ci­e­da­de ca­da vez mais jus­ta, so­li­dá­ria e in­clu­si­va.

No que res­pei­ta ao Re­gis­to Elei­to­ral, ac­tu­al­men­te em cur­so no país, o MPLA con­gra­tu­la-se com o fac­to de, pe­lo me­nos, qua­tro mi­lhões de ci­da­dãos já te­rem ac­tu­a­li­za­do os seus da­dos elei­to­rais e a res­pec­ti­va pro­va de vi­da, enal­te­ce o iní­cio do pro­ces­so de no­vos re­gis­tos e a emis­são da se­gun­da via do Car­tão Elei­to­ral e ape­la a to­dos, com ca­pa­ci­da­de elei­to­ral, pa­ra cum­pri­rem es­te de­ver cí­vi­co, ad­qui­rin­do, as­sim, le­gi­ti­mi­da­de pa­ra o exer­cí­cio do vo­to, em 2017.

Nes­ta da­ta de ani­ver­sá­rio da mai­or con­quis­ta do Po­vo An­go­la­no, a In­de­pen­dên­cia Na­ci­o­nal, o Bureau Po­lí­ti­co do Co­mi­té Cen­tral do MPLA exor­ta to­dos os an­go­la­nos, pa­ra que ca­da um, na sua es­fe­ra de ac­ti­vi­da­de, hon­re, com o seu tra­ba­lho, a me­mó­ria dos he­róis da Pá­tria, em es­pe­ci­al a do sau­do­so CAMARADA AN­TÓ­NIO AGOS­TI­NHO NE­TO, Fun­da­dor da Na­ção An­go­la­na, que, a 11 de No­vem­bro de 1975, pro­cla­mou, pe­ran­te a África e o Mun­do, a eman­ci­pa­ção dos an­go­la­nos.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.