CAR­TAS DO LEITOR

Jornal de Angola - - OPINIÃO - LINO BO­TE­LHO DE OLI­VEI­RA DE­O­LIN­DA AFON­SO|

Mu­dan­ças em Lu­an­da

Lu­an­da, a mai­or ci­da­de de An­go­la, a ca­pi­tal de to­dos nós, fun­da­da em 1576, a ter­cei­ra mais po­pu­lo­sa do mun­do de lín­gua por­tu­gue­sa, es­tá a mu­dar. Uma boa par­te das ru­as da nos­sa ca­pi­tal es­tá em obras e a se­rem re­ves­ti­das de ta­pe­te as­fál­ti­co no­vo. Ro­tun­das e par­ques pú­bli­cos es­tão a ser re­a­bi­li­ta­dos. Há mui­to que não se via tra­ba­lho de sa­ne­a­men­to dos co­lec­to­res/con­du­tas de águas pe­sa­das e le­ves, bem co­mo de re­pa­ro das res­pec­ti­vas sar­je­tas.

Tam­pos em fer­ro fun­di­do es­tão a re­a­pa­re­cer. Oxa­lá que não vol­tem a de­sa­pa­re­cer. Te­mos fé em que a ci­da­de de to­dos nós há-de fi­car mais lin­da do que era, por­que se as­sim não for se­rá um au­tên­ti­co pa­ra­do­xo, fa­ce aos edi­fí­ci­os mo­der­nos que ela aco­lhe e que, cer­ta­men­te, con­ti­nu­a­rão a ser cons­truí­dos.

Do tra­ba­lho em cur­so, pa­ra em­be­le­zar a nos­sa Lu­an­da, pro­fis­sões co­mo as de ser­ra­lhei­ro, ca­na­li­za­dor, pin­tor, pe­drei­ro, la­dri­lha­dor, pro­jec­tis­ta, de­se­nha­dor, ar­qui­tec­to, car­pin­tei­ro, elec­tri­cis­ta, vol­ta­rão a ter no­to­ri­e­da­de, já que a ma­nu­ten­ção de uma ci­da­de é per­ma­nen­te. Os cor­ri­mões, pos­tos de ilu­mi­na­ção pú­bli­ca e ou­tros ar­te­fac­tos de que uma ci­da­de ne­ces­si­ta, po­dem mui­to bem dei­xar de ser im­por­ta­dos, pa­ra não “ma­tar” o ope­ra­ri­a­do na­ci­o­nal e res­pec­ti­vas em­pre­sas.

Se­gu­ra­men­te que as cau­sas das águas per­ma­nen­tes co­mo do Lar­go Amíl­car Ca­bral, da Sonangol/Se­de, do edi­fí­cio Pó­lo Nor­te, do To­to­bo­la, da Rua Kwa­ne Nkru­ma e da on­du­lan­te “va­la” que se en­con­tra no tro­ço en­tre o Fun­do Lwi­ni e a Rá­dio Na­ci­o­nal de An­go­la e TPA, hão-de ser ata­ca­dos. Quan­do o go­ver­na­dor pro­vin­ci­al Fran­cis­co Hi­gi­no Lo­pes Car­nei­ro re­ce­beu a mis­são do Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca Jo­sé Edu­ar­do dos San­tos pa­ra go­ver­nar Lu­an­da, ele, Hi­gi­no Car­nei­ro, fez re­cur­so a um vo­cá­bu­lo de ele­va­do sen­ti­do po­li­ti­co e ju­rí­di­co pa­ra quem exer­cer o po­der: au­to­ri­da­de. De fac­to, o exer­cí­cio do po­der implica, ne­ces­sa­ri­a­men­te, o uso da au­to­ri­da­de, de uma au­to­ri­da­de su­por­ta­da pe­las leis. Mas é mes­mo as­sim, a au­to­ri­da­de é pa­ra se fa­zer sen­tir. No uso da au­to­ri­da­de não po­de ha­ver ex­cep­ção qu­an­to ao tra­ta­men­to de pes­so­as que se di­fe­ren­ci­am en­tre si em fun­ção do lu­gar que ocu­pam na so­ci­e­da­de!

Lu­an­da con­ti­nua a ser a ci­da­de mais ha­bi­ta­da de An­go­la: diz-se que foi pro­jec­ta­da pa­ra 500 mil ha­bi­tan­tes, mas, na ac­tu­a­li­da­de, ela é uma ci­da­de em que vi­vem mais de 6 mi­lhões de se­res hu­ma­nos. E se adi­ci­o­nar­mos os ani­mais de es­ti­ma­ção, meu Deus!

Es­se cres­ci­men­to ver­ti­gi­no­so, mais de 6 mi­lhões e meio em ape­nas 41 anos de An­go­la in­de­pen­den­te, se de­ve à fu­ga de vas­tos con­tin­gen­tes po­pu­la­ci­o­nais das su­as zo­nas de ori­gem, na sua mai­o­ria ru­ral, pa­ra a ca­pi­tal do país, de­vi­do à di­men­são da guer­ra que se aba­teu so­bre os an­go­la­nos de 1975 a 2002. Co­mo se es­se mal não fos­se su­fi­ci­en­te, pa­ra Lu­an­da con­ver­gi­ram e con­ver­gem mi­lha­res de ex­pa­tri­a­dos, mui­tos de­les com hábitos mer­can­tis na­da con­di­zen­tes com a re­a­li­da­de an­go­la­na. Co­mo re­sul­ta­do des­sa con­tin­gên­cia so­ci­al, a nos­sa “Nguim­be” pas­sou a ter qui­ló­me­tros de mus­se­ques não ur­ba­ni­za­dos, ca­ren­tes de ar­bo­ri­za­ção, de sa­ne­a­men­to, de es­tra­das, de ca­na­li­za­ção pa­ra água po­tá­vel, de re­de eléc­tri­ca, de co­lec­to­res e sar­je­tas, si­tu­a­ção que agra­vou, so­bre­ma­nei­ra, a ges­tão da pla­ni­fi­ca­da ci­da­de pa­ra meio mi­lhão de ha­bi­tan­tes.

Mas des­de que Lu­an­da pas­sou a ter o ci­da­dão Hi­gi­no Car­nei­ro co­mo go­ver­na­dor, sem des­pri­mor pa­ra os an­te­ri­o­res ti­tu­la­res, a ci­da­de es­tá a mu­dar pa­ra me­lhor, não obs­tan­te a cri­se fi­nan­cei­ra que nos as­so­la a to­dos. Fi­nal­men­te, se­ria bom que se co­me­ças­se a per­su­a­dir os peões­tran­seun­tes da im­pe­ri­o­sa ne­ces­si­da­de de uti­li­za­rem as pas­sa­dei­ras e pe­do­nais, por­que o que se cons­ta­ta nas vi­as De­o­lin­da Ro­dri­gues-Vi­a­na, Ae­ro­por­to-Pren­da-Josina Ma­chel e Sam­ba-Co­rim­ba, é mes­mo um pro­ble­ma de au­to­ri­da­de.

Os pro­fes­so­res e as fal­tas

Há pro­fes­so­res de es­co­las pri­má­ri­as pú­bli­cas que ao lon­go do ano lec­ti­vo fal­tam mui­to ao tra­ba­lho. Era bom que as di­rec­ções des­sas es­co­las co­me­ças­sem a pres­tar aten­ção a es­te fe­nó­me­no de fal­tas ex­ces­si­vas de pro­fes­so­res.

CASIMIRO PE­DRO

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.