Der­ro­ta plau­sí­vel dos de­mo­cra­tas e a au­ro­ra de Mi­chel­le

Jornal de Angola - - OPINIÃO - LUIS AL­BER­TO FERREIRA |*

As no­vas cir­cuns­tân­ci­as dos Es­ta­dos Uni­dos da Amé­ri­ca do Nor­te. Aná­li­se dos trau­mas e ava­ta­res que, des­de o afas­ta­men­to de Ge­or­ge W. Bush, fo­ram mu­dan­do o ce­ná­rio na­ci­o­nal e afec­ta­ram sen­si­vel­men­te o con­for­to mi­to­ló­gi­co nor­te-ame­ri­ca­no jun­to de po­lí­ti­cos, ana­lis­tas e opi­niões pú­bli­cas do res­to do mun­do. As gra­ves con­sequên­ci­as do fu­ra­cão Ka­tri­na em Agos­to de 2005 so­bre­le­va­ram, em emo­ção, a sin­gu­la­ri­da­de “ro­mân­ti­ca” da elei­ção de um ne­gro pa­ra o fas­tí­gio dou­ra­do da Ca­sa Bran­ca. Aos 1.836 mor­tos, 705 de­sa­pa­re­ci­dos e 1 mi­lhão de ca­sas da­ni­fi­ca­das ou des­truí­das pe­lo Ka­tri­na, jun­tou-se a ver­da­de atroz da dis­pli­cên­cia ofi­ci­al e da im­po­tên­cia his­tó­ri­ca dos seus des­ti­na­tá­ri­os. O Ka­tri­na fo­ge à re­gra do res­cal­do das gran­des tra­gé­di­as na­tu­rais. É um dos dois le­ga­dos fa­tais de G.W. Bush. (O de­sas­tre da in­va­são do Ira­que per­ten­ce ao fo­ro da po­lí­ti­ca ex­ter­na). Ali, em Nova Or­leãs, de ex­pres­si­va mai­o­ria ne­gra, co­me­ça a de­li­ne­ar-se, com o Ka­tri­na, a fra­gi­li­za­ção ima­gé­ti­ca den­tro e fo­ra dos Es­ta­dos Uni­dos. Pa­ra as de­mo­cra­ci­as exa­bun­dan­tes na pro­cla­ma­ção há uma fis­ca­li­da­de im­pla­cá­vel que não “ve­mos” mas exis­te. Pro­va dis­so, nos Es­ta­dos Uni­dos, foi a no­me­a­ção de Ba­rack Oba­ma, em 2008, pa­ra ir à lu­ta com as in­síg­ni­as do Par­ti­do De­mo­cra­ta: pri­mei­ra con­sequên­cia da “fac­tu­ra” aos re­pu­bli­ca­nos pe­la ati­tu­de ra­cis­ta de Ge­or­ge W. Bush quan­do se sou­be que em Nova Or­leãs acon­te­ce­ra uma bru­tal se­cun­da­ri­za­ção dos ne­gros. Rom­bo con­si­de­rá­vel na mi­to­lo­gia do reconhecimento das cre­den­ci­ais de­mo­crá­ti­cas dos Es­ta­dos Uni­dos. Quan­do Ba­rack Oba­ma ini­ci­ou o seu se­gun­do man­da­to na Pre­si­dên­cia, as cir­cuns­tân­ci­as in­ter­nas e ex­ter­nas dos Es­ta­dos Uni­dos eram, já, ou­tras. Quem acen­tu­ou es­te in­di­ca­dor foi Ber­nie San­ders. Ele ape­nas pre­ci­sou de lem­brar aos de­mo­cra­tas que fal­ta­va a de­mo­cra­cia. No­ta con­clu­si­va que nos re­me­te pa­ra a aná­li­se fron­tal dos dois man­da­tos de Ba­rack Oba­ma. O em­pol­gan­te “Yes we can” pro­me­teu mas não bas­tou. Ta­riq Ali, des­ta­ca­do ana­lis­ta po­lí­ti­co in­ter­na­ci­o­nal do ca­nal “Te­le­sur”, re­cor­da que Oba­ma usou, nas “pri­má­ri­as” dos de­mo­cra­tas em 2008, con­tra Hil­lary Clin­ton, “al­guns dos ar­gu­men­tos que es­ta bran­diu con­tra o mi­li­o­ná­rio Trump”. Eis aqui o preâmbulo do de­ba­te tal­vez mais ne­ces­sá­rio. Mar­tin Char­les Scor­se­se, dos mai­o­res di­rec­to­res de sem­pre na velha Hollyo­od, pre­ci­sou de 3 ho­ras e 45 mi­nu­tos pa­ra fa­lar da sua ob­ses­são pe­lo ci­ne­ma. Es­se re­la­to pre­en­che o do­cu­men­tá­rio “Uma In­cur­são Pes­so­al com Mar­tin Scor­se­se pe­lo Ci­ne­ma Ame­ri­ca­no”. Scor­se­se vai com­ple­tar 74 anos no pró­xi­mo dia 17 des­te mês. Por ana­lo­gia: sa­ber de quan­tas ho­ras pre­ci­sa­ria pa­ra o re­la­to da sua “ob­ses­são pe­la po­lí­ti­ca” o ain­da in­qui­li­no da Ca­sa Bran­ca. Oba­ma retira-se sem nos con­tar tu­do. Gu­ar­da­rá tal­vez pa­ra si pró­prio que o vo­to in­di­rec­to e o ab­so­lu­tis­mo cor­po­ra­ti­vo do Co­lé­gio Elei­to­ral são par­te da ex­pli­ca­ção da cor­ren­te ju­ve­nil erup­ti­va que, com Ber­nie San­ders e Jill Stein, pro­pug­na “uma Amé­ri­ca di­fe­ren­te pa­ra ser me­lhor”...

Hil­lary Clin­ton e Ba­rack Oba­ma ela­bo­ra­ram en­tre si uma plau­sí­vel der­ro­ta elei­to­ral que, ten­do Do­nald Trump co­mo ins­tru­men­to de uma di­nâ­mi­ca pro­tec­ci­o­nis­ta, tor­na ho­je im­pre­vi­sí­veis co­mo nun­ca os Es­ta­dos Uni­dos da Amé­ri­ca do Nor­te. Nem Oba­ma nem Clin­ton aten­de­ram ao pe­ri­go ve­lu­do­so das son­da­gens: fa­ce aos nú­me­ros con­tun­den­tes da vi­tó­ria do “show”pro­tec­ci­o­nis­ta, po­de­rá de­du­zir-se que mui­tos ne­gros e la­ti­no-ame­ri­ca­nos ter­gi­ver­sa­ram na al­tu­ra das con­sul­tas. Gru­pe­lhos co­mo as cu­ba­nas do “La­ti­nas for Trump” não ex­pli­cam na­da. Oba­ma não ab­di­cou de se re­ve­lar o tí­pi­co ame­ri­ca­no: su­per­la­ti­vos pa­tri­o­tei­ros, cui­da­dos so­bre­ma­nei­ra es­té­ti­cos, cul­to da re­tó­ri­ca e da ex­pres­são cor­po­ral. Re­gis­tos que não apa­gam, é cer­to, a di­men­são me­ri­tó­ria de qu­an­to o Pre­si­den­te fez em al­guns do­mí­ni­os. Oba­ma as­si­nou o “Dre­am Act” e ve­tou, por ra­zões am­bi­en­tais, o ole­o­du­to Keys­ton (do Ca­na­dá ao Gol­fo do Mé­xi­co). Ba­teu-se sem su­ces­so pe­lo con­tro­lo da ven­da de ar­mas. Pug­nou pe­la saú­de pa­ra to­dos. In­su­fi­ci­en­te e por ve­zes con­tra­di­tó­rio. Na vi­si­ta a Cu­ba, omi­tiu Gu­an­tá­na­mo e o blo­queio económico. (Os Es­ta­dos Uni­dos e a Es­pa­nha li­de­ram o “mer­ca­do” que es­prei­ta as pró­xi­mas opor­tu­ni­da­des em Cu­ba). Den­tro do hu­ma­na­men­te pos­sí­vel num país cris­ta­li­za­do em múl­ti­plas in­te­ri­o­ri­za­ções, Oba­ma, dis­se uma jo­vem apoi­an­te de Ber­nie San­ders, “fez o que po­dia, po­de­ria ter fei­to mais ain­da mas es­ta­vam sem­pre a boi­co­tá-lo”. Oba­ma, con­tu­do, ce­deu à te­naz do “sis­te­ma”. Wall Stre­et, o “lobby” in­dus­tri­al - ar­ma­men­tis­ta, o tam­bém po­de­ro­sís­si­mo “lobby” da Po­lí­cia-in­to­cá­vel no as­sas­si­na­to sis­te­má­ti­co de ne­gros - os cor­re­do­res da mor­te pe­ni­ten­ciá­ri­os se­lec­ti­vos. As do­ta­ções de­si­guais no OGE pa­ra a De­fe­sa e o cam­po so­ci­al. (Quan­do não há be­ne­fí­ci­os con­cre­tos, o ges­to ro­ta­tó­rio da po­bre­za e da clas­se mé­dia apon­ta à di­rei­ta). A Tur­quia e os cur­dos. O Afe­ga­nis­tão, a Sí­ria e o Es­ta­do Is­lâ­mi­co. Is­ra­el e a Fai­xa de Ga­za. A in­va­são da Lí­bia e o as­sas­si­na­to do seu Pre­si­den­te. A vis­ta gros­sa fa­vo­rá­vel à on­da caó­ti­ca no Mé­xi­co. A in­si­nu­a­ção de que a Ve­ne­zu­e­la “é um pe­ri­go pa­ra a se­gu­ran­ça” dos Es­ta­dos Uni­dos. Os ne­gros e os his­pa­no-ame­ri­ca­nos le­ram tu­do is­to e re­jei­ta­ram a “boa” con­vo­ca­tó­ria. No con­fron­to com o seu pró­prio imaginário, mui­tos nor­te­a­me­ri­ca­nos apren­de­ram, não ape­nas com Ber­nie San­ders, que há mais mun­do e ou­tros mo­dos. Que os fac­tos da vi­da re­al co­me­çam a me­no­ri­zar os ca­ris­mas. Hil­lary “con­ta­va” com as mu­lhe­res - mas uma mu­lher fa­mo­sa, Su­san Sa­ran­don, re­a­giu até com ex­ces­so re­bar­ba­ti­vo: “Eu não vo­to com a mi­nha va­gi­na!”. Ago­ra, o “show”pro­tec­ci­o­nis­ta e a pro­mes­sa de “unir os ame­ri­ca­nos” fun­ci­o­nam co­mo sín­te­se teó­ri­ca da agen­da in­ter­na dos Es­ta­dos Uni­dos. Cá fo­ra, ex­pec­ta­ti­vas tre­me­bun­das. (Tor­nar o Ja­pão po­tên­cia nu­cle­ar - ideia de Trump - se­ria um “ou­tro” Ka­tri­na). De Bru­xe­las, já, ora es­sa, “con­vi­te pa­ra uma vi­si­ta”. Es­pe­rar, re­co­men­da-se. Pa­ra os si­nais que fa­zem his­tó­ria, fi­ca a pur­pu­re­jar o vis­to­so elo­gio de Hil­lary, ven­ci­da, a … Mi­chel­le Oba­ma, que to­dos os di­as des­per­ta “nu­ma ca­sa cons­truí­da por es­cra­vos”.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.