O ti­jo­lo é fei­to de ar­gi­la

Jornal de Angola - - LAZER -

O ti­jo­lo (do es­pa­nhol te­ju­e­lo, di­mi­nu­ti­vo de te­jo - ca­co de te­lha) é um pro­du­to ce­râ­mi­co, aver­me­lha­do, ge­ral­men­te em for­ma de pa­ra­le­le­pí­pe­do e am­pla­men­te usa­do na cons­tru­ção ci­vil, ar­te­sa­nal ou in­dus­tri­al. É um dos prin­ci­pais ma­te­ri­ais de cons­tru­ção. O ti­jo­lo tra­di­ci­o­nal é fa­bri­ca­do com ar­gi­la, tem cor aver­me­lha­da de­vi­do ao co­zi­men­to e po­de ser ma­ci­ço ou fu­ra­do. Ac­tu­al­men­te, por mo­ti­vos eco­ló­gi­cos, a aten­ção es­tá vol­ta­da pa­ra o ado­be e o blo­co de ter­ra com­pri­mi­da, por não pre­ci­sa­rem de co­zi­men­to e po­de­rem ser fei­tos no lo­cal.

Os ves­tí­gi­os mais an­ti­gos de ti­jo­los da­tam de 7500 a.C.; fo­ram en­con­tra­dos em Çayo­nu, no su­des­te da Ana­tó­lia, na Tur­quia. Em des­co­ber­tas mais re­cen­tes, fo­ram en­con­tra­dos ti­jo­los de 7000 e 6395 a.C., em Je­ri­có e em Ça­ta­lhuyuk, res­pec­ti­va­men­te. A par­tir de da­dos re­co­lhi­dos nes­tas e nou­tras des­co­ber­tas ar­que­o­ló­gi­cas, foi con­cluí­do que os ti­jo­los co­zi­dos (em de­tri­men­to dos se­cos ao sol - ado­be) fo­ram in­ven­ta­dos no ter­cei­ro mi­lé­nio an­tes do nas­ci­men­to de Cris­to, no Mé­dio Ori­en­te.

Os ti­jo­los fo­ram uma ino­va­ção tec­no­ló­gi­ca im­por­tan­te, pois per­mi­ti­ram er­guer edi­fí­cio re­sis­ten­tes à tem­pe­ra­tu­ra e à hu­mi­da­de, nu­ma al­tu­ra em que o ho­mem dei­xou de ser nó­ma­da, pas­san­do a ter a ne­ces­si­da­de de pos­suir cons­tru­ções re­sis­ten­tes e du­rá­veis. Por vol­ta do ano de 1200 a.C., o fa­bri­co de ti­jo­los ge­ne­ra­li­zou-se na Eu­ro­pa e na Ásia.

Na re­gião dos ri­os Ti­gre e Eu­fra­tes, os ti­jo­los co­me­ça­ram a ser uti­li­za­dos há mais de cin­co mil anos. Is­to de­ve­se so­bre­tu­do à gran­de es­cas­sez de ro­chas e de ma­dei­ra nes­sa re­gião, o que fez com que a po­pu­la­ção ade­ris­se a ou­tros ma­te­ri­ais cons­tru­ti­vos, co­mo por exem­plo o ti­jo­lo. Tam­bém na Su­mé­ria, o ma­te­ri­al de elei­ção foi o ti­jo­lo. Ti­nham uma for­ma ar­re­don­da­da e não eram uni­dos com ar­ga­mas­sa, nem com ci­men­to. Pa­ra tor­nar os edi­fí­ci­os mais se­gu­ros e re­sis­ten­tes, os es­pa­ços va­zi­os eram pre­en­chi­dos com be­tu­me, pa­lha e er­vas.

Tam­bém no An­ti­go Egip­to e na ci­vi­li­za­ção do Va­le do In­do, o ti­jo­lo era um ma­te­ri­al mui­to uti­li­za­do. Es­se fac­to po­de ser ob­ser­va­do nas ruí­nas de Buhen, Mohen­jo-da­ro e Ha­rap­pa, por exem­plo. As di­men­sões dos ti­jo­los en­con­tra­dos eram de 4, 2 e 1.

Os ro­ma­nos ta­mém o adop­ta­ram e de­sen­vol­ve­ram um no­vo ti­po – o ti­jo­lo ro­ma­no. Es­te foi um dos prin­ci­pais ele­men­tos de cons­tru­ção dos edi­fí­ci­os do Im­pé­rio. Ti­nham uma for­ma um pou­co fo­ra do ha­bi­tu­al, pois eram mui­to com­pri­dos. Frank Loyd Wright, ar­qui­tec­to ame­ri­ca­no do sé­cu­lo XX, uti­li­zou es­te ti­po de ti­jo­lo em mui­tas das su­as obras.

No sé­cu­lo XII, os ti­jo­los pro­du­zi­dos no nor­te de Itá­lia fo­ram le­va­dos pa­ra a Ale­ma­nha, on­de ad­qui­ri­ram um im­por­tan­te pa­pel na ar­qui­tec­tu­ra. O cha­ma­do Gó­ti­co Bál­ti­co foi uma va­ri­a­ção do es­ti­lo gó­ti­co on­de o ti­jo­lo era o prin­ci­pal ele­men­to cons­tru­ti­vo.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.