Lu­an­da con­ta des­de on­tem com uni­da­de de re­fe­rên­cia

Jornal de Angola - - DESPORTO - TE­RE­SA LUÍS |

Com la­bo­ra­tó­ri­os de bi­o­me­câ­ni­ca e fi­si­o­lo­gia de es­for­ço, o Cen­tro de Re­a­bi­li­ta­ção Fí­si­ca (CRF), lo­ca­li­za­do na ca­ve do Es­tá­dio 11 de No­vem­bro, é uma ins­ti­tui­ção de apoio pri­o­ri­tá­rio ao sis­te­ma des­por­ti­vo na­ci­o­nal, cu­ja apre­sen­ta­ção acon­te­ceu on­tem.

O CRF é um in­ves­ti­men­to do Es­ta­do e pro­pri­e­da­de do Mi­nis­té­rio da Ju­ven­tu­de e Des­por­to (MINJUD), com aten­di­men­to na área de re­a­bi­li­ta­ção fí­si­ca, for­ma­ção, trei­na­men­to e in­ves­ti­ga­ção. João Mu­li­ma, di­rec­tor do cen­tro, ex­pli­cou que a ins­ti­tui­ção foi pro­jec­ta­da pa­ra aten­der a po­pu­la­ção des­por­ti­va pro­fis­si­o­nal, agen­tes des­por­ti­vos, atle­tas ama­do­res e de la­zer.

“Tra­ta-se do pri­mei­ro no país com in­ves­ti­men­to pú­bli­co, con­di­ções dis­po­ní­veis e grau de di­fe­ren­ci­a­ção dos pro­fis­si­o­nais. Te­mos aqui a tra­ba­lhar mé­di­cos, en­fer­mei­ros, pro­fes­so­res de edu­ca­ção fí­si­ca, fi­si­o­te­ra­peu­tas e pes­so­al ad­mi­nis­tra­ti­vo. To­dos cen­tra­dos no mes­mo ob­jec­ti­vo”, dis­se.

Com uma área de apro­xi­ma­da­men­te qua­tro mil me­tros qua­dra­dos, o CRF é con­ti­nui­da­de do Cen­tro Na­ci­o­nal de Me­di­ci­na e Des­por­to lo­ca­li­za­do na Ci­da­de­la. Fi­si­o­te­ra­pia, fit­ness e mus­cu­la­ção, re­a­bi­li­ta­ção car­día­ca e ava­li­a­ção fun­ci­o­nal são os ser­vi­ços dis­po­ní­veis no cen­tro. Os uten­tes po­dem ain­da fa­zer con­sul­tas de clí­ni­ca ge­ral, me­di­ci­na des­por­ti­va, or­to­pe­dia e trau­ma­to­lo­gia, car­di­o­lo­gia, nu­tri­ção, neu­ro­lo­gia e psi­co­lo­gia. O CRF tem seis con­sul­tó­ri­os, bal­neá­ri­os, sa­la de hi­dro­te­ra­pia (equi­pa­da com ba­nhei­ra de hi­dro­mas­sa­gem, ba­nho tur­co e sau­na), gi­ná­si­os, la­bo­ra­tó­ri­os e pis­ta sin­té­ti­ca. Os ser­vi­ços tam­bém es­tão dis­po­ní­veis pa­ra em­pre­sas que te­nham ne­ces­si­da­de de re­a­li­zar ava­li­a­ção mé­di­ca dos fun­ci­o­ná­ri­os. A ins­ti­tui­ção es­tá ca­pa­ci­ta­da pa­ra aten­der 200 pes­so­as por ho­ra, mas ac­tu­al­men­te aten­de 10 a 15 por dia.

“É um nú­me­ro in­sig­ni­fi­can­te em fun­ção da sua ca­pa­ci­da­de. Por ser no­vo, há pou­ca di­vul­ga­ção. Te­mos a ori­en­ta­ção do MINJUD de que os pre­ços de­vem ser bo­ni­fi­ca­dos. As con­sul­tas cus­tam seis mil kwan­zas e ca­da ses­são dois mil”, des­ta­cou João Mu­li­ma.

O cen­tro co­me­çou a fun­ci­o­nar há 18 me­ses. Qu­es­ti­o­na­do so­bre os cus­tos da exe­cu­ção e ape­tre­cha­men­to, o di­rec­tor es­cla­re­ceu: “Não po­de­mos fa­lar do va­lor do or­ça­men­to, por ques­tões éti­cas. De­mos o nos­so apoio em to­das as fa­ses. A ques­tão dos cus­tos é uma res­pon­sa­bi­li­da­de da área de in­fra-es­tru­tu­ras. A nós ca­be ape­nas acom­pa­nhar e se­guir os as­pec­tos téc­ni­cos li­ga­dos à par­te des­por­ti­va e aos mé­di­cos”.

PAU­LO MULAZA

Cen­tro re­ce­be equi­pa­men­tos mo­der­nos

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.