CAR­TAS DO LEI­TOR

Jornal de Angola - - OPINIÃO - JO­SÉ CAR­DO­SO CAR­LOS RO­DRI­GUES LOU­REN­ÇO MA­NU­EL

Cen­tro de for­ma­ção

Os cen­tros de for­ma­ção da Igre­ja Ca­tó­li­ca um pou­co por to­do o país de­sem­pe­nham um pa­pel ins­tru­men­tal na for­ma­ção de an­go­la­nos e an­go­la­nas pa­ra se­rem úteis ho­je e ama­nhã. As va­lên­ci­as tra­zi­das por es­tes cen­tros, ao la­do de ou­tros cri­a­dos pe­las en­ti­da­des pú­bli­cas, con­tri­bu­em de­ci­si­va­men­te pa­ra que nu­me­ro­sos jo­vens se afas­tem de con­du­tas des­vi­an­tes. Acho que o de­sa­fio que a Igre­ja Ca­tó­li­ca se impôs a si mes­ma, com a cri­a­ção de cen­tros de for­ma­ção, de­via ser se­gui­do por ou­tras de­no­mi­na­ções re­li­gi­o­sas que ten­dem sem­pre a ga­nhar al­gu­ma coi­sa.

A uti­li­da­de não se re­ver­te ape­nas ao Es­ta­do e às fa­mí­li­as, mas igual­men­te às igre­jas na me­di­da em que jo­vens com for­ma­ção po­dem con­tri­buir po­si­ti­va­men­te pa­ra ben­fei­to­ri­as nas su­as con­gre­ga­ções re­li­gi­o­sas. Aliás, as igre­jas que se en­con­tram há mui­to tem­po em An­go­la não po­dem per­der de vis­ta o pa­pel que sem­pre ti­ve­ram na for­ma­ção do ho­mem e mu­lher an­go­la­nos. Num mês co­mo es­te, em que co­me­mo­ra­mos a In­de­pen­dên­cia Na­ci­o­nal, nun­ca é de­mais lem­brar que in­clu­si­ve no des­per­tar da cons­ci­ên­cia na­ci­o­na­lis­ta es­ti­ve­ram em pri­mei­ro pla­no as igre­jas. E as ou­tras que vi­e­ram ins­ta­lar-se mui­to tem­po de­pois da pro­cla­ma­ção da Di­pan­da, pre­ci­sam de apren­der com o pa­pel que as su­as pre­de­ces­so­ras ti­ve­ram na for­ma­ção do an­go­la­no.

Co­mo cris­tão, acre­di­to que to­das as igre­jas que­rem o bem pa­ra si e pa­ra o Es­ta­do que as aco­lhe e res­pei­ta a li­ber­da­de do exer­cí­cio da fé em to­do o ter­ri­tó­rio na­ci­o­nal.

Tec­no­lo­gi­as de in­for­ma­ção

Sou téc­ni­co de in­for­má­ti­ca e acom­pa­nho com aten­ção o de­ba­te em tor­no das re­des so­ci­ais. Acho que o de­ba­te re­pre­sen­ta que as pes­so­as ama­du­re­ce­ram o su­fi­ci­en­te, aten­den­do à for­ma co­mo ca­da um apre­sen­ta os seus ar­gu­men­tos. Há ape­nas a la­men­tar a for­ma uni­la­te­ral co­mo mui­tos en­ca­ram as re­des so­ci­ais. Pre­fe­rem al­guns en­ca­rar ape­nas ne­ga­ti­va­men­te.

As re­des so­ci­ais, à se­me­lhan­ça de nu­me­ro­sas ou­tras fer­ra­men­tas in­ven­ta­das pe­los se­res hu­ma­nos, re­pre­sen­tam sem­pre van­ta­gens e des­van­ta­gens. Mais do que fi­car­mos a sen­si­bi­li­zar a so­ci­e­da­de so­bre os seus pe­ri­gos, que exis­tem na ver­da­de, mais va­le cri­ar­mos me­ca­nis­mos que pre­vi­nem o pi­or. Há di­as, ou­vi nu­ma pa­les­tra um pre­lec­tor a en­fa­ti­zar o pa­pel ne­ga­ti­vo que as re­des so­ci­ais de­sem­pe­nham na so­ci­e­da­de.

Con­tra­ri­a­men­te a ne­nhu­ma re­fe­rên­cia às van­ta­gens, o ho­mem des­ti­lou to­do o seu fel con­tra as re­des so­ci­ais. Acho que pre­ci­sa­mos de de­bi­tar as nos­sas opi­niões so­bre as re­des so­ci­ais com o de­vi­do tac­to por­que, co­mo se po­de no­tar com re­la­ti­va fa­ci­li­da­de, as re­des pro­por­ci­o­nam van­ta­gens e des­van­ta­gens. Pre­ci­sa­mos de olhar pa­ra ou­tras for­mas pa­ra com­pen­sar o ale­ga­do pre­juí­zo que as re­des so­ci­ais pro­por­ci­o­nam. Pre­fi­ro olhar pa­ra a edu­ca­ção, re­pen­sar o pa­pel das fa­mí­li­as e das es­co­las pa­ra que te­nha­mos mais equi­lí­bri­os. Um in­ves­ti­men­to na edu­ca­ção das pes­so­as, a cri­a­ção de leis efi­ca­zes e uma ac­tu­a­ção pro­fis­si­o­nal dos ór­gãos com­pe­ten­tes con­tri­bu­em, ao me­nos, pa­ra que de­li­tos de mai­or gra­vi­da­de não acon­te­çam.

Es­pa­ços pú­bli­cos

Vi­vo na Ter­ra No­va, lo­ca­li­da­de do Ran­gel, e es­cre­vo pe­la pri­mei­ra vez pa­ra o Jor­nal de An­go­la pa­ra fa­lar so­bre os es­pa­ços pú­bli­cos. Par­ti­cu­lar­men­te, a for­ma co­mo a ges­tão pri­va­da “to­ma de assalto” es­pa­ços, a mai­or par­te de­les lo­ca­li­za­dos em áre­as ou­tro­ra de do­mí­nio pú­bli­co. Não do­mi­no mui­to bem ques­tões de ín­do­le ju­rí­di­ca, so­bre­tu­do li­ga­das à ges­tão dos es­pa­ços pú­bli­cos, mas te­nho a cer­te­za que há le­gis­la­ção so­bre is­so.

Há al­guns anos, tal co­mo ain­da su­ce­de em mui­tas la­ti­tu­des, nu­me­ro­sos es­pa­ços pú­bli­cos pas­sa­ram pa­ra o do­mí­nio pri­va­do nem sem­pre com a de­vi­da ob­ser­vân­cia dos di­ta­mes le­gais. O in­te­res­se pú­bli­co de­ve sem­pre pre­va­le­cer so­bre o pri­va­do, fac­to de­ter­mi­na­do pe­lo Di­rei­to, nu­ma al­tu­ra em que im­por­ta es­ta­be­le­cer bem os li­mi­tes pa­ra que não tes­te­mu­nhe­mos nu­me­ro­sos atro­pe­los. No que aos ter­re­nos diz res­pei­to, os pro­ble­mas de apro­pri­a­ção in­de­vi­da e ex­pro­pri­a­ção são per­ma­nen­tes, in­de­pen­den­te­men­te das pes­so­as te­rem co­nhe­ci­men­to do que de­ter­mi­na a Lei de Ter­ras.

CASIMIRO PE­DRO

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.