Fu­são do Mil­le­nium An­go­la ge­ra mais ga­nhos às par­tes

Jornal de Angola - - PARTADA -

O Ban­co Co­mer­ci­al Por­tu­guês (BCP) acre­di­ta que a fu­são do Mil­len­nium An­go­la com o Ban­co Atlân­ti­co, que deu ori­gem ao no­vo Mil­len­nium Atlân­ti­co, po­de ge­rar mais ga­nhos pa­ra o ban­co lu­so, da­da a efi­ci­ên­cia nas su­as ope­ra­ções, re­fe­riu Nu­no Ama­do, pre­si­den­te da ins­ti­tui­ção por­tu­gue­sa.

A cri­a­ção do Ban­co Mil­len­nium Atlân­ti­co, que ge­rou 250 mi­lhões de eu­ros ao BCP, de­cor­reu da ne­ces­si­da­de de o BCP, en­tão com 50,1 por cen­to de par­ti­ci­pa­ção no Mil­len­nium, re­du­zir a sua so­bre­ex­po­si­ção no mer­ca­do an­go­la­no, co­mo ori­en­ta­ção do BCE (Ban­co Cen­tral Eu­ro­peu).

“Fi­ze­mos uma ali­an­ça pa­ra o de­sen­vol­vi­men­to da nos­sa ope­ra­ção em An­go­la. Ini­ci­al­men­te, ha­via ope­ra­ções cru­za­das en­tre Mil­len­nium An­go­la e o Atlân­ti­co, que ope­ra­vam em seg­men­tos dis­tin­tos do ne­gó­cio ban­cá­rio. Tu­do is­so fun­ci­o­nou bem, me­lhor do que pen­sa­va”, afir­mou o ges­tor num de­ba­te pro­mo­vi­do pe­lo Ins­ti­tu­to Por­tu­guês de Cor­po­ra­te Go­ver­nan­ce (IPCG), em Lis­boa.

Nu­no Ama­do dis­se que “me­te­ram lá pes­so­as bo­as”, mas “al­gu­mas vol­ta­ram por fal­ta de adap­ta­bi­li­da­de, mas foi um in­ves­ti­men­to”.

Pa­ra o ban­quei­ro por­tu­guês, a sua ins­ti­tui­ção te­ve ob­jec­ti­vos cla­ros que fo­ram atin­gi­dos. “Mas hou­ve um mo­men­to em que hou­ve uma al­te­ra­ção nas con­di­ções de mer­ca­do que tor­nou tu­do mais di­fí­cil. De­ci­di­mos avan­çar pa­ra um no­vo ti­po de par­ce­ria. O me­lhor é an­te­ci­par os pro­ble­mas e agir ra­pi­da­men­te. Com al­gu­mas di­fi­cul­da­des, co­mo nos ca­sa­men­tos, fi­ze­mos uma no­va par­ce­ria pa­ra um no­vo ban­co, on­de so­mos ago­ra um par­cei­ro mi­no­ri­tá­rio”, acres­cen­tou o lí­der do BCP.

Com a fu­são, a par­ti­ci­pa­ção do BCP na no­va ins­ti­tui­ção caiu de 50,1 pa­ra 22,5 por cen­to - com qua­se cer­ta a su­bi­da da ren­di­bi­li­da­de. O res­tan­te ca­pi­tal do Mil­len­nium Atlân­ti­co fi­cou nas mãos da Glo­bal Pac­tum, mai­or ac­ci­o­nis­ta do Atlân­ti­co.

Nu­no Ama­do ex­pli­cou que, após a con­cre­ti­za­ção da fu­são, a par­ce­ria pas­sou pa­ra um se­gun­do ní­vel, que dis­se es­pe­rar que cor­ra tão bem co­mo o pri­mei­ro, pois “tem tu­do pa­ra dar cer­to. Pas­sá­mos pa­ra um no­vo es­tá­gio na evo­lu­ção da nos­sa par­ce­ria e pen­so que bem”, vin­cou.

O ban­quei­ro apon­tou ain­da pa­ra as qua­li­da­des que a en­ti­da­de por­tu­gue­sa tem e que vão con­tri­buir pa­ra o su­ces­so do no­vo Mil­len­nium Atlân­ti­co. “Te­mos uma ba­se téc­ni­ca boa, so­mos bem-in­ten­ci­o­na­dos e te­mos a ca­pa­ci­da­de de adap­ta­ção pa­ra es­te ti­po de par­ce­ri­as. Te­nho uma vi­são não de pai, mas de pa­dri­nho. E de pa­dri­nho de bap­ti­za­do, por­que quan­do che­guei o fi­lho já es­ta­va cri­a­do”, fi­na­li­zou o pre­si­den­te do BCP.

A fu­são cri­ou uma das mai­o­res ins­ti­tui­ções fi­nan­cei­ras de An­go­la, fi­can­do em se­gun­do lu­gar no cré­di­to à eco­no­mia, com uma quo­ta de mer­ca­do de 10 por cen­to em vo­lu­me de ne­gó­ci­os, 11 por cen­to no cré­di­to e no­ve por cen­to nos de­pó­si­tos.

A no­va ins­ti­tui­ção nas­ceu com mais de 3,4 mil mi­lhões de eu­ros em ac­ti­vos, dois mil co­la­bo­ra­do­res, 150 bal­cões - a apos­ta no di­gi­tal é re­for­ça­da, num país on­de mais de me­ta­de da po­pu­la­ção é jo­vem e o nú­me­ro de te­le­mó­veis es­tá a cres­cer ex­po­nen­ci­al­men­te - e mais de 500 mil cli­en­tes.

In­te­res­se an­go­la­no no BCP

O pre­si­den­te do BCP es­cu­sou-se a co­men­tar o no­ti­ci­a­do in­te­res­se da So­nan­gol, que é a mai­or ac­ci­o­nis­ta do ban­co, em re­for­çar a sua po­si­ção pa­ra mais de 20 por cen­to do ca­pi­tal da en­ti­da­de por­tu­gue­sa. “A So­nan­gol é um ac­ci­o­nis­ta. Não fa­lo so­bre ac­ci­o­nis­tas nem so­bre es­te ti­po de si­tu­a­ções. Não pos­so nem que­ro fa­lar”, afir­mou Nu­no Ama­do.

Ac­tu­al­men­te, a pe­tro­lí­fe­ra an­go­la­na de­tém 18 por cen­to do ca­pi­tal do BCP, sen­do a sua mai­or ac­ci­o­nis­ta. Du­ran­te o de­ba­te, em que tam­bém par­ti­ci­pa­ram o pre­si­den­te do Con­se­lho Ge­ral do IPCG, Pe­dro Re­be­lo de Sou­sa, e o pro­fes­sor do ISCTE Luís To­do Bom, o for­te in­ves­ti­men­to que as em­pre­sas chi­ne­sas têm fei­to em Por­tu­gal foi abor­da­do, is­to, nu­ma al­tu­ra em que o Gru­po Fo­sun ne­go­ceia a en­tra­da no ca­pi­tal do BCP.

“Pre­fi­ro al­guém que te­nha uma es­tra­té­gia de 10 ou 15 anos do que de dois ou três tri­mes­tres”, ad­mi­tiu Nu­no Ama­do, con­si­de­ran­do ain­da que, do pon­to de vis­ta ac­ci­o­nis­ta, “é me­lhor ter di­ver­si­da­de do que não ter di­ver­si­da­de”.

Na quar­ta-fei­ra, Nu­no Ama­do afir­mou em con­fe­rên­cia de im­pren­sa a pro­pó­si­to da apre­sen­ta­ção das con­tas do BCP nos pri­mei­ros no­ve me­ses do ano, que as ne­go­ci­a­ções com a Fo­sun re­la­ti­vas à en­tra­da do gru­po chi­nês no ban­co es­tão bem en­ca­mi­nha­das e que es­pe­ra que até ao pró­xi­mo dia 21 ha­ja con­di­ções pa­ra dar mais um pas­so nes­te pro­ces­so. “Es­tão a cor­rer as ne­go­ci­a­ções de uma for­ma ade­qua­da e acha­mos que dia 21 te­mos con­di­ções pa­ra vo­tar”, afir­mou Nu­no Ama­do.

O ges­tor não quis es­pe­ci­fi­car quais são as ma­té­ri­as que ain­da não es­tão fe­cha­das, mas re­ve­lou que “tem a ver com um con­jun­to de as­pec­tos, qu­er de na­tu­re­za de ne­gó­cio, qu­er de na­tu­re­za de su­per­vi­são”.

Cer­to é que, tal co­mo Ama­do re­co­nhe­ceu, o adi­a­men­to da vo­ta­ção da al­te­ra­ção do li­mi­te de des­blin­da­gem dos di­rei­tos de vo­to no BCP dos ac­tu­ais 20 por cen­to pa­ra 30 por cen­to, que era pa­ra ter si­do ho­je fei­ta na reu­nião mag­na de ac­ci­o­nis­tas que an­te­ce­deu a apre­sen­ta­ção dos re­sul­ta­dos e foi adi­a­da pa­ra no­va as­sem­bleia-ge­ral (AG), a re­a­li­zar a 21 de No­vem­bro, “es­tá mui­to li­ga­do à pro­pos­ta que a Fo­sun fez”.

ARIMATÉIA BAPTISTA

No­va ins­ti­tui­ção ban­cá­ria pas­sou a ser a se­gun­da mai­or do mer­ca­do em ter­mos de cré­di­tos e de de­pó­si­tos além de ope­ra­ções mais efi­ci­en­tes

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.