Am­pli­a­ção da pis­ta do Dun­do cons­ta das pri­o­ri­da­des lo­cais

Nes­te mo­men­to de­cor­rem ac­ções pre­li­mi­na­res com cor­te de ca­pim e lim­pe­za do ter­re­no

Jornal de Angola - - PARTADA - ARMANDO SAPALO |

Os atra­sos sig­ni­fi­ca­ti­vos até ago­ra re­gis­ta­dos na con­clu­são das obras de re­a­bi­li­ta­ção e am­pli­a­ção da pis­ta do ae­ro­por­to do Dun­do, na pro­vín­cia da Lunda Nor­te, re­sul­tam de in­cum­pri­men­tos na exe­cu­ção fi­nan­cei­ra por par­te do Mi­nis­té­rio dos Trans­por­tes, es­cla­re­ceu, na quin­ta-fei­ra, o go­ver­na­dor pro­vin­ci­al, du­ran­te um en­con­tro com jor­na­lis­tas.

Er­nes­to Mu­an­ga­la des­men­tiu in­for­ma­ções so­bre a ale­ga­da pa­ra­li­sa­ção das obras da pis­ta do ae­ro­por­to, ex­pli­can­do que o pro­jec­to de am­pli­a­ção da pis­ta do ae­ro­por­to do Dun­do cons­ta das pri­o­ri­da­des do Pro­gra­ma de In­ves­ti­men­tos Pú­bli­cos (PIP) e o Mi­nis­té­rio dos Trans­por­tes não tem pou­pa­do es­for­ços na mo­bi­li­za­ção de re­cur­sos fi­nan­cei­ros, com vis­ta a hon­rar os com­pro­mis­sos con­tra­tu­ais jun­to do em­prei­tei­ro.

O fi­nan­ci­a­men­to da em­prei­ta­da é de­pen­den­te dos re­cur­sos or­di­ná­ri­os do te­sou­ro, que nes­te mo­men­to são ma­ni­fes­ta­men­te es­cas­sos, de­vi­do à cri­se eco­nó­mi­ca que as­so­la o país, afir­mou o go­ver­na­dor pro­vin­ci­al. Er­nes­to Mu­an­ga­la dis­se que, des­de o iní­cio dos tra­ba­lhos, o em­prei­tei­ro en­car­re­gue da exe­cu­ção da obra não re­ce­beu a to­ta­li­da­de dos pri­mei­ros 15 por cen­to de pa­ga­men­to pre­vis­tos no con­tra­to, ten­do ape­nas be­ne­fi­ci­a­do de me­ta­de des­te va­lor.

O go­ver­nan­te de­cla­rou que, não obs­tan­te a exe­cu­ção fi­nan­cei­ra da obra ser in­su­fi­ci­en­te, o em­prei­tei­ro pros­se­gue com os tra­ba­lhos, usan­do a sua pró­pria ca­pa­ci­da­de fi­nan­cei­ra. Pa­ra ace­le­rar os tra­ba­lhos de re­qua­li­fi­ca­ção do ae­ro­por­to do Dun­do, Er­nes­to Mu­an­ga­la anun­ci­ou pa­ra bre­ve a des­lo­ca­ção do mi­nis­tro dos Trans­por­tes, Augusto da Sil­va To­más, à pro­vín­cia da Lunda Nor­te.

“A qual­quer mo­men­to, va­mos re­ce­ber aqui na Lunda Nor­te o mi­nis­tro dos Trans­por­tes, que vem pa­ra ver es­sa ques­tão, mas apro­vei­ta­mos pa­ra tran­qui­li­zar a po­pu­la­ção que, até ao pró­xi­mo ano, mui­to an­tes da re­a­li­za­ção das elei­ções ge­rais, o ae­ro­por­to do Dun­do vai es­tar aber­to pa­ra to­do o ti­po de ae­ro­na­ves”, as­se­gu­rou o go­ver­na­dor pro­vin­ci­al da Lunda Nor­te.

O pro­jec­to pre­vê que a ac­tu­al pis­ta se­ja am­pli­a­da de 1.500 pa­ra 2.500 me­tros de com­pri­men­to e de 30 pa­ra 45 de lar­gu­ra, além do alar­ga­men­to das ber­mas, com vis­ta à sua ade­qua­ção ao Bo­eing 737-700 das Li­nhas Aé­re­as de An­go­la TAAG. Nes­te mo­men­to, de­cor­rem ac­ções pre­li­mi­na­res, co­mo o cor­te de ca­pim e lim­pe­za do ter­re­no, es­tan­do reu­ni­dos cer­ca de 70 por cen­to dos equi­pa­men­tos e máquinas que vão ser uti­li­za­dos.

O pla­no de mo­der­ni­za­ção do ae­ro­por­to do Dun­do co­me­çou em Abril de 2012, com a cons­tru­ção do no­vo ter­mi­nal de pas­sa­gei­ros, cu­ja pri­mei­ra fa­se foi inau­gu­ra­da em Agos­to do mes­mo ano, pe­lo mi­nis­tro Augusto da Sil­va To­más. O pas­so a se­guir é a am­pli­a­ção da pis­ta, que vai per­mi­tir a ater­ra­gem de aviões de mai­or por­te. A pis­ta es­tá des­de o ano de 2014 en­cer­ra­da pa­ra ater­ra­gem de qual­quer ti­po de ae­ro­na­ve e a po­pu­la­ção lo­cal en­fren­ta, nos úl­ti­mos tem­pos, enor­mes cons­tran­gi­men­tos pa­ra efec­tu­ar vi­a­gens pa­ra Lu­an­da e/ou ou­tros pon­tos do país. A pis­ta do ae­ro­por­to do Dun­do foi in­ter­di­ta pe­lo Ins­ti­tu­to Na­ci­o­nal de Avi­a­ção Ci­vil (INAVIC), em 2008, de­vi­do ao avan­ça­do es­ta­do de de­gra­da­ção, ten­do na al­tu­ra si­do pro­jec­ta­da a sua re­a­bi­li­ta­ção e am­pli­a­ção, de for­ma a com­pa­ti­bi­li­zá-la com as me­di­das de se­gu­ran­ça pa­ra ae­ro­na­ves e pas­sa­gei­ros.

Re­de viá­ria

Er­nes­to Mu­an­ga­la ex­pli­cou que en­tre os prin­ci­pais pro­gra­mas de re­cu­pe­ra­ção de in­fra-es­tru­tu­ras apro­va­dos a ní­vel lo­cal cons­ta, co­mo pri­o­ri­da­de, a me­lho­ria da re­de ro­do­viá­ria, com vis­ta a ga­ran­tir a cir­cu­la­ção e mai­or flui­dez no es­co­a­men­to de mer­ca­do­ri­as, bens e ser­vi­ços. Das ac­ções pri­o­ri­tá­ri­as do Exe­cu­ti­vo, apon­tou as es­tra­das na­ci­o­nais que es­ta­be­le­cem a li­ga­ção en­tre pro­vín­ci­as, mu­ni­cí­pi­os e co­mu­nas, com vis­ta à pro­mo­ção de um de­sen­vol­vi­men­to sus­ten­tá­vel e har­mo­ni­o­so en­tre as di­fe­ren­tes re­giões.

O go­ver­na­dor Er­nes­to Mu­an­ga­la in­for­mou que en­tre os prin­ci­pais pro­jec­tos em cur­so no sec­tor das In­fra-es­tru­tu­ras Ro­do­viá­ri­as des­ta­cam-se as obras de cons­tru­ção da Es­tra­da Na­ci­o­nal 225, que li­ga a ci­da­de do Dun­do aos mu­ni­cí­pi­os lo­ca­li­za­dos na re­gião sul da pro­vín­cia, nu­ma ex­ten­são de 540 qui­ló­me­tros, e a re­po­si­ção de 33 pon­tes des­truí­das du­ran­te o pe­río­do de guer­ra.

A Es­tra­da Na­ci­o­nal 180 foi con­cluí­da e inau­gu­ra­da, do Dun­do ao mu­ni­cí­pio do Lu­ca­pa, pas­san­do pe­la ci­da­de de Sau­ri­mo, na vi­zi­nha pro­vín­cia da Lunda Sul, até ao Lu­e­na, no Moxico.

Um ou­tro pro­jec­to de gran­de im­por­tân­cia apon­ta­do pe­lo go­ver­na­dor e que vai es­ti­mu­lar o de­sen­vol­vi­men­to da pro­vín­cia é a re­a­bi­li­ta­ção da Es­tra­da Na­ci­o­nal 180-A, que une o Dun­do à vi­la mi­nei­ra do Nza­gi, nu­ma ex­ten­são de 90 qui­ló­me­tros. Er­nes­to Mu­an­ga­la ga­ran­tiu que o Go­ver­no da Pro­vín­cia, em co­or­de­na­ção com as es­tru­tu­ras cen­trais, vai con­ti­nu­ar a im­pri­mir di­na­mis­mo à so­lu­ção dos pro­ble­mas so­ci­ais que afli­gem as po­pu­la­ções, vi­san­do re­du­zir as as­si­me­tri­as em ter­mos de qua­li­da­de de vi­da.

De­pois da con­clu­são dos tra­ba­lhos de me­lho­ria na cir­cu­la­ção ro­do­viá­ria a ní­vel das es­tra­das na­ci­o­nais, as po­lí­ti­cas do Go­ver­no da Lunda Nor­te vão es­tar vol­ta­das pa­ra as vi­as se­cun­dá­ri­as e ter­ciá­ri­as, as­se­gu­rou Er­nes­to Mu­an­ga­la. No en­tan­to, é pre­ci­so fa­zer mais e me­lhor pa­ra que al­guns sec­to­res fun­da­men­tais pos­sam ga­ran­tir ser­vi­ços de qua­li­da­de e con­tri­buir pa­ra o cres­ci­men­to da pro­vín­cia.

As vi­as de co­mu­ni­ca­ção cons­ti­tu­em o pon­to de par­ti­da pa­ra o de­sen­vol­vi­men­to har­mo­ni­o­so da Lunda Nor­te, so­bre­tu­do pa­ra as cir­cuns­cri­ções afas­ta­das da se­de pro­vin­ci­al, e as­se­gu­rou que a sua re­cu­pe­ra­ção faz par­te das pri­o­ri­da­des do Exe­cu­ti­vo, que as in­clui de for­ma fa­se­a­da nos Pro­gra­mas de In­ves­ti­men­tos Pú­bli­cos.

A pro­vín­cia da Lunda Nor­te, se­gun­do o go­ver­na­dor, é das re­giões do país com mai­or ma­lha ro­do­viá­ria, com cer­ca de seis mil qui­ló­me­tros de es­tra­das.

A re­a­bi­li­ta­ção to­tal des­tes seis mil qui­ló­me­tros de es­tra­das, dis­se, pos­si­bi­li­ta lan­çar as ba­ses pa­ra o de­sen­vol­vi­men­to de to­da a pro­vín­cia, atra­vés da cons­tru­ção de di­ver­sos em­pre­en­di­men­tos, co­mo in­fra-es­tru­tu­ras sa­ni­tá­ri­as, am­pli­a­ção da re­de es­co­lar, pro­jec­tos de abas­te­ci­men­to de água, ac­ções que, se­gun­do o go­ver­na­dor, se tor­nam di­fí­ceis de con­cre­ti­zar sem es­tra­das em con­di­ções.

BENJAMIM CÂNDIDO

O fi­nan­ci­a­men­to da em­prei­ta­da é de­pen­den­te dos re­cur­sos or­di­ná­ri­os do te­sou­ro que nes­te mo­men­to são es­cas­sos de­vi­do à cri­se fi­nan­cei­ra

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.