CAR­TAS DO LEI­TOR

Jornal de Angola - - OPINIÃO - EDU­AR­DO JO­A­QUIM ARMÉNIO JOÃO ALBERTINA LUCAS AFONSO DA CONCEIÇÃO

Lim­pe­za das ru­as

A mo­bi­li­za­ção da po­pu­la­ção pa­ra as­se­gu­rar a lim­pe­za das co­mu­ni­da­des de­ve ser pro­mo­vi­da por co­mis­sões de bair­ro or­ga­ni­za­das, com mo­ra­do­res sen­si­bi­li­za­dos so­bre a pro­ble­má­ti­ca do li­xo. Tra­ta-se de um pro­ble­ma que de­ve ser en­fren­ta­do a ní­vel lo­cal, con­tra­ri­a­men­te à ideia de que são as ope­ra­do­ras que de­vem ge­rir is­so. O li­xo, que é pro­du­zi­do pe­las fa­mí­li­as, pes­so­as e em­pre­sas, não pre­ci­sa em con­di­ções nor­mais da in­ter­ven­ção das ope­ra­do­res, mui­tas de­las com quar­tel-ge­ne­ral dis­tan­te das co­mu­ni­da­des afec­ta­das pe­los amon­to­a­dos de re­sí­du­os.

Edu­ca­ção em Áfri­ca

A re­for­ma na edu­ca­ção é um as­sun­to que pre­o­cu­pa vá­ri­os paí­ses afri­ca­nos. São na ver­da­de di­ver­sos os Es­ta­dos do con­ti­nen­te que vão fa­zen­do re­for­mas na edu­ca­ção, pa­ra ace­le­ra­rem o seu pro­ces­so de de­sen­vol­vi­men­to.

Acho que é bom que os paí­ses afri­ca­nos re­a­li­zem re­for­mas na edu­ca­ção de gran­de al­can­ce , pa­ra que o con­ti­nen­te ul­tra­pas­se o seu atra­so eco­nó­mi­co e so­ci­al. É sa­bi­do que o sec­tor da edu­ca­ção é im­por­tan­tís­si­mo , e te­mos de pro­cu­rar sem­pre que os nos­sos qua­dros que sa­em dos ins­ti­tu­tos mé­di­os e su­pe­ri­o­res se­jam ex­ce­len­tes. Não de­ve­mos nos pre­o­cu­par ape­nas, co­mo já al­guém dis­se, com os nú­me­ros ele­va­dos de qua­dros for­ma­dos to­dos os anos nas nos­sas fa­cul­da­des ou ins­ti­tu­tos mé­di­os . É pre­ci­so tra­ba­lhar mui­to no do­mí­nio da atri­bui­ção de com­pe­tên­ci­as por par­te das nos­sas es­co­las.

Sou­be que na Ar­gé­lia es­tá tam­bém a de­cor­rer uma re­for­ma pro­fun­da na Edu­ca­ção, que é con­du­zi­da pe­la mi­nis­tra Nou­ria Benghe­brit, a quem cha­mam na­que­le país ára­be “mu­lher co­ra­gem”, por es­tar a lu­tar con­tra to­dos os que não que­rem mu­dan­ças no sec­tor edu­ca­ti­vo na sua ter­ra. Dou­to­ra­da em So­ci­o­lo­gia da Edu­ca­ção por uma uni­ver­si­da­de fran­ce­sa, Nou­ria Benghe­brit diz que “o nos­so ini­mi­go co­mum é a me­di­o­cri­da­de”. Es­ta mi­nis­tra ar­ge­li­na diz ain­da que “a cri­an­ça en­tra no sis­te­ma de edu­ca­ção pa­ra ter êxi­tos, não pa­ra fra­cas­sar” e de­fen­de que é pre­ci­so dar-lhe os mei­os pa­ra que não fra­cas­se. Tra­ta-se de pa­la­vras que, quan­to a mim , de­vi­am me­re­cer re­fle­xão de to­dos nós , afri­ca­nos .

Pa­tri­mó­nio mun­di­al

Te­nho acom­pa­nha­do por via da co­mu­ni­ca­ção so­ci­al to­do o pro­ces­so em cur­so que po­de con­du­zir à clas­si­fi­ca­ção da ci­da­de his­tó­ri­ca de Mban­za Con­go co­mo pa­tri­mó­nio mun­di­al da hu­ma­ni­da­de. Sou es­tu­dan­te e apren­di nas au­las de His­tó­ria que Mban­za Con­go foi a ca­pi­tal do gran­de Rei­no do Con­go, pe­lo que es­pe­ro an­si­o­sa­men­te por uma de­ci­são da Unes­co que vá no sen­ti­do de de­cla­rar Mban­za Con­go pa­tri­mó­nio da hu­ma­ni­da­de .

Era bom que os an­go­la­nos sou­bes­sem mais so­bre a ci­da­de de Mban­za Con­go. Mui­tas pes­so­as ou­vem fa­lar do pro­ces­so de ins­cri­ção da ci­da­de na lis­ta do Pa­tri­mó­nio Mun­di­al, mas não co­nhe­cem o seu pa­pel na His­tó­ria de An­go­la. Sei que as nos­sas au­to­ri­da­des es­tão a tra­ba­lhar in­ten­sa­men­te pa­ra que Mban­za Con­go se­ja pa­tri­mó­nio da hu­ma­ni­da­de, pe­lo que lhes de­se­jo mui­tos êxi­tos nes­te pro­ces­so que mui­tos an­go­la­nos acom­pa­nham com mui­to in­te­res­se.

Fim do ano lec­ti­vo

Es­ta­mos no fim do ano lec­ti­vo de 2016 , sen­do oca­sião pa­ra se fa­ze­rem ba­lan­ços, sem­pre ne­ces­sá­ri­os pa­ra se sa­ber o que se fez bem, o que se fez mal e o que fal­tou fa­zer. Os ba­lan­ços das nos­sas ac­ti­vi­da­des pro­du­ti­vas são in­dis­pen­sá­veis, pa­ra que me­lho­re­mos sem­pre o nos­so tra­ba­lho.

Te­mos sem­pre de pros­se­guir a ex­ce­lên­cia e pro­cu­rar al­can­çar re­sul­ta­dos po­si­ti­vos. As di­rec­ções das di­ver­sas es­co­las do nos­so país, de di­fe­ren­tes ní­veis, de­vem fa­zer os res­pec­ti­vos ba­lan­ços, na pers­pec­ti­va de no pró­xi­mo ano se fa­zer ca­da vez me­lhor. Sa­be-se que o nos­so en­si­no en­fer­ma ain­da de mui­tos pro­ble­mas. Uns mais com­ple­xos do que ou­tros. Mas o im­por­tan­te é iden­ti­fi­cá-los e re­sol­vê-los.

CASIMIRO PE­DRO

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.