As em­pre­sas e os ban­cos

Jornal de Angola - - OPINIÃO -

Vá­ri­os es­pe­ci­a­lis­tas an­go­la­nos e não só de­fen­dem que as pe­que­nas e mé­di­as em­pre­sas cons­ti­tu­em uni­da­des pro­du­ti­vas in­dis­pen­sá­veis , pois elas aju­dam gran­de­men­te a ala­van­car o cres­ci­men­to eco­nó­mi­co e a ge­rar mui­tos em­pre­gos, em par­ti­cu­lar em épo­cas de cri­se eco­nó­mi­ca e fi­nan­cei­ra.

Paí­ses de ou­tros con­ti­nen­tes que fo­ram afec­ta­dos pe­la cri­se eco­nó­mi­ca e fi­nan­cei­ra mun­di­al cen­tra­ram-se na con­ces­são de in­cen­ti­vos à cri­a­ção ou re­vi­ta­li­za­ção de pe­que­nas e mé­di­as em­pre­sas, com re­sul­ta­dos sa­tis­fa­tó­ri­os.

Em An­go­la, vão-se cri­an­do ca­da vez mais pe­que­nas e mé­di­as em­pre­sas, com a des­bu­ro­cra­ti­za­ção de uma sé­rie de ser­vi­ços pú­bli­cos, que têm por mis­são vi­a­bi­li­zar o sur­gi­men­to de uni­da­des pro­du­ti­vas, por via da sim­pli­fi­ca­ção de pro­ce­di­men­tos .

En­tre­tan­to, não bas­ta que uma em­pre­sa te­nha ape­nas exis­tên­cia le­gal. Uma em­pre­sa tem pro­jec­tos que ne­ces­si­tam de fi­nan­ci­a­men­to. Um dos gran­des pro­ble­mas das nos­sas em­pre­sas é a fal­ta de fi­nan­ci­a­men­to pa­ra fa­zer ar­ran­car os seus pro­jec­tos.

Mas fe­liz­men­te cri­a­ram-se me­ca­nis­mos que per­mi­tem que as nos­sas pe­que­nas e mé­di­as em­pre­sas te­nham aces­so ao cré­di­to ban­cá­rio em con­di­ções pou­co one­ro­sas. Fe­liz­men­te, mui­tos ban­cos co­mer­ci­ais com­pre­en­de­ram que de­vem, eles tam­bém, de­sem­pe­nhar um pa­pel im­por­tan­te no pro­ces­so de cres­ci­men­to da eco­no­mia.

Se­gun­do da­dos re­cen­te­men­te re­ve­la­dos pe­lo pre­si­den­te do Con­se­lho de Ad­mi­nis­tra­ção do Ins­ti­tu­to Na­ci­o­nal de Apoio às Pe­que­nas e Mé­di­as Em­pre­sas, os ban­cos co­mer­ci­ais con­ce­de­ram mais de 112,8 mil mi­lhões de kwan­zas a uni­da­des pro­du­ti­vas da­que­la di­men­são, nos úl­ti­mos qua­tro anos , pa­ra o fi­nan­ci­a­men­to de 480 pro­jec­tos pro­du­ti­vos, no âm­bi­to do “Pro­gra­ma An­go­la In­ves­te”.

O Ins­ti­tu­to tem si­do de gran­de uti­li­da­de pa­ra que as pe­que­nas e mé­di­as em­pre­sas te­nham aces­so a cré­di­to ban­cá­rio, atri­buin­do aos ne­gó­ci­os des­sas uni­da­des pro­du­ti­vas es­ta ou aque­la ca­te­go­ria. Es­tas em­pre­sas re­ce­bem dos ban­cos va­lo­res em fun­ção da ca­te­go­ria que lhes é atri­buí­da.

To­do es­te es­for­ço que os ban­cos co­mer­ci­ais fa­zem pa­ra fi­nan­ci­ar a ac­ti­vi­da­de pro­du­ti­va das pe­que­nas e mé­di­as em­pre­sas de­ve ser apro­vei­ta­do por es­tas uni­da­des pa­ra ar­ran­car com os seus ne­gó­ci­os e pa­ra con­so­li­dá-los.

É ne­ces­sá­rio en­tre­tan­to que se pres­te mui­ta aten­ção à cri­a­ção de in­fra-es­tru­tu­ras no cam­po, on­de uma par­te con­si­de­rá­vel de em­pre­sas qu­er tra­ba­lhar. Sem in­fra-es­tru­tu­ras bá­si­cas, ele­vam-se os cus­tos de pro­du­ção das em­pre­sas e le­vam a que os po­ten­ci­ais in­ves­ti­do­res de­sis­tam dos seus pro­jec­tos.

Sa­be-se que o agro-ne­gó­cio é uma apos­ta de mui­tas em­pre­sas an­go­la­nas, pe­lo que im­por­ta que ra­pi­da­men­te se ins­ta­lem as in­fra-es­tru­tu­ras ne­ces­sá­ri­as pa­ra que as uni­da­des pro­du­ti­vas pos­sam fa­zer o seu tra­ba­lho e pos­sam ser prós­pe­ras. A pros­pe­ri­da­de das em­pre­sas con­tri­bui pa­ra o com­ba­te à po­bre­za em que se en­con­tram mui­tas fa­mí­li­as nas zo­nas ru­rais.

O pre­si­den­te da As­so­ci­a­ção In­dus­tri­al de An­go­la (AIA), Jo­sé Se­ve­ri­no, ex­pe­ri­en­te em­pre­sá­rio an­go­la­no, con­si­de­rou de­ter­mi­nan­te a apos­ta na agri­cul­tu­ra pa­ra a in­ver­são do qu­a­dro de de­pen­dên­cia do pe­tró­leo, cu­jo pre­ço no mer­ca­do é vo­lá­til. Jo­sé Se­ve­ri­no, que fa­la­va num se­mi­ná­rio so­bre me­ca­nis­mos de aces­so ao fi­nan­ci­a­men­to, é um de­fen­sor da va­lo­ri­za­ção do em­pre­sá­rio an­go­la­no, que po­de fa­zer mui­tas coi­sas bo­as se lhe de­rem opor­tu­ni­da­des e in­cen­ti­vos di­ver­sos, so­bre­tu­do nes­ta al­tu­ra em que mui­tas em­pre­sas ca­re­cem de ca­pi­tal .

De­ve-se co­me­çar a apos­tar mais na ca­pa­ci­da­de dos nos­sos em­pre­sá­ri­os, de­ven­do-se aban­do­nar a ideia de que o an­go­la­no é in­ca­paz de re­a­li­zar os seus pro­jec­tos pro­du­ti­vos. Não va­mos a la­do ne­nhum se se con­ti­nu­ar a des­con­fi­ar dos em­pre­sá­ri­os an­go­la­nos ou de po­ten­ci­ais em­pre­sá­ri­os do nos­so país.

Ao que tu­do in­di­ca, os ban­cos co­mer­ci­ais, a jul­gar pe­los va­lo­res já con­ce­di­dos em qua­tro anos a pe­que­nas e mé­di­as em­pre­sas, es­tão a per­ce­ber que va­le a pe­na con­ce­der cré­di­to pa­ra que an­go­la­nos pos­sam in­ves­tir no seu pró­prio país. Há no nos­so país mui­tos an­go­la­nos que, por exem­plo, que­rem e sa­bem tra­ba­lhar a ter­ra. Mui­tos des­ses an­go­la­nos nas­ce­ram, cres­ce­ram e sem­pre tra­ba­lha­ram nas zo­nas ru­rais. São es­tas pes­so­as que po­dem es­tar em con­di­ções de re­a­li­zar pro­jec­tos de pe­que­na e mé­dia di­men­são ou fa­mi­li­a­res, de mo­do a que a nos­sa agri­cul­tu­ra co­nhe­ça ra­pi­da­men­te uma gran­de ex­pan­são.

Há mui­tos es­pe­ci­a­lis­tas que são de opi­nião que o in­ves­ti­men­to em pe­que­nas e mé­di­as em­pre­sas no cam­po de­ve ser uma pri­o­ri­da­de, de­ven­do-se ain­da, se­gun­do eles, pros­se­guir no es­ta­be­le­ci­men­to de efi­ci­en­tes me­ca­nis­mos de con­ser­va­ção dos pro­du­tos e de cir­cui­tos de dis­tri­bui­ção ca­pa­zes de com ce­le­ri­da­de le­var a pro­du­ção ao mer­ca­do, po­ten­ci­an­do-se as­sim o ne­gó­cio de mi­lha­res de tra­ba­lha­do­res das zo­nas ru­rais.

Não há eco­no­mia que vi­va sem cré­di­to. As em­pre­sas são agen­tes eco­nó­mi­cos que re­cor­rem fre­quen­te­men­te ao cré­di­to e os ban­cos, no in­te­res­se da eco­no­mia, de­vem ter dis­po­ni­bi­li­da­de pa­ra fi­nan­ci­ar aque­las ac­ti­vi­da­des pro­du­ti­vas que são po­ten­ci­al­men­te ren­tá­veis.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.