Con­se­lho de Es­ta­do pro­cu­ra so­lu­ção pa­ra a cri­se

Jornal de Angola - - OPINIÃO - PIMENTA KAJOCOLO | *

O Con­se­lho de Es­ta­do da Re­pú­bli­ca da Gui­né-Bis­sau vol­ta a reu­nir ho­je com as prin­ci­pais for­ças po­lí­ti­cas pa­ra a pro­cu­ra de saí­das pa­ra a cri­se po­lí­ti­ca que o país en­fren­ta há mais de no­ve me­ses e que pa­ra­li­sa o fun­ci­o­na­men­to das prin­ci­pais ins­ti­tui­ções do Es­ta­do.

O en­con­tro de ho­je sur­ge al­guns di­as de­pois do fra­cas­so de dois ou­tros que se tor­na­ram in­con­clu­si­vos, re­a­li­za­dos na quar­ta e quin­ta-fei­ra, sus­pen­sos an­tes mes­mo das par­tes che­ga­rem a um en­ten­di­men­to.

A in­di­ca­ção de um pri­mei­ro-mi­nis­tro que sa­tis­fa­ça os in­te­res­ses de to­dos es­tá a ser vis­ta co­mo um dos te­mas mais dis­pu­ta­dos da agen­da de tra­ba­lhos pre­vis­ta pa­ra ho­je, sem des­pri­mor pa­ra um ou­tro as­sun­to, tam­bém ele de re­le­van­te im­por­tân­cia no des­fe­cho da cri­se, que tem a ver com o re­gres­so dos “15” ao par­ti­do mai­o­ri­tá­rio da Gui­néBis­sau, o PAIGC.

O PAIGC con­cor­da em prin­cí­pio com o re­gres­so dos “15”, des­de que os mes­mos res­pei­tem as cláu­su­las es­ta­tu­tá­ri­as que re­gem o fun­ci­o­na­men­to do par­ti­do mai­o­ri­tá­rio na Gui­né-Bis­sau, mas o mes­mo não se po­de di­zer da ou­tra par­te, que, até on­tem, não se ti­nha pro­nun­ci­a­do a res­pei­to. A so­lu­ção pa­ra es­se as­sun­to po­de­rá ter que pas­sar pe­lo bom sen­so e trans­pa­rên­cia mú­tua.

No en­con­tro de quin­ta-fei­ra, o Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca, Jo­sé Má­rio Vaz, re­co­men­dou à di­rec­ção do Par­ti­do Afri­ca­no da In­de­pen­dên­cia da Gui­né e Ca­bo Ver­de (PAIGC) a di­a­lo­gar com o gru­po dos 15 de­pu­ta­dos dis­si­den­tes des­ta for­ma­ção po­lí­ti­ca a fim de che­ga­rem a con­sen­so so­bre uma fi­gu­ra a in­di­car pa­ra o car­go de pri­mei­ro-mi­nis­tro.

Mas al­guns lí­de­res das for­ças po­lí­ti­cas que pre­sen­ci­a­ram a as­si­na­tu­ra dos acor­dos de Co­na­cri de­fen­dem que o as­sun­to em re­fe­rên­cia te­ria si­do ul­tra­pas­sa­do com a as­si­na­tu­ra dos acor­dos de Co­na­cri on­de, se­gun­do ates­tam as nos­sas fon­tes, fi­cou de­fi­ni­do o no­me da pes­soa que iria as­su­mir o car­go de pri­mei­ro-mi­nis­tro.

Ag­nel­lo Re­ga­la, lí­der do Par­ti­do pa­ra a União pa­ra a Mu­dan­ça (UM), afir­mou que a ques­tão do con­sen­so em re­la­ção a pes­soa que iria ocu­par o car­go de pri­mei­ro­mi­nis­tro “foi ul­tra­pas­sa­da em Co­na­cri” com a in­di­ca­ção de Augusto Oli­vais, do PAIGC, pa­ra as­su­mir a che­fia do go­ver­no.

Ag­ne­lo Re­ga­la afir­mou que ao re­a­li­zar as con­sul­tas, o Che­fe de Es­ta­do gui­ne­en­se pa­re­ce de­mons­trar um to­tal des­res­pei­to à Cons­ti­tui­ção do país e ao con­sen­so al­can­ça­do em Co­na­cri em re­la­ção a quem de­ve li­de­rar o pró­xi­mo go­ver­no.

Se­gun­do de­fen­dem fon­tes ge­ral­men­te bem in­for­ma­das em Bis­sau, a so­lu­ção en­con­tra­da pa­ra a saí­da da cri­se tem tu­do pa­ra re­pre­sen­tar um fra­cas­so an­te­ci­pa­do dos acor­dos de Co­na­cri por con­ter ne­la o que con­si­de­ra­ram uma “sub­jec­ti­va du­a­li­da­de de cri­té­ri­os”, que in­vi­a­bi­li­za qual­quer hi­pó­te­se de êxi­to aos acor­dos ru­bri­ca­dos. Is­to diz res­pei­to à de­ci­são que de­ter­mi­na a pro­cu­ra de um con­sen­so pa­ra se en­con­trar o no­me do pri­mei­ro-mi­nis­tro e de ou­tra que atri­bui ao Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca po­de­res es­pe­ci­ais pa­ra a no­me­a­ção de uma pes­soa de sua es­trei­ta con­fi­an­ça.

En­tre a es­pa­da e a pa­re­de

É já ti­do co­mo pra­ti­ca­men­te im­pro­vá­vel um re­cuo no ac­tu­al pro­ces­so já que, ao acon­te­cer, o mes­mo po­de im­pli­car um atra­so de me­ses até as par­tes che­ga­rem a um no­vo acor­do, com cus­tos po­lí­ti­cos pa­ra a cre­di­bi­li­da­de do pró­prio Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca, que a ca­da dia que pas­sa vê a sua ima­gem ca­da vez mais des­gas­ta­da, ha­ven­do mes­mo quem de­fen­da que o Che­fe de Es­ta­do gui­ne­en­se se en­con­tra nes­te mo­men­to en­tre a es­pa­da e a pa­re­de.

Pro­va dis­so são os mo­vi­men­to de mas­sas con­tra o Pre­si­den­te Jo­sé Má­rio Vaz que vão ga­nhan­do cor­po na Gui­né-Bis­sau. Em pou­co me­nos de du­as se­ma­nas, du­as ma­ni­fes­ta­ções fo­ram re­a­li­za­das em Bis­sau pa­ra exi­gir o afas­ta­men­to do Pre­si­den­te Má­rio Vaz, a dis­so­lu­ção do Par­la­men­to e a re­a­li­za­ção de elei­ções an­te­ci­pa­das. Al­guns lí­de­res po­lí­ti­cos tam­bém so­li­ci­ta­ram o afas­ta­men­to do Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca a quem res­pon­sa­bi­li­zam pe­la cri­se po­lí­ti­ca que o país en­fren­ta.

O pre­si­den­te da As­sem­bleia do Po­vo Uni­do - Par­ti­do De­mo­crá­ti­co da Gui­né-Bis­sau (APU-PDGB), Nu­no Go­mes Na­bi­an, exi­giu no úl­ti­mo do­min­go a re­nún­cia de Jo­sé Má­rio Vaz da fun­ção de Che­fe do Es­ta­do gui­ne­en­se. O po­lí­ti­co jus­ti­fi­cou a sua ideia na­qui­lo que con­si­de­ra de pre­juí­zo so­ci­al que a ac­tu­al cri­se po­lí­ti­ca e ins­ti­tu­ci­o­nal es­tá a cau­sar à so­ci­e­da­de gui­ne­en­se, se­gun­do ele pro­vo­ca­da pe­lo Che­fe de Es­ta­do e o PA IGC.

“Se Jo­sé Má­rio não é ca­paz de pôr fim ao im­pas­se po­lí­ti­co de­ve pôr o seu lu­gar à dis­po­si­ção do po­vo”, dis­se o an­ti­go ad­ver­sá­rio de Jo­sé Má­rio Vaz na cor­ri­da à Pre­si­dên­cia da Re­pú­bli­ca.

De re­cor­dar que Nu­no Na­bi­an dis­pu­tou com o Pre­si­den­te Jo­sé Má­rio Vaz a se­gun­da vol­ta das elei­ções pre­si­den­ci­ais de 2014, apoi­a­do pe­lo fun­da­dor do Par­ti­do de Re­no­va­ção So­ci­al (PRS), se­gun­da mai­or for­ça po­lí­ti­ca da opo­si­ção gui­ne­en­se e ex-Pre­si­den­te da Gui­né-Bis­sau, Kum­ba Ya­lá.

Com a sua der­ro­ta nas elei­ções pre­si­den­ci­ais, fun­dou o seu pró­prio par­ti­do, que de­vi­do ao seu de­sem­pe­nho es­tá a ser ti­do co­mo uma for­ma­ção po­lí­ti­ca a ter-se em con­ta nas pró­xi­mas elei­ções ge­rais (pre­si­den­ci­ais e le­gis­la­ti­vas).

FRAN­CIS­CO BERNARDO

Pre­si­den­te Jo­sé Má­rio Vaz en­fren­ta di­fi­cul­da­des pa­ra no­me­ar um pri­mei­ro-mi­nis­tro

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.