Co­lom­bi­a­nos su­pe­ram di­ver­gên­ci­as

Jornal de Angola - - OPINIÃO -

O Go­ver­no co­lom­bi­a­no e a guer­ri­lha das FARC anun­ci­a­ram, no sá­ba­do, a con­clu­são de um tra­ta­do de paz pa­ra sal­var o acor­do his­tó­ri­co re­jei­ta­do pe­los co­lom­bi­a­nos, no re­fe­ren­do do mês pas­sa­do.

“Con­cluí­mos um no­vo acor­do de paz pa­ra pôr fim ao con­fli­to ar­ma­do, que con­tém mu­dan­ças, pre­ci­sões e con­tri­bui­ções de vá­ri­os sec­to­res da so­ci­e­da­de” co­lom­bi­a­na, anun­ci­a­ram no sá­ba­do as du­as par­tes, num co­mu­ni­ca­do co­mum di­vul­ga­do na ca­pi­tal cu­ba­na. “Em res­pos­ta ao cla­mor dos co­lom­bi­a­nos pa­ra con­cre­ti­zar o de­se­jo de paz e re­con­ci­li­a­ção, al­can­çá­mos um no­vo acor­do fi­nal”, re­fe­re o co­mu­ni­ca­do das du­as par­tes, li­do pe­los re­pre­sen­tan­tes dos paí­ses me­di­a­do­res do pro­ces­so, Cu­ba e No­ru­e­ga.

O no­vo do­cu­men­to foi as­si­na­do pe­los lí­de­res das de­le­ga­ções de ne­go­ci­a­do­res do Go­ver­no co­lom­bi­a­no, Hum­ber­to de la Cal­le, e das For­ças Ar­ma­das Re­vo­lu­ci­o­ná­ri­as da Colôm­bia (FARC), “Iván Már­quez” (co­mo é co­nhe­ci­do Lu­ci­a­no Aran­go). As du­as de­le­ga­ções man­ti­ve­ram no­ve di­as de in­ten­sas ne­go­ci­a­ções em Ha­va­na - se­de das ne­go­ci­a­ções de paz du­ran­te os úl­ti­mos qua­tro anos - pa­ra al­can­çar um no­vo con­sen­so pa­ra “con­se­guir uma paz es­tá­vel e du­ra­dou­ra”.

O no­vo acor­do de paz “in­te­gra mu­dan­ças, pre­ci­sões e con­tri­bui­ções dos mais di­ver­sos sec­to­res da so­ci­e­da­de, re­vis­tos um a um”, acres­cen­ta o co­mu­ni­ca­do.

“A cons­tru­ção de uma paz es­tá­vel e du­ra­dou­ra, ob­jec­ti­vo a que res­pon­de es­te no­vo acor­do, de­ve ser o com­pro­mis­so co­mum de to­dos os co­lom­bi­a­nos que con­tri­bua pa­ra ul­tra­pas­sar as di­vi­sões e que re­co­lha to­das as ex­pres­sões po­lí­ti­cas e so­ci­ais”, re­fe­re. Os ne­go­ci­a­do­res de paz con­vi­dam “to­da a Colôm­bia e a co­mu­ni­da­de in­ter­na­ci­o­nal, sem­pre so­li­dá­ria na pro­cu­ra da re­con­ci­li­a­ção, pa­ra acom­pa­nhar e apoi­ar” o no­vo pac­to “na sua pron­ta apli­ca­ção pa­ra dei­xar no pas­sa­do a tra­gé­dia da guer­ra”.

Con­sen­so com a opo­si­ção

Ho­ras an­tes do anún­cio, o Pre­si­den­te da Colôm­bia, Ju­an Ma­nu­el San­tos, con­vo­cou pa­ra uma “reu­nião ur­gen­te” o an­ti­go Che­fe de Es­ta­do co­lom­bi­a­no Ál­va­ro Uri­be, lí­der do Cen­tro De­mo­crá­ti­co, que pro­ta­go­ni­zou a cam­pa­nha do “não” no re­fe­ren­do ao acor­do de paz.

Os an­ti­gos Pre­si­den­tes An­drés Pas­tra­na (1998-2002) e Ál­va­ro Uri­be Vé­lez (2002-2010) são as vo­zes mais re­pre­sen­ta­ti­vas do “não” e apre­sen­ta­ram, na se­ma­na pas­sa­da, a Ju­an Ma­nu­el San­tos um do­cu­men­to com 500 pro­pos­tas de al­te­ra­ções, so­bre as quais tra­ba­lha­ram as du­as de­le­ga­ções de ne­go­ci­a­do­res em Ha­va­na.

O Che­fe de Es­ta­do dis­se que re­co­lhe­ram as pro­pos­tas dos exP­re­si­den­tes os quais ci­tou em vá­ri­os mo­men­tos do seu dis­cur­so. Além dis­so afir­mou que re­ce­be­ram as ini­ci­a­ti­vas pro­pos­tas por ou­tros opo­si­to­res co­mo o Cen­tro De­mo­crá­ti­co, par­ti­do de Uri­be, di­ri­gen­tes con­ser­va­do­res, igre­ja e ou­tras or­ga­ni­za­ções re­li­gi­o­sas e so­ci­ais, em­pre­sá­ri­os, sin­di­ca­tos, tri­bu­nais e ma­gis­tra­dos. No to­tal, al­can­ça­ram­se “pre­ci­sões, ajus­tes e al­te­ra­ções” em 56 dos 57 te­mas abor­da­dos com os opo­si­to­res e pos­te­ri­or­men­te apre­sen­ta­dos às FARC. San­tos agra­de­ceu a to­dos e mos­trou-se sa­tis­fei­to por to­dos os sec­to­res co­lom­bi­a­nos te­rem par­ti­ci­pa­do no no­vo tex­to, por­que “a paz é de to­dos”.

O úni­co pon­to em que não con­se­gui­ram avan­ços, se­gun­do re­co­nhe­ceu San­tos, foi “que os che­fes guer­ri­lhei­ros não po­de­ri­am ser elei­tos” pa­ra car­gos pú­bli­cos. Es­sa era uma das rei­vin­di­ca­ções dos que vo­ta­ram “não” no re­fe­ren­do so­bre o acor­do de paz as­si­na­do a 26 de Se­tem­bro em Car­ta­ge­na das Ín­di­as.

O Go­ver­no co­lom­bi­a­no e a guer­ri­lha das FARC as­si­na­ram a 26 de Se­tem­bro pas­sa­do, em Car­ta­ge­na das Ín­di­as, o acor­do de paz con­cluí­do em Agos­to no fi­nal de cer­ca de qua­tro anos de ne­go­ci­a­ções em Ha­va­na pa­ra ter­mi­nar o con­fli­to ar­ma­do e a guer­ri­lha mais an­ti­ga no con­ti­nen­te ame­ri­ca­no.

No en­tan­to, a mai­o­ria dos co­lom­bi­a­nos re­cu­sou o acor­do no re­fe­ren­do de 2 de Ou­tu­bro, o que le­vou Ju­an Ma­nu­el San­tos a con­vo­car os lí­de­res dos mo­vi­men­tos opo­si­to­res pa­ra con­se­guir um con­sen­so e re­sol­ver o pro­ces­so de paz.

Apro­va­ção das FARC

O lí­der das For­ças Ar­ma­das Re­vo­lu­ci­o­ná­ri­as da Colôm­bia (FARC), Ti­mo­león Ji­mé­nez 'Ti­mo­chen­ko', afir­mou on­tem na re­de so­ci­al Twit­ter que “a paz es­tá a triun­far”, após a as­si­na­tu­ra, em Ha­va­na, do no­vo acor­do de paz com o Go­ver­no co­lom­bi­a­no.

“Fi­ze­mos o nos­so me­lhor pa­ra res­pon­der ao de­se­jo de paz e con­se­gui­mo-lo”, dis­se nou­tro co­men­tá­rio no Twit­ter o lí­der dos re­bel­des, cu­jo no­me ver­da­dei­ro é Ro­dri­go Lon­doño Eche­ver­ri.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.