Es­ti­ma­ti­vas ele­vam pro­cu­ra de pe­tró­leo

Jornal de Angola - - OPINIÃO -

A OPEP re­viu em al­ta as pre­vi­sões de pro­cu­ra de pe­tró­leo pa­ra o pró­xi­mo ano e pró­xi­ma dé­ca­da, se­gun­do as pre­vi­sões di­vul­ga­das es­ta se­ma­na no re­la­tó­rio anu­al World Oil Ou­tlo­ok (WOO). A or­ga­ni­za­ção an­te­ci­pa que a bai­xa co­ta­ção do pe­tró­leo po­de es­ti­mu­lar o con­su­mo mes­mo num am­bi­en­te de cres­ci­men­to mais fra­co.

A OPEP bai­xou as es­ti­ma­ti­vas de pre­ço, com o pe­tró­leo a atin­gir os 40 dó­la­res em 2016 e, nos anos se­guin­tes, au­men­tou a pre­vi­são de pre­ço em cin­co dó­la­res até 2020. “O WOO 2016 su­bli­nha que a na­tu­re­za da in­dús­tria es­tá ca­da vez mais com­ple­xa, no “ups­tre­am” e no “downs­tre­am”. A ex­pec­ta­ti­va é que a pro­cu­ra ve­nha a atin­gir 95,3 mi­lhões de bar­ris diá­ri­os no pró­xi­mo ano, o que re­pre­sen­ta um au­men­to de 300 mil bar­ris diá­ri­os fa­ce à es­ti­ma­ti­va avan­ça­da no ano pas­sa­do. A OPEP ele­vou o “ou­tlo­ok” da pro­cu­ra de pe­tró­leo até 2020, pre­ven­do que al­can­ce um va­lor diá­rio de 98,3 mi­lhões de bar­ris, o que re­pre­sen­ta um au­men­to de 900 mil bar­ris fa­ce a 2015.

Em 2021 a pro­cu­ra po­de atin­gir um mi­lhão de bar­ris por dia, mas pa­ra 2040 já se pre­vê um abran­da­men­to li­gei­ro da pro­cu­ra. “A re­vi­são em al­ta de es­ti­ma­ti­vas de pro­cu­ra é o re­sul­ta­do de um pre­ço de pe­tró­leo mais bai­xo no mé­dio pra­zo”, jus­ti­fi­ca o re­la­tó­rio. Pa­ra 2040, a pro­cu­ra to­tal de ener­gia au­men­ta 40 por cen­to, diz o re­la­tó­rio, com a com­bi­na­ção de pe­tró­leo e gás a for­ne­cer cer­ca de 53 por cen­to do con­su­mo glo­bal nes­sa da­ta. A pro­cu­ra de lon­go pra­zo vi­rá so­bre­tu­do do trans­por­te ter­res­tre, da in­dús­tria pe­troquí­mi­ca e da avi­a­ção.

A OPEP an­te­ci­pa um cres­ci­men­to eco­nó­mi­co glo­bal nu­ma mé­dia anu­al de 3,4 por cen­to, en­tre 2015 e 2021, abai­xo da an­te­ri­or pre­vi­são de 3,6 por cen­to, em ter­mos anu­ais, pa­ra o pe­río­do de 2014 a 2020, de­vi­do ao abran­da­men­to da Chi­na e da Amé­ri­ca La­ti­na. O re­la­tó­rio sur­ge nu­ma al­tu­ra em que os paí­ses pro­du­to­res con­ti­nu­am a ne­go­ci­ar o con­ge­la­men­to da pro­du­ção pa­ra es­tan­car a que­da nos pre­ços do “ou­ro ne­gro”, de­pois de ter caí­do pa­ra me­ta­de des­de 2014, pa­ra os 45 dó­la­res.

Um prin­cí­pio de acor­do foi al­can­ça­do, mas as ne­go­ci­a­ções fi­nais só de­cor­rem a 30 de No­vem­bro, em Vi­e­na, ca­pi­tal da Áus­tria e se­de da OPEP. Até lá, os paí­ses da OPEP e a Rús­sia po­dem no­va­men­te en­trar em de­sa­cor­do re­la­ti­va­men­te às me­tas de con­ge­la­men­to de pro­du­ção. En­quan­to não se al­can­ça um acor­do, a vo­la­ti­li­da­de nas bol­sas de­ve con­ti­nu­ar, acre­di­tam os ana­lis­tas.

Acor­do de Pa­ris

Os paí­ses pro­du­to­res que in­te­gram a OPEP ad­mi­tem que a pro­cu­ra de pe­tró­leo po­de atin­gir o pi­co den­tro de 13 anos se fo­rem cum­pri­das as me­tas do Acor­do de Pa­ris, que vi­sa uma eco­no­mia neu­tra em car­bo­no em 2050, o que fez dis­pa­rar as “cam­pai­nhas de alar­me” dos 14 mem­bros que in­te­gram o gru­po de pro­du­to­res de pe­tró­leo, cu­jas eco­no­mi­as es­tão al­ta­men­te de­pen­den­tes do ou­ro ne­gro.

“As in­cer­te­zas re­la­ci­o­na­das com as po­lí­ti­cas ener­gé­ti­cas e am­bi­en­tais na pers­pec­ti­va na­ci­o­nal e in­ter­na­ci­o­nal po­dem pe­na­li­zar a pre­vi­são pa­ra a ofer­ta e pro­cu­ra de ener­gia, es­pe­ci­al­men­te no lon­go pra­zo”, lê-se no re­la­tó­rio. “Em par­ti­cu­lar, as pos­sí­veis al­te­ra­ções de po­lí­ti­cas cli­má­ti­cas da COP21 têm o po­ten­ci­al de re­du­zir o con­su­mo de ener­gia e al­te­rar subs­tan­ci­al­men­te o mix”, avi­sa a OPEP.

Num ce­ná­rio em que os paí­ses atin­gem as me­tas de re­du­ção de car­bo­no den­tro do ca­len­dá­rio, a OPEP pre­vê que a pro­cu­ra co­me­ce a re­du­zir em 2029 pa­ra 100,9 mil bar­ris por dia e que con­ti­nue a des­cer, pa­ra 98,3 mil bar­ris por dia em 2040, uma re­du­ção de mais de 10 por cen­to fa­ce aos ní­veis de re­fe­rên­cia. A OPEP es­pe­ra por uma “re­du­ção pro­gres­si­va na pro­cu­ra to­tal de ener­gia de­vi­do a po­lí­ti­cas mais res­tri­ti­vas no car­bo­no”, à me­di­da que os paí­ses es­co­lhem com­bus­tí­veis mais efi­ci­en­tes e no­vos de­sen­vol­vi­men­tos tec­no­ló­gi­cos con­tri­bu­em pa­ra uma ener­gia lim­pa.

Al­guns ana­lis­tas es­ti­mam que, em 2045, mais de um ter­ço das ven­das de car­ros no­vos e um quar­to da fro­ta mun­di­al se­rão eléc­tri­cos.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.