Olhos em­ble­má­ti­cos de Bu­da vol­tam a ver após ter­ra­mo­to

Jornal de Angola - - OPINIÃO - BINODGHIMIRE | EFE

Os três olhos de Bu­da que co­ro­am o mo­nu­men­to bu­dis­ta mais em­ble­má­ti­co do va­le de Kat­man­du e cons­truí­do pa­ra abri­gar as re­lí­qui­as da san­ti­da­de, vol­ta­ram a “en­xer­gar” de­pois de te­rem ce­ga­do em con­sequên­cia do ter­ra­mo­to de 2015.

O de­vas­ta­dor tre­mor e as su­as ré­pli­cas pos­te­ri­o­res dei­xa­ram, além de no­ve mil mor­tos, gra­ves da­nos em par­te dos ou­tros seis con­jun­tos de mo­nu­men­tos e edi­fí­ci­os do va­le de Kat­man­du re­co­nhe­ci­dos pe­la Unes­co des­de 1979 co­mo pa­tri­mó­nio da hu­ma­ni­da­de.

No en­tan­to, de to­dos eles, só a es­tru­tu­ra, er­gui­da por vol­ta do sé­cu­lo VII, re­cu­pe­rou o seu es­plen­dor gra­ças à ini­ci­a­ti­va pri­va­da pro­mo­vi­da pe­lo Co­mi­té de De­sen­vol­vi­men­to da Área de Boudha­nath e os 2,1 mi­lhões de dó­la­res que con­se­guiu ar­re­ca­dar.

Des­se di­nhei­ro, mais de me­ta­de - 1,41 mi­liões -, fo­ram in­ves­ti­dos no ou­ro des­ti­na­do a co­brir a par­te su­pe­ri­or do san­tuá­rio, que for­ma uma ba­se com os três olhos e os 13 de­graus co­ro­a­dos por uma som­bri­nha e um pi­ná­cu­lo dou­ra­do.

O pre­si­den­te do co­mi­té, Sam­pur­na Ku­mar La­ma, es­tá en­tu­si­as­ma­do. “A cons­tru­ção ter­mi­nou. Al­go que só foi pos­sí­vel pe­lo apoio de vá­ri­as or­ga­ni­za­ções bu­dis­tas lo­ca­li­za­das tan­to no ex­te­ri­or co­mo no Ne­pal”, ex­pli­cou.

“Se ti­ves­sem es­pe­ra­do a re­cons­tru­ção pe­lo go­ver­no, is­so te­ria le­va­do anos”, dis­se La­ma pou­co mais de um ano e meio de­pois de a par­te su­pe­ri­or da es­tru­tu­ra ter si­do des­truí­da no dia 25 de Abril de 2015, por um ter­ra­mo­to de mag­ni­tu­de 7,9 graus na es­ca­la de Ri­ch­ter.

O prin­ci­pal mo­ti­vo da inac­ção do go­ver­no foi o atra­so na no­me­a­ção de uma Au­to­ri­da­de Na­ci­o­nal de Re­cons­tru­ção (NRA), ór­gão es­pe­ci­fi­ca­men­te res­pon­sá­vel pa­ra con­du­zir a re­cu­pe­ra­ção do país após o ter­ra­mo­to e que foi al­vo de dis­pu­tas po­lí­ti­cas até De­zem­bro.

Se­gun­do o re­la­tó­rio re­a­li­za­do pe­la Co­mis­são de Pla­ne­a­men­to Na­ci­o­nal de­pois do ter­ra­mo­to, o tre­mor afec­tou 2.900 mil es­tru­tu­ras de va­lor re­li­gi­o­so ou cul­tu­ral.

Do to­tal, 750 fo­ram re­du­zi­dos a pe­da­ços. No en­tan­to, só dois tem­plos fo­ram re­cons­truí­dos até ago­ra pe­lo go­ver­no, in­cluin­do a es­tru­tu­ra ago­ra re­cu­pe­ra­da pe­la ini­ci­a­ti­va pri­va­da, de acor­do com da­dos do De­par­ta­men­to de Ar­que­o­lo­gia (DOA), ór­gão go­ver­na­men­tal res­pon­sá­vel pe­la ta­re­fa.

No dia 22 de No­vem­bro, após uma ce­ri­mó­nia bu­dis­ta, a es­tru­tu­ra vol­ta­rá a ser aber­ta ao pú­bli­co, à es­pe­ra de re­ce­ber mais uma vez os 400 mil vi­si­tan­tes anu­ais re­gis­ta­dos an­tes do ter­ra­mo­to, mo­vi­men­tan­do 374 mi­lhões de dó­la­res.

Pa­ra mui­tos es­tran­gei­ros, são os três olhos hip­nó­ti­cos que fa­zem va­ler a pe­na des­lo­car-se até Kat­man­du pa­ra ver a es­tru­tu­ra de Boudha­nath, lem­brou o pre­si­den­te do co­mi­té.

O olhar tri­plo, se­gun­do ele, sim­bo­li­za a “ha­bi­li­da­de de Bu­da pa­ra ver o mun­do”.

“Os olhos ex­ter­nos vêem o mun­do ma­te­ri­al e o mun­do ex­te­ri­or, en­quan­to o ter­cei­ro olho en­tre os dois é o da sa­be­do­ria, tam­bém cha­ma­do pe­lo bu­dis­mo de Dham­ma, que sig­ni­fi­ca a ver­da­de da vi­da que Bu­da en­si­nou aos seus se­gui­do­res”, re­su­miu La­ma.

Pa­ra os mi­lha­res de pe­re­gri­nos bu­dis­tas que se des­lo­cam ao lo­cal, dar vol­tas na cú­pu­la de 36 me­tros de di­â­me­tro e 43 me­tros de al­tu­ra que for­ma a ba­se da es­tru­tu­ra pro­por­ci­o­na ao fi­el a res­pos­ta a qual­quer per­gun­ta, afir­mou o pre­si­den­te do co­mi­té de re­cons­tru­ção.

“É co­mo a jóia dos de­se­jos, que res­pon­de de for­ma au­to­má­ti­ca a qual­quer sú­pli­ca ou ora­ção que fa­zem a ela. É por is­so que ela é co­nhe­ci­da co­mo “a que res­pon­de a to­das as pre­ces”, des­ta­cou.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.