Má­rio Vaz ini­cia pro­ces­so pa­ra no­me­ar o Go­ver­no

Jornal de Angola - - MUNDO - PI­MEN­TA KAJOCOLO |*

A Pro­cu­ra­do­ria do Tri­bu­nal Pe­nal In­ter­na­ci­o­nal (TPI) de Haia afir­mou na noi­te de se­gun­da-fei­ra ter “ra­zões con­cre­tas” pa­ra acre­di­tar que mi­li­ta­res nor­te-ame­ri­ca­nos en­vi­a­dos ao Afe­ga­nis­tão, a Agên­cia de In­te­li­gên­cia e a Po­lí­cia afe­gã co­me­te­ram cri­mes de guer­ra no país e anun­ci­ou pa­ra bre­ve “uma in­ves­ti­ga­ção com­ple­ta so­bre a ques­tão afe­gã” que, de­pen­den­do dos re­sul­ta­dos, “po­de cul­mi­nar em acu­sa­ções e man­da­tos de pri­são”.

Num re­la­tó­rio di­vul­ga­do em Haia, Ho­lan­da, se­de do Tri­bu­nal Pe­nal In­ter­na­ci­o­nal, os pro­mo­to­res do ór­gão afir­mam, “após uma pro­fun­da aná­li­se”, que for­ças nor­te­a­me­ri­ca­nas co­me­te­ram “cri­mes de tor­tu­ra e ou­tros ti­pos de abu­sos em cam­pos se­cre­tos de de­ten­ção”.

Se­gun­do o Tri­bu­nal Pe­nal In­ter­na­ci­o­nal, os cen­tros de de­ten­ção eram ad­mi­nis­tra­dos pe­la Agên­cia Cen­tral de In­te­li­gên­cia (CIA), os cri­mes de guer­ra acon­te­ce­ram “prin­ci­pal­men­te en­tre os anos de 2003 a 2004” e “em al­guns ca­sos con­ti­nu­a­ram até 2014”.

Os cri­mes ocor­re­ram em to­das as 34 pro­vín­ci­as do Afe­ga­nis­tão e “Kan­dahar e Hel­mand pa­re­cem ter si­do as pro­vín­ci­as mais afec­ta­das”, é re­fe­ri­do no re­la­tó­rio e acres­cen­ta­do que “mem­bros das For­ças Ar­ma­das dos EUA pa­re­cem ter sub­me­ti­do a tor­tu­ra pe­lo me­nos 61 pes­so­as” e que ofi­ci­ais da CIA, apa­ren­te­men­te, te­ri­am tor­tu­ra­do ou­tros 27 de­ti­dos. No do­cu­men­to, o Tri­bu­nal Pe­nal In­ter­na­ci­o­nal tam­bém diz ter ra­zões pa­ra acre­di­tar que o Ta­li­bã e os seus ali­a­dos, que per­ten­cem à or­ga­ni­za­ção “Haqqa­ni Network”, tam­bém co­me­te­ram cri­mes con­tra a hu­ma­ni­da­de e cri­mes de guer­ra.

“Exis­te uma ba­se ra­zoá­vel que per­mi­te acre­di­tar que, du­ran­te in­ter­ro­ga­tó­rio de de­ti­dos, mem­bros das For­ças Ar­ma­das ame­ri­ca­nas e da CIA re­cor­re­ram a mé­to­dos cons­ti­tu­ti­vos de cri­mes de guer­ra”, afir­mou a pro­cu­ra­do­ra do Tri­bu­nal Pe­nal In­ter­na­ci­o­nal, Fa­tou Ben­sou­da, ao apre­sen­tar o re­la­tó­rio pre­li­mi­nar so­bre a ques­tão, eta­pa pré­via ao iní­cio de uma in­ves­ti­ga­ção.

Se­gun­do a pro­cu­ra­do­ra, mem­bros das For­ças Ar­ma­das te­ri­am in­fli­gi­do “a pe­lo me­nos 61 de­ti­dos ac­tos de tor­tu­ra, tra­ta­men­to cru­el e ofen­sa à dig­ni­da­de da pessoa em ter­ri­tó­rio afe­gão” e da CIA “a pe­lo me­nos 27 de­ti­dos” no Afe­ga­nis­tão e em ou­tros paí­ses-mem­bros do Tri­bu­nal Pe­nal In­ter­na­ci­o­nal, co­mo Po­ló­nia, Ro­mé­nia e Li­tuâ­nia.

Há mo­ti­vos ra­zoá­veis pa­ra acre­di­tar que es­tes cri­mes “fo­ram co­me­ti­dos pa­ra apli­car uma ou vá­ri­as po­lí­ti­cas com o ob­jec­ti­vo de ob­ter in­for­ma­ções me­di­an­te téc­ni­cas de in­ter­ro­ga­tó­rio ba­se­a­das em mé­to­dos cruéis ou vi­o­len­tos pa­ra ser­vir aos ob­jec­ti­vos nor­te-ame­ri­ca­nos no con­fli­to no Afe­ga­nis­tão”, acres­cen­tou a pro­cu­ra­do­ra Fa­tou Ben­sou­da. EUA, Chi­na e Rús­sia, as mai­o­res po­tên­ci­as mun­di­ais, não ra­ti­fi­ca­ram o Tra­ta­do de Ro­ma, que cri­ou o Tri­bu­nal Pe­nal In­ter­na­ci­o­nal, acu­sa­do pe­los paí­ses da Eu­ro­pa do Les­te, da Áfri­ca e da Li­ga Ára­be de “ser for­te com os fra­cos e fra­co com os for­tes”.

O Pre­si­den­te da Guiné-Bissau, Jo­sé Má­rio Vaz, ini­cia ho­je o pro­ces­so de no­me­a­ção do no­vo che­fe do Exe­cu­ti­vo de­pois da de­mis­são, on­tem, do Go­ver­no do pri­mei­ro­mi­nis­tro Ba­ci­ro Djá.

Os par­ti­dos po­lí­ti­cos da opo­si­ção com as­sen­to par­la­men­tar fo­ram con­vo­ca­dos pa­ra con­cer­ta­ção em re­la­ção à es­co­lha do no­vo che­fe do Exe­cu­ti­vo, que se acre­di­ta ve­nha a ser no­me­a­do ain­da ho­je. A exo­ne­ra­ção de Ba­ci­ro Djá era es­pe­ra­da a qual­quer ins­tan­te, em Bissau, de­pois da men­sa­gem que Jo­sé Má­rio Vaz en­de­re­çou na se­gun­da-fei­ra à Na­ção, dan­do co­mo mui­to pro­vá­vel a que­da do en­tão go­ver­no li­de­ra­do por Ba­ci­ro Djá.

As me­xi­das no go­ver­no acon­te­cem nu­ma al­tu­ra em que con­ti­nu­am por se sa­nar as for­tes di­ver­gên­ci­as que opõem apoi­an­tes do Pre­si­den­te Má­rio Vaz e os lí­de­res do PAIGC com al­guns par­ti­dos com as­sen­to par­la­men­tar no en­con­tro do Con­se­lho de Estado que de­cor­re há cer­ca de uma se­ma­na em Bissau.

Na sua men­sa­gem à Na­ção, o Pre­si­den­te Jo­sé Má­rio Vaz fez ques­tão de dei­xar cla­ra a sua in­dis­po­ni­bi­li­da­de em ce­der a pres­sões no que diz res­pei­to à no­me­a­ção do no­vo pri­mei­ro-mi­nis­tro da Guiné-Bissau.

Ao ad­mi­tir co­mo in­ques­ti­o­ná­vel a ne­ces­si­da­de de con­sen­so pa­ra se en­con­trar a fi­gu­ra do pri­mei­ro-mi­nis­tro, as coi­sas pa­re­cem mu­dar de fi­gu­ra quan­do de­fen­de a in­di­ca­ção de um che­fe de go­ver­no que se­ja da sua es­trei­ta con­fi­an­ça. Ou me­lhor, uma pessoa de con­sen­so e ao mes­mo tem­po de sua in­tei­ra con­fi­an­ça.

Na sua men­sa­gem à Na­ção, Jo­sé Má­rio Vaz as­su­miu a res­pon­sa­bi­li­da­de de de­mi­tir o go­ver­no de Ba­ci­ro Djá e no­me­ar o no­vo pri­mei­ro-mi­nis­tro de con­sen­so, a fim de for­mar um exe­cu­ti­vo de in­clu­são ba­se­a­do no acor­do ru­bri­ca­do em Co­na­cri.

Mas na prá­ti­ca, afir­mam fon­tes do Jor­nal de An­go­la, não exis­te ain­da o con­sen­so em re­la­ção ao as­sun­to e ao que tu­do in­di­ca, o Pre­si­den­te vai uti­li­zar os po­de­res que lhe con­fe­re a Cons­ti­tui­ção pa­ra in­di­car o seu pri­mei­ro-mi­nis­tro, o que se acre­di­ta ve­nha a acon­te­cer ain­da ho­je.

A fal­ta de una­ni­mi­da­de pa­ra se en­con­trar uma fi­gu­ra de con­sen­so pa­ra ocu­par o car­go de pri­mei­ro-mi­nis­tro, con­for­me ad­mi­tiu na sua men­sa­gem à Na­ção, pa­re­ce for­çar o Che­fe de Estado gui­ne­en­se ao re­cur­so à Cons­ti­tui­ção que, na prá­ti­ca, lhe atri­bui ple­nos po­de­res pa­ra exo­ne­rar e no­me­ar o pri­mei­ro-mi­nis­tro ou dis­sol­ver e no­me­ar o go­ver­no. Ao re­a­gi­rem à men­sa­gem li­da de­pois da re­a­li­za­ção da reu­nião do Con­se­lho de Estado, al­guns lí­de­res po­lí­ti­cos acu­sa­ram Jo­sé Má­rio Vaz de ten­tar ten­den­ci­al­men­te sub­ver­ter o pa­pel do ór­gão de Con­sul­tas do Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca, pa­ra tor­ná-lo uma ins­ti­tui­ção com po­de­res de­ci­só­ri­os.

AFP

Tri­bu­nal de Haia vai in­ves­ti­gar ac­tos de tor­tu­ra e emi­tir man­da­dos de pri­são con­tra os cul­pa­dos

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.