Ri­gor na con­tra­ta­ção pú­bli­ca

Vi­ce-Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca ori­en­ta go­ver­nos pa­ra bus­ca­rem me­nor pre­ço e mais qua­li­da­de

Jornal de Angola - - PARTADA - JO­SI­NA DE CAR­VA­LHO |

O Vi­ce-Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca re­co­men­dou on­tem a adop­ção de cri­té­ri­os ri­go­ro­sos de ad­ju­di­ca­ção de con­tra­tos pú­bli­cos que pro­mo­vam a pro­tec­ção do am­bi­en­te e saú­de pú­bli­ca e que pri­vi­le­gi­em as pro­pos­tas ela­bo­ra­das com ba­se na re­la­ção qua­li­da­de-pre­ço. Ao dis­cur­sar na aber­tu­ra do II Congresso In­ter­na­ci­o­nal de Com­pras Pú­bli­cas, Manuel Vi­cen­te afir­mou que nem sem­pre se po­de fa­zer va­ler o cri­té­rio do mais bai­xo pre­ço co­mo fac­tor ex­clu­si­vo de ad­ju­di­ca­ção. De­ve ser da­da im­por­tân­cia às bo­as prá­ti­cas de con­tra­ta­ção pú­bli­ca in­ter­na­ci­o­nal­men­te acei­tes e bus­car o me­nor pre­ço com­bi­na­do com a me­lhor qua­li­da­de. “Re­co­nhe­ce­mos que ain­da te­mos um lon­go ca­mi­nho a per­cor­rer até atin­gir­mos o pa­ta­mar da mo­der­ni­za­ção da con­tra­ta­ção pú­bli­ca an­go­la­na”, ad­mi­tiu o Vi­ce-Pre­si­den­te, in­di­can­do ser pos­sí­vel che­gar a es­te ní­vel com o re­cur­so às no­vas tec­no­lo­gi­as, à ob­ser­vân­cia e im­ple­men­ta­ção prá­ti­ca de va­lo­res ine­ren­tes à con­tra­ta­ção, aos prin­cí­pi­os da trans­pa­rên­cia, igual­da­de, im­par­ci­a­li­da­de, com­pe­ti­ti­vi­da­de e da con­cor­rên­cia.

O Vi­ce-Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca re­co­men­dou on­tem a adop­ção de cri­té­ri­os de ad­ju­di­ca­ção de con­tra­tos pú­bli­cos que pro­mo­vam a pro­tec­ção do meio am­bi­en­te e saú­de pú­bli­ca e que pri­vi­le­gi­em as pro­pos­tas ela­bo­ra­das com ba­se na re­la­ção qua­li­da­de-pre­ço.

Ao dis­cur­sar na aber­tu­ra do II Congresso In­ter­na­ci­o­nal de Com­pras Pú­bli­cas, Manuel Vi­cen­te acon­se­lhou a des­va­lo­ri­za­ção do cri­té­rio do mais bai­xo pre­ço, co­mo fac­tor ex­clu­si­vo de ad­ju­di­ca­ção, e a uti­li­za­ção das bo­as prá­ti­cas de con­tra­ta­ção pú­bli­ca in­ter­na­ci­o­nal­men­te acei­tes, a par do fo­men­to do em­pre­sa­ri­a­do e da pro­du­ção na­ci­o­nal, en­quan­to ei­xos vi­tais pa­ra a saí­da da cri­se.

O Vi­ce-Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca ori­en­tou os go­ver­nos pa­ra a bus­ca do me­nor pre­ço com­bi­na­do com a me­lhor qua­li­da­de, em­bo­ra re­co­nhe­ça que, no do­mí­nio da con­tra­ta­ção pú­bli­ca, nem sem­pre é fá­cil al­can­çar pa­drões de qua­li­da­de, na me­di­da em que a di­nâ­mi­ca dos mer­ca­dos é ori­en­ta­da pa­ra a ma­xi­mi­za­ção dos lu­cros.

A pre­o­cu­pa­ção cen­tral do Go­ver­no, re­fe­riu, é sem­pre a de cri­ar uma le­gis­la­ção re­gu­la­do­ra ade­qua­da, ca­paz de com­bi­nar o di­rei­to à con­cor­rên­cia nos mer­ca­dos com o exer­cí­cio da pro­bi­da­de na fun­ção pú­bli­ca, por for­ma a pro­por­ci­o­nar a con­tí­nua am­pli­a­ção de for­ne­ce­do­res ha­bi­li­ta­dos a par­ti­ci­par nos con­cur­sos pú­bli­cos e a as­se­gu­rar o cum­pri­men­to de re­gras igua­li­tá­ri­as de aces­so e de jul­ga­men­to das pro­pos­tas.

Pa­ra Manuel Vi­cen­te, é fun­da­men­tal que os agen­tes pri­va­dos e pú­bli­cos co­nhe­çam bem a le­gis­la­ção re­gu­la­do­ra da con­cor­rên­cia, dos mer­ca­dos e da con­tra­ta­ção pú­bli­ca. A Co­mu­ni­da­de In­ter­na­ci­o­nal, no seu en­ten­der, de­ve con­fi­ar na le­gis­la­ção so­bre a Con­tra­ta­ção Pú­bli­ca da Co­mu­ni­da­de dos Paí­ses de Lín­gua Por­tu­gue­sa (CPLP).

“As ins­ti­tui­ções mul­ti­la­te­rais de cré­di­to e os for­ne­ce­do­res in­ter­na­ci­o­nais de­vem con­fi­ar na li­ci­tu­de e na se­gu­ran­ça ju­rí­di­ca dos nos­sos con­cur­sos, a fim de au­men­tar­mos o aces­so às li­nhas de cré­di­to em con­di­ções mais van­ta­jo­sas e po­der­mos be­ne­fi­ci­ar da re­du­ção dos cus­tos das obras e da aqui­si­ção de bens e ser­vi­ços”, su­bli­nhou.

O ac­tu­al re­gi­me ju­rí­di­co da con­tra­ta­ção pú­bli­ca re­flec­te as as­pi­ra­ções e pre­o­cu­pa­ções es­tra­té­gi­cas do Go­ver­no an­go­la­no em tor­nar ope­ra­ci­o­nal o mer­ca­do da con­tra­ta­ção pú­bli­ca, en­quan­to es­pa­ço pri­vi­le­gi­a­do pa­ra ma­te­ri­a­li­za­ção das po­lí­ti­cas de uti­li­za­ção efi­ci­en­te e trans­pa­ren­te dos re­cur­sos dis­po­ní­veis.

Por es­sa ra­zão, de­ve-se in­ci­dir as aten­ções na pla­ni­fi­ca­ção das aqui­si­ções, na or­ga­ni­za­ção, exe­cu­ção e fis­ca­li­za­ção dos pro­ces­sos de aqui­si­ção le­va­dos a ca­bo pe­las en­ti­da­des pú­bli­cas con­tra­tan­tes, vi­san­do a me­lho­ria dos ac­tos de ges­tão do erá­rio pú­bli­co.

“Re­co­nhe­ce­mos que ain­da te­mos um lon­go ca­mi­nho a per­cor­rer até atin­gir­mos o pa­ta­mar da mo­der­ni­za­ção da con­tra­ta­ção pú­bli­ca an­go­la­na”, ad­mi­tiu o Vi­ce-Pre­si­den­te, in­di­can­do ser pos­sí­vel che­gar a es­te ní­vel com o re­cur­so às no­vas tec­no­lo­gi­as, à ob­ser­vân­cia e im­ple­men­ta­ção prá­ti­ca de va­lo­res ine­ren­tes à con­tra­ta­ção, aos prin­cí­pi­os da trans­pa­rên­cia, igual­da­de, im­par­ci­a­li­da­de, com­pe­ti­ti­vi­da­de e da con­cor­rên­cia que de­vem cons­ti­tuir a es­sên­cia da ac­ção dos ges­to­res pú­bli­cos.

Quan­to ao even­to, Manuel Vi­cen­te con­si­de­rou um im­por­tan­te e es­pe­ci­a­li­za­do fó­rum, pe­lo fac­to de con­tri­buir pa­ra um cres­ci­men­to da eco­no­mia da CPLP, as­sen­te na con­tra­ta­ção pú­bli­ca sus­ten­tá­vel, in­te­li­gen­te e ino­va­do­ra, tal co­mo in­di­ca o seu le­ma. O ob­jec­ti­vo é tam­bém di­vul­gar a Lei dos Con­tra­tos Pú­bli­cos, co­mo um dos ins­tru­men­tos ju­rí­di­cos de que a ad­mi­nis­tra­ção pú­bli­ca an­go­la­na dis­põe pa­ra a re­a­li­za­ção de des­pe­sas pú­bli­cas.

O mi­nis­tro das Fi­nan­ças de Ca­bo Ver­de, Ola­vo Cor­reia, dis­se que o even­to é tam­bém opor­tu­no pe­lo fac­to de os re­cur­sos fi­nan­cei­ros es­ta­rem ca­da vez mais es­cas­sos e li­mi­ta­dos e as com­pras pú­bli­cas atin­gi­rem 50 por cen­to do Pro­du­to In­ter­no Bru­to em mui­tos paí­ses.

O di­ri­gen­te ca­bo-ver­di­a­no re­co­men­dou uma ges­tão pú­bli­ca ao ser­vi­ço dos ci­da­dãos e ao ní­vel das exi­gên­ci­as ca­da vez mais cres­cen­tes no pla­no na­ci­o­nal e in­ter­na­ci­o­nal. Além dis­so, ape­lou à trans­pa­rên­cia nas ins­ti­tui­ções pú­bli­cas e pri­va­das, à boa ges­tão e go­ver­na­ção a ní­vel cen­tral e lo­cal. “Que­re­mos uma lu­so­fo­nia li­vre da cor­rup­ção”, de­cla­rou.

O se­cre­tá­rio de Es­ta­do por­tu­guês pa­ra a In­fra-es­tru­tu­ra, Gui­lher­me de Oli­vei­ra, de­fen­deu a sim­pli­fi­ca­ção, des­bu­ro­cra­ti­za­ção, trans­pa­rên­cia, com­ba­te à cor­rup­ção, pla­ni­fi­ca­ção da con­tra­ta­ção pú­bli­ca por par­te das en­ti­da­des ad­ju­di­can­tes e mai­or cla­re­za das nor­mas.

O II Congresso In­ter­na­ci­o­nal de Com­pras Pú­bli­cas, que ter­mi­na ama­nhã, en­qua­dra-se nas ac­ti­vi­da­des co­me­mo­ra­ti­vas do 41.º ani­ver­sá­rio da In­de­pen­dên­cia Na­ci­o­nal e re­sul­ta de uma ini­ci­a­ti­va con­jun­ta do Ser­vi­ço Na­ci­o­nal de Con­tra­ta­ção Pú­bli­ca de An­go­la e da Au­to­ri­da­de Re­gu­la­do­ra das Aqui­si­ções Pú­bli­cas de Ca­bo Ver­de.

MOTA AMBRÓSIO

Vi­ce-Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca Manuel Vi­cen­te afir­mou que a pre­o­cu­pa­ção cen­tral do Go­ver­no é cri­ar le­gis­la­ção re­gu­la­do­ra ade­qua­da

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.