Cri­a­ção de mais em­pre­gos

De­pu­ta­dos re­co­men­da­ram a me­lho­ria da qua­li­da­de do en­si­no em to­dos os ní­veis

Jornal de Angola - - PARTADA - ADELINA INÁCIO e PEREIRA DINIS |

AAs­sem­bleia Na­ci­o­nal re­co­men­dou on­tem ao Exe­cu­ti­vo, du­ran­te o tra­di­ci­o­nal de­ba­te mensal, a pro­mo­ção do cres­ci­men­to eco­nó­mi­co sus­ten­tá­vel e in­clu­si­vo e a im­ple­men­ta­ção de po­lí­ti­cas pú­bli­cas com vis­ta a ga­ran­tir o au­men­to do em­pre­go e os ren­di­men­tos da po­pu­la­ção.

A As­sem­bleia Na­ci­o­nal re­co­men­dou on­tem ao Exe­cu­ti­vo a pro­mo­ção do cres­ci­men­to eco­nó­mi­co sus­ten­tá­vel e in­clu­si­vo e a im­ple­men­ta­ção de po­lí­ti­cas pú­bli­cas com vis­ta a ga­ran­tir o au­men­to do em­pre­go e os ren­di­men­tos da po­pu­la­ção.

Num re­la­tó­rio de su­por­te ao de­ba­te so­bre “Os ín­di­ces de cres­ci­men­to eco­nó­mi­co e a dis­tri­bui­ção da ren­da na­ci­o­nal em An­go­la”, apre­sen­ta­do pe­lo de­pu­ta­do Ma­teus Jú­ni­or, da Co­mis­são de Eco­no­mia e Fi­nan­ças, os par­la­men­ta­res en­ten­dem que a im­ple­men­ta­ção de po­lí­ti­cas pú­bli­cas ga­ran­te a con­ti­nu­a­ção do pro­ces­so de di­ver­si­fi­ca­ção eco­nó­mi­ca.

Os de­pu­ta­dos re­co­men­da­ram, tam­bém, a me­lho­ria da qua­li­da­de do en­si­no em to­dos os ní­veis, o aces­so da po­pu­la­ção aos ser­vi­ços de saú­de e de sa­ne­a­men­to bá­si­co. Pe­di­ram ain­da mai­or aces­so da po­pu­la­ção à ha­bi­ta­ção, prin­ci­pal­men­te à ha­bi­ta­ção so­ci­al, dan­do mai­or abran­gên­cia ao pro­gra­ma de au­to­cons­tru­ção di­ri­gi­da.

Os de­pu­ta­dos re­co­nhe­cem que o cres­ci­men­to eco­nó­mi­co é con­di­ção ne­ces­sá­ria pa­ra o de­sen­vol­vi­men­to, mas não su­fi­ci­en­te pa­ra o pro­gres­so eco­nó­mi­co, vis­to que o mes­mo en­vol­ve tam­bém gran­des mu­dan­ças nas es­tru­tu­ras so­ci­ais, nas ati­tu­des das pes­so­as e nas ins­ti­tui­ções na­ci­o­nais, a re­du­ção da de­si­gual­da­de e a er­ra­di­ca­ção da po­bre­za.

Os de­pu­ta­dos con­si­de­ram que, ape­sar da cri­se e da bai­xa do pe­tró­leo te­rem en­fra­que­ci­do as ta­xas de cres­ci­men­to eco­nó­mi­co re­al, o país re­gis­tou uma evo­lu­ção po­si­ti­va nos prin­ci­pais in­di­ca­do­res do de­sen­vol­vi­men­to eco­nó­mi­co. Re­co­nhe­ce­ram que há ain­da mui­to a fa­zer pa­ra se au­men­tar o rit­mo e abran­gên­cia da so­lu­ção dos pro­ble­mas que mais pre­o­cu­pam a po­pu­la­ção, par­ti­cu­lar­men­te no do­mí­nio da saú­de e da qua­li­da­de de en­si­no. Du­ran­te o de­ba­te pro­pos­to pe­lo gru­po par­la­men­tar da UNITA, o Pre­si­den­te da As­sem­bleia Na­ci­o­nal, Fer­nan­do da Pi­e­da­de Di­as dos San­tos, afir­mou que An­go­la tem cres­ci­do e es­tá a ter um ín­di­ce de de­sen­vol­vi­men­to po­si­ti­vo. “Es­te cres­ci­men­to de­ve ser um or­gu­lho de to­dos, por­que há paí­ses afri­ca­nos que es­tão in­de­pen­den­tes há mui­to mais tem­po que An­go­la e não cres­ce­ram mui­to e nem sei se es­tão a de­sen­vol­ver-se de for­ma acei­tá­vel”, su­bli­nhou.

Ao di­ri­gir-se aos de­pu­ta­dos da opo­si­ção, o lí­der do Par­la­men­to an­go­la­no con­si­de­rou o de­ba­te po­si­ti­vo e sa­li­en­tou que a crí­ti­ca pa­ra que se me­lho­re os ín­di­ces de de­sen­vol­vi­men­to é le­gi­ti­ma, mas aler­tou que a dis­cus­são de­ve ser cons­tru­ti­va e não com o in­tui­to de de­ne­grir a ima­gem do país. Fer­nan­do da Pi­e­da­de Di­as dos San­tos de­fen­deu que os de­ba­tes de­vem ser po­si­ti­vos, re­a­lis­tas e sem com­ple­xos, por­que os ob­jec­ti­vos da apre­sen­ta­ção dos te­mas é en­con­trar so­lu­ções so­bre si­tu­a­ções im­por­tan­tes.

UNITA re­cla­ma pa­tri­mó­nio

De­pois da in­ter­ven­ção do Pre­si­den­te da As­sem­bleia Na­ci­o­nal, o pre­si­den­te da ban­ca­da par­la­men­tar da UNITA, Adal­ber­to da Cos­ta Jú­ni­or, foi o pri­mei­ro a to­mar a pa­la­vra. Se­gui­ram-se ou­tros de­pu­ta­dos do mai­or par­ti­do na opo­si­ção. Quer Adal­ber­to da Cos­ta Jú­ni­or, quer os co­le­gas de ban­ca­da, des­vi­a­ram-se do te­ma em dis­cus­são, co­mo, aliás, cons­ta­tou o de­pu­ta­do Ro­ber­to Le­al Mon­tei­ro “Ngon­go”, do MPLA.

Na sua in­ter­ven­ção, Adal­ber­to Jú­ni­or dis­se que o pa­tri­mó­nio da UNITA nun­ca foi de­vol­vi­do. Ad­mi­tiu que a ri­que­za nos par­ti­dos são, sem dú­vi­da, os seus qua­dros, mas, su­bli­nhou, o que faz tra­ba­lhar é a exis­tên­cia de con­di­ções fi­nan­cei­ras e fun­da­men­tal­men­te pa­tri­mo­ni­ais.

So­bre o te­ma pro­pos­to, Adal­ber­to Jú­ni­or dis­se: “a dis­tri­bui­ção da ren­da na­ci­o­nal é ab­so­lu­ta­men­te de­si­gual e es­can­da­lo­sa e os en­fer­mei­ros pro­ve­ni­en­tes da UNITA não são en­qua­dra­dos no sec­tor de saú­de na­ci­o­nal”.

Be­ne­di­to Da­ni­el, do PRS, ali­nhou nas pa­la­vras de Adal­ber­to Jú­ni­or, re­fe­rin­do que o Exe­cu­ti­vo es­tá aquém de sa­tis­fa­zer as pers­pec­ti­vas da po­pu­la­ção, co­mo sa­lá­rio dig­no e aces­so ao cré­di­to ban­cá­rio por par­te dos ci­da­dãos que pre­ten­dem fa­zer pe­que­nos ne­gó­ci­os.

Lu­cas Ngon­da, da FNLA, dis­se que des­de a pro­cla­ma­ção da In­de­pen­dên­cia Na­ci­o­nal o país não atin­giu o ní­vel de de­sen­vol­vi­men­to que se ti­nha no tem­po co­lo­ni­al. “De­pois da in­de­pen­dên­cia só se vi­via com o pe­tró­leo e im­por­ta­ção de pro­du­tos bá­si­cos e a re­pa­ra­ção dos Ca­mi­nhos de Fer­ro não tem re­tor­no nos in­di­ca­do­res do cres­ci­men­to eco­nó­mi­co e a dis­tri­bui­ção da ren­da na­ci­o­nal em An­go­la”, re­fe­riu.

Aler­ta aos de­pu­ta­dos

O Pre­si­den­te da As­sem­bleia Na­ci­o­nal usou da pa­la­vra pa­ra aler­tar os de­pu­ta­dos de que se es­ta­va a des­vi­ar do te­ma do de­ba­te. “So­mos an­go­la­nos e es­ta­mos aqui pa­ra dis­cu­tir os nos­sos pro­ble­mas, mas te­mos que nos in­ci­dir ao te­ma. Te­mos que acei­tar a de­fi­ni­ção acei­te uni­ver­sal­men­te so­bre o cres­ci­men­to eco­nó­mi­co e de­sen­vol­vi­men­to eco­nó­mi­co”, aler­tou.

Adal­ber­to da Cos­ta Jú­ni­or pe­diu um pon­to de or­dem pa­ra di­zer que es­ta­va a ser mal en­ten­di­do pe­los co­le­gas do par­ti­do mai­o­ri­tá­rio, pe­lo fac­to da de­pu­ta­da do MPLA Ma­ri­a­na Afon­so ter afir­ma­do que ha­via um es­for­ço do Exe­cu­ti­vo em pres­tar uma boa as­sis­tên­cia em ter­mos de saú­de. A de­pu­ta­da do mai­o­ri­tá­rio dis­se ain­da que mui­tos en­fer­mei­ros pro­ve­ni­en­tes da UNITA não reu­ni­am con­di­ções pa­ra exer­cer es­sa ta­re­fa de­li­ca­da.

Es­sas pa­la­vras não caí­ram bem à de­pu­ta­da da UNITA So­fia Mus­son­gue­la que re­al­çou o se­guin­te: “Os co­le­gas de­pu­ta­dos do MPLA es­tão a de­ne­grir a nos­sa po­si­ção, de­vem res­pei­tar os nos­sos pon­tos de vis­ta, por­que há ain­da mui­ta de­si­gua­li­da­de en­tre os an­go­la­nos”.

An­dré Men­des de Car­va­lho, pre­si­den­te da ban­ca­da da CA­SA-CE, dis­se que os in­di­ca­do­res do cres­ci­men­to eco­nó­mi­co e a dis­tri­bui­ção da ren­da na­ci­o­nal em An­go­la ain­da dei­xam a de­se­jar.

KINDALA MANUEL

Par­la­men­ta­res de­ba­te­ram os ín­di­ces de cres­ci­men­to eco­nó­mi­co e a dis­tri­bui­ção da ren­da

KINDALA MANUEL

De­pu­ta­dos re­co­nhe­cem que o cres­ci­men­to eco­nó­mi­co é con­di­ção ne­ces­sá­ria pa­ra o de­sen­vol­vi­men­to mas in­su­fi­ci­en­te pa­ra o pro­gres­so

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.