Eco­no­mia an­go­la­na vai cres­cer

Jornal de Angola - - PARTADA - CRISTÓVÃO NE­TO |

A eco­no­mia an­go­la­na es­tag­na es­te ano, mas cres­ce 1,25 por cen­to em 2017, re­a­fir­mou on­tem, em Lu­an­da, o che­fe da mis­são do Fundo Mo­ne­tá­rio In­ter­na­ci­o­nal (FMI), que des­de o dia 3 re­a­li­za­va as con­sul­tas do Ar­ti­go IV, de ava­li­a­ção do de­sem­pe­nho eco­nó­mi­co. Ri­car­do Vel­lo­so con­si­de­rou que es­tas pro­jec­ções fi­cam a de­ver às me­di­das to­ma­das pe­lo Go­ver­no pa­ra mi­ti­gar o im­pac­to da bai­xa dos pre­ços do pe­tró­leo no mer­ca­do in­ter­na­ci­o­nal.

A eco­no­mia es­tag­na es­te ano, mas cres­ce 1,25 por cen­to em 2017, re­a­fir­mou on­tem, em Lu­an­da, o che­fe da mis­são do Fundo Mo­ne­tá­rio In­ter­na­ci­o­nal (FMI) que des­de o dia 3 re­a­li­za­va as con­sul­tas do Ar­ti­go IV, de ava­li­a­ção do de­sem­pe­nho eco­nó­mi­co de An­go­la.

Ri­car­do Vel­lo­so apre­sen­tou pa­ra es­te ano es­ti­ma­ti­vas que apon­tam pa­ra uma su­bi­da da in­fla­ção pa­ra 45 por cen­to - an­tes de cair pa­ra 20 por cen­to em 2017 - além de um dé­fi­ce glo­bal de 4,00 por cen­to e uma dí­vi­da pú­bli­ca que de­ve ex­ce­der os 70 por cen­to do Pro­du­to In­ter­no Bru­to (PIB).

O co­mu­ni­ca­do de im­pren­sa de fim de mis­são li­do por Ri­car­do Vel­lo­so so­li­ci­ta que o Go­ver­no adop­te uma pre­vi­são do dé­fi­ce or­ça­men­tal de 2017 não su­pe­ri­or a 2,25 por cen­to do PIB, ao con­trá­rio dos 5,9 por cen­to pro­jec­ta­dos, o qual “iria dei­xar a eco­no­mia vul­ne­rá­vel a pre­ços de pe­tró­leo in­fe­ri­o­res ao es­ti­ma­do e au­men­tar a pre­o­cu­pa­ção quan­to à sus­ten­ta­bi­li­da­de da dí­vi­da”.

A me­ta de dé­fi­ce pro­pos­ta pe­lo FMI, con­si­de­rou, é “con­sis­ten­te com uma me­lho­ria mo­de­ra­da do sal­do fis­cal pri­má­rio não petrolífero e com um con­ti­nu­a­do ajus­ta­men­to gra­du­al a mé­dio pra­zo pa­ra co­lo­car a dí­vi­da nu­ma cla­ra tra­jec­tó­ria des­cen­den­te”.

O che­fe da mis­são de ava­li­a­ção con­si­de­rou que es­tas pro­jec­ções de cres­ci­men­to, in­fla­ção e dí­vi­da se fi­cam a de­ver às me­di­das to­ma­das pe­las au­to­ri­da­des pa­ra mi­ti­gar o im­pac­to da bai­xa dos pre­ços do pe­tró­leo, in­cluin­do uma me­lho­ria sig­ni­fi­ca­ti­va do sal­do fis­cal pri­má­rio não petrolífero e a des­va­lo­ri­za­ção do kwan­za fa­ce ao dó­lar. “Foi fei­to um gran­de es­for­ço de ajus­ta­men­to fis­cal”, dis­se Ri­car­do Vel­lo­so, e as “ac­ções do Go­ver­no pa­ra con­tro­lar a des­pe­sa pú­bli­ca com­pen­sa­ram par­ci­al­men­te, pre­ven­do-se que, em 2017, ano de elei­ções em An­go­la, o pro­ces­so de­ve con­ti­nu­ar num “es­for­ço me­nor”.

O FMI ad­ver­te que são ne­ces­sá­ri­as me­di­das adi­ci­o­nais de po­lí­ti­ca pa­ra pros­se­guir o ajus­ta­men­to à no­va re­a­li­da­de dos mer­ca­dos in­ter­na­ci­o­nais do pe­tró­leo e que o atra­so vai au­men­tar os cus­tos do pro­ces­so e pre­te­rir os be­ne­fí­ci­os.

Ri­car­do Vel­lo­so pe­diu que, a mé­dio pra­zo, o Go­ver­no in­ten­si­fi­que os es­for­ços pa­ra alar­gar a ba­se tri­bu­tá­ria, in­cluin­do a in­tro­du­ção do Im­pos­to so­bre o Va­lor Acres­cen­ta­do (IVA) em 2019, con­ti­nue a re­du­ção do pe­so do sec­tor pú­bli­co na mas­sa sa­la­ri­al, evi­te o res­sur­gi­men­to dos sub­sí­di­os aos com­bus­tí­veis ajus­tan­do os pre­ços pe­ri­o­di­ca­men­te e me­lho­re a qua­li­da­de do in­ves­ti­men­to pú­bli­co.

O cres­ci­men­to es­pe­ra­do em 2017 re­flec­te uma re­cu­pe­ra­ção do sec­tor não petrolífero de­vi­da ao au­men­to pro­gra­ma­do da des­pe­sa pú­bli­ca e a me­lho­res ter­mos de tro­ca, en­quan­to a de­sa­ce­le­ra­ção da ta­xa de in­fla­ção es­tá re­la­ci­o­na­da a um ce­ná­rio de con­di­ções mo­ne­tá­ri­as res­tri­ti­vas e a um kwan­za es­tá­vel.

Ban­co cen­tral

Ri­car­do Vel­lo­so tam­bém elo­gi­ou o Ban­co Na­ci­o­nal de An­go­la (BNA) por apli­car res­tri­ções à li­qui­dez des­de

Ri­car­do Vel­lo­so elo­gi­ou o BNA por apli­car res­tri­ções à li­qui­dez des­de Ju­nho

Ju­nho, com o que a in­fla­ção co­me­çou a ce­der. Além dis­so, o mai­or vo­lu­me da ven­da de di­vi­sas ali­vi­ou a pres­são so­bre o mer­ca­do cam­bi­al.

O che­fe da mis­são aler­tou pa­ra o di­fe­ren­ci­al en­tre as ta­xas de câm­bio do mer­ca­do pa­ra­le­lo e o ofi­ci­al, bem co­mo a gran­de lis­ta de es­pe­ra de or­dens de com­pra de di­vi­sas nos ban­cos co­mer­ci­ais, que cons­ti­tu­em in­di­ca­ções de per­sis­tên­cia de um gran­de de­se­qui­lí­brio. A re­so­lu­ção des­te de­se­qui­lí­brio in­clui uma mai­or fle­xi­bi­li­da­de da ta­xa de câm­bio com po­lí­ti­cas ma­cro­e­co­nó­mi­cas, man­ten­do a ta­xa com ba­se na for­ma­ção de pre­ços e nas ex­pec­ta­ti­vas da in­fla­ção, so­li­ci­tou.

Ri­car­do Vel­lo­so enal­te­ceu os es­for­ços do Ban­co Na­ci­o­nal de An­go­la pa­ra re­for­çar a regulação e su­per­vi­são ban­cá­ria.

Mé­di­ca, for­ma­da em Coim­bra e es­pe­ci­a­li­za­da em Me­di­ci­na Ge­ral e Fa­mi­li­ar, Fer­nan­da In­glês tra­ba­lhou mui­tos anos em Por­tu­gal e a sua car­rei­ra pro­fis­si­o­nal es­ta­va bem en­ca­mi­nha­da, mas a um da­do mo­men­to sen­tiu que de­via re­gres­sar à ter­ra que a viu nas­cer pa­ra “pre­en­cher a par­te hu­ma­na”. Ago­ra es­tá a tra­ba­lhar em Lu­an­da num pro­jec­to ori­en­ta­do pa­ra o re­for­ço dos ser­vi­ços de saú­de pa­ra a di­mi­nui­ção da mor­ta­li­da­de ma­ter­no-in­fan­til. Fer­nan­da In­glês é tam­bém mem­bro da Di­rec­ção da Co­mis­são Epis­co­pal de An­go­la pa­ra Pas­to­ral da Saú­de. E foi nes­sa qua­li­da­de que es­te­ve em Ro­ma pa­ra to­mar par­te na Con­fe­rên­cia In­ter­na­ci­o­nal re­a­li­za­da na Au­la No­va do Sí­no­do, no Vaticano, de 10 a 12 des­te mês, pe­lo Con­se­lho Pon­ti­fí­cio pa­ra os Agen­tes da Saú­de e que te­ve co­mo te­ma: “Por uma cul­tu­ra da saú­de aco­lhe­do­ra e so­li­dá­ria ao ser­vi­ço das pes­so­as afec­ta­das por pa­to­lo­gi­as ra­ras e ne­gli­gen­ci­a­das”. De for­ma ge­ral, Fer­nan­da In­glês acha que pa­ra fa­zer fa­ce a es­sas pa­to­lo­gi­as há que des­cen­tra­li­zar um pou­co as es­tru­tu­ras de saú­de, por for­ma a de­sem­bar­gar os gran­des hos­pi­tais e tor­nar mais efi­ci­en­te o ser­vi­ço à pes­soa. Além dis­so, é da opi­nião de que é ne­ces­sá­rio in­ves­tir mais na pre­ven­ção, não fi­can­do só pe­la cu­ra.

JO­SÉ SO­A­RES

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.