CARTAS DO LEITOR

Jornal de Angola - - OPINIÃO - ANDREZA PANZO AU­GUS­TO FRAN­CIS­CO LU­CAS PINTO

Com­ba­te ao de­sem­pre­go

O com­ba­te ao de­sem­pre­go faz-se tam­bém por via da for­ma­ção pro­fis­si­o­nal. Es­tou sa­tis­fei­to com o fac­to de o nos­so Exe­cu­ti­vo es­tar a apos­tar na for­ma­ção pro­fis­si­o­nal de mui­tos jo­vens pa­ra po­de­rem ter opor­tu­ni­da­des de em­pre­go ou cri­a­rem os seus pró­pri­os ne­gó­ci­os. Há mui­tos jo­vens de­sem­pre­ga­dos e a cri­se eco­nó­mi­ca e fi­nan­cei­ra veio agra­var ain­da mais o pro­ble­ma do de­sem­pre­go, já que mui­tas em­pre­sas ti­ve­ram de re­du­zir pes­so­al ou, nos ca­sos mais ex­tre­mos, de fe­char as su­as por­tas.

Te­mos de dar mui­ta im­por­tân­cia aos cen­tros de for­ma­ção pro­fis­si­o­nal. Pa­ra mim o ide­al era que to­dos os mu­ni­cí­pi­os do país ti­ves­sem cen­tros de for­ma­ção pro­fis­si­o­nal pa­ra for­mar jo­vens em vá­ri­as áre­as do sa­ber. É bom que os jo­vens apren­dam vá­ri­os ofí­ci­os, par­ti­cu­lar­men­te aque­les que são mui­to pro­cu­ra­dos.

Cri­ou-se a ideia de que só com cur­sos su­pe­ri­o­res é que se con­se­gue ven­cer na vi­da e vi­ver com dig­ni­da­de. Eu não pen­so as­sim. Po­de­mos vi­ver com dig­ni­da­de ten­do uma pro­fis­são que nos dê ren­di­men­tos ca­pa­zes de re­sol­ver­mos os nos­sos pro­ble­mas. Co­nhe­ço mui­tos an­go­la­nos que têm pe­que­nos ne­gó­ci­os e que con­se­guem sus­ten­tar as su­as fa­mí­li­as, sem nun­ca te­rem es­ta­do nu­ma uni­ver­si­da­de.

As uni­ver­si­da­des são ne­ces­sá­ri­as em qual­quer par­te do mun­do, mas te­mos de per­ce­ber que nem to­dos os jo­vens que­rem ir às uni­ver­si­da­des. Há mes­mo jo­vens, e não são pou­cos, que não têm pos­si­bi­li­da­de de pa­gar es­tu­dos uni­ver­si­tá­ri­os. Que se cri­em mais es­co­las de for­ma­ção pro­fis­si­o­nal em to­do o país, pa­ra que mui­tos jo­vens te­nham uma pro­fis­são, evi­tan­do-se as­sim que ci­da­dãos de ten­ra ida­de se en­tre­guem a ac­tos an­ti-so­ci­ais.

Pro­mo­ver a com­pe­tên­cia

O nos­so país tem ain­da um lon­go ca­mi­nho a per­cor­rer pa­ra che­gar ao de­sen­vol­vi­men­to. É lou­vá­vel os es­for­ços que se têm fei­to pa­ra se me­lho­rar a qua­li­da­de do nos­so en­si­no. Sem en­si­no de qua­li­da­de, não con­se­gui­re­mos es­tar à al­tu­ra dos ac­tu­ais desafios que te­mos.

A apos­ta na qua­li­da­de do nos­so en­si­no, do pri­má­rio ao su­pe­ri­or, é acer­ta­da. Tem de ha­ver mu­dan­ças no nos­so sis­te­ma de en­si­no e to­dos de­ve­mos aju­dar o sec­tor da Edu­ca­ção a re­a­li­zá-las. Sei que há pes­so­as que não gos­tam das mu­dan­ças, por di­ver­sas ra­zões. Mas es­tas pes­so­as são uma mi­no­ria. Os in­te­res­ses dos an­go­la­nos de­vem es­tar aci­ma de in­te­res­ses in­di­vi­du­ais. Te­mos que co­me­çar a va­lo­ri­zar a ex­ce­lên­cia. Te­mos de ter qua­dros no país com ele­va­da com­pe­tên­cia. E a com­pe­tên­cia con­se­gue-se com qua­li­da­de no en­si­no. Ho­je a Co­reia do Sul é o que é por­que apos­tou no en­si­no e mui­tos ou­tros paí­ses es­tão a re­or­ga­ni­zar os seus sis­te­mas de en­si­no pa­ra ace­le­rar os seus pro­ces­sos de cres­ci­men­to eco­nó­mi­co e de­sen­vol­vi­men­to. Com o en­si­no não se brin­ca. É pre­ci­so le­var a sé­rio o pro­ces­so de mu­dan­ças do sec­tor da edu­ca­ção , pa­ra que An­go­la ca­mi­nhe se­gu­ra­men­te pa­ra o pro­gres­so.

Cor­tes de ener­gia

Ul­ti­ma­men­te tem ha­vi­do em vá­ri­os bair­ros de Lu­an­da cons­tan­tes cor­tes de ener­gia eléc­tri­ca. Não per­ce­bo a ra­zão des­tes cor­tes. De há um tem­po pa­ra cá o abas­te­ci­men­to de ener­gia eléc­tri­ca, pe­lo me­nos no meu bair­ro, o Pren­da, es­ta­va re­gu­la­ri­za­da. Os mo­ra­do­res do meu bair­ro já fi­ca­ram vá­ri­os me­ses sem re­gis­to de qual­quer cor­te de ener­gia. O que es­tá en­tão a acon­te­cer ago­ra? Diz-se que por al­tu­ra das chu­vas es­tas si­tu­a­ções de cor­tes acon­te­cem. Não sei se é dis­so que se tra­ta. Era bom que a ENDE emi­tis­se um co­mu­ni­ca­do pa­ra di­zer às pes­so­as o que re­al­men­te se pas­sa.

Se há pro­ble­mas que não vão ser re­sol­vi­dos ra­pi­da­men­te, que se co­mu­ni­que às pes­so­as com a de­vi­da an­te­ce­dên­cia dos cor­tes de ener­gia, pa­ra que es­tas pos­sam pla­ni­fi­car as su­as vi­das.

Os cor­tes de ener­gia cons­tan­tes cau­sam mui­tos trans­tor­nos aos ci­da­dãos. Apro­vei­to es­te es­pa­ço pa­ra in­cen­ti­var os tra­ba­lha­do­res da ENDE, em par­ti­cu­lar a sua di­rec­ção, pa­ra que con­ti­nue a fa­zer es­for­ços no sen­ti­do de pres­tar um bom ser­vi­ço às po­pu­la­ções.

CASIMIRO PEDRO

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.