O en­si­no e os qua­dros

Jornal de Angola - - OPINIÃO -

É in­ques­ti­o­ná­vel que a for­ma­ção é as­sun­to mui­to im­por­tan­te em qual­quer país do mun­do. Não é por aca­so que inú­me­ros paí­ses co­lo­cam co­mo uma das su­as pri­mei­ras pri­o­ri­da­des a edu­ca­ção, um sec­tor vi­tal pa­ra o de­sen­vol­vi­men­to.

No nos­so país a edu­ca­ção é tam­bém uma ques­tão a que as nos­sas au­to­ri­da­des pres­tam es­pe­ci­al aten­ção, o que é com­pre­en­sí­vel, ten­do em aten­ção os gran­des ob­jec­ti­vos que se pre­ten­de al­can­çar pa­ra que as cir­cuns­tân­ci­as te­nham bem-es­tar.

An­go­la es­tá num pro­ces­so de cons­tru­ção de uma sociedade prós­pe­ra. E es­te pro­ces­so é lon­go e com­ple­xo, pe­lo que faz to­do o sen­ti­do que se es­te­ja a apos­tar na edu­ca­ção, um sec­tor que de­ve me­re­cer tra­ta­men­to es­pe­ci­al, no sen­ti­do de re­a­li­za­rem trans­for­ma­ções ne­ces­sá­ri­as des­ti­na­das a mu­dar mui­ta coi­sa no en­si­no.

Que­re­mos to­dos um en­si­no de al­to ní­vel, mas é pre­ci­so que ul­tra­pas­se­mos vá­ri­os obs­tá­cu­los, um dos quais é a re­sis­tên­cia que ain­da exis­te pa­ra im­pe­dir que se pro­ce­dam a mu­dan­ças no nos­so sis­te­ma de en­si­no. Tem de ha­ver pa­tri­o­tis­mo nes­te pro­ces­so de mu­dan­ças no nos­so sis­te­ma de en­si­no. O que es­tá mal de­ve ser ex­tir­pa­do. Te­mos de su­pe­rar to­das as si­tu­a­ções ne­ga­ti­vas que afec­tam o nos­so en­si­no.

O país não po­de con­ti­nu­ar a ter, por exem­plo, es­co­las mé­di­as e su­pe­ri­o­res com re­sul­ta­dos me­dío­cres em ter­mos de qua­li­da­de dos qua­dros que por lá pas­sam. De­ve ha­ver, co­mo acon­te­ce nou­tros paí­ses, um com­ba­te à me­di­o­cri­da­de. Te­mos to­dos de nos pre­o­cu­par em ter um en­si­no que dê ele­va­das com­pe­tên­ci­as aos nos­sos qua­dros mé­di­os e su­pe­ri­o­res. Já ti­ve­mos no pas­sa­do es­co­las de gran­de qua­li­da­de, mes­mo de­pois da in­de­pen­dên­cia. Cons­ti­tui exem­plo dis­so o fac­to de mui­tos qua­dros an­go­la­nos que iam pa­ra o ex­te­ri­or do país fa­zer es­tu­dos mais avan­ça­dos te­rem um bom apro­vei­ta­men­to, com no­tas al­tas, ao ní­vel das en­ge­nha­ri­as, do di­rei­to, da eco­no­mia e da ar­qui­tec­tu­ra, pa­ra só ci­tar es­tes ra­mos do sa­ber.

Um pro­ces­so de mu­dan­ças na edu­ca­ção im­pli­ca es­for­ços múl­ti­plos, sen­do ne­ces­sá­rio que as au­to­ri­da­des acom­pa­nhem de per­to to­das as fa­ses do pro­gra­ma de re­es­tru­tu­ra­ção do nos­so en­si­no, que pre­ci­sa de co­nhe­cer ur­gen­te­men­te no­vos ru­mos, pa­ra po­der ser­vir ca­da vez me­lhor o nos­so país.

Que não ha­ja he­si­ta­ções pa­ra se pro­ce­der a mu­dan­ças. As au­to­ri­da­des de­vem ca­mi­nhar com to­dos os que es­tão dis­po­ní­veis pa­ra re­a­li­zar efec­ti­va­men­te trans­for­ma­ções do nos­so en­si­no. É pre­ci­so apos­tar na­que­les téc­ni­cos e de­ci­so­res que es­tão re­al­men­te de­ter­mi­na­dos a mu­dar mui­ta coi­sa no en­si­no. Quem não quer mu­dan­ças no en­si­no, no sen­ti­do de se me­lho­rar a sua qua­li­da­de, não de­ve ser par­te da so­lu­ção dos pro­ble­mas. Os que cons­ti­tu­em um pro­ble­ma pa­ra o pro­ces­so de mu­dan­ças não de­vem fa­zer par­te do re­for­ço que se faz pa­ra que o en­si­no em An­go­la me­lho­re.

An­go­la co­me­mo­rou re­cen­te­men­te 41 anos de in­de­pen­dên­cia. Não é pou­co tem­po. É ho­ra de co­me­çar­mos a re­sol­ver mui­tos dos nos­sos pro­ble­mas, em par­ti­cu­lar os do en­si­no. Não po­de­mos es­tar per­ma­nen­te­men­te a fa­zer cons­ta­ta­ções so­bre o que vai mal no nos­so en­si­no. Os pro­ble­mas que te­mos no en­si­no es­tão há mui­to iden­ti­fi­ca­dos. É mo­men­to de ac­ção.

E pa­re­ce que já se sa­be o que se de­ve fa­zer pa­ra se mu­dar is­to e aqui­lo. E de­ve ha­ver de­ter­mi­na­ção na exe­cu­ção dos pro­gra­mas des­ti­na­dos a re­a­li­zar as mu­dan­ças ne­ces­sá­ri­as no nos­so en­si­no. Não po­de­mos per­mi­tir que in­te­res­ses in­di­vi­du­ais e egoís­tas con­ti­nu­em a tra­var o pro­ces­so de trans­for­ma­ções pro­fun­das no nos­so en­si­no, em par­ti­cu­lar o su­pe­ri­or.

É bom for­mar mui­tos qua­dros su­pe­ri­o­res, mas é ain­da me­lhor qua­dros su­pe­ri­o­res com ele­va­da qua­li­da­de. Há ain­da em­pre­sas e de­par­ta­men­tos mi­nis­te­ri­ais an­go­la­nos que têm de re­cor­rer a uma quan­ti­da­de con­si­de­rá­vel de qua­dros es­tran­gei­ros pa­ra re­sol­ve­rem mui­tos dos nos­sos pro­ble­mas. Te­mos de tra­ba­lhar no sen­ti­do de ir­mos re­du­zin­do o nú­me­ro de mão-de­o­bra es­tran­gei­ra, que nos faz gas­tar mui­tos mi­lhões de dó­la­res. Con­se­gue­se es­ta re­du­ção se ti­ver­mos bo­as es­co­las ou se ti­ver­mos aces­so ao co­nhe­ci­men­to que é trans­mi­ti­do em ins­ti­tui­ções de en­si­no es­tran­gei­ras de al­to ní­vel. Mui­tos paí­ses com um bai­xo nú­me­ro de qua­dros de ele­va­da com­pe­tên­cia op­ta­ram, além de tra­ba­lha­rem pa­ra o au­men­to da qua­li­da­de do seu en­si­no, por man­dar ci­da­dãos seus a pres­ti­gi­a­das es­co­las de ou­tros Es­ta­dos com re­sul­ta­dos po­si­ti­vos, em ter­mos de apli­ca­ção dos seus co­nhe­ci­men­tos nas su­as ter­ras de ori­gem. A al­ter­na­ti­va é avan­çar­mos de­ci­di­da­men­te com as re­for­mas que es­tão no pa­pel. Os exe­cu­tan­tes das re­for­mas de­vem ser pes­so­as que es­te­jam re­al­men­te ani­ma­das da von­ta­de de fa­zer avan­çar o país ao ní­vel da edu­ca­ção. O pro­ces­so de de­sen­vol­vi­men­to re­quer tra­ba­lho ár­duo, e es­te tra­ba­lho de­ve ser fei­to no do­mí­nio da edu­ca­ção, sec­tor que nos po­de­rá pro­por­ci­o­nar ele­va­da qua­li­da­de de vi­da.

Os qua­dros com ele­va­da com­pe­tên­cia po­dem re­a­li­zar obras que vão apro­vei­tar a to­das as co­mu­ni­da­des. A pros­pe­ri­da­de de um país cons­trói-se tam­bém com bons qua­dros. Te­mos de en­ca­rar o en­si­no co­mo um sec­tor de su­ma im­por­tân­cia pa­ra a nos­sa vi­da co­mo Na­ção que quer com­ba­ter a po­bre­za e o sub­de­sen­vol­vi­men­to.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.