Três anos mais tar­de a es­pe­ran­ça re­nas­ce*

Jornal de Angola - - OPINIÃO -

Há três anos, a Re­pú­bli­ca Cen­tro Afri­ca­na es­ta­va à bei­ra do co­lap­so mas, ho­je em dia, o país mu­dou de ru­mo. Os ci­da­dãos cen­tro-afri­ca­nos de­ci­di­ram vi­rar a pá­gi­na atra­vés de elei­ções li­vres e de­mo­crá­ti­cas.

A co­mu­ni­da­de in­ter­na­ci­o­nal tem acom­pa­nha­do to­das as eta­pas da tran­si­ção, a fim de que a cri­se se­ja ul­tra­pas­sa­da de for­ma de­fi­ni­ti­va. Exis­te ago­ra a es­pe­ran­ça de que o país pos­sa ini­ci­ar um pro­ces­so de re­cu­pe­ra­ção e re­no­va­ção.

O prin­ci­pal fac­tor de êxi­to são os pró­pri­os cen­tro-afri­ca­nos, o seu de­se­jo de paz, de pros­pe­ri­da­de e de se­gu­ran­ça. Mas a co­mu­ni­da­de in­ter­na­ci­o­nal, en­tre os quais An­go­la, tem igual­men­te um pa­pel fun­da­men­tal a de­sem­pe­nhar. As ne­ces­si­da­des de re­cons­tru­ção es­ti­mam-se em 1.5 mil mi­lhões de dó­la­res pa­ra os pró­xi­mos três anos. Na con­fe­rên­cia de Bru­xe­las pa­ra a RCA, no dia 17 de No­vem­bro, com­pro­me­ter-nos-emos em con­jun­to a man­ter a Re­pú­bli­ca Cen­tro Afri­ca­na no cen­tro da agen­da in­ter­na­ci­o­nal, a apoi­ar um am­bi­ci­o­so pla­no pa­ra a paz e o cres­ci­men­to e a fa­zer avan­çar as re­for­mas de que o país ne­ces­si­ta nos pró­xi­mos anos.

Os desafios que se avi­zi­nham são enor­mes. Ten­sões re­cen­tes de­mons­tra­ram que a via da re­con­ci­li­a­ção e da re­cons­tru­ção na­ci­o­nal con­ti­nua a es­tar re­ple­ta de obs­tá­cu­los. A si­tu­a­ção a ní­vel da se­gu­ran­ça, em­bo­ra es­te­ja a me­lho­rar, con­ti­nua a ser frá­gil, de­vi­do às ten­ta­ti­vas le­va­das a ca­bo por ele­men­tos per­tur­ba­do­res de in­ci­tar à vi­o­lên­cia. É ca­da vez mais di­fí­cil às agên­ci­as hu­ma­ni­tá­ri­as che­ga­rem aos cer­ca de 2,3 mi­lhões de pes­so­as que per­ma­ne­cem ca­ren­tes de as­sis­tên­cia — ou se­ja, me­ta­de da po­pu­la­ção. Mais de 380 mil ho­mens, mu­lhe­res e cri­an­ças es­tão des­lo­ca­dos no in­te­ri­or do país.

Os ata­ques con­tra os cam­pos on­de se en­con­tram alo­ja­dos, as­sim co­mo os ata­ques con­tra os par­cei­ros hu­ma­ni­tá­ri­os, con­tri­buí­ram pa­ra uma si­tu­a­ção ca­tas­tró­fi­ca.

Pa­ra que­brar o ci­clo de fra­gi­li­da­de, o país ne­ces­si­ta de in­ves­ti­men­tos a lon­go pra­zo. A paz, a co­e­são so­ci­al e a uni­da­de na­ci­o­nal só po­de­rão ser al­can­ça­dos atra­vés do de­sen­vol­vi­men­to a lon­go pra­zo.

Por es­ta ra­zão, a Re­pú­bli­ca Cen­tro Afri­ca­na, jun­ta­men­te com os seus par­cei­ros in­ter­na­ci­o­nais, com­pro­me­teu-se com o es­for­ço co­lec­ti­vo sem pre­ce­den­tes pa­ra tra­çar uma saí­da sus­ten­tá­vel pa­ra o país.

Um pla­no quin­que­nal pa­ra a re­cu­pe­ra­ção e con­so­li­da­ção da paz — ela­bo­ra­do pe­lo Go­ver­no, jun­ta­men­te com as Na­ções Uni­das, a União Eu­ro­peia e o Ban­co Mun­di­al, em con­sul­ta com a po­pu­la­ção — se­rão apre­sen­ta­dos na con­fe­rên­cia de Bru­xe­las.

Es­te ro­tei­ro po­de­rá aju­dar a con­cre­ti­zar as ex­pec­ta­ti­vas e as­pi­ra­ções dos cen­tro-afri­ca­nos: de paz e se­gu­ran­ça à re­cu­pe­ra­ção eco­nó­mi­ca; de me­lho­rar as in­fra-es­tru­tu­ras do país ao for­ne­ci­men­to de ser­vi­ços es­sen­ci­ais, co­mo a saú­de, o sa­ne­a­men­to e a edu­ca­ção. O pro­gra­ma pre­vê uma es­tra­té­gia em ma­té­ria de de­sar­ma­men­to, des­mo­bi­li­za­ção, rein­te­gra­ção e re­pa­tri­a­men­to; a tão ne­ces­sá­ria re­for­ma do sec­tor de se­gu­ran­ça e jus­ti­ça; e uma es­tra­té­gia pa­ra o re­gres­so das pes­so­as des­lo­ca­das. A co­mu­ni­da­de in­ter­na­ci­o­nal po­de e de­ve apoi­ar o Go­ver­no na exe­cu­ção des­te pla­no. Ao lon­go dos úl­ti­mos três anos te­mos já de­mons­tra­do que, em con­jun­to, so­mos mais for­tes. Uma mis­são de ma­nu­ten­ção da paz das Na­ções Uni­das se­guiu a uma for­ça re­gi­o­nal li­de­ra­da pe­la União Afri­ca­na em 2014. Des­de en­tão tem es­ta­do a pro­te­ger a po­pu­la­ção ci­vil, ga­ran­tin­do a se­gu­ran­ça e re­for­çan­do as au­to­ri­da­des na­ci­o­nais.

O Ban­co Mun­di­al es­tá a aju­dar a me­lho­rar a ges­tão das fi­nan­ças pú­bli­cas, a pro­mo­ver a cri­a­ção de em­pre­go pa­ra as co­mu­ni­da­des vul­ne­rá­veis, e a res­ta­be­le­cer os ser­vi­ços bá­si­cos e as in­fra-es­tru­tu­ras. A União Eu­ro­peia mo­bi­li­zou to­dos os seus ins­tru­men­tos de po­lí­ti­ca ex­ter­na, en­vi­ou três mis­sões mi­li­ta­res eé o mai­or pres­ta­dor in­ter­na­ci­o­nal de aju­da de emer­gên­cia.

Es­ta­mos to­dos dis­pos­tos a fa­zer ain­da mais nos pró­xi­mos anos. Em Bru­xe­las, ire­mos in­cen­ti­var os nos­sos par­cei­ros in­ter­na­ci­o­nais a dar o seu con­tri­bu­to e a in­ves­tir no fu­tu­ro da RCA. Dis­po­mos ago­ra de uma es­tra­té­gia am­bi­ci­o­sa, abran­gen­te e apoi­a­da pe­lo Go­ver­no e pe­lo po­vo da Re­pú­bli­ca Cen­tro Afri­ca­na.

O re­tor­no dos in­ves­ti­men­tos não só se­rá be­né­fi­co pa­ra o país, mas pa­ra to­da a re­gião, afec­ta­da pe­la vo­la­ti­li­da­de e que aco­lhe cer­ca de meio mi­lhão de re­fu­gi­a­dos.

A Re­pú­bli­ca Cen­tro Afri­ca­na po­de ser uma ter­ra de opor­tu­ni­da­des. Não sim­ples­men­te por cau­sa dos re­cur­sos na­tu­rais do país, ou por for­ça da sua po­si­ção es­tra­té­gi­ca co­mo pla­ta­for­ma pa­ra a co­nec­ti­vi­da­de re­gi­o­nal. Os ci­da­dãos cen­tro­a­fri­ca­nos que­rem re­gres­sar às su­as vi­das e re­cons­truir o país.

Os pa­dres, os imãs e os lí­de­res co­mu­ni­tá­ri­os es­tão a de­sem­pe­nhar um pa­pel fun­da­men­tal no pro­ces­so de re­con­ci­li­a­ção na­ci­o­nal. Ses­sen­ta por cen­to da po­pu­la­ção do país tem me­nos de 25 anos de ida­de: en­tre es­tes exis­te uma von­ta­de e um de­se­jo enorme de re­ge­ne­ra­ção, mas pre­ci­sam de pos­tos de tra­ba­lho e opor­tu­ni­da­des eco­nó­mi­cas pa­ra o fu­tu­ro.

No 17 de No­vem­bro, em Bru­xe­las, po­de­mos aju­dar o po­vo da Re­pú­bli­ca Cen­tro Afri­ca­na a de­sen­ca­de­ar, por fim, o seu enorme po­ten­ci­al inex­plo­ra­do.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.