Mu­lhe­res são acon­se­lha­das a evi­tar par­tos em ca­sa

Ob­jec­ti­vo é di­mi­nuir a mor­ta­li­da­de ma­ter­na e in­fan­til em co­mu­ni­da­des da pro­vín­cia da Huí­la

Jornal de Angola - - PROVÍNCIAS - JOÃO LUHACO|

O nú­me­ro ele­va­do de par­tos re­a­li­za­dos na pe­ri­fe­ria por pes­so­as sem ha­bi­li­da­de téc­ni­ca pre­o­cu­pa a di­rec­ção da Maternidade do Lu­ban­go “Irene Ne­to”, re­ve­lou on­tem, na­que­la ci­da­de, o res­pon­sá­vel da uni­da­de sa­ni­tá­ria.

Flá­vio Hi­lá­rio con­si­de­rou gra­ves as con­sequên­ci­as do tra­ba­lho de par­to fei­to fo­ra das uni­da­des es­pe­ci­a­li­za­das, cor­ren­do-se o ris­co de co­lo­car a mãe e o re­cém-nas­ci­do um so­fri­men­to fa­tal. Su­bli­nhou que pa­ra se ter um ser­vi­ço de par­to em con­di­ções é ne­ces­sá­rio que ha­ja uma ver­da­dei­ra Uni­da­de de Tra­ta­men­tos In­ten­si­vos (UTI) ne­o­na­tal, cu­ja ins­ta­la­ção exi­ge gran­des in­ves­ti­men­tos.

“Não so­mos apo­lo­gis­tas de abo­lir os par­tos nos do­mi­cí­li­os, mas de­se­ja­mos que to­dos os par­tos se­jam re­a­li­za­dos em lo­cais se­gu­ros co­mo, por exem­plo, num cen­tro de saú­de ou num pos­to de saú­de on­de ha­ja uma en­fer­mei­ra e/ou par­tei­ra for­ma­da e não ape­nas aque­las cu­ri­o­sas que que­rem fa­zer a to­do cus­to um par­to em ca­sa”, ob­ser­vou.

O di­rec­tor da maternidade do Lu­ban­go dis­se que mui­tas mu­lhe­res ges­tan­tes re­cor­rem a es­tes ser­vi­ços por con­fi­ar nas pes­so­as que se iden­ti­fi­cam co­mo par­tei­ra, sem se ter em con­ta que nem sem­pre as mes­mas sa­bem di­ag­nos­ti­car um tra­ba­lho de par­to em pe­ri­go.

Nal­guns ca­sos, ex­pli­cou Flá­vio Hi­lá­rio, há ges­tan­tes que se apre­sen­tam com pro­ble­mas pél­vi­cos e che­gam a uma al­tu­ra em que aca­bam por ser eva­cu­a­das pa­ra o hos­pi­tal, Con­ti­nu­am as cam­pa­nhas de sen­si­bi­li­za­ção pa­ra as mu­lhe­res em es­ta­do de ges­ta­ção par­ti­ci­pa­rem em con­sul­tas pré-na­tais por­que têm de ser ope­ra­das. Com ba­se nes­te pres­su­pos­to, Flá­vio Hi­lá­rio dis­se que es­te tem­po que a ges­tan­te fi­ca em so­fri­men­to em ca­sa a es­pe­ra que se efec­tue o par­to, quan­do de­ci­dir ir ao hos­pi­tal, o be­bé tam­bém pas­sa por maus mo­men­tos e mui­tas d ve­zes aca­ba por fa­le­cer.

“Es­tes ca­sos são mui­to fre­quen­tes e se re­gis­tam nos ban­cos de ur­gên­cia qua­se to­dos os di­as. Pa­ra se evi­tar si­tu­a­ções do gé­ne­ro, te­mos lan­ça­do ape­los pa­ra as pes­so­as dei­xa­rem de dar à luz em ca­sa, pois não há ne­ces­si­da­de pa­ra se cor­rer ris­co, con­for­me te­mos ob­ser­va­do”, acon­se­lhou o di­rec­tor da maternidade do Lu­ban­go.

Ta­xa al­ta de na­ta­li­da­de

O di­rec­tor da Maternidade do Lu­ban­go “Irene Ne­to” in­for­mou que a mé­dia diá­ria de par­tos es­tá aci­ma de 70, mas lem­brou que as ta­xas de na­ta­li­da­de na uni­da­de sa­ni­tá­ria fo­ram sem­pre al­tas, com­pa­ra­ti­va­men­te ao nú­me­ro de ha­bi­tan­tes da re­gião. “Há uns anos atrás tí­nha­mos uma mé­dia de 35 par­tos diá­ri­os e ho­je es­ta­mos a ca­mi­nhar pa­ra mais de 70 por dia. Pre­ve­mos que até 2017 o nú­me­ro de par­tos su­ba pa­ra os 100 por dia, que cor­res­pon­de à mé­dia de al­guns hos­pi­tais e maternidade de Lu­an­da”, sa­li­en­tou o di­rec­tor da maternidade.

Flá­vio Hi­lá­rio re­co­nhe­ceu que pa­ra se atin­gir tal ci­fra é ne­ces­sá­rio re­do­brar es­for­ços no tra­ba­lho de in­fra­es­tru­tu­ras e na for­ma­ção de qua­dros, in­for­man­do que têm es­ta­do a re­vo­lu­ci­o­nar a área de par­tos, dan­do for­ma­ção per­ma­nen­te as en­fer­mei­ras.

“O hos­pi­tal não dis­põe de en­fer­mei­ras do ci­clo bá­si­co de for­ma­ção à ní­vel da sa­la de par­tos, to­das são es­pe­ci­a­li­za­das, o que po­de­mos con­si­de­rar ser um bom pas­so, pre­ten­de­mos fa­zer o mes­mo na ne­o­na­to­lo­gia, pa­ra po­der­mos brin­dar a po­pu­la­ção com um ser­vi­ço de qua­li­da­de e bai­xar­mos as ta­xas de mor­ta­li­da­de, dis­se Flá­vio Hi­lá­rio.

“Até 2013, a Maternidade do Lu­ban­go re­gis­ta­va uma ta­xa de mor­ta­li­da­de neo-na­tal pre­co­ce a ní­vel do ber­çá­rio na or­dem dos 58 por cen­to, mas dis­se que ac­tu­al­men­te bai­xou pa­ra 17, o que dei­xa sa­tis­fei­ta a di­rec­ção da uni­da­de sa­ni­tá­ria da pro­vín­cia”, con­ti­nu­ou Flá­vio Hi­lá­rio.

Pa­ra que se fa­ça um par­to se­gu­ro, Flá­vio Hi­lá­rio lan­çou um rep­to às mães grá­vi­das no sen­ti­do de efec­tu­a­rem as su­as con­sul­tas pré na­tais em cen­tros de saú­de e pe­diu as par­tu­ri­en­tes que apre­sen­tam ca­sos de riscos a se di­ri­gi­rem à maternidade ou pri­ma­rem sem­pre pa­ra que os par­tos se re­a­li­zem em sí­ti­os pró­pri­os e se­gu­ros. No Lu­ban­go há sa­las de par­to na pe­ri­fe­ria, nos bair­ros Nam­bam­be, Mit­cha, Rio Ca­pi­tão e na co­mu­na da Hui­la. A Maternidade do Lu­ban­go es­tá equi­pa­da com mei­os téc­ni­cos mo­der­nos e dis­põe de ser­vi­ços de con­sul­tas de gi­ne­co­lo­gia e obs­te­trí­cia pa­ra grá­vi­das nor­mais e de al­to ris­co.

ARIMATEIA BAP­TIS­TA

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.