Mem­bros da UE apro­vam pla­no B

Che­fe da di­plo­ma­cia da UE Federica Mogherini ne­ga que paí­ses do blo­co re­jei­tem Do­nald Trump

Jornal de Angola - - PARTADA -

A União Eu­ro­peia (UE) apro­vou um pla­no pa­ra re­for­çar a área de de­fe­sa e se­gu­ran­ça pa­ra res­pon­der aos no­vos desafios, ten­do em con­ta o con­tex­to de in­cer­te­zas que exi­ge dos paí­ses mem­bros e or­ga­ni­za­ções in­ter­na­ci­o­nais mai­or efi­cá­cia na de­fe­sa dos in­te­res­ses mun­di­ais.

A União Eu­ro­peia (UE) apro­vou um pla­no pa­ra re­for­çar a área de de­fe­sa e se­gu­ran­ça pa­ra res­pon­der aos no­vos desafios, ten­do em con­ta o con­tex­to de in­cer­te­zas que exi­ge dos paí­ses mem­bros e or­ga­ni­za­ções in­ter­na­ci­o­nais mai­or efi­cá­cia na de­fe­sa dos in­te­res­ses mun­di­ais.

A che­fe da di­plo­ma­cia eu­ro­peia, Federica Mogherini, re­jei­tou a ideia de que a pre­o­cu­pa­ção de Bru­xe­las com a De­fe­sa e Se­gu­ran­ça é uma res­pos­ta à po­si­ção do Pre­si­den­te elei­to dos Es­ta­dos Uni­dos, que pre­ten­de re­du­zir o apoio fi­nan­cei­ro e mi­li­tar pres­ta­do à Ali­an­ça Atlân­ti­ca (OTAN, ini­ci­ais em por­tu­guês da Or­ga­ni­za­ção do Tra­ta­do do Atlân­ti­co Nor­te).

Do­nald Trump pro­me­teu re­ver o com­pro­mis­so de fi­nan­ci­a­men­to à or­ga­ni­za­ção tran­sa­tlân­ti­ca, por achar que os ou­tros par­cei­ros tam­bém de­vi­am fa­zer mais pe­la OTAN e não es­pe­rar ape­nas pe­lo em­pe­nho dos Es­ta­dos Uni­dos.

So­bre o as­sun­to, o Pre­si­den­te ces­san­te, Ba­rack Oba­ma, que es­tá de vi­si­ta à Eu­ro­pa, dis­se que pre­ten­de trans­mi­tir aos paí­ses eu­ro­peus que o seu su­ces­sor vai man­ter os com­pro­mis­sos dos EUA com a OTAN.

“Co­me­çá­mos es­se pro­ces­so mui­to an­tes das elei­ções nor­te-ame­ri­ca­nas”, afir­mou a che­fe da di­plo­ma­cia eu­ro­peia, Federica Mogherini, no fi­nal de uma reu­nião dos mi­nis­tros das Re­la­ções Ex­te­ri­o­res e da De­fe­sa con­sa­gra­da à co­o­pe­ra­ção mi­li­tar. As de­cla­ra­ções da che­fe da di­plo­ma­cia eu­ro­peia, Federica Mogherini, não­co­lhem sim­pa­tia,e mos­tram uma UE bas­tan­te pre­o­cu­pa­da com de­ci­sões que po­dem che­gar da Ca­sa Bran­ca em re­la­ção aos com­pro­mis­so com a eu­ro­pa. O Rei­no Uni­do sem­pre se mos­trou re­ti­cen­te a qual­quer ac­tu­a­ção que pu­des­se mi­nar a OTAN, mas, após a sua de­ci­são em Ju­nho de aban­do­nar a UE, a Fran­ça e a Ale­ma­nha re­to­ma­ram os seus pla­nos de in­ten­si­fi­car a área de de­fe­sa da Eu­ro­pa, o que ga­nha mais im­por­tân­cia com a vi­tó­ria de Do­nald Trump nas elei­ções pre­si­den­ci­ais os EUA.

Itá­lia e a Es­pa­nha li­de­ram os de­fen­so­res do re­for­ço da de­fe­sa co­mum. O mi­nis­tro da De­fe­sa da Ale­ma­nha, Ur­su­la von der Leyen, dis­se que “in­de­pen­den­te­men­te do re­sul­ta­do das elei­ções nor­te-ame­ri­ca­nas, os eu­ro­peus pre­ci­sam as­su­mir mais res­pon­sa­bi­li­da­des”. Os eu­ro­peus pre­ci­sam de dei­xar de so­nhar com um exér­ci­to eu­ro­peu e au­men­tar as su­as des­pe­sas mi­li­ta­res pa­ra 2 por cen­to do PIB co­mo es­ti­pu­la a OTAN, apon­tou o mi­nis­tro da De­fe­sa bri­tâ­ni­co, Mi­cha­el Fal­lon.

O Rei­no Uni­do, Es­tó­nia, Gré­cia e Po­ló­nia são os úni­cos dos 22 mem­bros da União Eu­ro­peia na Ali­an­ça Atlân­ti­ca que cum­prem es­sa me­ta. Os EUA as­su­mem os dois ter­ços do or­ça­men­to mi­li­tar da Ali­an­ça Atlân­ti­ca, o que le­vou Do­nald Trump a de­cla­rar du­ran­te a cam­pa­nha elei­to­ral que se os paí­ses eu­ro­peus não au­men­tas­sem as su­as con­tri­bui­ções em ma­té­ria de de­fe­sa, os EUA não cum­pri­ri­am o seu com­pro­mis­so de apoio mú­tuo. O qua­dro agra­va com a apa­ren­te boa sin­to­nia en­tre Do­nald Trump e o Pre­si­den­te rus­so, Vla­di­mir Pu­tin.

Es­tru­tu­ra per­ma­nen­te

O pla­no em ma­té­ria de se­gu­ran­ça e de­fe­sa, apro­va­do na se­gun­da-fei­ra, re­pre­sen­ta uma das fer­ra­men­tas que os man­da­tá­ri­os eu­ro­peus acor­da­ram em Se­tem­bro, em Bra­tis­la­va, sem o Rei­no Uni­do, pa­ra res­pon­der às cri­ses do blo­co eu­ro­peu e im­pul­si­o­nar a união. Pa­ra um di­plo­ma­ta eu­ro­peu, tra­ta-se de um bom tex­to com avan­ços sig­ni­fi­ca­ti­vos no cam­po da de­fe­sa, num con­tex­to im­por­tan­te de uma pos­sí­vel re­ti­ra­da dos nor­te-ame­ri­ca­nos. O acor­do evo­ca uma es­tru­tu­ra per­ma­nen­te pa­ra pla­ne­ar e con­du­zir me­lhor as ope­ra­ções ci­vis e mi­li­ta­res da UE. Ac­tu­al­men­te, exis­tem 17 que de­pen­dem de meia dú­zia de cen­tros de co­man­do.

A che­fe da di­plo­ma­cia eu­ro­peia dei­xou cla­ro que não se tra­ta de subs­ti­tuir a OTAN, or­ga­ni­za­ção com a qual os mem­bros da UE vão con­ti­nu­ar a man­ter es­trei­ta co­la­bo­ra­ção.

Federica Mogherini de­ve apre­sen­tar ago­ra as su­as pro­pos­tas so­bre o pla­no, pa­ra que ele pos­sa en­trar em vi­gor no pri­mei­ro se­mes­tre de 2017, de­pois do aval dos man­da­tá­ri­os eu­ro­peus. Pa­ra mui­tos, a saí­da do Rei­no Uni­do da UE e a vi­tó­ria de Do­nald Trump de­ve­ri­am re­pre­sen­tar um avan­ço, até uma mai­or de­fe­sa co­mum eu­ro­peia, ape­sar de nos úl­ti­mos di­as di­ver­sos paí­ses te­rem ex­pres­sa­do as su­as re­ti­cên­ci­as, co­mo a Sué­cia, Ir­lan­da e Áus­tria, qua­li­fi­ca­dos por uma fon­te eu­ro­peia co­mo neu­tros.

“Não hou­ve gran­des he­si­ta­ções du­ran­te a reu­nião. E até às po­si­ções mais con­fli­tu­o­sas fo­ram mais su­a­vi­za­das, o que é uma boa no­tí­cia”, acen­tu­ou a mi­nis­tra da De­fe­sa es­pa­nho­la, Ma­ría Do­lo­res de Cos­pe­dal.

O mi­nis­tro bri­tâ­ni­co da Re­la­ções Ex­te­ri­o­res, Bo­ris John­son, ten­tou acal­mar a in­cer­te­za ge­ra­da com a elei­ção do su­ces­sor de Oba­ma. “Trump é um es­pe­ci­a­lis­ta em che­gar a acor­dos, e se po­de tra­tar de uma opor­tu­ni­da­de pa­ra a Eu­ro­pa”.

AFP

Lí­de­res eu­ro­peus re­cei­am que o Pre­si­den­te elei­to dos Es­ta­dos Uni­dos pas­se pa­ra se­gun­do pla­no os com­pro­mis­sos da Ali­an­ça Atlân­ti­ca

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.